ESPOSA CRENTE SE RENDE AO PAU PRETO DO ANCIÃO PT3

Um conto erótico de Gabriel silva
Categoria: Grupal
Contém 1950 palavras
Data: 14/11/2023 17:23:58
Assuntos: Esposa, Grupal, Igreja, negro, Orgia

Como estava fora de casa, verificava aleatoriamente as câmeras de segurança. Certa tarde, notei uma van da igreja estacionada na calçada em frente à nossa casa. Não há motivo para preocupação, porém, uma semana depois, vejo a mesma van na garagem. Na lateral da van estava escrito a serviço da CCB. Ainda sabendo que minha esposa trabalhava frequentemente como voluntária na igreja, não tive necessidade de me preocupar.

Finalmente, depois de quase um mês longe de casa, cheguei em casa no meio da tarde de sexta-feira. Minha esposa ainda estava no trabalho. Descarreguei o caminhão, tomei banho e simplesmente gostei de ficar sentado em minha casa em vez de em um hotel. Por volta das 3 horas minha esposa chegou em casa. Ela ficou surpresa ao me ver em casa uma semana antes.

Ela me deu um beijo e disse que ia tomar um banho rápido. Isso era incomum para ela, mas imaginei que ela estava fazendo isso por mim. Trinta minutos depois ela apareceu na sala. Ela vestiu seu roupão e tomou consigo uma taça de vinho. Esse também não era seu comportamento normal. Conversamos sobre o que perdi durante meu tempo fora, uma recente tempestade e assim por diante.

"Bem, finalmente aconteceu." ela disse do nada.

"O que finalmente aconteceu?" Eu perguntei, sem saber ao que ela estava se referindo.

Ela tomou um gole de vinho, olhando para mim timidamente: "Fui enegrecida, como você diria."

"Você está puxando minha perna." Eu respondi com uma voz duvidosa, mas o olhar dela dizia o contrário.

Meu coração começou a disparar quando ela confirmou que na verdade tinha um amante negro. Comecei a ficar furioso. Meu pau estava tão duro que doía. Nesse ponto, ela começou a me contar como tudo aconteceu. Eu a interrompia constantemente, pedindo mais detalhes, imaginando a cena na minha cabeça.

Fiquei de joelhos e abri seu roupão. Beijando até suas coxas, lambendo levemente seus lábios. Minha esposa gemeu, aproveitando os prazeres orais que eu lhe proporcionava. Perguntei quando foi a última vez que ela esteve com seu touro e ela me informou há cerca de três dias. Minha esposa também me disse que iria vê-lo novamente amanhã. Ao ouvir isso chupei seu clitóris com entusiasmo, conhecendo seus planos futuros.

Levantei-me e tirei as calças, depois ajoelhei-me entre as pernas dela. Entrei nela facilmente e depois de 5 minutos cheguei ao clímax. Pedi desculpas a ela por gozar tão rápido.

"Tudo bem, estou acostumada." ela respondeu com um sorriso.

Quando cheguei em casa no dia seguinte, fui recebido ao ver novamente a van da igreja em nossa direção. Meu coração disparou e meu pau ficou duro. Eu não estava sendo sorrateiro, mas tomei cuidado para não fazer muito barulho. Quando destranquei a porta, percebi imediatamente que os cães não latiam, então deviam estar nos fundos.

Entrando na sala, pude ouvir minha esposa conversando.

Fui até o quarto e fiquei na porta espiando.

"Jeferson é um e doce." Monique disse.

"Bem, eu não sou seu marido." Julius disse enquanto começava a acariciar seu pau, "e eu quero te enlouquecer de novo!"

Minha esposa estendeu a mão agarrando o pau de ébano, movendo lentamente a mão para cima e para baixo enquanto observava a cabeça de seu pênis entrar e sair do prodigioso prepúcio.

"Por que você não coloca esses lábios no meu pau?" Julius perguntou.

Seguindo a sugestão, Monique inclinou-se sobre sua grande coxa escura. Ela passou a língua pela borda da cabeça de seu pênis. Usando a boca, ela massageou as laterais de sua masculinidade. A mistura de suas brincadeiras anteriores ainda era evidente em seu pênis. Julius colocou sua grande mão direita na parte de trás de sua cabeça, segurando a cabeça de minha esposa enquanto ela se abria e colocava seu pau de touro preto em sua boca.

Monique ergueu os olhos e fez contato visual com Julius. Seu sorriso disse a ela tudo o que ela precisava saber. Sem soltar o pau preto que estava em sua boca, ela se posicionou entre as pernas dele ganhando melhor capacidade de chupar seu pau.

Monique tentou enfiá-lo na garganta, mas não conseguiu, seu pau era grande demais.

"É isso, querida, você é uma boa chupadora de pau. Você gosta de um pau preto, não é?" Julius disse para minha esposa.

Ela acenou com a cabeça sim enquanto continuava cuidando de seu pênis. O pênis preto de Julius agora tinha um brilho brilhante em sua saliva. Monique segurou suas bolas pesadas, enquanto pensava consigo mesma como elas eram enormes em comparação com as de Jeferson. Então ela chegou à conclusão que explica por que Julius ejacula em quantidades tão grandes.

Monique então usou a boca para concentrar sua atenção oral nas bolas dele. Lentamente ela pegava cada um na boca e chupava enquanto acariciava seu pênis. Seus gemidos deram-lhe sua aprovação.

"Droga, isso é bom!" exclamou Julius.

" que bom que você pensa assim." Ela respondeu.

Julius fez sinal para que ela se levantasse. Minha esposa montou em sua cintura e o guiou até sua boceta. Mesmo que ela estivesse molhada e eles tivessem fodido há uma hora, ela ainda estava apertada e levou alguns minutos para seu corpo acomodar seu grande pau preto.

Ela podia sentir a cabeça do pênis dele atingindo seu colo do útero, "Parece que vai sair da minha boca." ela disse gradualmente esfregando seu pau. Julius estendeu a mão e apalpou seus seios, seus seios brancos e claros não eram suficientes para suas grandes mãos negras.

"Você se sente tão bem dentro de mim. Eu não me canso de você." Monique gemeu

"Você não se cansa de mim ou não se cansa de pau preto?" O ancião perguntou.

"Você e seu pau preto." Ela respondeu

"Eu te disse, homens negros têm paus!" ele disse: "Seu marido tem um pau."

Mmmmm, ela gemeu gostando de como esse homem negro fazia seu corpo se sentir.

"Sim, não me canso da sua pika!" Monique ofegou agora aumentando visivelmente o ritmo.

Julius apertou seu seio antes de pegar cada um de seus mamilos entre os dedos e puxá-los. A dor agora se tornou seu prazer sexual.

"Puxe meus mamilos." ela pediu.

Seu touro obedeceu e ela fez uma careta, aproveitando a dor lancinante. Minha esposa se inclinou e Julius chupou um de seus mamilos, sugando gradualmente com mais força e depois usando os dentes. Enquanto ele lhe chupava as mamas e mordia os seus mamilos, ele estendeu a mão e agarrou-lhe o rabo. Apertando e separando suas bochechas. Trabalhando lentamente o dedo indicador em direção à bunda dela.

Inserindo vagarosamente seu grande dedo escuro. Monique gostou da sensação. De alguma forma, esse homem negro fez seu corpo parecer vivo, ela pensou consigo mesma. Nesse ponto, ela sabia que nunca poderia dizer não a ele. Minha esposa balançou os quadris saboreando o prazer do pau e do dedo de Julius.

"Já foi fodido na bunda?" o ancião perguntou.

"Nunca, Jeferson tentou, mas doeu muito."

"Bem, vamos mudar isso!" Ele disse.

Minha esposa abaixou a cabeça e o beijou: “Eu sou sua”. ela disse.

Julius a colocou na posição de missionária. Eles apertaram as mãos enquanto ele continuava a enfiar seu pau nela, "Mas primeiro vamos trabalhar para engravidar você." o pregador explicou.

"Ah, ah, por favor!" ela gemeu.

A cadência deles diminuiu, eles se beijaram apaixonadamente. Do meu ponto de vista, parecia que eles estavam fazendo amor. Meu pau estava tão duro. Eu não tinha certeza se eles sabiam que eu estava lá. Continuei assistindo. Minha esposa o puxou com força contra seu corpo como ela nunca tinha feito comigo. Eu tive um orgasmo nas minhas calças sem nem me tocar.

Então ouvi Julius dizer à minha esposa que estava prestes a gozar. Monique implorou para que ele gozasse dentro dela.

"Oh Deus, Julius, goze, encha-me com você, goze! Oh, oh, goze dentro de mim, eu quero ter seu bebê!" minha esposa branca anunciou.

"Aqui eu gozo Monique!"

Então testemunhei o clímax dos dois amantes ao mesmo tempo, algo que minha esposa e eu nunca fizemos juntos. Este foi realmente um momento especial.

Finalmente, os dois ficaram imóveis. Ele a beijou mais uma vez antes de rolar para a esquerda e se deitar de costas.

Eu extasiei-me no batente da porta, pegando-os de surpresa. Nenhum deles se incomodou em se proteger. Caminhei até o lado da cama de minha esposa e beijei sua testa e disse a ela que a amava e fiz a declaração de que essa pessoa deveria ser Julius.

Em uníssono, ambos disseram que sim e eu disse a ele que foi um prazer finalmente conhecê-lo pessoalmente. Fiquei espantado com o tamanho da sua pika e com a quantidade de esperma que escorria da minha mulher. Ambos notam meu transe.

"Vá em frente." minha esposa disse: “Eu sei que você quer me provar”.

Olhei para ela, depois para seu amante negro e depois para minha esposa. Ela me reafirmou com seu sorriso. Um sorriso que nunca vi. Eu rastejei entre suas pernas e meu olhar travou na copiosa quantidade de fluido perolado derramando dela. Lentamente eu lambi a mistura salgada. Olhando para minha esposa, percebi que ela fechou os olhos. Voltei a lamber sua boceta.

Ela começou a gemer e empurrou a pélvis no meu rosto. Comi a buceta dela como nunca antes.

"Isso é tão bom, Jeferson." ela gemeu: "Você gosta do meu gosto com a massa preta de sêmen preenchendo meu buraco?"

"Sim", respondi e continuei meus esforços.

Julius então se intrometeu: "Acho que você é uma idiota", disse ele à minha esposa.

"Acalme minha pobre buceta machucada, amor." Monique me instruiu. "Lamba-me, querido."

Julius então me perguntou se eu gostava de vê-lo foder minha esposa, e respondi que sim. Em seguida, ele perguntou se eu gostava de comer uma noz preta da minha esposa e eu novamente disse que sim. Lambi e sorvi a semente de Julius da minha esposa, tentando obter cada pedacinho, em uma tentativa fútil de evitar a gravidez de Monique.

O clima foi quebrado pelo som do telefone de Julius tocando. Por alguma razão eu parei, mas Monique prontamente agarrou minha cabeça, guiando-a de volta para seus lábios inchados. Voltei ansiosamente para o rio de creme que fluía de seu ventre. Enquanto ele falava, minha esposa estendeu a mão para agarrar sua masculinidade.

Julius se levantou e foi aí que percebi o que ele estava dando para minha esposa, mesmo flácido ele tinha o dobro do meu pau. Ele se inclinou e beijou minha esposa. Do meu poleiro, observei enquanto ela respondia ao beijo dele. Quando ele se endireitou. Monique se aproximou para sugar seu pau mais uma vez.

Parei de limpar minha esposa enquanto Julius se vestia. Minha esposa simplesmente se deitou na cama com um sorriso muito satisfeito no rosto. Acompanhei Julius até a porta e apertei sua mão. Ele me agradeceu e disse q tinha planos para min. O ancião parecia desgrenhado e pensei comigo mesmo: 'Aposto que os vizinhos estão curiosos para ver um homem negro com as roupas bagunçadas sair de casa e ir embora na van da igreja'.

Rapidamente voltei para minha esposa. Fiquei surpreso por estar ficando duro novamente. Tirei minhas roupas e fiquei entre suas pernas. Normalmente minha esposa é muito apertada, mas hoje não foi assim. Entrei nela com facilidade. A sensação de segundos desleixados foi estranha, mas agradável: quente, molhada e muito escorregadia.

"Eu te amo." Eu disse, beijando minha esposa.

"É melhor você se acostumar." ela disse: "Isso é culpa sua, foi ideia sua."

"Eu sei." Respondi pensando na possibilidade de criar um bebê negro.

Não dei três estocadas antes de gozar novamente, somando meus escassos gastos ao que sobrou do primeiro touro preto de minha esposa.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 32 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 64Seguidores: 166Seguindo: 21Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil de Amandha CD Putinha

Que tesão... que marido maravilhoso... entendeu o tesão da esposa... e beber o sêmen do amante dela... delíciaaaaaaa

0 0