Casa dos Contos Eróticos

FÉRIAS COM MAMÃE, segunda noite

Autor: Sátiro
Categoria: Heterossexual
Data: 01/10/2017 00:14:32
Última revisão: 02/10/2017 09:07:09
Nota 9.50
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Dando continuidade à minha história: no segundo dia de férias, eu passei o dia caminhando, tentando absorver tudo o que acontecera na noite anterior. Era incrivel, mas não e saía da cabeça minha mãe sentada em minha virilha e quando pensei que fosse enfiar o pau na buceta, ela desviou para o seu cú, e controlando-se admiravelmente, ia relaxando e deixando lentamente meu membro a penetrar. Que cena, que cena, ela arfando, boca semi aberta, sentindo o membro a invadir...

Eu andava que andava e a cada lembrava, o pau cada vez mais duro. Voltei para casa meio dia, almocei e saí de novo - ela estava dando aulas na cidade vizinha, só vinha pra casa a noite. Não via a hora de a reencontrar. Num trecho da caminhando, passei por uma roça sendo preparada e de longe vi o corno do namorado dela, arando terra com o trator. Pensei: "Fica aí, corno filho da puta! Nem se atreva a passar por casa!" Desviei caminho, não quis que ele me visse.

Voltei pra casa no fim da tarde, exausto. Tomei um bando e fui a meu quarto tirar um cochilo. Acordei com minha mãe de joelhos em cima da cama, ao meu lado, alisando minha vara por cima do short. Ela na tinha tomado banho, estava com uma camiseta comprida, rosa. Tinha acabado de tomar banho, cabelos ainda molhados, estava cheirosa e Lentamente me tocava com a ponta dos dedos e torax e chegava até embaixo, apalpando meu pau e

alisando minha barriga...Putz, despertei de cara.

Levei minha mão para o interior de suas côxas e conforme suspeitava, ela estava sem calcinha. Alisei seus pêlos, aquele chumaço de palha de aço e ao tocar seu grelo, ela recuou, dando uma risada. Mas em seguida voltou a posição normal e ficamos assim, brincando. Ela dava risadas, me chamando "sem vergonha descarado" e eu devolvia "sua safada!"

Era assim que nos tratávamos, mãe e filho. E a medida que eu mexia em seu grelo, esfregando os grandes lábios e manipulando e apertando levemente o clitoris, ela ia se excitando e rebolava em minha mão. Ela era puro tesão.

Tirou meu pau para fora e assim ficamos, nos masturbando mutuamente. Era muito, mas muito gostoso. Era gostoso sobretudo o nosso entendimento, um adivinahva o que o outro queria. Ela deu uma gozada, parece que súbita, pois foi sacudida por tremores e só percebi quando vi seu corpo retesado (quando ela chegava ao orgasmo ficava assim, com o corpo rígido e parecia lhe faltar ar!). Mas este não foi tão intenso quanto outros. Soltou o ar, dizendo: "Filho da puta, me fez gozar de repente!..."

Eu enfiava agora o polegar em sua boceta e deslizava o dedo médio para seu cú. Ela mordia os lábios e fazia um som assim:

- Mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm! Uhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

_ Voce gosta que foda seu cú, não é? - perguntei.

- Adoro! Mas não é qualquer um que mexe aí! Adoro um pau no meu cú! Só os especiais. Até hoje só seu pai, de quem me separei e agora vc. Ah, voce! Seu pau é perfeito pra o que eu quero. Não é comprido, mas é grosso. Quando ele entra, parece preencher todas minhas cavidades! Me sinto violada, comida, fodida de verdade! Voce é um macho! Só um macho como voce pra me dominar! Agora, só voce me domina... MmmmmmmmmmHoje quero fazer uma coisa diferente...

- O que é?

- Vira! - e a fiz ficar de quatro.

- Ui! Vem meu garanhãozinho! Come meu cuzinho, enfia esse pau no meu cuzinho que sempre esteve reservado pra voce! Vem amooor...

- Fica quieta!, ordenei. Fica bem arrebitada.

Ela obedeceu e aqui foi demais. Ela cm a bunda pra cima, aquela bunda branca e firme, linda a meia luz, o cuzinho parecia piscar. Os pêlos pretos saindo por baixo, seus fartos pêlos e aproximei minha cara. Senti o cheiro gostoso e acre da buceta úmida, esfregeui de leve meu rosto nos pelos, deslizei a lingua de cimna para baixo, mordi sua bunda. Beijei seu cócix e fui descendo. Rocei de leve a lingua no anelzinho do cú e ela se arrepiou toda!

- Aiiiii! Filho da puta! O que voce tá fazendo?

- Fica quieta, ordenei! E comecei a lamber demoradamente os anéis de seu cuzinho e pegando nas nádegas, as afastava, relaxando aquele cú, onde agora eu enfiava a lingua e ela parecia tão sem forças que mal fazia "....mmmmmmmmmmmmmmmmmmmm....", os dedos de seus pés se contraíam.

Vendo que ela estava totalmente entregue, sem forças para nenhuma reação, comecei a colocar em ação meu plano para aquela noite. Afastei de novo as nádegas e o cú com as bordas vermelhinhas estava escancarado. Que porra, ela era uma arrombada! Deliciosamente arrombada! Dei uma leve estocada com o pau em sua boceta e ao tirar, vi um liquido escorrendo. Ela ejaculara, que cena linda! E tremia, em leves espasmos! Coisa linda é ver uma mulher gozar por nossa causa. Melhor que meu próprio gozo, eu estava realizado, mas era insaciável! Então enfiei de novo a lingua no cú, demorando, sugando um pouco e ouvi seu gemido:

- Me mata, seu porra! Voce vai me matar de gozar. Meu coração tá disparado, tá começando uma batedeira, estou tonta...

- Calma, coroa! Surpresa! - E encostando meu pau latejante na borda do cú, soquei, empurrando de uma vez. Senti seu estremecimento, tá na cara que ela não esperava. Seu cú estava tão relaxado que deslizou como se tivesse manteiga, entrou até sentir as bolas tocando sua bunda.

- Ai! E fez um movimento instintivo de recuo, mas eu a segurei pela cintura, mantendo lá dentro o pau. Segurei firme, pra ela não se soltar e assim fiquei uns segundos, até ela se acalmar, como se domasse uma égua brava. Então comecei lentos movimentos, controlado, tendo ela inteiramente a minha mercê.

Via meu pau entrar e sair, e eu movia devagar, até que não resisti e senti que ejaculei forte dentro dela

Tirei o pau para fora e fiquei vendo parte da porra escorrer... Então, tombei para um lado da cama e ela do outro. Na semi escuridão, vi seus olhos brilhando e ela sorrindo. Se achegou a mim, me beijou na boca e nos abraçamos, até pegar no sono...

Comentários

08/10/2017 21:53:35
Adoro os diálogos dos contos entre mãe e filho que você escreve! Continue escrevendo!
02/10/2017 22:20:21
Muito bom...Vai ter continuação!!!
02/10/2017 16:24:23
Muito bom

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.