GEMENDO NA PIROCA DO ENTEADO E MEU MARIDO, O PAI ESCUTANDO.

Um conto erótico de Adélia
Categoria: Heterossexual
Data: 28/11/2018 09:47:35
Última revisão: 14/02/2019 07:13:57
Nota 9.92

Que meu marido era infiel, eu sabia há muito tempo. Fingi não saber e depois, acabei me entregando para o filho dele, meu enteado. Fiz sexo eventual com outros homens. Iniciei até um irmãozinho. Tudo em segredo.

Giba, meu esposo, parou de viajar, depois que aposentou. Arrumou uns amigos de baralho e nos fins de semana, vira madrugada jogando. Até o dia que apareceu uma mulher em casa, procurando por ele. Fiquei então sabendo que meu marido tinha caso com uma garota, irmã dessa mulher.

Se passava por divorciado e ao saberem que ainda estava casado, o barraco estava armado. Discutimos bastante. Foi quando resolvi colocar tudo a pratos limpos. Ele admitiu que já tinha transado com muitas mulheres. Que quando viajava a trabalho, sempre caçava mulheres, até mesmo prostitutas.

Eu propus dar um tempo, mas, ele não quis se separar. Mesmo após contar sobre as minhas infidelidades. Só omiti que entre meus amantes eventuais, estavam um irmãozinho e meu enteado, o filho dele. Pela reação, acho que Giba não levou a sério na minha confissão. Penso que imaginou ser fantasia de mulher traída e magoada. Resolvemos parar com as traições.

As coisas foram voltando à normalidade. Normalidade que não durou muito. Até que apareceu uma outra, se dizendo namorada dele. Enquanto ele aprontava longe, por mim tudo bem. Agora estava tendo casos com pessoas da cidade, se passando por livre e desimpedido.

A situação ficou esquisita. Brigamos e passei a dormir no quarto que usávamos como dispensa. Morando na mesma casa, sem conversarmos, como dois estranhos. Meu enteado Dinho percebeu que o clima estava ruim entre nós.

- Mãe, use meu quarto, que eu vou dormir na dispensa.

- Tudo bem, filho. Eu vou dormir no seu quarto com você. Não precisa usar a dispensa.

Dinho me ajudou levar a cama de solteiro da dispensa para o quarto dele. Ficou meio apertado, mas, deu para ajeitar. Nunca transei com meu enteado quando o pai dele estava em casa. Isto quer dizer, desde que Giba parou de viajar, nunca mais fiz sexo com Dinho. Já antes disso, sabia que ele estava se virando com uma namoradinha.

Naquela noite, na hora de dormir, Dinho, ao me dar boa noite, deu um beijo na boca. Um beijo de amor e desejo. Ele sentado na beira da minha cama, as mãos acariciariciando meu corpo. De repente, levantou e foi para sua cama. Com certeza lembrou que o pai dormia no quarto ao lado.

Tarde da noite. O desejo incontrolável tinha sido desperto nesta ninfomaníaca. Tirei camisola, calcinha e nua em pelo, fui para a cama dele. Arranquei seu calção, abocanhando a piroca. Um oral que arrancava dele suspiros abafados. Beijei, chupei e mamei até meu enteado estocar, antevendo o gozo.

Parei. Deitei ao lado, abri as pernas e pedi:

- Me chupe, amor.

Este foi um amante a quem ensinei com muito carinho e amor. Todas maneiras de satisfazer e levar sua parceira à loucura. Com certeza as namoradinhas dele devem ter adorado. Sua boca quente e a língua voraz logo me levou ao primeiro orgasmo.

- Vem, filho. Mete em mim!

Dinho tirou a camiseta e se ajeitou entre minhas coxas, preparando a penetração. Entrou do jeito mais prazeroso para mim. Devagar, avançando aos poucos, fazendo eu sentir o membro pulsante abrindo minhas carnes, entrando mais e mais. A masculinidade invadindo o íntimo da fêmea, tomando posse do meu corpo. As paredes lubrificadas pelo caldinho do prazer, facilitando a entrada, sem no entanto amenizar o atrito da estaca na minha cloaca.

Quando chegou ao fundo, começou então a copular, iniciando o vai e vem. A princípio devagar, aumentando o ritmo aos poucos, acompanhando a progressão dos prazeres que meter em sua madrasta causava. Dinho tentava não fazer ruídos.

Eu de minha parte, já tinha decidido mandar tudo às favas. Passei a gemer alto, gritar e dizer possessa:

- AHHHH, AHHHH, mete filho! Me come gostoso, filho! AHHH, AHHH, mete com força! Mete, filho! AHHH, AHHH.

Assustado, Dinho parou, tentando com a mão tapar minha boca, enquanto dizia no meu ouvido:

- Mãe, fale baixo! O pai pode escutar no quarto do lado.

- Dane-se, filho! Continua, vai! Mete filho, mete gostoso! É pro corno ouvir mesmo! Mete!

Dinho percebendo que eu não me importava, recomeçou as estocadas. Enquanto eu ofegava alto e gritava, ele também não mais abafou seus gemidos de tesão. Era uma transa animalesca, sem freios. Me dava um prazer estranho a mais, gemer escandalosamente. Saber que meu marido escutava a cama rangendo e eu chorando de prazer.

Até que meu enteado avisou que ia gozar. E como gozou! Senti os jatos potentes de sêmen lá no colo do útero, deixando dentro de mim milhões de espermatozoides. Ejaculou bastante, enchendo minha xoxotinha.

Fui me lavar no banheiro. Ao passar pelo corredor, reparei que a porta do quarto de casal estava entreaberta. De manhã acordei com meu enteado atrás de mim, de conchinha, me beijando atrás no pescoço:

- Te amo, mãe!

Ainda sonolenta, só respondi ¨-Te amo também¨. A mão esquerda dele pousada no meu seio. Senti no rego das nádegas, a ponta do badalo duro esfregando no vão entre o cuzinho e a boceta. Quando ele queria anal, a senha era essa encoxada.

Eu tinha gel lubrificante, porém, na cômoda do meu quarto. Não ia lá buscar. Resolvi fazer no seco mesmo. Fiquei de quatro, puxando a barra da camisola até a barriga, expondo a bunda que sei, causa frisson nos homens.

- Vem, amor, come o cuzinho da mamãe. Devagar, viu?

Dinho se posicionou e tentou meter. Ajudei colocando o passarinho no lugar certo e relaxei. A cabeça forçou as pregas e não entrou. Acho que eu mesma, contraí o botãozinho por causa da dor. Foi quando me virei e abocanhei seu falo. Fiz um oral babado, deixando bastante cuspe para lubrificá-lo. Voltei a ficar de quatro e repeti o pedido:

- Mete amor. Agora entra.

Meu enteado para ajudar, cuspiu também no rego e com a ponta do membro, levou o montinho de saliva até a entrada do meu cuzinho. Com minha ajuda, conseguiu enfiar. Doeu um pouco mais do que sempre. O avanço também foi ardido. Eu apenas respirava fundo para aguentar.

Logo senti seu baixo ventre tocando minha bunda. Sinal que o badalo estava profundamente atolado no meu popó. Ele sabia que devia esperar um pouco. Fui eu que não esperei. Passei a movimentar o quadril, para frente desengatando e para trás buscando empalada mais profunda. Dinho só com as mãos segurando minha cintura. deixando que eu comandasse as ações.

- Que gostoso, mãe. Porra, que cu gostoso!

Não demorou para ele assumir o controle da enrabada. Firmemente agarrado nas minhas ancas, passou a estocar com força e vontade. A dorzinha sempre acompanha a sodomização. Faz parte do prazer diferenciado. Quando meu enteado aumentava o ritmo e a força das socadas, eu pedia para ele parar. Ficava contraindo os músculos anais, mastigando a piroca dele com o cu.

Isso deixava ele louco! A sensação deveria ser bem gostosa, com ele enterrado fundo e justo dentro do meu buraquinho apertado. Piscando para evitar seu gozo e prolongar a sodomização. Com a mão iniciei a manipulação do grelo. Clima de pré orgasmo aproximando. O anal sempre me faz gemer forte, escandalosamente. Principalmente quando perto do clímax:

- ÁIIIINNN, vai filho! ÁIIINNN, mete, mete tudo, filho! ÁIIINN, ÁIIINN, goza no cu da mamãe, goza, AIIINN, AIIINN!

O orgasmo com anal para mim sempre é intenso. A ponto de eu quase desfalecer. Esse vez também não foi diferente. Eu mole, entregue igual uma invertebrada. Dinho é que amparava, com mãos e braços agarrados como tenazes, enquanto o quadril movia à toda, metendo,metendo e metendo. Até que parou abruptamente. Corpo em tremeliques, num gozo monumental. Seu corpo com todo o peso sobre o meu.

Depois do café da manhã, meu enteado foi trabalhar. Eu lavando a louça. Giba entrou na cozinha e disse:

- Precisamos conversar.

Mil coisas passaram pela minha cabeça. Qual seria sua reação, depois de ouvir eu gozar tanto com o filho dele, meu enteado? Já estava preparada para o pior, quando ele me puxou pela mão até o quarto de casal.

Enquanto me beijava, arrancava minha roupa. Tirou também as suas, me empurrando para a cama. E como faz há anos, penetrou, deu algumas socadas e rapidamente, terminou. A ejaculação precoce de sempre. Então, loucura das loucuras, sem nada dizer sobre a noite anterior, apenas disse:

- Hoje você vai dormir aqui, né?

*****************************************

FOTOS: Para quem ainda não viu como sou, deixe e-mail nos comentários que a divulgação envia. Bjs.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
18/03/2019 09:06:04
prmoura@gmail.com
17/03/2019 13:48:39
Muito bom! Como sempre, seus contos são tesudos! Nota 10
17/03/2019 04:09:43
Delícia vc é a puta do sonho de muitos machos. Tô até sentindo o cheiro da tua buceta gozada
15/03/2019 17:23:26
Nota máxima, com Excelência em riqueza de detalhes, incrível é se excitar lendo sobre os momentos, principalmente quando você abre e fecha aspas” “. Perfeita Adélia, obrigado pelo comentário no meu relato, confesso que você foi uma das maiores inspirações para relatar minhas aventuras. Seria demais mas deixarei meu contato pra ti, ( admirador27@live.com)
13/03/2019 09:36:32
Show! Gozei muito lendo! Ha, adorei as fotos, manda mais!
777
12/03/2019 06:59:01
Que delicia de conto.Quero te ver. Confesso777@gmail.comNota 10
09/03/2019 12:07:30
Adorei o conto, simplesmente maravilhoso. Super excitado aqui... também desejo as fotos: flavionegro2@gmail.com
09/03/2019 09:26:37
dzimerer@gmail.com ótimo conto
08/03/2019 08:49:43
Uma delicia de conto, eu iria ficar doido em saber que minha mulher estava no quarto ao lado transando a noite toda com seu enteado e na manhã seguinte te pegar toda usadinha....rsss Depois que me separai da ultima esposa esse é o tipo de mulher que eu procuro para mim, bem safada!!! Leia tbm meus contos e deixe seu comentários. Aguardo suas fotos - homemliberalrp@gmail.com Grande bjo
08/03/2019 07:59:11
És maravilhosa demais, minha querida, o tipo de fêmea que adoro. Leia as minhas aventuras. Eis meu e-mail/Skype: envolvente47@hotmail.com. Beijos imensos.
06/03/2019 22:40:24
É uma inspiração ler esses contos. Agradeço por nos brindar com suas aventuras.
06/03/2019 20:01:37
Bem dividida...adorei,,..boa mae boa
05/03/2019 23:58:16
História excitante e envolvente. Fiquei molhadinha lendo. parabéns e nota 10!
05/03/2019 00:27:09
Ahhh, Adelia, você também faz das suas... Não perde nada para as japinhas... E não são só as novinhas... Já leste a da ex-sogra? rssss...
04/03/2019 22:27:41
agustinho.theodoro@yahoo.com.br
04/03/2019 21:07:48
Q tesão de conto... adoro fuder um cuzinho bem gostoso e safado. Genesiofernandes@hotmail.com
04/03/2019 15:18:11
Voce é muito excitante. Deliciosa!
03/03/2019 18:56:21
Adélia, que conto delicioso... Mas de verdade, que delícia de você!
03/03/2019 13:22:18
Adelia, vc é msm danada. N vou negar q fikei meladinha lendo essa história sacana. Ufa! Vitoriapineda@outlook.cim
01/03/2019 16:46:59
Pabloheriquevr@hotmail.com