Casa dos Contos Eróticos

Elite - Capítulo 1: "Nathaniel VanderBilt"

Um conto erótico de gossip boy
Categoria: Homossexual
Data: 11/10/2018 08:22:30
Nota 10.00

Atenção: Todos os relatos aqui são. verdadeiros. Os segredos aqui contados são descritos exatamente como aconteceram. Alguns nomes foram trocados para proteger os inocentes, ou seja, eu.

Nathaniel VanderBilt poderia ser confundido facilmente com um príncipe. Existia a sua beleza que enchia os olhos, sua pele branca e alva e seus músculos desenhados com atenção eram celebrados com um rosto de perfeição única, culminando em terríveis olhos verdes. Nathaniel era educado, era político, charmoso, estudado,generoso. Mas era tudo isso quando estavam olhando para ele. Mas essa história não é sobre quando estavam olhando pra ele. Essa é exatamente a história de quando não estão olhando para ele. Por mais que tenha frequentado as melhores escolas do país e que agora estivesse estudando em uma das universidades da Ivy League havia uma coisa que nenhuma escola havia conseguido enfiar na sua cabeça: como ter bom caráter.

Barbra saiu do quarto de Nate assim que percebeu o silencio no corredor. Ainda nú, com o chVirde sexo no quarto, ele abriu a janela e encontrou Chuck parado na, sorriu para o brutamontes enquanto ele entrava no seu quarto observando o corpo perfeito de Nate com seus olhos pretos cheios de malicia. Enquanto ele acendia um cigarro, ficou de costas para Chuck provocando ele com sua bunda redonda e empinada. Chuck já havia arrancando a camisa e estava beijando o pescoço de Nate.

-Você é muito cruel- disse Chuck com sua voz arrastada e rouca.

-Sou?- questionou Nate com ironia.

-Você sabe que é - Chuck virou Nate com tudo e tirou o cigarro da mão dele e tragou olhando com aqueles olhos cheios de indecência.

-Você sabe que pode ir embora a hora que quiser, não sabe? -Nate disse isso chupando o pescoço grosso de Chuck enquanto ele fumava.

-Você sabe que eu não vou embora- ele confessou baixinho - Eu gosto de você exatamente por ser tão cruel.

-Você não gosta de me ver com ela?

-Você sabe que meu caso não é ciúmes.

-É o que então.

-Acho que você perde tempo com ela.

-Porque?

-Você gosta disso, Nate- e beijou a boca dele com vontade, pegando ele no colo ainda nu, foi andando aos beijos até encontrar a cama. Jogou ele na cama, Nate ficou ali, assistindo aquele macho tirar o resto da roupa, tragando o cigarro enquanto Chuck trepava na cama com aquele corpo forte e grande, sorrindo com aquele diastema no meio dos dentes da frente. Ele foi beijando a barriga de Nate, olhando em seus olhos, usando a língua de maneira lasciva, lambendo o peitoral dele até atingir a sua boca.

-Fala pra mim que você não quer?

-Você sabe que eu quero.

-Quem te dá mais prazer?

-Você.

-Prova.

Nate agarrou Chuck e suas bocas se encontraram novamente, só que dessa vez as mãos fortes de Chuck buscaram o corpo de Nate, agarrando a sua bunda e o trazendo para ele. O cigarro foi apagado porque o fogo entre os dois já havia sido acendido e Nate sentia o fogo latejar no meio das pernas musculosas de Chuck.

Nate e Chuck eram amigos desde criança, foi durante uma festa quando tinham quinze anos que o algo mais aconteceu. Se beijaram na piscina, meio chapados. Esqueceram daquilo, ou fingiram durante um bom tempo. Foi na formatura, quando Nate já namorava Barbra que eles ficaram de verdade.

Barbra havia bebido champanhe demais e teve que ir pra casa. Nate estava chapado, como sempre. Viu Chuck usando apenas uma gravata borboleta no fim da festa, exibindo aquele corpo malhado. Os dois se encararam e perceberam que nenhum deles jamais havia esquecido daquele dia na piscina.

-Porque está me olhando assim? - perguntou Chuck entregando a ele uma taça de Champanhe- Cadê a sua princesa?

-Passou mal- disse Nate se perguntando porque não conseguia tirar os olhos daquele peitoral.

-Quer dizer que você está sozinho?

-E o que te interessa isso?

E ele respondeu Nate com um beijo tão delicioso que foi questão de minutos eles estarem usando o quarto que ele iria usar com Barbra.

A questão com Barbra era mais negócios do que amor em si, Chuck sabia disso e pouco se importava desde que estivesse comendo Nate.

Por isso quando aqueles corpos se encontraram nus naquele quarto, ambos sentiram seus paus duros se encontrando como na primeira vez em que foram pra cama. Chuck beijou o pescoço de Nate, usando a língua para lamber demoradamente o seu pescoço.

-Me chupa - gemeu Chuck - Me chupa como só você sabe fazer.

-Você quer babado?

-Muito.

Nate virou o jogo e ficou por cima de Chuck, foi lambendo aquele corpo perfeito, Chuck era realmente muito grande, Nate mordia os gominhos da barriga dele, enfiou a língua no umbigo olhando diretamente nos olhos maliciosos dele. Sentia a presença daquele pau logo abaixo. Mas sabia como provocar Chuck e adorava fazê-lo. Foi lambendo a parte debaixo da barriga dele, sabendo que a pica dele estava tão dura que ele provavelmente estava implorando para que ele enfiasde logo na sua boca.

-Eu sou sua melhoe putinha- disse Nate.

-Você sabe que é - disse Chuck querendo desesperadamente que Nate enfiasse aquele pau na boca.

Quando Nate finalmente pegou aquele caralho na mão, ele já estava tão duro e babado que foi quase impossível de Nate resistir antes de soltar mais veneno para alimentar a estranha relação dos dois. Chuck encarou o rostinho do garoto de ouro, abrindo a boca e lambendo seu pau.

-Você fica excitado quando me assiste com a Barbra? - ele disse isso com olhos tão maliciosos, com uma cara pervertida e usando a língua para deixar Chuck ainda mais duro.

-Você sabe que eu fico.

-Você se masturba quando me assiste com ela?

-Jamais- ele disse

-Porque?

-Você pode achar que me domina, mas quanto mais você me enfeza, mais forte eu vou te comer.

-Como sabe que não é exatamente isso que eu quero?

- Como você consegue fingir que não é essa puta?

-Todos temos segredos.

-Eu sei de todos os seus segredos.

-Será?

-Enfia na tua boca, Nathaniel - rosnou Chuck com seus olhos maldosos brilhando com ainda mais intensidade, e era essa maldade que deixava Nate vidrado em Chuck - Isso aqui não é gossip girl, enfia na tua boca é isso que eu preciso. Eu quero tua boca no me pau, e quero agora.

Chuck enfiou a cabeça de Nate no meio de suas pernas e urrou quando ele engoliu seu pau com a maestria que sempre tinha ao convocar seus demônios com aquela boca deliciosa.

E quando o engoliu, buscou os olhos daquele macho, aquele delinquente, riquinho babaca, narcisista que era Chuck e sentiu seu corpo se arrepiar com o poder que suas más decisões tinham ao excita-lo.

Enquanto seus olhares se encontravam naquela sensação de fogo que instaurava sob aquela cama, um sabia exatamente o que o outro significava e para Nathaniel VanDerBilt a entrega era o maior fetiche que Chuck Poderia realizar. Chuck encontrava em Nate a unica pessoa que sabe realizar seus desejos. Não é amor, é uma coisa de luxúria, algo naquela personalidade maldosa o atrai. E sim, ele sente tesão em assisti-lo com Barbra. Como poderia não se sentir vangloriado assistindo seus dois amantes se pegando na sua frente. Nate exibia a boceta que Chuck sabia muito bem como devorar, e Barbra exibia a beleza daquele macho que deixava Chuck ainda mais fascinado. Adorava o fato de que enganava os dois, porque ambos eram um posso de maldade e aquilo o fascinava, ainda mais quando percebia que era a peça de um jogo erotico entre os dois, excitava saber que sua presença comovia ambos para um jogo entre seus lados ruins. Se alimentava do poder de ambos. E quando chupava o cu de Nate, colocava ele na mesma posição que ele usava pra chupar Barbra. E exibe sua beleza e sua pegada, transmitindo o veneno de suas más intenções. Mas sabia que sentia com Nathaniel aquilo que Barbra seria capaz de fazê-lo sentir. Sabia no íntimo e não conseguia esconder isso de Nate que le enfiava na boca com aqueles olhos terrivelmente sensuais. Sugava a cabeça com afinco e enfiava a língua na fenda daquele pau. Chuck era lindo, e não havia como negar. Mas dizem que assistir seu rosto tomado de prazer enquanto o chupa é algo que jamais poderia ser esquecido e isso confundia Nate mais do que ele conseguia admitir. Aquele macho indecente lhe transformava na puta que ele queria que Barbra fosse. Mas quando desejava isso deixava imagens de Babra dando para Chuck invadir a sua mente e odiava aquelas cenas. Sentia ciúmes, um ciúmes doentio de Chuck e era nessa hora que ele implorava para que ele o fodesse. E era quando Chuck se libertava e entrava em Nate como bem entendia, era nessa hora que sua mente trazia a tona a sua loucura pervertida. Suas fantasias eram cuspidas direto na boca de Nate, batia na cara do garotinho de ouro da Família VanDerBilt e transformava Nate em sua putinha obediente, suando em cima daquela cama e deixando o rastro do seu cheiro naquele quarto. Mordia as costas de Nate entrando e saindo com força, pegando aquelas pernas e trazendo ele para cima dele, mandando Nate cavalgar apenas com os olhos, e Nate arrebitando aquela bunda e rebolando pra ele, numa música só deles.

E ali, com aquela divindade rebolando pra ele, esquecia de todos os planos e como usava Barbra para um jogo que nem ele mesmo sabia como jogar. Esquecia porque Nate revelava sua real personalidade e natureza. Dava com maestria, era uma Diva, rebolava e sensualizava chamando Chuck com os olhos, queimando a pica de Chuck com seus desejos. Ardia com as peles em contato e queria mais, agarrava Nate e afundava a pica no cu dele e a língua na orelha.

-Sabe que eu imaginava que nunca estaríamos assim, nunca pensei que nossa amizade caminharia para isso. Mas cada vez que eu como você eu percebo que estávamos destinados a isso, você é meu veneno.

-Adoro quando você sabe que eu não sou uma boa coisa.

-Te excita saber que eu estou aqui ppr conta disso?

-Sim. Isso é poesia pra mim.

-Você sempre foi uma pessoa ruim.

-Não. Eu já fui uma criança ruim. Meus pais nunca me derão nada além do que o dinheiro poderia pagar. Muito jovem com acesso a tudo muito fácil, faça as contas, mas você é assim, eu sei que é.

-Você nao ficaria com alguém do lado bom.

-Desde que ele trepasse bem.

-Não ia aguentar

-Fazer o bem?

-Não, fingir que se importa com alguém além de você mesmo…

E Nate calou a boca de Chuck, beijando com devoção aquele que sabia de todos os seus segredos e mesmo assim mantinha segredos longe da vista dele.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/10/2018 08:31:49
esse conto sumiu. meu devasso infelizmente não consta na casa. alguém deve ter bloqueado a conta. infelizmente se foi um.excelente conto.
11/10/2018 10:09:58
POR FAVOR ALGUÉM SABE ME INFORMAR SOBRE UM CONTO ENTRE UM ADVOGADO MARCOS E OTÁVIO CHAMADO "MEU DEVASSO"
11/10/2018 10:09:20
SUPER INTERESSANTE. CONTINUE.