Casa dos Contos Eróticos

Homem & Poder 5 - Orgia (Parte Um)

Autor: Roberto
Categoria: Homossexual
Data: 17/01/2017 14:06:08
Nota 10.00

Acordei no domingo com Rafa agarrado em mim, dormia tranquilamente, minha mulher não estava na cama, resolvi levantar e preparar um café dá manhã para nós, deixei ele dormindo, cobri ele com um edredon branco, lá fora só ouvia pássaros e uma leve chuva. De cueca fui até a cozinha, lá vi um bilhete de Dani.

"A Casa é de vocês, garotos. Fui visitar uma "amiga", vocês sabem pra que. Beijos meus garotos" dei risada ao ler aquilo. Preparei um café gostoso e levei na bandeja para nós dois. Rafa estava acordado, enrolado no edredon, a coisa mais linda do mundo, beijei ele na testa.

- Dormiu bem?

- Claro que dormi, com você dentro de mim... Não tem maneira melhor de dormir.

- O quer fazer hoje? - perguntei me agarrando a ele, ele abriu o edredon e eu entrei.

- Quero dar pra você - ele disse baixinho - Cadê a Dani?

- Pelo jeito foi trepar por aí, aquela safada- respondi - E nós? O que vamos fazer?

-Eu sei exatamente o que fazer- ele disse baixinho passando a mão no meu rosto- Vou precisar que fique aqui no quarto enquanto resolvo umas coisas, pode ser?

- Claro meu bebê - disse pra ele.

Duas horas depois, ele entrou no quarto, tomamos um banho juntos, um banho quente e demorado, ele não disse o que faríamos e quando perguntei ele disse que era uma surpresa. Nos secamos, aos beijos, meu pau duro já, ele colocou uma jockstrap vermelha linda, me entregou uma jockstrap vermelha também. Vesti, ele então colocou uma venda nos meus olhos. Rafa me deu as mãos e me guiou no que parecia ser a minha sala. Havia um futton grande o suficiente para eu deitar, ele me empurrou, estava silêncio, senti ele tirar meu pau duro da cueca, ele socou meu caralho na boca com vontade. Urrei de tesão como sempre, ele tinha uma boca espetacular, puxava meus mamilos e ele engolia meu caralho, babava, engolia por completo até engasgar, adorava ouvir ele engasgando, as vendas nos olhos e aquele boquete bem feito, enfiava a cabeça dele pra baixo, pegava ele com as mãos e afundava aquela boca no meu pau, apertava ele, fazia ele engasgar, ele cuspia em mim, eu metia uns tapas na cara dele. Ele ria, safado, eu mal sabia o que estava acontecendo ali naquela sala. Quando ele tirou a venda dos meus olhos, eu vi sentado em meu sofá, vários garotos da mesma idade de Rafa, 18, 19 anos, deveria ter uns 6 meninos, eles estavam se masturbando e assistindo eu ser chupado. Rafa me olhou, safado, me puxou, nos beijamos.

- Gostou? - ele perguntou.

- Claro, safado! - eu disse puxando ele pela bunda - Vou te comer de acordo, quer ser bem humilhado na frente deles?

- Quero, mostra quem é a puta aqui- ele disse com brilho nos olhos.

Beijei aquela boca deliciosa, os garotos me devoravam com os olhos, virei Rafa de costas, beijando aquele pescoço, lambendo, mordendo, dei um tapa forte naquela bunda, ele gemeu, dei outro, ele encarava seus amigos, provocando, mostrando o macho que tinha em seu poder, eu dava palmadas fortes, sussurrava putaria em seu ouvido, deixando ele todo babado e de pernas bambas. Coloquei ele sentado no sofá, do lado dos garotos, enfiei a rola na boca dele, eu via o desejo na cara deles, aquela vontade de me chupar, alguns me olhavam, outros encaravam meu pau, observava as bocas deles, as línguas que passavam pelos lábios, os olhos hipnotizados, Rafael me chupava, encarava seus amigos, mostrava o quanto ele tinha que abrir a boca pra enfiar aquela quantidade de caralho na boca, ele fazia questão de cuspir, bater aquele pau na cara dele, chupava com desejo, eu segurei o rosto dele e fodi aquela boca com força, ele babava muito e escorria da sua boca para seu peitoral, ele gemia, abria a bocona, eu fodia forte, sentia a garganta dele, ele me olhava nos olhos, sentindo a minha rola fodendo aquela garganta, comia ele, eu devorava aquela boca, ele colocava a língua pra fora e passava em meu saco, dei tapas e mais tapas naquela cara, o tesão causava um desconforto gigantesco entre os seis garotos, eles me olhavam famintos, apertavam seus paus sob as calças, se entreolhavam quando a cena ficava insuportável de ser apenas vista. Eu estava amando aquilo, queria provocar mais. Levantei Rafa pelo cabelo, empurrei ele pra cima dos moleques, Rafa ficou de quatro no sofá, no meio deles, aquela bundona naquela jockstrap vermelha, levantei a perna, apoiei o pé naquela bundona, batia punheta, encarando um deles, um ruivinho, gordinho, barba, ele me olhava, eu cuspi no meu pau, ele mordeu os lábios, estava tarado, adorava ver aquilo. Ajoelhei, abri a bundona do Rafa, aquele cu lindo, piscava, ele mesmo encarava seus amigos, quando enfiei a boca ali no cu dele, ele gemeu alto e fechou os olhos, mordendo os lábios e gemendo pra que eu enfiasse a língua no meio do seu cu. Soquei a língua naquele cu delicioso, metia tapas fortes naquela bunda, eu fodia ele com a língua, ele beijava um dos meninos, enquanto eu devorava aquele rabão delicioso.

Puxei o ruivinho e beijei com desejo sua boca, ele chupava a língua que antes estava socada no cu do seu amigo, empurrei ele pro sofá, peguei o Rafa pelos braços, segurei os braços dele para trás, cuspi e fui entrando naquele cu, Rafa deu um grito tão selvagem, soquei tudo, forte, ele olhou pra trás, nos beijamos, os meninos já haviam tirado as rolas das calças e se masturbavam sem vergonha alguma, puxei o cabelo do Rafa, soquei bem forte, ele me encarava, tirei de leve, e dei outra socada forte e intensa. O pau dele babava, ele estava vermelho,  o rosto vermelho, comecei a dar estocadas pesadas, intensas, ele gemia, mordia o sofá, os moleques se masturbando quietos, eu fodendo, comecei a meter mais rápido, mais forte, quando eu vi estava enforcando Rafa e socando naquele cu com força suprema, acredito que isso tenha assustado os meninos, eles me olhavam com um misto de medo e desejo. Joguei Rafa no chão, ele veio engatinhando, sentei no sofá bem no meio deles, meu pau duro, babado, as veias latejando, meu saco enorme, bati a rola na mão várias vezes, eles babavam, eles me cobiçavam, Rafa abriu a bocona e socou meus dedos do pé na boca, chupava meu pé como se fosse meu pau, eu batia uma maravilhado. Os moleques assistiam, mordiam os lábios. Abracei um deles para que ele assistisse a punheta bem de perto, ele tremia, eu suava, Rafa me encarava com aquela cara de puta e meu pé na boca. Depois de um tempo, Rafa ficou de pé, subiu no meu colo, beijou a minha boca e me deu um tapa forte na cara que eu revidei instantâneamente, ele cuspiu na minha cara dando risada, meti dois tapas na cara dele, mandei ele abrir a boca e cuspi ali, ele ficou com a língua de fora, pedindo mais, cuspi, ele cuspiu de volta, bati nele, ele bateu em mim, dei risada, virei ele, soquei meu pau naquele cu, metia e chupava seu peito, ele Rebolava, quicava, subia e descia no meu pau, era um mestre do cu, ele gemia, me beijava, eu só ficava ali, parado.

- Isso, Se fode, vai, senta nessa caralha. Mostra a puta que você é...

- Assim, assim, olha meu cu, olha meu cu. Deixa eu me foder, deixa, caralho, que pau é esse?

- Toma, minha Putinha.

- Vagabundo.

- Sou teu vagabundo.

- Mete então.

Meti, segurei ele, meti forte, ele perdeu a noção, gritava, me mordia, ele pedia mais e mais, eu calava a boca dele enfiando a mão na cara dele, tapas e mais tapas, ele ardia, gritava, me puxava, arranhava meu corpo. Peguei ele no colo, metia na frente dos moleques, metendo sem do, Rafa me beijava, dizia loucuras, que me amava, queria ser meu escravo, minha puta, queria se alimentar apenas do meu corpo, que eu dominava ele, eu beijava sua boca, metia, metia, metia, ele gritava, eu via a cara faminta dos Moleques. Joguei Rafa no chão, ele me encarou e sorriu, ele sabia o que eu ia fazer...

Puxei o ruivinho, que descobri que se chamava Pierre, puxei ele pelo cabelo, o moleque tava de pau duro, pernas bambas, suado, ele me olhou nos olhos.

- Quer participar? - perguntei.

Ele respondeu beijando a minha boca, nos agarramos e juntos fomos livrando ele da roupa, enfiei o peito branco dele na boca na hora em que o vi sem camiseta, ele gemeu, puxava minha cabeça pra ele, puxei ele pela bunda deliciosa, Rafa assistia se delíciando, Pierre chupava minha língua, lambeu meu peito, chupou meus mamilos, puxei ele pelos cabelos, coloquei ele na frente do Rafa e disse:

- Fala pra ele que você quer o macho dele - disse alto, ordenando.

- Eu quero seu macho - ele disse tímido.

Puxei ele, dei um tapa na cara dele é cuspi na boca dele.

- FALA MAIS ALTO, PORRA!

- QUERO TEU MACHO! - ele gritou, todos riram, Rafa beijou Pierre na boca, delicadamente.

Sentei no sofá, as pernas abertas, Pierre e Rafa no meio delas, O ruivinho foi socando meu pau na boca, ao mesmo tempo que Rafa lambia minha virilha, eu suava, assistia aquilo maravilhado. Os outros cinco meninos ainda me olhavam, queriam a vez deles. Os dois disputavam meu pau, rindo, cuspindo, beijando com meu pau no meio.

- Vão ficar parados aí? - eu disse, mandão - Tirem as roupas, dancem pra mim!

Os cinco garotos, todos de 18 a 20 anos, foram tirando as roupas, se beijando, rindo, enquanto os dois me chupavam com maestria, eles ficaram nús, na minha frente, aqueles moleques deliciosos, bundas maravilhosas. Fernando, um moreno jambo, uma bunda enorme, lindo. Juca, um loirinho, magro, mas bundudo, Dênis, branquinho, cabelos pretos, coreano, delicioso. Nathan, negro, cabelos Black Power, uma bunda espetacular. E por último Fred, lindo, o mais novinho, virgem.

Os cinco ficaram de quatro naquele futton, Pierre e Rafa me chupando e eu assistindo a cinco cuzinhos piscando pra mim. Fiquei de pé, aqueles moleques ali, aos meus pés, Rafa e Pierre entraram na fila, todos com os rabos empinados, piscando os cuzinhos pra mim, ajoelhei ali, aquela visão me dava um prazer extremo, Rafa me olhou, piscou pra mim. Então, um por um, sentiu a minha língua, minha fome, minha boca, sentia as pregas, as piscadas, os sabores, ouvia os gemidos, as risadas, os beijos deles, ouvia os comentários, meu pau duro, minha boca na bunda de um deles, penetrava cada rabo com a mesma vontade. Eles rebolavam quando era a vez deles. Eu mordia as nádegas, batia, chupava cada cuzinho ali. Eles estavam de pé na minha frente, todos pelados, os pintos duros, tremiam, eu era enorme perto deles, puxei todos com os braços, fomos nos beijando, lambendo, línguas e mais línguas, sorrisos, beijos e mais beijos. Fui levando os garotos para o jardim, o sol estava suave, o futton era grande o suficiente para todos nós. Deitei naquele futton, os sete garotos me olhavam, Rafa no meio deles, ele sorria pra mim.

- Prontos? - eu disse antes que eles me atacassem com suas bocas deliciosas.

Comentários

17/01/2017 18:05:58
melhor capítulo até agora
17/01/2017 17:35:53
HUMMMMMMMMMMMMMMMMMMM

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.