O Diário de Rafaela 3 - Capitulo 10 - Constrangimento

Um conto erótico de Rafaela Khalil
Categoria: Heterossexual
Contém 2975 palavras
Data: 05/11/2023 18:12:52

Rafaela acompanhou a tia até o carro, estava silenciosa. Sentiu-se mal pois havia acabado de transar com o marido dela, Roseane sabia, Rafaela sabia que ela sabia, mas nenhuma das duas queria falar nada.

— Vai pra sua casa? — Roseane perguntou já dentro do carro

— Só se a senhora estiver indo pra lá, se não me deixa no seu caminho que eu me viro

— Eu vou pra sua casa — Roseane reafirmou

Rafaela não respondeu, seguiram pelo caminho

— Tive um retorno do advogado, parece que o processo está indo bem

— Sério? Que maravilha, tem uma data já? — Rafaela perguntou curiosa

— Saberemos na segunda — Roseane respondeu direta

— Que bom, espero que saia rapido — Rafaela respondeu olhando para fora querendo encerrar o assunto

— Ele está bem? — Roseane perguntou curiosa

— Não, ninguém fica bem naquele lugar — Rafaela respondeu pensativa — Você tem razão é um lugar ruim degradante, ele também não quer você lá

— Não quer? — Roseane perguntou sem entender

— Ele não queria eu lá também, acha muito carregado, pesado e triste então não quer nenhuma de nós lá

— Entendi — Roseane falou pensativa por alguns segundos e disparou — Você deu a buceta pra ele?

Rafaela sentiu um choque no corpo com a pergunta direta, abriu a boca e não conseguiu responder

— Seja sincera, eu não estou brava, estou tranquila, eu só não quero ser enganada — Roseane explicou

— Dei — Rafaela deu o minimo de informações possíveis

— Ele conseguiu? — Roseane perguntou curiosa

— Sim — Rafaela respondeu novamente com o minimo de informações possíveis

— Foi bom pra você? — Roseane perguntou ainda curiosa

— O lugar é ruim, é sinistro, úmido, não cheira bem…

— Não foi isso que eu perguntei, quero saber se foi gostoso quando vocês fizeram na buceta — Roseane insistiu

Os termos que ela usava eram muito diretos, até para Rafaela causava um desconforto

— Sim — Respondeu monossílaba

— Não precisa ficar com medo, nem monossilábica, eu não sou de vidro, por favor responda direito

Rafaela respirou fundo, pesado, tinha medo, mas prosseguiu

— Foi gostoso transar na buceta com ele — Rafaela foi direta

— O que mais fizeram? — Roseane queria detalhes

— Ele gozou na minha boca — Rafaela disse

— Leitinho — Roseane falou quase num devaneio

— É… — Rafaela sussurrou pensativa, não sabia o que dizer

— Você engoliu? — Roseane perguntou curiosa

— Engoli — Rafaela respondeu sincera

— E na buceta, usaram camisinha? — Perguntou ainda curiosa

— Não tia, não usamos, mas eu vou tomar a pílula do dia seguinte hoje

Roseane deu uma guinada no carro atravessando as pistas, assustando Rafaela

— O que foI!? — Ela gritou se segurando nas laterais como dava

Roseane parou o carro no acostamento e tirou o cinto

— Quero uma coisa — Roseane falou virando-se completamente para Rafaela

— O que? — Ela respondeu com seu coração a mil, sentindo medo, quando percebeu havia tirado o cinto também e estava com a mão na trava da porta, pronta para correr

— Eu quero que você não tome a pílula — Roseane disse direta

Rafaela franziu a testa

— Por que? — Rafaela perguntou sem entender

— Você engravidou uma vez, é fértil — Roseane disse, pode engravidar de novo

— Acho que posso sim — Rafaela disse pensativa, estava zonza sem entender o que estava acontecendo

— Nós nunca conseguimos ter um filho, eu quero que você tenha essa criança, você não perde nada com isso, eu crio como se fosse meu, seu tio vai concordar certeza, você pode mudar la para casa, você não perde nada! — Roseane disse animada de uma forma assustadora

— Tia — Rafaela disse olhando ara o sorriso estranho da tia — Ta me assustando

Roseane parou de projetar o corpo, estava quase em cima de Rafaela, encostou as costas no próprio banco do carro, olhou em volta como se estivesse saído de um transe.

Endireitou-se no banco, segurou o voltante e abaixou a cabeça pensativa

— Tudo bem? — Rafaela perguntou preocupada

— Me desculpa, eu, eu… — Tentou falar algo — Você não é uma máquina de bebe, desculpa mesmo

Rafaela colocou a mão na perna dela e se projetou esticando o braço desligando o carro

— Me explica o que foi isso, por favor — Rafaela disse

Roseane colocou as mãos no rosto e começou a chorar

Rafaela observou, acariciava o cabelo da tia sem saber o que fazer, estavam num lugar muito isolado, o acostamento era amplo, mas podia ser perigoso.

— Tia, vem pra cá, troca comigo — Rafaela disse abrindo a porta do carro

— Não Rafa, eu to bem, eu posso dirigir — Roseane falou mas Rafaela já estava dando a volta por fora do veículo, cuidadosa

Roseane obedeceu e saltou para o banco do carona

Rafaela entrou e ajustou o banco, assumiu a direção

— Claramente a senhora não tá bem, vamos lá pra casa, a gente conversa um pouco num lugar melhor, aqui é perigoso tá? — Rafaela perguntou já ligando o carro

— Obrigada — Roseane se aproximou e beijou Rafaela na bochecha

Em seguida, colocou o cinto e se encolheu olhando pela janela.

A viagem demorou cerca de meia hora, Roseane ligou o rádio, estava tocando música, ambas tinham o gosto parecido, Rock dos anos 90 era o que elas amavam.

Rafaela estacionou o carro na garagem

— Conseguiu respirar melhor? — Perguntou à tia

— Consegui — Ela respondeu mais tranquila, mas com os olhos vermelhos

— Vamos entrar — Rafaela disse já saindo do carro.

Se encontraram na porta de casa e Rafaela entregou a chave do carro à tia, entraram em casa, a TV estava ligada, seu pai e sua mãe assistiam TV, olharam ao mesmo tempo para as duas.

Rose se levantou vendo a irmã chorosa

— Oi, o que foi? — Se aproximou

— Posso conversar com você Rose? — Roseane perguntou baixinho — Em particular

— Claro que pode — Rose disse — Marcel, já volto — Beijou Rafaela no rosto — Oi filha

Rafaela sorriu para a mãe e foi em direção ao sofá, o pai estava sentado usando um short e com uma camiseta de academia, ela estava entristecida, os dois se olharam e ele se endireitou juntando os joelhos, ela já sabia o que aquilo significava, colo.

Sentou-se nas coxas do pai e deixou o corpo cair sob ele se aninhando no peito conhecido

Respirou fundo sofrendo

— O que houve? — Marcel perguntou — Por que ta pesada assim?

Ela ergueu a cabeça

— To muito pesada? — Perguntou assustada

— Não, disse a sua respiração, parece que você perdeu algo

— Perdi, a vergonha na cara, foi isso que eu perdi — Rafaela respondeu baixinho

— O que você fez pra dizer isso? — O pai perguntou fazendo um cafuné na cabeça de Rafaela

Ela deslizou no corpo dele para ficar mais grudada

— Ah pai, eu sou puta, sei lá — Falou visivelmente frustrada — Não sei o que acontece

— Bem, se isso tá te atrapalhando, você tem que resolver mesmo, é o caso? — Ele perguntou tranquilo

— Não sei — Ela falou pensativa afundando a cara no peito dele

— Me fala então que eu te digo — Ele falou abraçando ela

Ela rebolou instintivamente para se aconchegar, era gostoso, confortável, seguro

— Quero ficar aqui pra sempre — Ela falou baixinho

— Tá bom meu amor — Ele deu um beijo na tempora dela, próximo a orelha reconstruída, sabia que ela não ouvia bem ali, era como ele, tinha problemas de audição — Fala com o papai — Ele puxou o rosto dela — E fala alto por que nós somos surdos

Ela sorriu e o abraçou

— Te amo ta pai, mesmo você me fazendo com defeito — Falou carinhosa

Ele deu uma risada baixinha

— Também te amo — Falou abraçando de volta

Passaram um tempo quietos

— Vamos, desembucha, por que essa tristeza toda, terminou o namoro e ficou pra baixo? — Ele perguntou curioso

Ela arrumou o corpo encostando as costas no sofá, mas ainda no colo dele

— Fiquei bem triste com o fim sim, com mais coisa também, mas sei lá — Respondeu pensativa

— Foi ver seu padrinho na cadeia né? — Ele perguntou decifrando-a — E aconteceu algo?

Ela fez que sim com a cabeça

— Foi ruim o que aconteceu? — Ele perguntou curioso

— Não — Ela respondeu parecendo nostálgica, respirou de forma aliviada — Foi bom — Respondeu se lembrando do sentimento de estar junto com o padrinho

— Acho que entendi — Ele disse pensativo

— É isso mesmo, eu fiquei com ele na cadeia — Rafaela disse tentando amenizar

— Ficar pra nova geração é sexo? — Marcel perguntou sem entender

Rafaela corou

— É — Respondeu, mas se corrigiu — Não, ficar é só beijo e pegação

— Então você beijou ele? — Marceu franziu a testa

— Não! — Ela respondeu — Quer dizer, sim, mas não só isso — Ela olhou para o pai, confusa — A gente transou, pai

— Hmm, imaginei — Ele falou pensativo — Tudo com sua permissão imagino

— Sim sim! — Rafaela respondeu rapido

— E o que tem de errado então, por que a tristeza? — Marcel perguntou curioso

— Ah pai, eu fui lá e dei pra ele por que a tia não queria por que o lugar é feio, mas ele tava triste, precisava de alguma distração, um alívio, aí eu me propus, mas o lugar é terrível e não dava pra voltar atrás e eu saí mais triste do que entrei

— Então não foi uma boa experiencia? — Marcel perguntou tentando entender

— O sexo foi muito bom, mas o lugar é péssimo, me deixou depressiva — Rafaela disse — Aí a tia tava me esperando na porta, e me falou uma coisa super estranha, ela ta toda estranha

— O que ela falou? — Marcel franziu a sobrancelha

— Ela primeiro perguntou se eu tinha “dado a buceta” — Rafaela fez aspas com os dedos — Meio pesado

— O que foi pesado, a pergunta ou como ela perguntou?

— O jeito, foi muito brusco — Rafaela respondeu pensativa

— Você queria que ela tivesse perguntado tipo se vocês transaram? — Marcel perguntou curioso

— É, acho que sim — Rafaela respondeu pensativa

— Você transou com o marido dela Rafa, não peça que ela reflita muito nisso, é uma situação nova pra ela — Marcel disse

— Mas você come a buceta dela também direto e ela não fica chocada assim — Rafaela cutucou o pai

— Essa não é uma situação nova pra ela, é anterior ao Matheus, você sabe — Ele respondeu — E não tente me escarnecer

Ela fez cara de choro e colocou a cabeça no peito dele

— Desculpa — Respondeu chorosa

— Tá, não to brigando, estamos conversando, levanta a cabeça — Fez ela olhar pra ele e deu um beijo na bochecha dela — Foi isso que ela falou de estranho?

— Não, ela perguntou se eu tinha transado de camisinha com ele

— Obviamente que sim — Marcel disse

— É, então — Rafaela ficou vermelha

Marcel revirou os olhos

— Ah meu amor, sério isso? — Marcel parecia decepcionado

— Não deu tempo! — Rafaela tentou se justificar

— Sempre da tempo — Marcel disse

— Eu sei, mas eu, eu.. — Rafaela tentou responder

— Você queria sem camisinha né? — Marcel disse

— Queria — Rafaela respondeu envergonhada

— Você é o carbono da sua mãe puta que pariu — Marcel falou pensativo

— Como assim? — Rafaela perguntou

— Sua mãe tem isso de fazer no couro com quem ela ama — Marcel falou reprovando — Você ama seu padrinho não ama?

— Amo — Rafaela respondeu

— Por isso deu sem proteção né? — Marcel disse

— É — Rafaela respondeu pensativa

— Você ama o Moacir? — Marcel perguntou

— O Moacir? Não, por que? — Rafaela perguntou olhando assustada para o pai

— Então com ele você fazia com camisinha — Ele falou calmo

Ela olhou para ele prendendo o ar, não sabia que ele tinha aquela informação

— Sim — Respondeu observando-o

— Não precisa ficar assustada querida, eu percebi que você tava transando com ele, pode ficar tranquila, eu não vou te repreender, você é maior de idade já

Ela não respondeu, ficou pensando uns instantes com a cabeça apoiada no ombro dele

— O que o senhor acha? — Ela perguntou — Sobre o Moacir

— Bem — Marcel respirou pesado e pensou um pouco — Você deve ter sofrido um pouco né?

Rafaela olhou pra ele envergonhada

— Um pouco — Respondeu retraída

Ele riu em seguida

— Você aguentou aquele cavalo? — Ele riu, parabéns

Ela riu também

— Aguentei, depois acostumei — Respondeu mais a vontade

— Mas volta, o que sua tia disse, você não me falou — Marcel perguntou

— Ela perguntou se ele tinha gozado dentro de mim e eu disse que sim, mas que eu tomaria a pilula do dia seguinte

— E você vai tomar, certo? — Marcel perguntou

— Vou, quer dizer não — Rafaela olhou para ele frustrada — Não sei

— Como não Rafa, você tem que tomar, senão vai engravidar — Marcel disse assertivo

— Eu sei, mas ela pediu para eu não tomar — Rafaela disse — Justamente para eu engravidar e ela criar meu filho como se fosse dela

— Puta que pariu — Marcel falou pensativo — Aì é foda

— É, eu sei — Rafaela disse concordando — O que eu faço

— Toma o remédio meu amor — Marcel disse — Quando sua tia estiver mais tranquila, de boa, com a cabeça no lugar você pode falar disso come ela, se você quiser

Rafaela fez que sim com a cabeça

— Ela não ta boa né? — Rafaela perguntou

— Não, isso não ta fazendo bem pra ela, estamos todos os dias conversando bastante com ela — Marcel disse

— Conversando, sei — Rafaela falou maliciosa

— A gente transa bem gostoso sim, mas conversa bastante também — Marcel disse com naturalidade, mas continuava pensativo

— Pai — Rafaela perguntou carinhosa

— Sim

— É errado transar com quem a gente gosta? — Rafaela perguntou — Ou fazer outras coisas sei lá

— Não Rafa, se todo mundo que está envolvido sabe de tudo o que está acontecendo e pode optar, não é errado, por que a pergunta? — Marcel disse preocupado

— Ah, sei lá — Rafaela falou escondendo o rosto

— Ta falando de você ter transado com seu irmão né? — Ele perguntou ainda abraçando ela

Rafaela só fez que sim com a cabeça

— Qual o problema disso? — Marcel perguntou — Vocês dois são adultos, se amam, são saudáveis, a sociedade não gosta muito disso, mas é simplesmente amor, francamente eu não sei como não fizeram antes.

Rafaela ficou quieta

— Aliás, fizeram antes? — Ele perguntou pensativo

— Não, foi só agora mesmo — Ela falou sem olhar pra ele — É que eu fico pensando que pode ser errado

— Ah querida, só é errado se está fazendo mal pra alguém ou pra você, aí sim é errado, mas se tá tudo bem pros envolvidos, tudo bem também — Ele disse — Igual aquela vez que você mamou o papai

— Paaaiiii!!! — Ela falou assustada olhando em volta — Fala baixo!

— Ah querida, sua mãe sabe disso, ela que me contou — Marcel falou

— Mas eu tenho vergonha — Rafaela disse preocupada

— Não foi bom? — Marcel perguntou

— Foi sim — Ela disse — Mas eu tenho vergonha

— Pra mim foi ótimo, o melhor — Ele disse

Ela encostou a cabeça no peito dele e sorriu satisfeita, sentiu algo cutucando sua coxa, colocou a mão, era o pau dele, duro.

Seu coração acelerou, fez um carinho por cima do short por quase um minuto, em silêncio

— Tá sem nada por baixo? — Perguntou baixinho

— Pronto — Rose desceu as escadas chamando atenção

Rafaela tirou a mão, mas continuou no colo do pai. Rose se aproximou e puxou a mão dela

— Sai daí sirigaita — Falou tirando Rafaela do colo dele e sentando em seguida, passou a mão no pau do marido, estava duro — Oh, o que é isso aqui?

Rafaela olhou assustada para a mãe

Rose fez um sinal negativo com a cabeça

— Te falar hein, pouca vergonha — Reprovou

— Como ela tá? — Marcel perguntou tirando o foco

— Dei um remedio pra ela, pra ela dormir, não ta falando coisa com coisa — Rose disse — Ta frustrada

— Com o que? — Rafaela perguntou

— Com você amor, você deixou ele gozar dentro de você sem camisinha e ela acha que você tá gravida do filho dela — Rose falou sendo direta

Rafaela corou

— Foi hoje, não da para estar grávida ainda — Rafaela se defendeu

— Eu sei, mas ela não tá bem, ela te ameaçou, falou alguma coisa estranha pra você? — Rose disse — Por que só desconsidera

— Não, só isso mesmo, disse que queria criar como se fosse filho dela — Rafaela disse — Falei pro pai — Apontou pro pai no sofá abraçando com a mãe

— Eu falei pra ela tomar o remédio, o que você acha Rose? — Marcel perguntou curioso

— Acho que tem que tomar também — Rose disse olha para ele e depois olhou pra Rafaela — E você moça, tá grande já pra não usar proteção, você é louca Rafaela?

— Não mãe, ele não tinha doença, eu sei, se tivesse teria me dito — Rafaela disse

— Eu sei que teria, mas ele tem esperma, você já engravidou uma vez e eu nem preciso dizer que você não precisa engravidar agora né, vai voltar a estudar

— Eu sei eu sei, vou tomar o remédio — Rafaela disse

— Pega meu cartão — Marcel disse apontando pra carteira — Passa nele

— Obrigada — Rafaela se levantou estalando o pescoço pensativa

Foi para o seu quarto, tomou um banho, sentou no chão, pensou na situação, chorou um pouco lembrando-se do lugar degradante que o padrinho estava, foi para sua cama e adormeceu nua.

Acordou horas depois com o telefone tocando, atendeu ser olhar

— Alô — A voz de sono

— Onde você tá? — A voz feminina e Natali do outro lado

— To em casa — Rafaela respondeu

— To chegando aí, preciso falar com você — Natali respondeu e desligou

Rafaela se sentou na cama

— Mais problema, to fudida mesmo — Abraçou os joelhos — O que será?

Levantou-se, pensativa, lembrou que havia deixado Natali com Carlinhos, pensou se tinha acontecido algo grave.

Vestiu um shortinho jeans e um top de ficar em casa, sentou-se na cama e ouviu passos, Natali entrou esbaforida, usava uma bolsa a tiracolo, vestia um short pequeno também e uma camiseta branca com os bicos dos seios entumecidos roçando, tirou um caderno e deu para ela, estava escrito

Rafaela olhou para ela, estava sem maquiagem, os lábios pálidos, os olhos pequenos, até para ela era incomum ver a irmã assim.

“Diário”

💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕

CANTINHO DO LEITOR

Olá meu amores, vocês estão bem?

Vamos lá, depois de duas semanas de pausa eu estou trazendo três textos para vocês, um deles é o capitulo de Danielle Trans que está no Scriv e logo mais aqui na Casa dos Contos também e depois outro capítulo do livro 3, o "Capitulo 11 - Diário de Shoemaker"

Deixe seu comentário, sua estrelinha isso me ajuda muuuuuuitoooo

Se quiser falar algo sobre o texto me mande mensagem no email rafaelakhalil81@gmail.com ou procure minha comunidade no Whatsapp

Beijinhos Mil, Rafinha

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 45 estrelas.
Incentive Rafaela Khalil a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Rafaela KhalilRafaela KhalilContos: 94Seguidores: 235Seguindo: 1Mensagem Autora Brasileira, escritora de livros de romances eróticos para quem não tem frescura

Comentários

Foto de perfil genérica

Eitaaaa q tá uma loucura isso tudo rsrs

Rafa eu não consegui entra na sua comunidade 😩

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

Tá sim, história evoluindo.

É uma comunidade do Whatsapp, tem que ter o whatsapp atualizado só. Entraram algumas pessoas já

0 0
Foto de perfil genérica

Passada mulher!!!!! Kkkkkk será que a tia dela é louca e psicótica? Meus Deus!!! E esse diário do Carlinhos?? 😬😱. Oh pai dela é um fofo;)estava com saudades dos capítulos, eu amo essa série.bjoss

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

Já postei a continuação onde tem mais dondiario, mas o site barrou, está sob análise ainda.

1 0
Foto de perfil genérica

Torcer pra eles liberarem logo 🙏🏻ta muito legal,❤️

1 0

Listas em que este conto está presente

SERIES
Acompanhar essas series