O Diário de Rafaela 3 - Capitulo 08 - Com o pai

Um conto erótico de Rafaela Khalil
Categoria: Heterossexual
Contém 2616 palavras
Data: 24/09/2023 21:42:11

Ao chegar em casa Rafaela voltou ao seu quarto,pegou seus documentos e foi até a sua universidade acertar seus papéis de matrícula, foi resolver diversos problemas e no fim do dia foi ao cinema sozinha.

Recebeu mensagens de Paulo da Oficina, da mãe e de Natali. Respondeu a todos falando onde estava e disse exatamente o que estava fazendo, que queria ficar sozinha.

Chegou tarde em casa, falou brevemente com a mãe e o pai e foi dormir assim que viu a mensagem do irmão avisando que havia chegado bem.

Acordou cedo, era um sábado, tinha um objetivo em mente para aquele dia, essa vez foi ao banheiro e ligou o chuveiro, tomou um banho rápido se limpando bem e sentou-se no chão, precisava pensar no que havia acontecido.

Amava seu irmão e adorou toda a interação dos dois, aquela noite havia sido mágica, mas era hora de colocar os pés no mundo real, aquele tipo de coisa era inaceitável para a sociedade contemporânea

— Rafaaaa — Ouviu a voz de Natali no andar debaixo — Magrelaaaaaa!

— To aqui — Gritou de dentro do chuveiro

Alguns segundos depois Natali entrou no banheiro

— Nossa, que vapor, tá cozinhando é? — Falou abanando a mão para tirar o vapor da frente

— Tô só relaxando — Rafaela falou pensativa — Quer vir aqui?

— Não, arrumei o cabelo, não vou lavar não — Natali falou — Vai demorar?

— Precisa de algo? — Rafaela perguntou olhando pra irmã

— Nada específico, só queria sua companhia — Natali falou de forma fofa

Rafaela revirou os olhos

— Oh Carência, tô indo já — Falou se levantando e em seguida se preparando para sair

Saiu nua para o quarto, Natali estava sentada no computador navegando na internet

— Cadê as putarias? — Natali perguntou enquanto mexia na internet

— Entra em algum site de video — Rafaela disse enxugando os cabelos

— Não, quero putaria sua, não tem? — Natali perguntou curiosa

— Não né, tá doida, se colocar essas coisas no computador, fudeu — Rafaela disse explicativa

— ah é? por que? — Natali perguntou olhando para ela curiosa

— Nati, qualquer coisa em computador, email, internet não é seguro, alguém pode entrar, pegar suas coisas e expor por aí

— E se tiver no celular? — Ela perguntou curiosa

— Se alguém roubar seu celular ou invadir também — Rafaela disse observando Natali pensar sobre isso

Natali pegou a bolsa e pegou o celular, mexeu

Rafaela se aproximou, viu fotos e vídeos de corpos, parecia ela

— Tá cheio de putaria sua aí? — Rafaela perguntou observando

— Um pouco — Natali respondeu parecendo preocupada

— Nati, você mandou isso pra alguém? — Rafaela perguntou curiosa

— Posso ter mandado — Natali respondeu

— Tinha seu rosto nessas fotos e vídeos? — Rafaela perguntou

— Pode ser que sim — Natali fez uma careta

— Mano, você é doida? — Rafaela perguntou nervosa

— Mas quem eu passei nunca passaria para outras pessoas — Natali disse — É tranquilo

— Tá bom, e se essa pessoa for roubada ou invadida e pegarem essas fotos? — Rafaela perguntou

Natali piscou, entortou levemente a cabeça

— Ah Rafa, fudeu — Natali falou preocupada — O que eu posso fazer?

— Só daqui pra frente, não manda foto com seu rosto ou tatuagem ou video nem nada — Rafaela disse

Natali ficou pensando, não respondeu.

Rafaela deu as costas e se dirigiu ao armário

— Rabão! — Ouviu a voz de Natali e um tapa forte na bunda

O barulho na bunda foi alto e a dor instantânea, Rafaela avançou para se livrar, colocou as duas mãos na bunda

— Vaca! — Falou nervosa pegou um sapato e jogou em Natali

Natali riu

— Vai trocar de roupa, vamos tomar um sorvete!

— Você vive fora de casa é? — Rafaela perguntou passando a mão na bunda — Tem formiga no cu?

— Por que? — Natali perguntou sem entender

— Você só vem aqui me chamar pra sair — Rafaela falou observadora

— Rafa, meu trabalho é vir aqui tirar você de casa, vai, veste uma roupa que te deixe gostosa e vamos sair pra comer, talvez tomar um sorvete por que tá um calor da preula — Natali falou se levantando e indo ao armário

Pegou uma blusinha branca e deu

— Tó, veste essa sem sutiã, seu chocolate vai aparecer — Natali beliscou o peito de Rafaela

— Aí porra! — Rafaela se encolheu — Nada de fantasia de puta, hoje não

— Oxe, por que não? — Natali falou — Vai ver um namorado é?

— Hoje eu vou visitar o Diu, na cadeia — Rafaela disse pegando o sutiã bege e vestindo — Não dá para ir mega sexy na cadeia

— Caraca Rafa, virou mulher de porta de cadeia agora? Vai lá pra visita íntima? — Natali perguntou debochando, mas com um fundo de verdade e preconceito

Rafaela ficou séria

— Brincadeira tem limite, ele ta preso por mim, ele não é bandido — Rafaela falou nervosa

Natali a abraçou

— Eu sei linda, to brincando — Falou beijando a boca dela com selinhos pequenos

Rafaela se desvencilhou, não estava brava de verdade, olhou para Natali, ela usava um vestido preto justo com alças finas, estava bonita, mas a maquiagem estava passada, o cabelo levemente desarrumado, a boca cheirava álcool

— Sai pra lá — Rafaela se virou e pegou uma calcinha comportada combinando com o sutiã. — Você bebeu, né? — Perguntou nada discreta

Vestiu uma saia comprida até o tornozelo, e uma blusinha preta sem estampa, sem decote, comportada

— Bebi um pouco — Natali falou baforando na mão e cheirando — Deu pra sentir o cheiro?

— Você veio direto da balada? Dormiu? — Rafaela perguntou enquanto se preparava

— Dormi um pouco, acordei e vim pra cá — Natali falou pensativa e se abaixou na frente do espelho para se arrumar

— Dormiu onde? — Rafaela perguntou

— Um motelzinho meia boca aqui pertinho — Nati disse

— Conheço o cara? — Rafaela perguntou

— Não, nem eu conheço, foi um casal — Natali disse de forma tranquila

— Você transou com um casal? — Rafaela estranhou

— Foi, conheci ela na balada, a gente ficou, aí o marido dela tava lá, a gente conversou e eu topei a tres

— Foi bom? — Rafaela perguntou curiosa

— Foi sim, o cara tinha pinto pequeno, mas a mina tinha uns peitos siliconados da hora — Falou fazendo um gesto com as mãos nos próprios seios — Assim ó, grandão!

Rafaela fez que não com a cabeça, mas sorridente pela falta de vergonha na cara da irmã

— Se protegeu né? — Rafaela perguntou

— Claro, claro, não pego doença não mina, tá doida é? — Natali falou divertida — Sou médica mano, tá me tirando? — Forçou gestos conhecidos por Rappers, como se ela fosse uma mulher “da quebrada”

Rafaela riu

Natali esperou ela se vestir.

Rafaela estava pronta

— Sorvetinho? — Natali perguntou sorridente

— Você perdeu a noção né, são seis da manhã — Se aproximou e cheirou o hálito da irmã — Você tá com bafo de cachaça e mau hálito, quer dizer que você tá com fome, e tá com essa cara de cu derretida por que tá com a glicose baixa por que ta com fome

— Ôh caraio, a médica aqui sou eu hein, eu dou diagnóstico — Natali falou cruzando os braços

Rafaela cruzou também observando-a nos olhos coloridos

Natali revirou os olhos

— Vamos comer vai, to com fome

Resolveram sair dali e ir até a padaria, Natali estava realmente com fome, pediu pão, queijo, uma coxinha, tomou dois café espressos e um chocolate gelado

Rafaela observou horrorizada a quantidade de comida

— Foi cansativa a noite Nati? — Rafaela perguntou curiosa

— Bastante, a garoa me fez gozar umas quatro vezes, acabou comigo — Falou com a boca cheia

— E o cara? Nada? — Perguntou curiosa

— Eu logo vi que ele não era de nada, dei pra ele, e depois nós duas chupamos até ele gozar, aí ele ficou no canto e a gente transou. — Falou animada — Você tem que conhecer Rafa, maior gatinha — Natali olhou para cima pensativa — Mas acho que não dei meu telefone pra eles, caramba!

Rafaela riu, Natali estava acelerada

— Mas e ae, seu irmão, como foi o sexo? — Perguntou direta

— Minha mãe te contou? — Rafaela perguntou falando baixinho e olhando em volta

— Não, nem falei com ela, você me contou agora — Natali sorriu com as bochechas marcadas pelo chocolate gelado do copo grande

Rafaela revirou os olhos

— Deixa pra lá — Rafaela disse

— Não, deixa não — Natali pegou as mãos dela — Seu irmão é o maior tesão, bati uma pra ele outro dia — Natali disse

— Ué, por que não deu pra ele então, se tava no tesão? — Rafaela perguntou — Certeza que ele te comia

— Comia nada Rafa, ele ta igual namorado apaixonado, só tinha olhos pra você e você toda cheia de ciúmes, certeza que se eu pegasse ele você nunca mais falava comigo

— Nada a ver — Rafaela disse franzindo a testa

— Ai amor, se abre comigo vai — Natali disse beijando as mãos de Rafaela

— Ai Nati, tá bom, a gente transou — Falou revelando a verdade

— Ele tem pintão, né? — Natali perguntou

— Tem sim, grandão — Rafaela sorriu, achava engraçado Natali estar meio bêbada meio bem humorada

— Fode gostoso né? — Natali perguntou — Igual a você!

— Fode sim, é um puta garanhão, me fodeu a noite inteira umas quatro vezes — Rafaela sorriu e olhou pra cima

— Caraaaacaaaa — Natali disse — Que sorriso é esse? Seu irmão te arrebentou mesmo então? — Natali perguntou — Que da hora!

— Fala baixo sua doida! — Rafaela disse

— Queria que meu pai fosse assim comigo — Natali falou rindo e levantando a mão para a garçonete

— Como é? — Rafaela perguntou levantando a sobrancelha

— Queria que ele fosse potente igual seu irmão — Natali falou pensativa — Mas você sabe né, não preciso te falar — A garçonete se aproximou e ela falou — Me vê outro desse com bastante gelo e me vê aquele enroladinho de salsicha ali

A garota acenou com a cabeça e foi buscar os pedidos

— Nati, Nati, explica isso — Rafaela falou quando a garçonete saiu — Que negócio é esse com seu pai? O que vocês fizeram?

Natali piscou forte, parecia assustada

— É…. — Tentou pensar em algo, mas estava lenta — Não, nada! — Natali falou atrapalhada

— Nati — Rafaela falou severa

— Ai Rafa, não briga comigo por favor, eu te amo — Natali falou fazendo uma cara de choro

— Me fala — Rafaela disse nervosa

— Eu já fiquei com ele — Natali disse — Eu nunca te falei por que achei que você ia ficar nervosa

— Desde quando vocês transam — Rafaela perguntou

— Ele foi o meu primeiro, aí eu de vez em quando eu durmo no apartamento dele e as vezes, só às vezes a gente fica — Natali falou — Por favor, não fica brava comigo

— Por que não me contou isso? — Rafaela falou nervosa

— Quando a gente começou a falar vocês namoravam, aí a gente tinha parado de meter, por que ele não queria, eu fiquei irritada com você no começo, mas depois a gente se conheceu melhor e eu te amei — Natali disse preocupada

— Enquanto eu estava com ele, vocês fizeram? — Rafaela perguntou pensativa

— Não! — Natali gritou e depois disse mais baixo — Não, não, só, antes — Demorou um pouco — E depois…

— Vocês continuam transando? — Rafaela perguntou

— As vezes, mas é raro, só de vez em quando mesmo, eu juro — Natali disse — Desculpa

— Não precisa pedir desculpa pra mim Natali — Rafaela disse

— Ai, Natali é foda hein, me perdoa amor, eu não queria te magoar — Natali disse

— Eu — Rafaela disse pensativa — Preciso ir tá, preciso chegar cedo na prisão

Natali arregalou os olhos, colocou a mão na boca e saiu correndo até o fundo da padaria, entrou no banheiro correndo, Rafaela foi atrás dela e ouviu os barulhos, ela estava vomitando.

Rafaela esperou um pouco, empurrou a porta. Natali estava ajoelhada com a cabeça no vaso, o cabelo todo melado

— Ai meu caralho — Rafaela falou e prendeu o próprio cabelo, foi até o lavatório e molhou as mãos, pegou papel e limpou os cabelos de Natali prendendo-os no topo da cabeça

— Desculpa amor — Natali falou chorando — Me perdoa — Assim que terminou de falar sentiu ânsia e voltou a vomitar

— Tá Nati, não foi nada, relaxa eu to de boa — Rafaela disse preocupada

Esperou a irmã colocar tudo o que tinha no estômago para fora, se levantou e limpou-a

— Desculpa tá — Natali falou com a maquiagem escorrendo

— Cala a boca meu — Rafaela falou pegando o papel tentando limpar a maquiagem dela o máximo que podia — Fica quietinha, seu pai ta na cidade?

— Tá sim — Falou parada de olhos fechados

— Tá bom, vem comigo — Rafaela pegou Natali e levou para a mesa, fez ela sentar e foi pagar a conta, mas Natali segurou a saia dela, Rafaela parou para olhar

Natali esticou um cartão negro e disse

— Paga aqui, a senha é seu aniversário — Natali falou e pegou salgado que estava na mesa e começou a comer devagar.

Rafaela pagou com o cartão da irmã, pegou uma água. Pegou Natali pela mão e foram até a rua, entraram num Táxi. Rafaela deu o endereço do apartamento de Carlinhos, o Pai de Natali e foram para lá.

Pegou o telefone e ligou para Carlinhos, chamou algumas vezes antes de atender

— Rafa? — Carlinhos estava com voz de sono — Tá tudo bem?

— Tá sim, tá no seu apartamento agora? — Rafaela perguntou

— Tô sim, precisa de algo? — Carlinhos perguntou curioso

— Preciso, chego aí em uns cinco minutos, se veste — Rafaela disse assertiva

— Vamos sair? — Carlinhos perguntou preocupado

— Não, vou deixar uma coisa com você e já vou embora — Falou deixando-o curioso de propósito — Um beijo — Desligou o telefone se arrependendo de ter mando beijo

Natali dormia no ombro dela, chegaram ao hotel e Rafaela teve trabalho para tirar Natali de dentro do táxi. Entraram sem problemas no prédio, eram conhecidas da recepção, subiram e bateram na porta.

Natali estava abraçada com Rafaela, Carlinhos abriu a porta, estava vestido decentemente, quando viu as duas correu para socorrer Natali

— O que aconteceu? — Perguntou segurando a filha e a deitando na cama, o apartamento era bem pequeno

— Ela bateu lá em casa, não parecia bêbada, mas a gente foi tomar café da manhã e deu um revertério de uma hora pra outra

— Hmmm — Ele disse pensativo, pegou o pulso da filha e olhou no relógio — A pressão tá boa, não deve ter comido nada e tomou pouca água — Carlinhos disse

— Ela tomou uma garrafinha de 500 ml vindo pra cá, acho que dá pra começar — Rafaela disse

— Pai, eu falei pra ela — Natali falou e se virou na cama pegando o cobertor

— Contou o que? — Carlinhos perguntou curioso

— Ela contou que vocês transam — Rafaela disse como se fosse algo corriqueiro

— Olha Rafa, sobre isso — Carlinhos disse preocupado

— Não precisa falar nada, você não me deve explicações — Rafaela avançou sobre Natali e a puxou pelos pés

— Nããããooo — Natali falou com a voz pesada e grave

Rafaela a fez sentar com ajuda de Carlinhos e puxou o vestido dela por cima da cabeça, não usava sutiã, tirou os sapatos dela deixando-a só de calcinha

— Espera ela acordar tá — Rafaela disse se levantando e falando com Carlinhos

— Como assim? Você acha que eu… — Ele ia falar mas foi interrompido

— Eu não acho nada — Rafaela disse séria — Eu não sou louca e você sabe

— Fica comigo Rafa! — Natali disse em seguida apontou pros próprios peitos nus — Olha meus peitos! — E deu risada molenga de bêbada

Rafaela riu, Carlinhos ficou preocupado, Rafaela se abaixou e beijou os lábios dela, ergueu o corpo e olhou para Carlinhos, se dirigiu até a porta e se virou.

— Cuida da sua filha tá — Rafaela disse — Eu volto mais tarde

Carlinhos se aproximou, inclinou o rosto em direção à Rafaela, ela não se opôs, deu um beijo na bochecha dela, próximo da boca

Ela observou séria e depois disse

— Tchau Dr Shoemaker — Deu as coisas e saiu em direção ao seu compromisso

♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️

Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Espero que sim, espero que tenham gostado desse pequeno capítulo de ligação.

Se vocês gostaram deixe seu comentário, deixem suas estrelinhas.

Se quiserem mais me sigam no Instagram em @rafaelakhalil me siga no Scriv ou me mande um email para rafaelakhalil.

Beijinhos docinhos da Rafinha

PS: Tudo vai ficar bem 😉

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 36 estrelas.
Incentive Rafaela Khalil a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Rafaela KhalilRafaela KhalilContos: 92Seguidores: 234Seguindo: 1Mensagem Autora Brasileira, escritora de livros de romances eróticos para quem não tem frescura

Comentários

Foto de perfil genérica

Cara dia e a cada texto a história fica melhor e mais interessante!

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

Os comentários de vocês são muito importantes, mesmo em capítulos como esse que não tem sexo explicito vocês acham legais. Isso é ótimo para a historia se desenvolver e para mim como escritora desenvolver minha parte dramática e romântica.

Obrigada.

1 0
Foto de perfil genérica

Não leio seus contos somente pelo sexo não! Mas também pela forma simples direta e com uma história cativante! Muito bom! Continue assim

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

Fico contente de ouvir isso, me faz bem. Sugiro então que você leia no site Scriv (https://www.instagram.com/scrivpapp/) a "Danielle, Trans, Evangélica".

É uma história de uma garota transexual que vive em conflito com a família e a religião dela.

Tem sexo explicito, mas o foco é a luta diária dela por se provar capaz.

Estou amando escrevê-la.

Se for pra lá, comenta no capítulo que veio por aqui :-)

0 0
Foto de perfil genérica

Não conseguir achar

0 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

A história de Danielle

https://scriv.com.br/rafaelakhalil/b/eu-dani-trans

Meu perfil, para você seguir e ficar atualizado quando eu publicar

https://scriv.com.br/rafaelakhalil/

Agora vai

0 0
Foto de perfil genérica

Geeeete, tô passando

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

A gente imaginava né, só não tinha certeza, quando a Nati estiver sobria elas vão voltar nesse assunto

1 0
Foto de perfil genérica

👏👏👏 Já suspeitava da Natali e do pai, kkkkk agora vamos ver como a Rafa lida com tanta informação!! Tô curiosa pra ver como vai ser a relação dela com o tio, e ainda tem o Pai dela. Não desanima não, vc escreve super bem! Bjs

1 0
Foto de perfil de Rafaela Khalil

Elas vão voltar nesse assunto quando a Nati estiver bem, aí tem mais um detalhe que não vai deixar a Rafa muito contente.

1 0
Foto de perfil genérica

Mais parte dessa incrível história que a cada capítulo se torna cada vez mais interessante e excitante!! Parabéns Rafaela!!

1 0