Morgana Parte 1: O início, perdi minha virgindade com ela e nos casamos

Um conto erótico de Jhon Winchester
Categoria: Heterossexual
Contém 2505 palavras
Data: 28/09/2023 08:45:33

E aí meus amigos da CDC, tudo bem com vocês?

Pra quem já leu meu último conto quero dizer que agora estou mais tranquilo quanto a rapariguinha que estava me ameaçando pelo face, acho que viu que eu não ia lhe dar dinheiro e desistiu (assim espero).

Bom, como já disse antes uso esse site como diário pessoal para pôr pra fora desejos, vontades e fatos que aconteceram e acontecem comigo e não conto a pessoas próximas por medo de julgamentos e retaliações... os FATOS que conto não estão em ordem cronológica, vou contando de acordo vou me lembrando ou conforme vão acontecendo (como os mais atuais foram com minhas cunhadas, uma que foi pra outro estado e a outra infelizmente ainda está sem falar direito comigo devido o ocorrido entre a gente).

Estava relendo o relato que fiz sobre quando eu e Morgana estávamos ainda nos separando, do nosso acordo, como ela liberou que facilitou que eu ficasse com nossa amiga Victoria (lembrei agora que não contei para vocês como foi nossa transa, Victoria, Morgana e eu). Mas hoje quero contar como foi minha primeira transa com Morgana, um pouco como éramos quando casados e como foi o fim do nosso casamento.

Depois de ter perdido tragicamente por conta de um acidente de ônibus em uma cidade para qual minha primeira namorada oficial acabara de se mudar (na época eu tinha 16 e ela 20) fiquei muito abalado pela perda, AMAVA aquela que me ensinou muito sobre tudo. Tive sim algumas aventuras, mas coisas de adolescente nada muito sério e acreditem se quiser, cheguei aos meus 22 virgem (podem rir kkk, mas é verdade). Indo para igreja evangélica, já sabia tocar bateria, violão, guitarra e contrabaixo despertava nas irmãzinhas o interesse pelo irmão aqui, e uma dessas foi a Morgana, já dei descrição dela nos relatos anteriores, uma moreninha boca de cereja, cabelos longos, corpinho de menina, seios pequenos na época, uma bunda redondinha e empinadinha, não muito magra, corpinho lindo mesmo, na época com XIV de idade mas a sua fama já corria pela cidade, ainda mais que já era sabido de todos que ela tinha perdido a virgindade com o Raul (também já contei aqui como foi), mas eu não ligava pra nada do que falavam, na verdade via aquela carinha de menina e não acreditava no que falavam dela o que só vim constatar que era de fato depois...

Minha primeira namorada (não vou colocar nome, nem fictício em respeito a sua memória) era crente mesmo, e me ensinou a ser crente também, tivemos um namoro a moda antiga, muito respeitoso e tal... Mas com Morgana foi muuuuuito diferente, tanto que fui criticado por muitos da igreja pelo fato de ela ser muito nova e muito danada, enquanto eu era tido como “ O BOM MENINO”, aquele tipo de genro que toda mãe quer pra sua filha, tanto que a primeira coisa que a mãe da Morgana me falou quando foi conversar com ela foi “só não vão fazer minino agora meu fi, se não tiver nada na hora põe nem que seja uma sacola” kkk, a veia da desgraça, já sabia bem como era a filha dela.

Comecei a namorar a Morgana, e já vi que ela era QUENTE, tínhamos muita química, ela me excitava demais, nas noites que ficávamos esperávamos todos entrar para casa e como a rua que ela morava era escura, ficávamos ali mesmo no escurinho, ela me beijava se esfregando em mim, virava a bunda e esfregava no meu pau muito duro, ela se esfregava tanto que eu gozava ali mesmo sujando a roupa, ela mesma pegava em minhas mãos e passava no seu corpo, nos seus seios e bunda, mas ficávamos só nisso, nesse esfrega de adolescente até que um dia, fomos tomar banho no rio, dessa vez a irmã gêmea dela (Mara) nos acompanhou junto com outros amigos da igreja... enquanto banhávamos e brincávamos no rio, Morgana vez em quando me atiçava com seus beijos quentes, usava um shortinho curto e um top que cobria seus seios mas deixava os biquinhos a amostra, até que ela percebe que não tinha ninguém por perto e tira o top e me mostra pela primeira vez aqueles seios redondinhos médios e firmes, meu pau subiu na hora, chegue para perto e chupei muito aqueles seios enquanto Morgana enfiava a mão por dentro do meu short e me masturbava (nesse período ela já me fazia gozar muito me masturbando e eu a masturbava para nos aliviar), eu passava a mão por cima do seu short e acariciava sua buceta, nossa que tesão aquela novinha era, mas não podíamos vacilar e deixar nossos amigos da igreja nos ver naquele movimento pois a disciplina seria certa. O certo é que fiquei viciado em chupar aqueles seios e sentir aquela mão na minha rola.

Os nossos três primeiros meses de namoro foram assim, se conhecendo e aumentando a química entre nós, nos masturbando, conhecendo e despertando cada vez mais desejo um pelo outro até que uma noite qualquer finalmente aconteceu, estava como de costume na casa da Morgana quando todos foram dormir e eu fiquei com ela na porta da casa, quando o movimento da rua parou partimos para nossos amassos costumeiros até que Morgana me faz uma proposta:

Mor: Vamos sair daqui?

_ Quer ir pra onde nega?

Mor: Qualquer lugar, mais escondido, pra gente ficar mais à-vontade meu nego!

Saímos não muito longe dali, uma rua sem iluminação nenhuma, começamos a nos beijar novamente e já sinto a mão da Morgana passando pelo meu pau, eu sem muita dificuldade levantei sua blusa deixando aqueles seios a amostra totalmente disponível para mim (ela já ficava sem sutiã pra facilitar).

Mor: Ai nego, gostoso... chupa com carinho nego

_ Chupou minha nega, do jeito que tu quiser...

Mor: Te amo nego, tu me deixa doida... nunca senti isso por ninguém...

_ Também te amo neguinha, GOSTOSA

Mor: ai nego, tu fala assim me deixa doida nego, me dá vontade demais...

Eu também neguinha, tu é muito GOSTOSA, eu gozo toda vez na tua mão nega.

Daí Morgana me empurra até chegarmos em uma calçada alta de uma casa, me faz sentar e começa a desabotoar minha calça.

_O que tu tá fazendo?

Mor: Confia em mim nego?... nisso ela põe meu pau pra fora e começa a me masturbar, eu pensei que seria apenas mais uma noite em que ela me masturbaria até gozar em sua mão, mas ela sobre pra calçada ficando de joelhos se posicionando em cima do meu pau de frente pra mim, vai levantando sua saia jeans e se sentando no meu pau, até então não tinha percebido que a ninfeta estava sem calcinha pois não tinha a masturbado ainda, só percebi quando ela sentou no meu pau e sente o calor da sua buceta engolindo meu cacete sem muita dificuldade por já não ser mais virgem..

_OHRR... Morgana...certeza que tu quer isso?

Mor: Faz tempo que eu quero meu nego... deixa eu gozar nesse pau meu nego... assim aiii

_Vai devagar neguinha... ummm...

Mor: AIII... eu quero gritar nego

_Shiiii... fala baixo

Mor: Não quero sair daqui nego, hummm, gostoso..

Ela descia e subia, se esfregava no meu pau enquanto eu chupava seus seios e a única coisa que eu pensava era “Nossa, é minha primeira vez, tô perdendo a virgindade com minha neguinha”. O tesão me tomava de conta até que não aguentava mais os movimentos de vai e vem que Morgana fazia no meu pau, aperto suas costas nuas e chupo com mais força seu seio e sem falar nada gozo dentro dela, começo a ter espasmos por conta da ejaculação e ela não para de cavalgar em cima de mim, minha rola já doía com seus movimentos enquanto ela vai desacelerando e me beijando pergunta: Gozou meu nego?

_ Gozei neguinha... gozei sim.

Ela sai de cima de mim e vai ajeitando sua roupa, nos despedimos... no outro dia eu muito ansioso para vê-la, a única coisa que pensava era se ela tinha gostado, vou até sua casa pela manhã, ela me abraça e sussurra no meu ouvido “Quase não dormi pensando ne nós, nossa primeira transa”

_Tu gostou?

Mor: Gostei muito nego, quero mais hoje... E assim foi seguindo os dias, cada vez mais nos aprimorando na arte do sexo. Encontramos uma casa em construção que se tornou nosso local de transa favorito, lá ela tirava toda a roupa, eu a sustentava pelos braços e a penetrava de pé, ela preferia quando ficava de frente pra mim e cavalgava mesmo ajoelhada no piso da casa ainda por fazer, o que lhe deixava marcas nos joelhos que já denunciava aos nossos amigos que estávamos transando, até descobrirmos que nossos amiguinhos da igreja também transavam escondido dos pais, pastor e lideres, fomos confidenciando uns aos outros e combinando encontros para poder despistar o pessoal da igreja poder transar com nossos parceiros a vontade. Morgana e eu fodiamos onde e quando surgia oportunidade, certa vez ela me pagou um boquete no meio da rua enquanto íamos de volta pra casa... outra vez fomos surpreendidos pelo meu irmão no meu quarto enquanto transavamos o que foi bom pois depois disso meu irmão começou a pega a Victoria (a mesma que no futuro Morgana me liberaria para transar).

Naquele mesmo ano Morgana fez uma viagem para visitar uma de suas irmãs, enquanto ela estava de viagem não mantivemos contato, deixei ela a vontade para curtir a viagem de férias, mas ouvi boatos de que ela tinha sido pega no flagra transando com seu cunhado (marido da sua irmã) o que na época não acreditei e só depois minha irmã adotiva confirmou ser verdade pelas confissões que Morgana fez a ela (Minha irmã adotiva, lesbica, também já tinha ficado com Morgana e quando éramos casados era ela que arranjava os encontros de Morgana com o amante). Quando Morgana voltou da viagem, estava estranha, não falou comigo, não avisou que tinha chegado, estava me tratando diferente, fiquei a pensar se era realmente verdade o boato, mas ela não me disse nada... fui a sua casa vê-la e ouvir dela o que estava acontecendo, chegando lá ela não me falou nada, me tratou com indiferença, até que chega a noite e ficamos a sós e ela começa a me beijar e passar a mão no meu pau novamente, éramos assim, não tínhamos muito diálogo, mas chegávamos perto um do outro o cheiro de sexo já rolava no ar. Nos direcionamos para a casa que ainda estava em construção e lá transamos mais uma vez como de costume.

Mor: Pensei que tu nem queria mais.

Você chega toda diferente, não fala direito comigo... eu que pensei que não queria mais.

Mor: Tava esperando tu me chamar me nego, tira essa rola pro fora tira

_ Vai chupar gostoso?

Mor: quero mamar teu pau meu nego, tô morrendo de saudade.. Morgana chupou meu pau nesse dia de uma forma que nunca me esqueço, ela lambeu a cabeça do meu pau e depois passou a chupar meu saco o que me causava uma sensação de prazer enorme, ela fazia garganta profunda e outra coisa que eu amava, ele falava sacanagem com o pau na boca, nossa que putinha gostosa.

Certo dia, fomos a uma sorveteria com a turma da igreja, lá Victoria estava na mesma mesa com a gente e começa a falar das nossas escapadas:

Vic: E ai casal, como é que vocês estão? Já mataram a saudade do tempo que Morgana tava viajando? Kkk

Mor: Rum, ai ai, e a gente perde tempo? Já demos uma boa kkk, uma não, muitas

Oras, a vontade aqui não passa, e hoje tem de novo né nega?

Mor: é só a gente sair daqui kkk

Vic: KKKK, Vocês são loucos, vocês não tem medo de engravidar ou do pastor descobrir?

Mor: só descobre se um de vocês contar, e se eu engravidar a gente cria né nego?

_ Desse jeito kkk, e tu Vic? Como é que tá com meu irmão? Ele é bom no serviço?

Vic: Hummm, bom demais kkk

Mor: vamos fazer uma aposta Vic? Eu faço com o meu hoje se tu fizer com meu cunhado kkk bora?

Vic: Bora kkk, pode ter certeza que hoje vai ter pra nós duas.

Calma pessoal, ainda não era ideia de nem um de nós e fazer uma troca de casais rsrs, a Victoria era nossa amiga da igreja e pra gente era uma aventura (e uma loucura) estar transando sem ser casados, por conto das regras de igreja que vocês bem sabem. Nessa noite eu e Morgana formos a um lugar que nunca tínhamos ido ainda, subimos um morro onde tinha uma chapéu de palha (local sem paredes apenas com um teto circular feito de palha sustentado por um mastro no centro e outros nas laterais fazendo um círculo)

Lá Morgana primeiro me fez um boquete delicioso, o que já era indispensável para ambos, depois de babar meu pau e deixá-lo duro, subiu sua saia jeans de crente, puxou a calcinha pro lado e começou a cavalgar em mim.

Mor: Isso meu nego... aiii. Aiiii. Gostoso nego, gostoso meu pausudo, me fode nego, fode tua neguinha... tu vai me fuder todo dia vai? Ein nego? Tu vai comer tua neguinha todo dia vai?

Como o local era deserto e longe de casas e pessoas a gente pode ficar a vontade para falar alto, Morgana gemia e gritava como nunca: AIII PORRA, GOSTOSO, ROLUDO GOSTOSOOO... ME COME DE QUATRO MEU NEGO.

Coloquei ela de quatro e enfiava com força até gozar, gozei muito na buceta dela e depois ela vinha me chupar de novo, como o local estava bom pra gente ainda demos outra foda nessa mesma noite o que nos fez perder a noção do tempo, quando vimos já era umas 4 da madrugada e resolvemos voltar pra casa, quando chego no meio do caminho encontro a mão de Morgana e sua irmão que já estavam desesperadas a procurando, não por ela mas sim por causa do pai dela que era muito zangado, mas no final não deu nada... e na verdade deu, como sempre que dava a gente transava e nem sempre era de camisinha Morgana acabou engravidando do nosso primeiro filho, como homem arquei com minhas responsabilidade, como ela ainda ia completar XV anos, tive que pagar advogado para poder casar com ela, com o consentimento dos pais dela nos casamos e eu a levei para morar em minha casa, como minha mão nunca tinha aceitado meu namoro e agora casamento com Morgana ( por conta de sua má fama) passamos pouco tempo na casa dos meus pais, logo aluguei uma casa para nós e foi ai que as coisas ficaram ainda melhores até culminar no nosso termino... Mas a continuação vou deixar pra segunda parte se não fica longo demais esse relato, de já peço desculpas se essa narrativa está chata, vou tentar melhorar a narração dos fatos na parte 2.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 26 estrelas.
Incentive John Winchester a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de viuvinha

Gostando de ler os teus contos, querido. Sempre picantes com sexo farto. Essa tua primeira vez proporcionou bons momentos não só para ti e ela, como também a quem leu a história. Beijocas.

0 0
Foto de perfil de Loirinha gostosa

Ainda tirar cabacinho obriga a casar. Conto top escrito com primor. Venha ler os meus. Bjus.

1 0
Foto de perfil genérica

Kkk no meu caso ela já tinha perdido o cabaço, eu só a engravidei na época aí sim fui obrigado a casar por ela ser de menor se não eu ia preso kkk.

Vou ler sim ☺️

0 0
Foto de perfil genérica

Capitão! Já tá contando que vai largar! Kkkk

1 0
Foto de perfil genérica

É narração de fatos amigo.... quem acompanha minhas publicações sabe que Morgana é ex que me proporcionou grandes aventuras

0 0