Entre uma marchinha e outra o bloco de carnaval passa!

Um conto erótico de Silvana
Categoria: Heterossexual
Contém 7484 palavras
Data: 18/01/2023 08:43:07
Última revisão: 11/04/2024 14:13:19

Sempre fui muito fã de carnaval, sempre gostei de pular, da folia, não necessariamente de pegação, mas da alegria do carnaval mesmo! Do calor, da roupa descontraída e geralmente ousada. Nunca usei drogas ou enchi a cara, mas me divirto muito com o carnaval e vou contar uma história que aconteceu há vários anos atrás, uns seis ou oito anos!

Depois que nos casamos, não fui mais em carnaval nenhum, Edu não é muito fã e de fato, viajar no carnaval é sempre lotado e caro, acabamos ficando em casa, porém uma ligação telefônica mudou tudo naquele ano.

Já era sábado de carnaval e logo cedo toca o celular do Edu. Um amigo nosso do Rio, Claudio, que sempre foi figura muito animada e festeira, nos liga com o convite a queima roupa!

— Venham para o Rio, passar o carnaval aqui, a casa é grande e aproveitamos para beber e fazer uns churrascos!

O Claudio, apesar de muito festeiro, não curte muito carnaval, mas adora fazer festa todo dia.

— Venham pra cá e vamos beber e nos divertir todo dia!

O Claudio tinha uma casa antiga e muito espaçosa, no morro de Santa Teresa, na minha opinião, uma das regiões mais charmosas do Rio de Janeiro.

Edu confirmou nossa presença no churrasco do próprio sábado, no fim do mesmo dia e já corremos pra fazer as malas. Nada de muita coisa para pegar, rapidamente as malas estavam prontas. Edu montou uma caixa com doze garrafas de vinho e colocamos tudo no Golf que tínhamos na época e partimos, mas antes, fizemos uma parada no bairro do Bom Retiro para comprar umas burekas, pois o Claudio adorava burekas e não encontrava no Rio.

Para quem não sabe, bureka é um salgado Búlgaro feito de massa folhada, uma rosquinha recheada de várias opções e ali no Bom Retiro tem uma pequena lojinha de uma imigrante chamada Lina Levi, não sei se ainda está lá, mas na época era comum encontrar com ela na loja.

Pedi algumas para assar quando chegasse, mas a própria Lina nos aconselhou levar prontas e aquecer. Garantiu que não perdia a qualidade e se o forno não fosse bom, assar não ficaria como deve ser, disse inclusive que uma funcionária dela, manda para o filho em Recife, com três dias de ônibus e chega em perfeito estado. A funcionária veio da cozinha confirmar as encomendas.

Compramos uma bandeja bem grande de diversos sabores, colocamos na tampa de trás do Golf e partimos com o carro cheirando burekas. Não posso deixar de registrar que chegaram ao Rio menos burekas do que saíram de São Paulo.

Chegamos pela linha vermelha, na época ainda tinha o elevado da perimetral, passamos por ali também, saímos a direita e caímos na lapa já mais para o final da tarde.

Ao tentar subir o morro de Santa Teresa, o acesso estava fechado por causa de um bloco que desfilava no morro. Tentamos dois acessos, ambos fechados.

Para sair da casa do Claudio, vira-se à direita e logo a esquerda e desce aproximadamente um quilômetro de uma pista estreita de mão única. Sabendo disso o Edu resolveu subir na contramão esta pista estreita. Ele achou que, estando o morro fechado para subir a tarde toda, ninguém, ou quase ninguém estaria descendo, pois não conseguiria subir novamente.

Assim fizemos e subimos uma rua estreita, cheio de carros estacionados, alguns sobre a calçada, e um Golf, placa de São Paulo subindo na contramão.

Claro que demos de cara com um carro descendo, mas por sorte, perto de uma garagem, subimos com o carro, parte na entrada da garagem e parte na calçada e o carro descendo passou, naquele espírito carioca que nem reclamou e achou totalmente normal ter um carro subindo uma rua de mão única por um quilômetro!

Chegando lá em cima, viramos à direita e já estávamos buzinando na frente do portão.

O Claudio deu uma risada exagerada e disse que tinha certeza de que não iríamos chegar, pois ele ligou para uns amigos do Rio, logo depois que falou conosco e eles não conseguiram chegar, porque o acesso ao morro estava fechado! Explicamos a subida na contramão e ele achou excelente ideia!

Perto das 18h já tínhamos aberto uma garrafa de vinho e estávamos eu, Edu, Claudio, a esposa Renata e os dois filhos deles, que confesso, não me lembro dos nomes, todos comendo burekas! Sucesso total!

Nos instalamos em um quarto amplo, a casa do Claudio tinha uma vista sensacional do Rio na parte de trás da casa e uma área grande, com jardim na frente e com uma churrasqueira na parede a direita para quem entra.

No domingo de manhã ficamos ali, fazendo nada, preparando para o churrasco do almoço e eu ouvindo os dois filhos do Claudio pedindo para irem no bloco de carnaval que iria começar logo! A Renata não queria ir, muito menos o Claudio. eu já me animei em ouvir falar em bloco de carnaval e para resumir a história, logo depois do almoço, estávamos indo para a concentração do bloco, eu, Edu e duas crianças de 8 e 10 anos.

Um calor "Senegalês" fazia naquele dia, quando chegamos ao pé do morro a concentração não estava muito cheia. Ficamos ali, Edu de bermuda jeans e camiseta branca, a criançada de shorts e camisetas bem coloridas e alguns enfeites no cabelo. Eu coloquei um vestido branco até o meio da coxa, de alcinha e bem soltinho, afinal o calor não permitia muito mais do que aquilo e uma necessaire a tiracolo com o celular e algum dinheiro.

Na concentração já estava rolando um batuque de primeira, estavam todos muito animados. Já estava animada e dançando com meu vestido soltinho, sem sutiã e com uma pequenina calcinha, sambava com meu 1.60m, 50 quilos, seios pequenos, empinadinhos e bundinha redondinha que chamava atenção sob o vestido, que era mais confortável do que ousado!

Edu entrou no barzinho ali na frente pra comprar água para todos, com o calor que fazia, precisávamos de muita água. Voltou com quatro garrafas de água e uma máscara que ele comprou de um ambulante. Uma máscara vermelha, toda colorida, na linha das máscaras de bailes Vienenses, cobria os olhos e subia pela cabeça fazendo desenhos com lantejoulas, gostei e coloquei a máscara para ter algum adereço carnavalesco!

Logo depois o bloco saiu da concentração e começamos a subir o morro. Começou meio vazio, mas logo passou a aparecer mais gente, não chegou a lotar e ficar desagradável, mas rapidamente ficou bem cheio! Seguimos pulando e dançando e o coitado do Edu já estava com uma das crianças na nuca, depois a outra, os dois querendo subir nas costas do "tio Edu". Ele se divertia com as crianças, mas não dava pra seguir naquele pique o tempo todo.

Com o passar da tarde, mais gente entrava no bloco, menos espaço e muita animação. Uma hora falei no ouvido do Edu.

— Amor, não sei se foi uma boa ter vindo com este vestido soltinho, já levei várias passadas de mão na bunda!

— Há ha ha. Que dúvida, quando te vi com esse vestido já imaginei muita mão na sua bunda e boceta! Ainda mais com essa calcinha minúscula que você esta usando!

Eu juro que não imaginava aquilo, escolhi aquele vestido até o meio da coxa exatamente por ser mais comportado, senão teria escolhido um mais curtinho, mas no meio do bloco, sentia muitas mãos percorrendo meu corpo. No início me assustei e tirava as mãos, depois comecei a gostar e deixava, ainda mais depois de saber que o Edu já sabia que eu ia levar muita mão entre as pernas. Protegia mais a necessaire do que a bunda ou a boceta!

Para não deixar as crianças verem, às vezes ia um pouco à frente dos três, às vezes mais atrás ou de lado, mantendo certa distância. Seja mais à frente, ou mais atrás, minha boceta lisinha e bunda redondinha atraiam muitas mãos. Algumas discretas, quase disfarçando, outras mais ousadas, que ficavam ali, me bolinando. Não tirava com minhas mãos nenhuma delas, mas se quisesse, acelerava um pouco o passo e escapava.

Encontrava com o Edu e dava uns beijos tesudos nele, sem exagero, por causa das crianças, mas claramente excitada, e falava no ouvido dele:

— To Adorando esse monte de mãos em mim, to toda molhadinha!

...

Depois de tanto tempo sem carnaval, eu estava nas nuvens, adorando o bloco, adorando estar ali com o Edu e adorando as mãos e as encoxadas. Alguns me abraçavam por trás, no começo colocavam a mão na minha cintura, como eu não tirava, me davam aquele puxão e eu podia sentir o pau duro na minha bunda! Entre deixar e acelerar o passo, ia me divertindo e ficando com um tesão danado.

Fui nesse passo de mãos, encoxadas e bolinações por um bom tempo até que um rapaz, me abraçou por trás e não queria largar, tentou me beijar, mas não deixei. Sorri para ele e levantei a mão esquerda, colocando o dedão no dedo no anular empurrando a aliança falei, sem emitir som, para ele ler nos lábios.

"Sou casada!" - adiantei o passo e beijei o Edu.

Continuei dançando e ele apareceu de novo atrás de mim. Acho que o fato de ser casada deixou ele mais excitado e não desistia de me encoxar.

— Você tá louco, meu marido tá ali com as crianças!

— Fala pra ele que você vai no banheiro.

— Há ha ha, safado! Quer dar uns beijos numa casadinha é? Vou pensar no seu caso! E acelerei o passo e abracei o Edu por trás!

Contei para o Edu do convite do rapaz e ficamos dançando por ali. Às vezes olhava para trás e sorria. Ele não saia dali.

Dançando, abracei o Edu e falei no ouvido:

— Edu, deixa eu dar uns pegas naquele cara? É Carnaval e sempre aprontei muito nos carnavais! Você deixa?

— Acho perigoso, não? E não gosto que você apronte sem eu ver, não gosto muito que você saia sozinha!

— Eu estou com o celular na necessaire, o que eu fizer, filmo e mando pra você, mas acho que vai ser só uns amassos mesmo, tá muito cheio de gente!

— Ok, mas não demora, estarei em um dos bares em frente o trilho do bondinho com os dois.

Com a autorização do Edu, senti até um calor na boceta, e deixei os três irem na frente e fiquei dançando praticamente no mesmo lugar, até que senti o cara me encoxando no meio da rua e me falou:

— Vem comigo!

Segui o cara, tentando sair do bloco e entramos em uma rua à direita, uma descida íngreme e ele disse novamente.

— Esta é a rua da tia Marisa, aquele portão marrom, vamos entrar ali, ela tá viajando, não gosta de ficar aqui na época do carnaval!

Topei!

Tinha tanta gente passando pela calçada que aceitei entrar apenas no jardim na frente da casa.

A casa da tia Marisa tinha o mesmo estilo antigo da casa do Claudio, a casa bem ao fundo e um jardim na frente. O Jardim estava bem largado, para abrir o portão ele teve que dar um tranco enorme, e para fechar a mesma coisa. Algumas plantas bonitas, mas sem cuidado, e vários pontos com mato já demonstrando pouca atenção da tia Marisa. O muro tinha aproximadamente um metro e meio, ou talvez menos, mas tinha uma cerca viva, pelo lado de dentro que protegia o local de olhares da rua. Entrando à direita tinha um banquinho de madeira, desses de praça, mas com o encosto com uma das ripas quebrada, talvez desse para nos sentar, mas tenho dúvidas se daria para encostar na ripa que restava.

Fui tirada desta minha análise, que de fato durou poucos segundos, por um abraço por trás, sentindo o pau duro dele na minha bunda e falei:

— Quer pegar uma casadinha é? Tem que ser rápido senão meu marido vai desconfiar, falei que iria no banheiro! Falei isso de costas para ele, sendo abraçada e pegando no pau dele por cima da bermuda.

Me sentia muito excitada pela ousadia, coração acelerado e o som dos foliões ao lado, me deixavam mais excitada. Me excita também provocar os caras falando que meu marido vai descobrir e que sou casada, mas não resisti a proposta deles.

Ele me abraçava e me beijava o pescoço. Apertava minha bunda com a mão esquerda e com a direita, puxou minha calcinha de lado e passava o dedo no meu grelinho me deixando louca.

Eu respirava de maneira ofegante, de costas para ele puxava seus cabelos para meu pescoço, enquanto ele beijava a nuca e me apertava!

Desci com a mão esquerda até o pau dele, por cima da bermuda e apertei o pau duro. Logo deslizei a mão, sem dificuldades por dentro da bermuda e enchi a mão de pica. Senti uma eletricidade percorrer meu corpo e pensei no Edu e de como iria gostar de contar para ele o tesão que estava sentindo naquele momento!

— Pau gostoso você tem, seu safado!

— Gosta putinha? Pelo jeito você é bem safada e gosta de rola!

— Gosto sim!

Quase sem pensar, movida pelo tesão do momento me abaixei, sem tirar a máscara do rosto, liguei o celular e comecei a filmar minha mão direita abrindo e abaixando a bermuda. Filmei o pau duro dentro da cueca e fiz ela deslizar para baixo, fazendo o pau duro praticamente pular pra fora e eu falava, alto para ter certeza de que a gravação iria pegar!

— Quer ganhar um boquete da esposa safada?

— Delícia, seu marido sabe que você é safada assim?

— Sou calminha o ano todo, no carnaval que as vezes não resisto, você teve sorte!

— Então chupa safada!

Mudei para a câmera frontal do celular, conferi bem o enquadramento, e cai de boca naquela pica dura, engolia gostoso, me exibindo para o celular! Apesar da máscara, meus olhos ficavam bem destacados no vídeo, e claro, minha boca com aquele pau duro!

Tesão de situação! Ouvia os foliões passando ao lado estava ali, chupando uma pica protegida por uma cerca viva o que me dava muito tesão.

— Segura o celular, filma!

Passei o celular para ele e mamei gostoso. Chupava a cabeça, lambia o pau olhando para o celular e para o cara, com carinha de safada, engolia gostoso aquele cacete!

Lambia do saco até a cabeça, passava nos lábios e via o celular filmando aquela cela. Chupava a cabeça e punhetava com ele na boca!

— Pica tesuda, gostosa!

— Quer sentir dentro dessa boceta gostosa?

— Minha boceta casada?

— Sim, quero foder esta boceta casada sua safada!

Continuei chupando e gemendo,

— hummmmm delicia, que pica gostosa!

Enquanto eu chupava, ele me passou uma camisinha! Safado! Nem pensei muito, abri a camisinha, coloquei a camisinha na boca, e enquanto chupava aquele cacete encapei o pau, deslizando com as mãos a camisinha pelo pau até a base.

Com o rapaz filmando, fiquei livre para deslizar os dedos pela minha boceta, sentindo um tesão incrível com a ousadia! Passava os dedos no meu grelinho durinho e sentia a boceta molhada.

O que parecia ser uma escapada para uns amassos e uns beijos, estava se mostrando uma aventura bem mais ousada!

Imaginei o Edu vendo este vídeo e fiquei muito excitada, e para provoca-lo falei:

— Quer meter nessa bocetinha casada quer, safado?

— Quero sim, quero foder essa putinha!

Me levantei, tirei a calcinha e ergui o vestido até a cintura, abaixei a parte de cima, tirando as alças pelos braços e deixei o vestido enrolado na cintura.

Mantendo o pé direito no chão, apoiei o pé esquerdo no banquinho de praça da tia Marisa, fiquei de pernas bem abertas e pedi o celular. Coloquei ele apoiado no banquinho e enquadrando bem minha boceta, joguei o corpo para frente, arrebitando bem a bunda e cuidando para manter o enquadramento e senti o pau do cara pincelando minha boceta e deslizar para dentro!

O pau roçando minha boceta me deu um tesão louco! Menos de 10 minutos estava pulando no meio do bloco, e agora estou ali, sentindo minha bocetinha piscar de tesão, adorando o jardim da tia Marisa.

— Vai safado, fode essa esposinha que preciso voltar para meu marido! Fode gostoso!

— Ahh que delícia de safada você é! Putinha, vadia!

— Aproveita que você tá com sorte safado!

A pica deslizou para dentro da minha boceta e senti até um arrepio de tesão, não somente pela pica, mas pela sensação, pela ousadia, pelo vídeo que gravava tudo.

A pica deslizava, para dentro e para fora, para frente e para trás, sentia a virilha dele batendo na minha bunda e a pica enchendo minha boceta. Plac, plac, plac

Sentia minha boceta se encher de pica, sentia as mãos dele na minha cintura que me puxava para enterrar fundo aquela pica dentro da minha boceta!

— Ahhhh que delicia, safado! Fode essa boceta casada que falei para meu marido que iria no banheiro!

— Que boceta gostosa! Casada safada e putinha!

Eu estava de frente para a cerca viva, de costas para o rapaz e para a casa, a menos de um metro do muro e dos foliões. Levando pica ouvia o som de vozes e das marchinhas, achando a situação muito excitante.

Peguei o celular e pedi para ele filmar de cima. Ele filmava e disse:

— Seu marido não vai ver este filme não?

— Claro que não! Filma que eu quero ver depois safado! Filma essa pica fodendo essa bocetinha casada que gosta de rola!

Continuou filmando e socando gostoso, e em poucos instantes disse:

— Ahhh vou gozar safada! Não aguento mais.

Pedi o celular e coloquei por baixo, enquadrando o pau deslizando dentro de mim e falei bem alto:

— Goza safado! Goza que preciso voltar para meu marido!

Ele pirou de tesão e gozou gostoso! Empurrei o quadril para trás, arrebitando bem a bunda para entrar tudo enquanto ele gozava!

Ele tirou o pau e vi a camisinha cheia e porra e ele se sentou no banquinho enquanto eu parava a gravação do vídeo!

Dei um beijo nele e falei:

— Preciso ir embora, senão meu marido vai desconfiar! abre o portão para mim!

Falei aquilo guardando a calcinha e o celular na necessaire enquanto subia o vestido com as alças pelos braços e abaixava a saia soltinha. Antes de sair marquei os cinco vídeos gravados e mandei para o Edu, queria ter visto antes, mas não daria tempo. Também mandei a mensagem:

"Tô indo para os botecos na frente do trilho do bondinho! Sem calcinha." ENVIAR.

Sai pelo portão, subindo novamente a rua, sem nem olhar para trás, só de vestido, sem calcinha e sentindo um tesão louco pela situação.

Rapidamente achei o Edu e as crianças, sentados em uma mesa de bar, tomando sucos e o Edu, uma cerveja, dei um beijo em sua boca com tesão e tive que me explicar para as crianças, por que demorei tanto para ir ao banheiro.

— Estava muita fila!

Entrei no bar, peguei uma água e disfarçadamente fui ao banheiro! falei que estava com a mesa ali de fora e me deram a chave. Vi os vídeos que estavam ótimos, muito excitante rever as cenas.

Voltei com a calcinha na mão, coloquei no bolso do Edu e falei no ouvido dele:

— Viu os vídeos?

— Vi que chegou alguma coisa, mas não consegui ver!

— Eu fico com as crianças, vai no balcão pedir alguma coisa e veja!

Vi a cara de tesão e espanto do Edu, apoiado no balcão, vendo os vídeos e logo recebi uma mensagem.

“Que lugar é esse? Não achei que teria onde transar! Achei que seriam uns amassos!”

“É a casa da Tia Marisa, depois te conto!”

Edu voltou e eu perguntei para todos:

— Vamos continuar este carnaval?! Seguido de gritos animados das crianças!

— Vammoooossssss! Eeeeehhhhhhhh!

Eu acho que fiquei com mais tesão depois dessa rapidinha na casa da tia Marisa do que antes! E agora sem calcinha, sentia mais mãos entre as pernas e os caras, ao notar que eu estava sem calcinha ficavam loucos.

Menos de trinta minutos de carnaval senti outra encoxada forte com as mãos pela minha cintura, olhei para trás e vi um rapaz negro, forte, cabelo raspado. Novamente mostrei a aliança e pela proximidade pude falar e ser ouvida:

— Sou casada, meu marido está ali na frente!

— Se perde dele, vem aqui!

E deslizou a mão que estava me segurando pela barriga, até minhas pernas e pressionou minha boceta por cima do vestido. Senti aquela mão firme na minha boceta. Eu continuava com tesão e falei:

— Espera que já volto.

Acelerei o passo e abracei o Edu de novo e falei por trás no ouvido dele:

— Posso ir na casa da Tia Marisa de novo?

— Você tá muito abusada hoje hein!

— Última vez, prometo!

— Ok, aguardo os vídeos! Respondeu sorrindo com cara de safado!

A sensação de prazer, de tesão e cumplicidade que sinto com meu marido é indescritível, não há como descrever em palavras como me sinto protegida, amada e cúmplice dele, como sinto prazer em provocá-lo, de deixá-lo excitado com meu prazer. Sentia minha boceta piscar de tesão, minha pele estava praticamente eletrificada de tesão e cumplicidade. Sorri, olhei ele bem nos olhos e disse do fundo da minha alma:

— Minha boceta ta molhadinha! To adorando este carnaval, te amo!

Beijei-lhe a boca, dei uma piscada com cara de safada e sai em direção a calçada à minha direita.

O rapaz negro estava uns 10 metros atrás, e ao sair direto para a calçada, apenas olhei para trás e acenei com a cabeça e ele veio atrás de mim.

Desci a rua da casa da tia Marisa e ele logo chegou atrás de mim, sem falar nada desci mais alguns metros e disse:

— Abre este portão, tá emperrado, mas abre.

Ele abriu sem muita dificuldade e entramos.

— Fecha logo, falei assim que passamos.

— De quem é essa casa? Perguntou.

— Da tia Marisa, ela tá viajando, não gosta de carnaval. Quer saber mais da tia Marisa ou fazer outra coisa? Temos pouco tempo até eu ter que voltar pro meu marido, falei para ele que iria ao banheiro!

Ele nem piscou e já me agarrou e me apertou. Me senti praticamente imobilizada, até senti um certo desconforto, pois não gosto de perder o controle da situação, mas mesmo presa entre os braços dele, pequei no pau por cima da bermuda e ele me soltou! Ele tentou tirar minha máscara, mas não deixei!

— Nada disso, se quiser será com máscara! Falei isso abaixando e peguei o celular para filmar!

— Vai filmar o que?

— O que eu quiser! Vou guardar para ver quando quiser!

Eu estava com muito tesão, envolvida com o Edu, com nosso clima de cumplicidade e com aquele rapaz negro na minha frente.

As marchinhas de carnaval tocando me davam um tesão louco e peguei o celular da necessaire.

“Mamãe eu quero, mamãe eu quero… mamãe eu quero mamar! Dá a chupeta, dá a chupeta, dá a chupeta, dá a chupeta pro bebê não chorar”

Inspirada na marchinha que tocava, abri a bermuda e puxei para baixo com cueca e tudo e me espantei com o pau do rapaz! Não estava totalmente duro, mas era realmente grande! Segurei pela base, punhetei um pouco e rapidamente estava duro feito pedra! Por sorte era um rapaz totalmente depilado! Filmei o pau duro e falei para que a gravação pudesse captar.

— Nossa, que pau grande, não sei se consigo aguentar, mas mamar consigo!

— Tem 20 centímetros!

Nem respondi, segurando o celular em um enquadramento que coubesse o pau e meu rosto, por isso não quis tirar a máscara, comecei a chupar! Engolia até a metade, gostei do desafio, olhava no vídeo e gostei de ver o pau preto, no meu rosto claro, na minha boquinha rosada, achei excitante, mas segurar o celular não estava me permitindo entrar no clima e passei o celular para ele e falei:

— Filma você! desliguei aquela gravação, mudei para a câmera traseira e pressionei o “play”, para ter certeza de que iria gravar e voltei a mamar.

Sem o celular na mão pude me dedicar melhor! Gosto de mamar uma rola e faço isso como poucas!

— Ahhh que delicia de boquete! Boquinha de veludo você tem!

— Pau gostoso! Pica grossa! Hummmm delicia!

— Casadinha safada você ein! Sua putinha, tá gostando dessa pica preta?

— Delicia!

Eu engolia tudo que podia, mas mal chegava até a metade! Sentia a boca toda aberta para caber aquela pica grande e grossa.

Chupava gostoso e olhava para a câmera que me filmava

— Olha que delicia essa pica na minha boca, olha!

O rapaz pensava que eu estava falando para ele, mas estava falando para o Edu, sentia tesão em imagina-lo vendo este vídeo! De imaginar ele de pau duro!

Enquanto eu chupava, vi que ele pegou uma camisinha na bermuda. Fiquei nervosa, pelo tamanho! Enquanto ele colocava a camisinha eu falei:

— Melhor ficarmos só no boquete! Esse seu pau é muito grande!

— Ah, tu aguenta, gostosa! Vamos tentar, se não quiser, paramos!

Essa é a mentira mais recorrente de todas, já cai nela antes e naquela hora resolvi cair novamente, para ver até onde conseguiria. Ele vestiu a camisinha e ainda sobrou uma parte do pau de fora, tentei descer tudo, mas não tinha mais camisinha pra cobrir e falei:

— Senta no banquinho da tia Marisa, cuidado para não apoiar as costas, já falei para ela arrumar, mas ela não arruma!

Na hora o tesão de fazer aquilo era alucinante!

Ele se sentou e subi no banquinho, sem poder ficar totalmente em pé, para não ser vista da rua, apoiei os dois pés, um de cada lado do quadril dele, com a bermuda nos pés eu ouvia o grito dos foliões ao lado. Essa proximidade de várias pessoas apimentou muito o clima.

— Senta gostosa, senta na minha pica!

Naquele momento, apesar do tamanho do desafio, meu tesão era maior e antes de ligar a câmera, falei para ele repetir a mesma frase. Liguei a câmera do celular e tentei uma tomada que pegasse minha buceta e o pau preto e duro. Queria essa frase registrada no vídeo!

— Senta gostosa, senta na minha pica!

Fui descendo meu corpo e encaixei a cabeça da pica na entrada da minha boceta. A mão direita segurando na nuca dele e a esquerda segurando o celular e soltei o corpo, de leve até a cabeça tocar minha boceta. Ele segurava o pau e pincelou nos lábios, no grelinho durinho e soltei um pouco o peso, pouco, mas o suficiente para deslizar a cabeça da pica para dentro! Não consegui me segurar, com o celular na mão e novamente parei e passei o celular para ele filmar e entrelacei os dedos na sua nuca, segurando o corpo nas pernas e com braços esticados, olhava para baixo vendo parte da pica dentro de mim. Eu praticamente tremia de tesão!

Assim que vi que ele tinha ligado a câmera, fiquei ali, subindo e descendo até pouco mais da metade daquela pica! Apesar de ter entrado a metade, pela grossura da pica já sentia minha boceta toda preenchida, sendo arrombada e eu adorando a sensação!

Aos poucos, a cada subida e descida, mais daquela pica entrava em mim, até que, para meu espanto, senti minha bunda tocar o quadril dele. Me segurando com as duas mãos entrelaçadas em sua nuca, arcando o corpo para trás e olhando para baixo, via o pau todo enterrado na minha boceta e a câmera pegando tudo! Que delícia ver o pau depilado e minha bocetinha depilada também e me lembrei daquela música “Ebony and Ivory”, cantada pelo Paul McCartney e Stevie Wonder onde falam da harmonia do branco e negro convivendo em harmonia lado a lado no meu piano, por que não nós! Me sentia parte da música, em perfeita harmonia dentro da minha boceta!

Side by side on my piano keyboard, oh Lord, why don't we

Ebony, ivory, living in perfect harmony

Ebony, ivory, living in perfect harmony

Segurando o rapaz pela nuca, subia e descia naquela piroca preta. Não usava mais as pernas para segurar o corpo e evitar que o pau enterrasse em mim, agora usava a perna para suspender o corpo e soltava até tocar-lhe o quadril, cheguei, em alguns momentos, soltar com tudo, enterrando aquela pica toda em mim!

Plac, plac, plac, eu subia e descia naquela pica, sentindo minha boceta arrombada!

— Que delicia essa pica dura na minha bocetinha casada! Adoro!

— Putinha, safada! É casada, mas gosta de pica nessa boceta ne?

— Adoro dar gostoso no carnaval!

O contraste da minha pele clara, com aquele pau preto me deu um tesão louco!

As vezes sentava com o pau todo dentro de mim e rebolava para frente e para trás, rocando meu grelho na base do pau e isso me dava um tesão louco!

Sentei e rebolei gostoso no safado até que ele falou:

— Fica de quatro!

Me levantei, senti minha boceta relaxar ao tirar aquele pau grosso de dentro de mim, mas com vontade de sentir ele todo dentro de mim novamente. Apoiei o pé direito no chão e o esquerdo no banquinho, colocando o celular no banquinho enquadrando minha boceta! Fiquei olhando na tela do celular, com a câmera frontal ligada, o pau do rapaz tocar minha boceta, senti uma leve contração quando ele pincelou a cabeça da pica na minha boceta e já senti a cabeça deslizar para dentro de mim, vi a cena pelo ângulo que o celular filmava! Achei tesuda a cena e pensei na cara de tesão do Edu assistindo.

Me excita saber que ele tem prazer em me ver tento prazer, sinto prazer em compartilhar com ele essas cenas, faço questão que ele veja e adoro vê-lo de pau duro! Chamo ele de “meu putinho safado” e as vezes de “meu corninho” e sei que ele vai adorar estes vídeos, fato que me dá mais tesão ainda!

O pau foi deslizando até sumir todo dentro de mim. A cena da minha bocetinha lisinha e clarinha, recebendo aquele pau preto e grosso foi muito excitante. Nem um pedaço da camisinha aparecia para fora! A camisinha não chegou até à base do pau, e naquele ponto, todo socado, não se via a camisinha, só o pau preto enterrado em mim. Essa imagem vale um porta-retrato!

Com o pau todo dentro de mim, com o rapaz me segurando pela cintura falei alto para ter certeza de que a gravação captaria.

— Fode logo essa casada safada que preciso voltar pro meu marido!

— Gosta de tomar pica preta né sua puta? Vadia!

— Gosto! Tô gostando de levar essa pica preta na boceta! Tá gostando de me comer safado?

Ele nem respondeu, metia gostoso em mim socando e batendo o quadril na minha bunda! Agora minha boceta já estava acostumada com aquele pau grosso e sentia sua virilha batendo forte na minha bunda!

Via pelo celular, a pica entrando e saindo da minha boceta, sentia o prazer de ser totalmente preenchida e fodida e o prazer de mostrar este vídeo para meu marido! De ver a cara de tesão dele, de compartilhar com meu marido essa cena tesuda!

— Fode seu puto! Fode essa safada casada! Aproveita!

Eu queria poder me movimentar melhor e pelo enquadramento do vídeo, estava me sentindo presa, por isso desliguei a gravação por baixo, pela câmera frontal e passei o fone para ele gravar por trás! Liguei a gravação filmando-o e falei alto para a gravação pegar:

— Grava essa pica preta fodendo essa esposinha safada, grava!

Fiquei naquela posição, me segurando no banquinho da tia Marisa, em um ângulo de 90 graus, entre as pernas e meu corpo, mas como o pau era grande, acabei me levantando um pouco e segurando no muro com as mãos entre a cerca viva! Nesse ângulo não sentia o incômodo que sentia ficando na posição que fazia um ângulo de 90 graus entre o corpo e as pernas, segurando no muro, ficava com o corpo inclinado e de rabo arrebitado.

Sem o celular para gravar, me senti mais a vontade para rebolar e gemer gostoso!

— Fode gostoso essa boceta, safado! Mete gostoso!

— Safada, putinha, gosta de dar gostoso né?

Ele gravava do ângulo de visão dele, me chamando de putinha casada, de safada e eu rebolava mais, como quem “pede” para ser xingada e fodida!

Eu arrebitava bem a bunda para o celular pegar bem aquela pica entrando na minha boceta.

Pedi o celular novamente e gravei somente um áudio!

Aproximei o celular da boca, como quem sussurra no ouvido do Edu e gemia alto, gravei minha respiração ofegante, meus gemidos, meus pedidos de pica na boceta!

Gravei quase um minuto e não resisti e mandei para o Edu o áudio imediatamente e devolvi o celular e dizendo:

— Grava!

Enquanto ele gravava, eu levantei um pouco a cabeça e olhei para a rua, escondida pela cerca viva e para meu espanto vi o Edu, do outro lado da rua, com várias crianças sentadas no chão e outro casal. O casal estava de costas para mim, falando com ele.

Eu estava atrás da cerca viva, somente os olhos acima do muro, mas mesmo assim ele me viu, do outro lado da rua! Notei o espanto dele, mas tinha que disfarçar. Seguia falando com o casal e olhando para "frente", ou seja, para mim.

Me levantei um pouco mais e falei sem emitir som, pausadamente para ele ler meus lábios.

“Sua putinha tá levando pica!”

À noite ele disse que não entendeu bem o início, só entendeu o “levando pica”, o que era a parte mais importante!

E quase sem pensar, fiz um biquinho de tesão que faço e ele conhece bem, mas não fiquei muito tempo, com medo de ser vista por outras pessoas e acabei abaixando a cabeça, ainda me segurando no muro, mas antes vi o Edu pegar o celular, pois tinha acabado de receber meu áudio!

Me abaixei e me segurando apenas com uma das mãos no muro e com a outra comecei a me tocar, sentia meu clitóris rígido de tesão, sentia aquela pica deslizando na minha buceta e me tocava no clitóris. Me tocava com tesão e sentia o quadril dele bater na minha bunda, comecei a acelerar os movimentos no meu clitóris usando dois dedos e senti que iria gozar! Mantive o ritmo e senti meu corpo vibrando, olhei sobre o ombro direito, olhando para a câmera que ele focou no meu rosto e falei:

— Ahhh meu putinho safado! Vou gozar pra você! Ahhhhhhhhhh tesão! To gozando!

Não sei se o rapaz achou que eu falava para ele, tanto faz, mas eu falava para o Edu, meu putinho, meu amor, meu cúmplice e marido.

Perdi as forças nas pernas, mas mantinha o toque no clitóris enquanto gozava e me esforçando para não tirar a mão do muro, para não cair. Foi quando o rapaz disse que também iria gozar!

— Goza safado! Goza gostoso nessa casadinha safada!

— Ahhh sua puta, safada! Tô gozando!

Ele continuava gravando e filmou o pau saindo de dentro de mim, a camisinha cheia de porra e filmou por trás, minha boceta e bunda, fiquei rebolando para ele filmar. Filmou minha boceta inchada, vermelha e arrombada depois de levar aquela pica grossa enquanto eu rebolava.

— Gostou de filmar é?

— Gostei, tu me manda este vídeo?

— Vai ficar na sua memória!

Ele se sentou no banquinho, eu fiquei em pé ao lado dele, peguei o celular, guardei na necessaire, arrumei o vestido, ele tirou a camisinha, subiu a bermuda e falei:

— Meu marido está ali do outro lado da rua, abre o portão para mim que quando muita gente passar, eu saio no meio, você espera uns minutos e sai e por favor, fecha direito o portão da tia Marisa.

Ele abriu o portão e antes que eu saísse ele perguntou.

— Qual teu nome?

— Segredo! Se um dia encontrar com você de novo eu conto, mas vou contar uma coisa, gozei gostoso no seu pau, vou lembrar sempre dessa pica!

— Vou lembrar de você e da sua boceta também safada!

— Eu sei disso!

Dei um beijo nele e saí no meio de várias meninas que desciam a rua.

Antes de subir novamente e encontrar o Edu, entrei em um barzinho, fui ao caixa, comprei uma garrafinha de água, peguei no balcão e me sentei em uma mesinha perto da parede. O bar estava cheio, mas a maioria das pessoas estavam em pé, curtindo o som das marchinhas do bloco.

Se você fosse sincera

Ô, ô, ô, ô, Aurora

Veja só que bom que era

Ô, ô, ô, ô, Aurora

Se você fosse sincera

Ô, ô, ô, ô, Aurora

Veja só que bom que era

Encostada na parede, tomando água, fiquei pensando nessa e em outras aventuras e como estas aventuras nos aproximam, como me sinto conectada, cúmplice e companheira do meu marido. Eu sentia a presença dele todo momento.

Lembro-me dos receios que eu tive no início, do medo de me afastar, de não ser respeitada e como me sentiria em relação ao Edu, ou seja, como esta vida mais liberal afetaria nosso relacionamento. Afetou sim, positivamente!

O Edu nunca teve medo, nunca achou que estas aventuras pudessem nos separar, ao contrário, sempre teve certeza de que nos tornaria um casal mais cúmplice, apaixonado e unido.

Ele tinha razão! Eu gosto sim, das aventuras, mas jamais faria nada sem a aprovação do Edu, sem a cumplicidade dele, sem saber que ele terá prazer vendo, sejam os vídeos, ou ao vivo. São raras as ocasiões sem a presença dele, por isso quando acontece tem também um toque de excitação e gosto dos vídeos. Sinto tesão no sexo, na aventura, mas também em compartilhar tudo, prazer em me exibir, em ser uma putinha para ele.

Lembro-me de algumas amigas, muitas delas com casamentos sem cumplicidade, sem companheirismo, mas “estável” socialmente falando e agradeço por termos um relacionamento liberal e cheio de cumplicidade e amor.

Pensando nisso abri o celular e vi uma mensagem do Edu:

“Enviar este áudio foi maldade! Mas pela respiração e pelas gemidas os vídeos serão ótimos!”

E na sequencia outra mensagem:

“Dá para ouvir no fundo o som da virilha batendo na sua bunda, safada”

Apesar de ainda estar com a boceta latejando, da pirocada que levei, senti um certo tesão em ler as mensagens dele, senti prazer e carinho e mandei uma mensagem:

“Disfarça esse pau duro aí meu putinho” ENVIAR.

Não recebi resposta, ele tinha enviado estas duas, provavelmente logo depois que recebeu meu áudio. Ouvi o áudio e realmente achei excitante! Imaginei a cara do Edu ouvindo! Imaginei ele ficando de pau duro!

Comecei a procurar no vídeo que filmei do banquinho, a cena em que o pau some dentro da minha boceta. Parei no momento que o pau está todo dentro e não aparece a camisinha e dei um print da tela. A foto resultante mostra o pau preto todo enterrado na minha bocetinha clarinha. Realmente vale um porta-retrato!

De fato, aproximadamente um mês depois eu imprimi esta foto, coloquei em um porta-retrato e deixei ao lado da cama do Edu. Um porta-retrato grande que temos, de 20x25cm e coloquei do lado dele, na mesinha de cabeceira. Me diverti vendo a cara de susto dele quando foi se deitar!

Como castigo ele me pediu um boquete, claro que paguei o castigo. Me lembro da piadinha de quando era solteira:

“Um copo d’água ou um boquete não se nega a ninguém!”

Voltando ao momento do bar.

Depois de salvar a imagem do vídeo, mandei ela para o Edu junto com a foto que eu tirei no início, segurando o pau duro pela base com a frase:

"Olha o que sua putinha encarou!" ENVIAR.

Fiquei torcendo para ele ver e responder, mas não recebi resposta. Naquele tempo não tinha ainda a opção do WhatsApp de pintar de azul os tracinhos quando a outra pessoa visualiza a mensagem, logo não sabia se ele viu ou não, mas assumi que não viu, senão teria respondido. Terminei a água, esperei uns instantes e subi novamente a rua até encontrar o Edu, as crianças e o casal, pais de outras crianças amigas dos filhos do Claudio e da Renata.

Entre cumprimentos e amenidades, beijei o Edu e falei:

— Olha seu celular!

Ele olhou as duas fotos e não podia falar nada, mas vi a cara de surpresa dele.

Mandei os vídeos ali mesmo. Ao lado do Edu, marquei os vídeos e enviei, enquanto conversava com o casal e assim que chegaram no celular do Edu ele disse:

— Criançada, chega de carnaval por hoje! Vamos para casa!

Nos despedimos e fomos embora, eu abraçada no Edu falei:

— Você vai adorar ver os vídeos, adorei fazer!

E fomos embora. Eu de mãos dadas com o Edu e com a menina, que me contava como foi divertido o carnaval, e eu concordei, é claro, e o Edu novamente com o garoto na nuca.

— Tia Silvana, você gostou do carnaval? Vamos de novo amanhã?

— Gostei sim, muito! Amanhã vamos ver!

Poucas quadras estávamos em casa, carvão acesso e ouvimos o Claudio gritar!

— Até que enfim! O churrasco já vai começar! Edu, abre o vinho! Crianças, banho!

Sentei-me por ali e o Edu foi buscar o vinho. Pensei:

“Certamente vai ver os vídeos!” Voltou e me beijou e falou no ouvido:

— Safada!

— Gostou?

— Queria ter visto ao vivo.

— Seria melhor mesmo, mas gostei de te provocar com os vídeos!

Naquela noite transei gostoso com o Edu e gozei gostoso com ele, mas não sem antes provocá-lo contando detalhes do que fiz e senti naquela tarde.

Me sentei sobre ele, encaixei seu pau na minha boceta e sentei fazendo seu pau entrar todo dentro de mim. Me deitei sobre ele, deslizando as pernas pela lateral de seu corpo e lhe beijei a boca com tesão. entre os beijos eu falei:

— Delícia sentir seu pau dentro de mim, seu pau é o terceiro que entra nessa boceta hoje, você gosta disso?

— Gosto!

— Gosta de saber que sua esposa deu gostoso para outros machos?

— Gosto sim, adoro saber que você deu gostoso!

— O primeiro era do tamanho do seu pau, mas o segundo era bem maior, me deixou toda arrombada!

— E você gostou de sentir um pau grosso dentro de você?

— Gostei! No começo fiquei com receio de me machucar, mas entrou e gostei! Eu adoro dar para uma pica nova e adoro saber que você gosta! Me excita dar para outros e contar para você!

— Eu adoro ver você gozar em outras picas, com outros homens, me excita ver e me excita te ver com tesão

— Eu adoro dar para outros, adoro gozar em outras picas e adoro ver seu pau duro por isso!

— Eu te amo! Você é minha amada! Não divido seu amor com ninguém, não divido seu coração com outras pessoas.

— Eu também te amo Edu, sou só sua, meu amor é só seu, mas gosto de dividir minha boceta com outros, você gosta também, não é?

— Adoro, me dá tesão ver você gozando gostoso.

— Então fala que você gosta de dividir minha boceta com outros!

— Eu gosto de dividir sua boceta com outros homens. Adoro ver você gozar em outros paus!

Beijei novamente com tesão, rebolava naquele pau esfregando meu grelinho na base do seu pau e como estava com muito tesão resolvi provocar mais um pouco e continuei:

— E meu cuzinho? gosta também? Gosta de ver uma pica no meu rabinho?

— Gosto de tudo que te dá tesão, acho lindo seu rabo levando pica!

— Safado, putinho! E gosta de me ver chupando uma pica? Quero ouvir você falando que gosta!

— Eu gosto de te ver mamando uma pica, você fica sexy, linda e safada mamando outras picas! Adorei os vídeos

— Eu gosto de mamar, mas quando me dá muito tesão, deixo gozar na minha boca, você gosta?

— Eu gosto também! Sei que está com muito tesão quando gozam na sua boca e adoro isso.

— Eu adoro te ver excitado também! Adoro dar para outros e te ver com tesão. Você é meu corninho, sabia?

— Sim.

— Então fala, quero ouvir você dizer!

— Eu sou seu corninho e você é minha puta, mas é só minha. sempre será somente minha.

— Eu sou somente sua meu amor! Quer se casar comigo?

— Sim, quero me casar com você, eu te amo!

— Mesmo sabendo que eu gosto de compartilhar minha boceta?

— Eu adoro isso, quero me casar com você e compartilhar seu corpo, sua boceta, boca, rabo e te ver gozando gostoso com outras picas! Adoro isso.

— Que delicia meu putinho, meu amor!

Nos beijamos novamente, me levantei sobre ele e rebolei até gozarmos gostoso, com amor, tesão e cumplicidade. Senti sua porra dentro de mim e me senti feliz.

Dormi abraçada ao meu marido, feliz por ter vindo ao carnaval de Santa Teresa.

eduesilvana@outlook.com

-x-x

Se chegou até aqui e gostou do texto, lembre-se de dar umas estrelinhas ai! :-)

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 976 estrelas.
Incentive Edu e Silvana a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Merece bem mais que só 3 estrelinhas! Narrativa sensacional, com todos os detalhes dessas transas da Silvana. Me senti como estivesse ali no jardim da tia Marisa, louco para participar. De ter chance de comer a buceta dessa casadinha que deve ser incrivelmente gostosa! Desculpe, Edu, me empolguei. Quem não se empolga com ela? Beijo, beijo e beijo!

1 0
Foto de perfil genérica

Esse jardim da Tia Marisa.. fico pensando em passar la para ver se arrumou o portão e se deu uma melhorada no jardim!!

0 0
Foto de perfil genérica

Me ensina ser putinha assim? Melhor ainda: ensina meu marido a gostar de ser corno? kkkk

1 0
Foto de perfil genérica

Pela mensagem vc tem muito potential rss

E mais que putinha, tem que gostar da cumplicidade, de se exibir para ele de gostar de ousadias.

0 0
Foto de perfil genérica

Este desejo do marido de compartilhar a esposa chama-se "Wife Sharing. E é conhecido no mundo todo com este nome. Parabéns ao casal que conseguiu esta proeza com leveza e amor.

1 0
Foto de perfil genérica

Obrigado Lucio, pela mensagem.

Tem mais que wife sharing aqui. Muito mais!

0 0
Foto de perfil genérica

Compartilha foto e vídeo do conto meu e-mail sjmj7@yahoo.com.br, bater uma bem gostosa ainda gravo e mando de volta rzsss

1 0
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

Obrigado gutoaf. Os contos ficam um pouco longos, pois pedem descrições claras das situações, mas como vc disse, fluem com facilidade!

Se puder, de umas estrelinhas nos textos!

Abs

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

Aqui quem foi mal compreendido fui eu 🤣

So comentei que os textos ficam grandes para dar uma melhor ambientação na estória.

Acho ruim qdo estou lendo um texto e não entendo bem a cena!

E fico feliz por ter passado pelo crivo de um escritor profissional.

Estamos trabalhando na parte tres.

0 0
Foto de perfil genérica

Estou verdadeiramente apaixonado pelas histórias desse casal de cúmplices. Mal posso esperar para ler novas aventuras. Por favor, não demorem a compartilhar.

1 0
Foto de perfil genérica

Obrigado De é Estela, pelo comentário.

Em todos os contos, a parte principal, que permeia todos eles é a cumplicidade, o respeito e amor.

Com estés ingredientes, muitas aventuras podem acontecer.

Se lembrar, de umas estrelas nos contos

0 0
Foto de perfil de [sallero]

Adorei o relato pura tesão,belíssima parceria esse Edu é das galáxias parabéns vale 03 estrelas de boa.

0 0
Foto de perfil genérica

Obrigado Sallero, pela mensagem e pelas estrelas. Esperamos que goste dos outros contos tbm

1 0
Foto de perfil genérica

Mas que conto mais maravilhoso!Tadinha da tia Marisa, viajou e todo mundo foi foder na casa dela hahahaha.

Parabéns pelo conto!

0 0
Foto de perfil de Coroa libertina

Meninos, isso sim é folia de carnaval. Gostei da narrativa com as marchinhas, burekas e principalmente, saboreando diferentes picas. Usadas de forma excitante e registradas para posteridade. Escrevi um conto recente com um novinho pirocudo. Espero que apreciem. Beijos da Vanessa.

1 0
Foto de perfil genérica

Maravilha de conto, é muita putaria e excitação, parabéns ao casal e continuem.

1 0
Este comentário não está disponível