Dando aula à Netinha.

Um conto erótico de Touro
Categoria: Heterossexual
Contém 816 palavras
Data: 30/06/2024 21:11:12
Última revisão: 17/07/2024 07:56:52

Coronel João, o homem mais rico da região, morava sozinho em sua casa na fazenda. Viúvo, rico e com muitos empregados. Não era uma homem severo, mas o poder lhe conferia autoridade,

Uma de suas filhas, casada, também morava na fazenda com o marido e filhos, uma chamava Angela, netinha querida e preferida do Coronel, era a moça mais bonita de toda regiao; sua princesinha.

Lugarejo pequeno, ele era o único na redondeza que tinha carro, coisa rara da década de 40. Sua netinha Angela era sua paixão, fazia tudo pela garota, inclusive em seu aniversário de 10 anos, pagara uma viagem dela e sua mãe à França. Viagem de navio, era na época privilegio só der ricos, famílias poderosas do sertão nordestino.

Angela veio dormir na casa do avô, final de semana. Ela sempre vinha com a mãe, está era a primeira vez que vinha sozinha. Quando o carro parou, Laide, a moça que limpava a casa do Coronel foi arrumar o quarto de Angela. Viu que ela veio só com o coronel. Quando a netinha do patrão entrou no quarto Laide falou: vou deixar o banheiro seu com bastante água nas gamelas, "uma especie de balde da epoca", amanhã cedinho venho esquentar água, caso você queira tomar banho. Um sorrisinho saiu do rosto de Laide, nem ela sabia o porquê.

O Coronel ficou jogando cartas com os peões até tarde, quando chegou Angela já tinha se recolhido. Ele tomou banho e deitou, passou alguns minutos ouviu um grito de Angela, correu no quarto da neta, a garota levantou assustada: vô parece que tinha gente na janela. Ele olhou, não viu nada. Pode ser o vento minha princesa.

Angela voltou a cama, tava só se camisola, sua bunda apareceu quando ela se curvou pra deitar. O Coronel adorava ficar contemplando a bunda de Angela quando ela tomava banho nua no rio, deitou do lado da netinha. De frente pra ela, lhe abraçou, levou a mão na cintura de sua princesinha, foi baixando, foi puxando a camisolinha pra cima, até a bunda de Angela ficar em pelo. A garota se arrepiou toda, a mão do vô foi trabalhando em suas ancas, a potranquina mimada arrulhava como uma pombinha.

Enquanto ele massageava a bunda, Angela ia sentindo uma sensação prazerosa, desconhecida mas muito boa. Ele sentiu seu pau como ferro, pegou a mão dela e puxou sobre ele, segurou por um momento a mão dela, dando apertadinhas de leve e soltou. Angela continuou acariciando o membro do avô, seu corpo emitia vibrações que ela nunca tivera, sua boca começou a salivar, instintivamente ela foi descendo, descendo, tocou na vara, ainda segurando com sua mão, seus lábios se abriram, sua lingua procura e acha a razão de seu tesao algo, absolveu a cabeça do pau do avô e começou a mamar.

Joao deixou ela mamar um pouco, colocou uma mão no rosto dela a outra no cabelo e falou: vovô vai te ensinar direitinho. Vai colocando pra um lado e outro da boca e aos pouquinhos engolindo. A netinha ia fazendo como ele ensinava... Isso Angela, vai, vai minha netinha, vai, engole. Quando você engolir tudo vovô da o leitinho que você quer. Angela sentia sua pequena buceta se melar toda, quando o avô falou quase urrando de tesao: TOMA, TOMA, Angela, engole tudo, a neta engasgou uma vez, mas se recuperou e absolveu tudo.

Ela descansou um pouco e ele disse: vovô vai te ensinar mais um pouco, minha cabritinha. Tirou a roupa da neta e abriu suas pernas em V. A bucetinha de Angela pulsava de tesão. Quando ele encostou a lingua, ela virou a cabeça pra trás ergueu um pouquinho a bunda no colchão: voziiiinhoooo! Ele a chupava com muita vontade, Angela se contorcia toda.

Enquanto ia levando a netinha ao delirio, João percebeu um vulto pela flecha da janela, mas não se incomodou, continuou chupando a buceta da neta, com o dedão na rachinha, o dedo maior no cuzinho dela, a garota se remexia na cama como uma serpente ferida. Nao aguentando mais ela apertou as pernas sobre a cabeça do vô bradou: vô ôôôô. Vôozinnnho, aahhhhhhhhh, teve um orgasmo intenso, que ela não sabia o que era, mas era maravilhoso. ainda ia aprender muito mais.

João abraçou Angela , sussurrou em seu ouvido: vamos dormir, amanhã vovô vai te ensinar mais, Angela dormiu, ele pegou uma lampião, acendeu e foi lá fora. Embaixo da janela tinha marca de alguém, pés pequenos de mulher. Pensou em Laide, a garota que limpava sua casa.

O Coronel acordou cedo, ensinou a netinha a mamar ajoelhada, segurando a mamadeira e depois foi levá-la em sua casa. Falou pra netinha ir a tardezinha pra segunda aula. Voltou pra sua casa, Laide estava limpando quando ele chegou, ela teve a ousadia de perguntar se Angela ia vir a noite, o Coronel só disse sim, tou dando umas aulas pra ela.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 26 estrelas.
Incentive fenix cinza a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Beto Liberal

Nossa tem gancho para muita história.

.

A conivência da filha, que deixou o pai com a netinha para ensina-la, da manhã forma que tinha feito com ela mesmo anos atrás.

Pode explorar o observador(ra) na janela.

A observadora pode ser a Laide, que tem caso com o coronel e veio ajudar na iniciação da menina.

Tenta coisa que da margem a continuação.

0 0
Foto de perfil genérica

Obrigado, pela leitura, se quiserem dar dica para a parte final, seria ótimo

0 0