Se não fosse da família! 8

Um conto erótico de Krauser10
Categoria: Heterossexual
Contém 1393 palavras
Data: 16/10/2023 13:32:09

Vendo aquela cena, delas dormindo como anjos, vejo que nem todas as mulheres fazem o que querem.

Eu: Duas mulheres de gerações diferentes buscando a mesma coisa... esquece, é hora de fazer o café!

Fiz o café, preparei uma bandeja farta e chamativa. Fiz meu papel de bom moço rsrs...

Eu: Bom dia Minhas Rainhas!?

Debora: Bom dia!

Clara: Bom dia família!

Eu: Sentem as duas na cama do jeito que estão e tomem café!?

Debora: realmente uma família diferente... eu gosto!

Eu: Agora me fala um lugar que vocês gostariam de conhecer?

Clara: Ceara parece lindo e as praias são de outro mundo!

Debora: Concordo. Mais pq você está perguntando?

Eu: Você faz muitas perguntas delicia. Só curiosidade rsrsrs

Tomamos café e o dia foi maravilhoso. A Clara com pouca roupa ou nenhuma, a Debora com roupas curtas e suas olhadas pra mim e para sua filha estava diferente. Não liguei pois já imaginava o que se passava em sua cabeça. No mês seguinte tirei férias sem avisar para elas e programei uma viagem a 3 para a lagoa azul em Jericoacoara. Na sexta a noite cheguei do trabalho e fui falar com elas.

Eu: Boa noite meus amores! Eu quero que as duas arrumem as malas com biquíni e roupas de calor.

Clara: Eba! Já estou indo!

Debora: Eu tenho que ir ver um possível investimento na empresa de uma amiga amanhã.

Eu: Delicia... se você não arrumar as suas malas você vai sem elas mesmo.

Debora: Isso é uma ameaça? Menino o que você tem na cabeça ultimamente? Já é dezembro e eu tenho um monte de coisa pra fazer.

Dei as costas e fui dormir ne meu quarto e apaguei na cama. No outro dia bem cedo eu pedi para a Clara arrumar as malas e ir comigo comprar biquínis novos para as duas.

Clara: Pq você não chamou a mãe?

Eu: Ela falou que não vai pq tem um monte de coisa pra fazer.

Clara: Porra! Eu não sei para onde nós vamos mais seria legal se ela fosse. Nunca vi a mãe viajando e se divertindo. Ela só pensa em trabalhar como sempre.

Eu: Nós vamos levar ela nem que seja na marra

Clara: Tudo bem... tomara que ela não de uma loca kkkkk.

Tudo estava pronto. Chegamos umas 10 hsr, quando ela ia sair a oferecia a carona e ela aceitou. Fui direto para o aeroporto com ela xingando. Não dei bola e ela ficou emburrada todo o tempo. A Clara não perguntou para onde íamos e nem a Debora que estava puta da vida. A clara se divertiu no avião falando que era a primeira vez dela. A Debora ficou num cagasso se tremendo e com medo se tremendo e com cara feia. E eu me divertindo kkkk. Como carro nos deixou longe da pousada por não deixar entrar viemos a pé. Chegamos a pousada muito bonita e bem organizada. Paguei o dobro para ficarmos no mesmo quarto de uma cama king size, com terraço, banheira de hidromassagem ao ar livre com vista para as dunas. Uma verdadeira coisa de filme. Guardamos as malas no quarto e as chamei para conhecer o terraço privativo.

Clara: Maravilhoso! Olha isso mãe!? Olha a banheira, essa mesinha pra ficar vendo as dunas e o pôr do sol... Pq da boca aberta mãe!?

Debora: Minha nossa senhora... esse lugar é maravilho!

Eu: Vão trocar de roupa... vou na recepção.

Debora: Que roupa, eu não...

Clara: Ele separou pra você, vem comigo.

Jantamos no terraço acompanhado de muito vinho e a vista maravilhosa acompanhada do pôr do sol. As mandei se arrumarem com algo bem leve para sairmos para conhecer a rua do forro e curtir a noite. Eu tratei as duas como minhas namoradas, dançamos bate coxa que as duas esqueceram que eram mãe e filha e eu amei. A Clara fez amizade com uma menina que estava que estava meio que chorando na mesa ao lado e foi conversar com ela.

Eu: A Clara é bem prestativa...

Debora: ... é maravilhosa! Obrigada pelo que você fez, vocês dois. É a primeira vez que faço uma viagem assim... parece que eu tirei o mundo das costas.

Eu: Que bom saber... você fica mais bonita sorrindo! Eu gosto de você assim... não me tirando das suas costas você pode fazer o que quiser!

Debora: Você eu não largo mais, mesmo me fazendo perder a paciência contigo foi por uma boa causa. Se eu posso fazer o que eu quiser... então hoje é o dia! Vocês dois estão me provocando faz tempo né seus safados... e tem uma coisa que eu quero perguntar. Naquela noite das rosas foi ela que...

Eu: Eu vou ti mostrar uma coisa quando chegar na pousada que você vai gostar. Eu sei que você ainda não fez pelo os outros vão falar... vamos aproveitar e vem dançar.

Dançamos forro agarradinhos, a clara nos apresentou a nova amiga e ficamos nós 4 conversando e dançando. A melhor coisa é conhecer alguém que conhece os melhores passeios e essa era a Priscila a nossa nova amiga. Nos despedimos e fomos para a pousada. Peguei 1 champanhe e fomos para o terraço. Pedi a Clara para subir e pedi a Debora pra deitar na cama e entreguei meu celular a ela com o vídeo da noite das rosas e pedi que ela assistisse até o final. Tirei a roupa e subi pelado com ela me olhando sem dizer nada.

Clara: Olha só... assim eu não vou resistir...

Eu: Não vamos abrir o champanhe agora... vem aqui minha gostosa que hoje a noite vai ser especial.

A beijei e tirei a sua roupa com vontade de foder logo aquela gostosa. Entramos na banheira de hidromassagem com ela já sentando no meu pau duro.

Clara: Está tudo perfeito! Hum... me fode Mah...

Eu: Vai ficar melhor...

Fizemos um amor gostoso e só a lua e as estrelas como testemunhas. A coloquei de 4 na hidro, puxei seu cabelo e a levantei para sussurrar em seu ouvido.

Eu: Você é uma putinha gostosa amor. Imagina se a Debora descobre o que você é louca pra chupar a buceta dela?

Clara: Ela fica me olhando fuder contigo, quando eu converso com ela humm... ela disse que não teria coragem de fazer nós 3... que não tem coragem. Não sei o que ela pensa... que rola! Essa conversa está me fazendo ideias de provocar ela... ai...

Eu: Então você gostou de chupar a bucetinha dela? Fala a verdade pra mim!?

Clara: Sim... sim... eu quero! Continua assim que eu vou gozar...

Meti gostoso sentindo puxando seu cabelo e gozei dentro.

Eu: Coloca a mãe pra não escorrer e vamos descer.

Peguei a champanhe e descemos. Encontramos a Debora com as mãos na buceta toda gozada.

Eu: Gostou do vídeo?

Debora: Sim... eu gostei! Ainda bem que você filmou e não preciso ficar me lembrando todo dia. Agora posso ver a melhor noite quando eu quiser!

Eu: Que bom que gostou. Achou a resposta para a sua pergunta de mais cedo?

Debora: Sim e o pior que eu gostei da resposta.

Clara: Ei... eu não estou entendendo nada. Do que vocês estão falando?

Peguei a Clara pela mão, nessa hora ela tirou a mão da buceta que começou a escorrer, a Debora olhou e dou um sorriso de canto bem safada. A deitei no meio da cama de pernas abertas abri o champanhe dei para elas beberem.

Eu: Está pronta para fazer a loucura Delícia?

Debora: Mesmo com um frio na barriga eu estou cheia de tesão e vontade...

Eu peguei o lençol e coloquei no rosto da Clara.

Eu: Aproveita o seu presente. Se você não fizer isso hoje nunca mais vou tocar no assunto. “Falei sussurrado em seu ouvido. ”

Joguei champanhe no corpo todo da Clara.

Eu: Aproveita seu presente.

Clara: Hum... Gelado! Hooo... está sensível... não chupa forte que acabei de gozar! Que boca é essa... Caralho! Não estou vendo nada. Não me morde ai não! Ai... ai... não aperta meus seios assim...

Dei as costas depois que ela caiu de com a boca cheia de fome. Subi para o terraço e bebi o resto do champanhe sozinho. Os gemidos eram música para meus ouvidos. Acabei dormindo no terraço e acordando no outro dia com o sol estralando na minha cara bem cedo.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 58 estrelas.
Incentive Krauser10 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaKrauser10Contos: 65Seguidores: 112Seguindo: 1Mensagem Eu gosto de escrever, a sua história é Boa?

Comentários