Minha esposa e seu primo do interior – Parte 3

Um conto erótico de Gaspar
Categoria: Heterossexual
Contém 4454 palavras
Data: 30/07/2021 05:05:48
Última revisão: 08/02/2023 18:31:33

Esta é a terceira parte de um conto antigo publicado aqui na casa dos contos eróticos. A primeira parte foi inspirada no original, do autor ou autora, Geralda – predadora, e recriada pelo Leon na categoria Heterossexual. Mas a segunda e terceira partes já são totalmente novas, e criadas a partir da nova versão do Leo, para ser continuação.

Ficou assim.

Naquela semana a alegria e entusiasmo de Liz era patente com os preparativos para a vinda do Silvino, o primo adorado, e segundo ela, seu segundo amor. Não somente ela se cuidava e se enfeitava, foi ao salão, depilou, fez unhas cabelos, sobrancelhas. Fez compras para as comidas que queria preparar, comprou bebidas, e enfeitou a suíte de hóspedes com lençóis e toalhas novos. No meio da semana eu já tinha notado a animação e disse a ela:

— Tu se empolga tanto para a vinda do Sil que fico pensando que eu adoraria que fosse assim quando viajo a trabalho e vou voltar.

Liz não se deixava mais influenciar. Ela já tinha feito algumas provocações para testar a minha aceitação daquela vinda, e sabia que eu estava apenas fazendo chantagem, então disse:

— Nem vem com esse clima de vítima. Não me tire o prazer. Tu vive comigo, todos os dias, o Sil virá só algumas vezes, sabe lá quando. E eu sempre estou linda e maravilhosa, para ti.

Eu ri, mostrando que estava só espicaçando, sem levar a sério. Fui dar um beijo nela e ela retribuiu indicando que não se zangou.

Liz tinha feito questão de criar um grupo de conversa, com os três, para que não houvesse dúvida do que era falado para nenhum, embora eu tenha participado só no início, e outras poucas vezes. Mas, de vez em quando eu relia as conversas, para analisar melhor seus significados explícitos e os ocultos. Quando a Liz criou o grupo – MEUS DOIS AMORES — e escreveu: “Grupo criado para que três pessoas que pretendem cultivar uma amizade e intimidade com respeito, admiração, entrega e cumplicidade, possam se comunicar, tirar dúvidas e se expressar. ”

Logo o Sil se manifestou ao ser adicionado.

Sil: Salve, obrigado. Alô Gaspar, será um prazer essa amizade. Agradeço muito a tua acolhida.

Eu: Salve Sil. Venha na paz. Eu e a Liz vamos te receber com cuidado e atenção.

Sil: OK. Obrigado.

Eu: A Liz e eu já conversamos muito, como deve saber, e dissipamos os mal-entendidos do passado.

Sil: Ótimo. Que legal. Agradeço, e peço desculpas por erros cometidos. Te respeito muito e terei chance de trocar ideias. Vamos nos entender, espero. Quero fazer essa amizade florescer.

Liz: Prometo te receber com muito mais amor do que amizade. rs rs rs.

Sil: emoji de coração, e outro de sorriso feliz.

Eu: Ainda sinto um pouco de ciúme desse caso de amor. Mas é natural. Vou tentar me acostumar.

Liz: Meu amor vai gostar de ser meu corninho. Já gosta.

Sil: Entendo. E colocou um emoji de “namastê”.

Liz: Sil, o Gaspar, entendeu nosso passado, a paixão que nos une, e sabe que nada disso afeta o amor que tenho por ele. Concorda que tu será sempre um querido meu, e virá somente algumas vezes para matar a saudade. Sabemos do teu amor pela tua família e da importância que tu dá a ela. Mas também entende a tua importância na minha vida.

Sil: Obrigado Gaspar. Aproveito para dizer. Quando voltei daí eu tive uma longa conversa com a minha mulher, a Marla. Ela é uma pessoa fantástica. Contei de novo, ela já sabia, a história do meu passado com a Liz, o escândalo que foi na época, e disse que hoje a Liz também está bem-casada. Relatei que na viagem para o curso, tive condições de revê-la. Contei que precisava muito falar com ela, pois nossa amizade tinha sido interrompida brutalmente e nossa presença banida da família. Expliquei que nessa viagem que fiz estive com o casal, e pudemos colocar nossa conversa em dia. Avisei a ela que a minha família pelo lado da Liz não poderia saber desse encontro, dado o fato de ambos sermos considerados proscritos pelo crime que eles acham que cometemos.

Liz: Nossa, que bom. E ela? Qual a reação?

Sil: Marla é uma pessoa tranquila. Não se abala e nem tem ciúme ou cobranças comigo. Aceitou naturalmente o que eu contei sem se chatear. E ainda disse que era um absurdo esse banimento de nossa amizade. Eu revelei que iria manter contato contigo, pois, de tempos em tempos, terei que ir fazer reciclagens aí.

Eu tinha que aproveitar a brecha e perguntar: E são liberais? Já tiveram alguma experiência desse tipo?

Sil: Somos. Ou melhor, nós fomos. Já tivemos algumas aventuras antes de casarmos, e depois, antes dos filhos nascerem. Mas eles vieram logo. Depois dos filhos nascidos a Marla não quis mais. Eu respeito. Ela não me cobra nada, me dá total liberdade. Mas eu não tenho mais interesse de fazer nada sem a presença dela. Só quero estar com a Liz por ser uma paixão muito grande na minha vida. E sei que será só eventualmente quando eu puder ir, só para matar a saudade.

Liz: Obrigado querido. Tu também é minha paixão. O Gaspar sabe.

Eu: Tua esposa soube que tu ficou com a Liz? Contou a ela?

Liz: Sil, se não quiser responder isso, não precisa.

Sil: Sem problemas. Eu contei sim. Não tenho segredos com ela. Mas não entrei em muitos detalhes. Poupei minha mulher de algum dissabor desnecessário. Só fiz questão de contar que fiquei anos esperando por esse momento de reencontrar a Liz. Ela aceitou, não questionou nada. Prefere não saber detalhes. Mas falei que fiquei com a Liz todos os dias, e foi muito importante para os dois.

Eu: Puxa, que legal. Ela é uma mulher de mente muito aberta.

Sil: Minha regra é clara, sempre contar tudo. Expliquei que era uma questão que ficou interrompida no passado. Tínhamos que resolver. E que o marido, no caso tu Gaspar, soube também de tudo. E depois de um tempo aceitou. Ela não perguntou mais nada. Morreu o assunto.

Liz: Já estou admirando a Marla sem conhecer.

Eu: Confesso que eu também estou admirado. Nossa, preciso aprender com ela. E ela sabe que agora tu virá aqui de novo?

Sil: Sabe sim. Eu disse, de tempos em tempos terei que ir. Mas a Marla não sofre por isso, nem questionou nada. Apenas sabe que nos tornamos amigos. Ela disse que considera tu, Gaspar, um homem incrível. Ela admirou a tua atitude de generosidade e respeito, de permitir meu encontro com a Liz. Contei que tu viajou a trabalho e nos deixou livres.

Liz: colocou vários emojis de coração e sinal de positivo.

Eu: (coloquei uns três emojis de capeta, depois um sorrindo e fechei com um de drama). Depois escrevi – Só eu sei o sufoco que eu passei. Minha testa está dolorida com o chifre até hoje.

Sil: Mandou três emojis de namastê e um se sorriso com língua de fora.

Liz: Estamos ansiosos para a tua chegada. Eu estou preparando a cabeça do meu querido corninho, para desfrutar de tudo e não sofrer.

Eu: (coloquei um emoji de choro).

Sil: Sempre dá uma angústia. Entendo perfeitamente. Eu e Marla fizemos ménage e suingue. Já vi minha Marla com outro, e até com outros. Me admirei muito como ela se entregava. No começo era complicado. Eu ficava com um pouco de ciúme, mas superava. Mas nunca misturamos sexo e amor. Isso ajuda. Somos muito unidos.

Eu pensei em dizer: “Só misturou amor e sexo com a Liz”, mas não disse. Apenas escrevi: Parabéns ao casal. A vida é para a gente aprender.

Liz: Meu gostoso, eu estou morrendo de ansiedade aqui, não vejo a hora da tua vinda. E estou com muito tesão. Fico falando disso com o meu corninho e a gente fica na maior tara.

Sil: Também estou com saudade. Que bom que o Gaspar já relaxou.

Liz: Ele é safado, a gente fantasia aqui juntos e ele fica no maior tesão quando eu falo que ele vai curtir muito vendo a gente.

Sil: Colocou um emoji de espanto e outro de sorriso.

Não comentei mais. Achei que estava de bom tamanho. Deixei os dois teclando.

A primeira conversa foi essa. Depois dessa, houve mais papos entre o Sil e a Liz que trocavam informações da viagem, palavras de carinho e saudade. Algumas vezes a Liz dizia – “Saudade desse pau gostoso”! E que estava cada dia mais excitada com a aproximação da vinda do Sil.

Ele mandava uma foto do pau duro. Ela adorava, e devolvia com uma imagem da xoxotinha.

Mas a Liz não deixava de ser carinhosa comigo, muito sensual, e nossas fodas eram sempre muito boas. Até que dois dias depois da abertura do grupo, estávamos em nossa cama, nos provocando. Eu chupava os peitos dela enquanto a Liz gemia gostoso e me masturbava. Então a Liz pegou o celular e pediu:

— Amor, faz uns “nudes” para mandar para o Sil? Assim ele já fica inspirado.

Olhei-a meio incrédulo, mas era uma ideia provocante. Peguei o celular e fiz algumas fotos dela nua. Não fiz corpo inteiro. Fiz os seios. Depois da cintura para baixo aparecendo o púbis. Depois fiz dos pés, que eu acho lindos e muito sexy. E da bunda. Liz olhou, escolheu as que gostava e pediu:

— Mande no grupo.

— Eu? Enviar? Fico meio sem graça. Mandar fotos da minha esposa nua para o amante.

— Que isso amor? Deixa de bobagem! É bom que tu já comece a assumir essa cumplicidade. Vai emprestar a tua esposa para o outro. Nós sabemos que isso te deixa excitado. Tem tesão de ser o nosso corninho. Então assume.

— O que tu deseja realmente?

— Quero que tu admita que está aceitando a posição de corninho, na boa. E que isso te deixa excitado. Que vai me deixar fazer o que quiser com o Sil. E que tu poderá ver tudo. Eu vou fazer tudo na tua presença, nada escondido. Chegou a hora. Temos que ter cumplicidade.

Na mesma hora eu percebi a mente safada da minha hotwife atuando. Senti uma excitação bem maior do que eu já estava.

Peguei no celular e mandei as fotos dela para o grupo. Eu ficara de pau duro fazendo aquilo

Liz me disse:

— Olha só, ficou de pau duro, excitado. Eu sabia.

— Fico tarado quando você assume esse tesão de putinha safada.

Liz teclou no grupo: Sil, querido, o nosso corninho está mostrando o que te espera aqui. Ele está querendo te animar a vir logo. Sabe que tu está morrendo de tesão de me comer gostoso na frente dele.

Passaram uns minutos. Veio a resposta.

Sil: Uauuu! Delícia. Ele vai aproveitando enquanto eu não chego! O Gaspar é um felizardo.

Eu: Sei. Ela que é uma safada, e manda aqui. Eu só obedeci.

Liz: Mentira dele, foi meu corninho que tirou as fotos sabendo que era pra ti. Eu pedi para mandar pois assim ele assume de uma vez, para nós, que está cúmplice de tudo mesmo.

Eu percebi a jogada dela, era esperta, me excitava, e já ia me comprometendo com o Sil. Eu disse a ela:

— Não precisa me chamar de corninho para me humilhar.

Liz me deu um beijo sorrindo com cara de safada:

— Amor, eu gosto, acho bonitinho chamar assim. Não é para humilhar, tu é meu corninho mais querido. É verdade, tu fica com tesão de saber que tua esposa quer dar para outro. E acho que até tu sente mais tesão quando eu falo para o Sil.

— Entre nós dois está tudo certo. Mas não sei como o Sil entende.

Liz insistiu:

— O Sil não fala sempre, não te chama assim de corninho toda hora, pois não quer te ofender. Sabe que tu ainda não está habituado. Mas se a gente falar sem medo, sem ofensa, todos se acostumam. Mas vamos ver, me diga, tu gosta que eu chame de corninho?

— Gosto, já me acostumei. Me remete à nossa cumplicidade.

— E se o Sil chamar. Sem ofender, incomoda?

Fiquei quieto, pensando no que ia dizer. Estava excitado com aquela situação que me confrontava com a realidade. Pensei que ela tinha razão e a safada sabia. Ela falou:

— Olha só, tu está de pau duro, bastou te chamar de corninho, e colocar de cúmplice da nossa safadeza que tu ficou logo tarado. Assume amor, assume que fica bom.

Expliquei:

— Na minha concepção, o corno é o par que é traído escondido, e também, depois que fica sabendo, aquele que aceita ser enganado sem contestar isso. Quando se faz as coisas sem ser escondido, consentimento, não há traição.

— Ah, amor, não complica. Corno também é apenas a forma genérica de chamar o marido que gosta de ver mulher dele com outro. O corno gosta e aceita dividir. Ele tem prazer nisso. E tu gosta, então é um corninho. Relaxa.

— Eu tinha essa fantasia antes, hoje já não sei se gosto. Estou na dúvida. Quando te vi com o Sil fiquei bem nervoso. Deu até taquicardia. Pensei que ia ter infarto.

Liz me beijou e perguntou em voz baixa:

— É porque tu não queria ser enganado. Mas hoje não é mais assim. Tu não fica excitado com a ideia de eu dar para outro? Não fantasiava isso até bem antes?

— Sim, eu fantasiava. E a ideia me excitava.

— E agora não fantasia mais? Não gosta mais?

— Eu já te vi com outro. Com o Sil. A sensação é complexa. Excita, se focar apenas no sexo, mas, ao mesmo tempo dá uma grande angústia. O marido que gosta da esposa sente um aperto no coração de ver ela gostando de outro.

— Amor, tu antes estava te sentindo traído, mas agora é diferente, estamos cúmplices. Já nos excitamos tanto falando e fantasiando, não é mesmo? Não estamos com tesão no que vamos fazer?

— Sim, estamos. É verdade.

— Tu não disse que sente tesão de pensar que vai me ver dando para o Sil?

— Disse, é verdade, fico excitado quando imagino.

— Então, escreve isso no grupo. Comenta isso com o Sil.

— Como?

— Vai, escreve no grupo, para a gente saber o que tu sente. Queremos transparência. É o primeiro passo para assumir de vez esse papel de corninho cúmplice que tu tanto fantasiou.

Eu estava excitado com aquelas provocações da Liz. Ela sabia, estava vendo meu pau duro e minha expressão, e por isso me estimulava. Peguei no celular e teclei.

Eu: Sil, estava falando aqui com a Liz, eu fico muito excitado com a ideia do que vamos fazer.

Sil: Entendo perfeitamente. Me excita também. A cumplicidade, quando todos gostam é muito bom.

Liz: Ele precisa só se acostumar que é corninho. Sente tesão com a ideia, mas ainda tem vergonha. Chamei de corninho aqui no grupo, ele adora, fica excitado, mas estava com vergonha de assumir no grupo. Acho que agora está resolvido.

Sil: Não acho que é ofensivo. Não sinto assim. Posso chamar assim se tu prefere. Acho melhor chamar de corninho que pelo nome. Gera mais empatia.

Eu: A Liz é que me chama assim. Ela gosta.

Sil: Tu gosta de ser chamado assim?

Eu: Até gosto, é excitante que ela me chame sim. Não me ofende.

Sil: E ofende se eu chamar também? Eu acho excitante te chamar de corno, é o marido dela, isso confirma nossa cumplicidade.

Liz: Ele também acha provocante, está de pau duro aqui. É só se acostumar.

Eu: Não me ofendo se não for de forma ofensiva. Sem intenção de humilhar. Não gosto de humilhação. Não é legal diminuir ninguém. E não admito ser ofendido e diminuído. Até sei que existem aqueles que gostam. Eu não.

Sil: Veja.... Tu vai dividir a tua mulher comigo. Aceitou isso e sentiu excitação com isso. É o marido Cuckold, termo em inglês que define isso, mas aqui na nossa terra, o termo corno é a forma popular. Significa marido liberal e cúmplice.

Liz: Eu prefiro chamar de corninho, acho carinhoso e safado. Podemos ajudar chamando assim para que ele perca a vergonha. Vou sempre chamar de corninho. Meu corninho mais ciumento.

Sil: Se o Gaspar não se opuser eu chamo também. Prefiro. O importante é o que tu sente com isso.

Liz: Diz aí meu corninho, o que tu sente?

Eu: Sinto apenas uma excitação de estar começando algo novo para mim. Antes da tua vinda, tudo era apenas fantasia, agora é real. Tu já comeu a Liz de tudo que é jeito, ela adora dar, a safada, e eu fico com tesão de ver isso. Tenho que me acostumar.

Sil: Gosto de falar corno, ou corninho, acho mais íntimo. Sem ofender.

Liz: Tudo bem amor? De acordo? Vai ser o nosso corninho?

Eu estava excitado com aquela situação. Mais pela Liz que adorava saber que eu estava entrando no jogo. Mas não respondi logo.

Sil: Olha, me diz como tu sente. Sabe que vai ceder a tua mulher para ficar comigo. Isso o excita? Vai querer ver? Sente tesão?

Eu: Muito. Sinto sim. Antes de acontecer de verdade, a ideia já me excita demais. Depois ao vivo eu não sei. Acho que só saberei na hora.

Sil: Vai gostar. Tu já viu escondido a gente na maior foda, e ficou excitado. Vou deixar a safada da Liz bem tarada, e fazer ela gozar muito. Para tu ver.

Liz: Nossa, que delícia, já estou meladinha.

Sil: Faz um favor. Mostra a xotinha dela para mim, corninho? Pode filmar?

Notei o Sil já usando o termo. De fato, gerava uma intimidade libidinosa. E ele me incluía na safadeza, em vez de me excluir. Liz estava de joelhos, sentada nua sobre os calcanhares na minha frente na cama.

Ela abriu as coxas separando um pouco. A xoxota ficou visível. Aquela delícia de xoxota volumosa e saliente que parece desenhada. Peguei o celular e aproximando gravei um pouco bem de perto. A xoxota bem depiladinha ficava em close-up. Mandei no grupo.

Enquanto a imagem subia ao servidor para ser compartilhada, o que demorou alguns segundos, Liz passou a mão na xoxota melada e me deu para lamber. Ela disse:

— Corninho, estou com muito tesão. Só essa conversa de tu me oferecer para o Sil me deixou em brasa. Vamos filmar um pouco nós dois para o Sil ver?

A excitação só aumentava. Passei a gravar. Começamos a nos beijar, e em seguida eu sugava os seios dela. Meu pau duro latejava e ela acariciava com toques macios. Liz veio dar uma chupada no meu pau. Eu estava sentado. Gravei ela lambendo a chupando minha rola. Ela fazia para se exibir, ser filmada. Notei que ela era bem exibicionista. Logo ela não aguentou mais o desejo, montou a cavalo e enfiou meu cacete na xoxota. Eu gravava mantendo o celular mais alto. Gravamos um pouco a nossa foda e com ela cavalgando. Liz gemia:

— Ah, olha só que tesão, Sil, estou treinando, fodendo com o corninho. Quando tu chegar eu sou só tua.

Eu a esperei começar a gemer na rola e interrompi a gravação. Mandei para o grupo. Demorava um pouco a subir o vídeo e enquanto isso, e gente continuou transando, com minha mulher cada vez mais deliciada sobre a rola. Eu estava satisfeito, exercia meu poder de mando de campo, e aproveitava para mostrar ao Sil que eu era o marido daquela delícia. Ser corninho era uma condição de poder, já que me cabia o direito de ceder. Ela era minha, mais do que dele, a despeito de ela gostar tanto de dar para ele. A imagem carregou no grupo e o Sil abriu e assistiu ao vídeo.

Sil: Maravilha! Aproveitem bem. Principalmente tu corninho. Rs rs rs. Quando eu chegar, assumo o avião, e tu é que vai ficar só na vontade.

Liz: Não briguem meninos, tem para os dois...

Eu desliguei o celular. Estava tarado demais com a Liz cavalgando meu cacete e falando safadeza no meu ouvido.

— Ah, corninho, está gostoso, tu assumiu e está tesudo de me dividir com o Sil. Estou muito tarada com isso. Tu também, está enorme aqui dentro. Isso, fode a tua putinha que gosta de dar pra outro! Ah...Estou gozando.

Eu sentia a xoxota dela me apertando o pau, como se ordenhasse. Aquela capacidade que a Liz tinha de pompoarismo na xoxota, com o pau dentro, era uma das coisas mais deliciosas que se pode experimentar numa boceta. Ela também era um ser sexual, ela também era uma tarada, como qualquer um dos dois machos que a desejavam e a possuíam com total volúpia. Senti meu prazer quase explodindo e recuei a pica empurrando Liz para soltar minha rola. Ela ficou tarada e eu disse:

— Muda de lugar, safada, enfia no cuzinho, quero gozar no seu rabo guloso.

Liz gemeu satisfeita, ainda em estado de orgasmo, ergueu um pouco os quadris e direcionou a rola para seu anel corrugado. O cuzinho piscava com as contrações do gozo e ela não teve dúvidas, sentou-se sobre a pica até forçar a penetração. Quando o pau entrou, houve até uma espécie de estalido, com a pica vencendo a resistência das pregas. Ouvi a Liz gemer e rebolar. O pau foi deslizando muito lentamente para dentro do cu enquanto ela gemia:

—Ah, adoro essa enterrada... A hora que entra a cabeça já é uma loucura.

A partir desse ponto, ela começou a cavalgar na rola com movimentos deliciosos dos quadris, fazendo meu pau ir e voltar dentro do ânus, apertando o esfíncter para aumentar meu prazer e eu vi que estava difícil segurar a onda. A sorte é que percebi que a Liz também ofegava, gemia e pediu:

—Ah, corninho gostoso, mete, mete, mete tudo que eu estou gozandoooo!

Ela se esfregava com a bunda colada na minha pélvis e o cacete inteiro dentro do cu que piscava. Eu apertava os peitos dela com força. A respiração ficou entrecortada, ela gritou, e gozou intensamente. Quando senti as contrações do orgasmo dela e o líquido melado escorrendo da boceta eu também explodi ejaculando forte, urrando, e gemendo deliciado. Foi uma foda muito gostosa e já estimulada pelo clima de safadeza que estávamos criando. Nunca imaginei que ela fizesse um Squirt sendo fodida no cu. Depois de gozar ficamos deitados juntinhos e eu abracei a Liz por trás, beijando a nuca. Senti que a porra escorria de sua bunda e molhava o lençol, mas nenhum dos dois se abalou com aquilo. Eu disse:

— Quando eu estou fazendo amor contigo, eu me sinto muito feliz e realizado. Eu sou apaixonado, tu é linda, safadinha, deliciosa, nossa química bate perfeitamente. Eu não sinto necessidade de outra mulher. Por isso nunca estimulei nenhum ménage feminino, apesar de achar que se tu fizer sexo com outra mulher tu vai gostar e eu ficarei muito tarado.

Liz gemeu satisfeita:

— Amor, eu também me sinto muito satisfeita contigo, porque além do sexo muito bom que a gente faz, eu tenho a certeza de estar com o homem mais fantástico que eu poderia achar. E que me faz muito feliz. Mas eu sou um pouco diferente de ti. Sempre fui safada, sexo para mim sempre teve um efeito incrível, me estimula e fez parte de forma intensa de boa parte da minha vida. Não se esqueça que quando tu me conheceu eu fazia programas. Prostituta.

Liz deu uma parada como se estivesse lembrando de coisas passadas.

— Era como eu me sustentava. Um dia meu pai soube que eu tinha dado para um empresário conhecido dele. Pior que o sujeito era famoso como putanheiro e tinha um pau grosso. Foi terrível, meu pai ficou revoltado. Por isso a família me odiava. Só depois que nos casamos eles voltaram a me respeitar.

Eu comentei:

— Essas histórias da tua vida de putinha eu não conheço. Quero que me conte mais.

Liz sorriu com jeito de safada:

— Meu corninho vai ficar cheio de tesão de saber que a esposa queridinha dele já foi puta e deu para muito macho. De tudo que é jeito.

Na hora que eu ouvi aquilo meu pau deu sinal de ficar duro de novo. Liz percebeu e sorriu:

— Safado, adora saber uma safadeza da putinha né?

Eu estava excitado e curioso. Respondi:

— Eu gosto, quero saber tudo.

Liz explicou:

— Eu te amo, e não faria nada contra a tua vontade. Mas, eu gosto de novidade, safadeza, experimentar coisas novas. Eu adoro sentir outros machos tesudos e tarados por mim. Eu sempre me controlei porque estou casada contigo e sempre respeitei isso, me esforçava para me encaixar num modelo de mulher certinha. Mas eu abafava meu lado puta. Tu foi lá e com a tua safadeza própria de fetiches liberais, despertou a devassa que eu tinha abafado. Eu fui ficando mais tarada, me segurava e tentava te conter e tuas ideias liberais para não virar uma vagabunda muito devassa. Mas aí, apareceu o Sil, e virou tudo da nossa vida do avesso. Me fez acordar a tarada safada, que no fundo tu também admira. Então, eu acho que nós agora nos completamos mesmo. E se formos discretos, respeitando o outro, e os limites acordados, poderemos de fato experimentar muita coisa boa.

Eu estava consciente de que iríamos dar um passo bastante arrojado no mundo liberal. Minha mulher ia ter um amante que de vez em quando viria nos visitar. E eu sabia que ela ia foder com ele de todas as formas e condições. Aquilo já não me preocupava mais, me excitava, eu achava que iria gostar. Mas ela talvez não ficasse somente naquilo.

E eu, embora me sentisse muito excitado para viver a aventura de ser corno, também sabia que poderia ser uma destruição do nosso casamento. Tudo dependeria de ter muito cuidado, respeito e transparência, ouvindo sempre o outro. Eu disse:

— Estou disposto a experimentar, e me entregar nessa aventura liberal. Mas eu só quero que definamos três coisas essenciais. A primeira, é sinceridade e transparência sempre. A segunda é respeito. Eu não gosto e nem admito ofensa, humilhação e nem abuso. E a terceira, é discrição. Para nos preservar, teremos sempre que ser muito discretos.

Liz se virou de frente para mim e me beijou longamente. Ela falou bem baixo, quase sussurrado:

— Amor, eu juro que estou totalmente de acordo. Mas às vezes eu gosto de fazer umas provocações, me excita, e acho que excita tu também. Sempre que eu estiver ultrapassando algum limite, basta me dizer. Eu vou respeitar. Prometo.

Trocamos mais beijos, e aos poucos fomos serenando e adormecemos. Faltava apenas um dia para a chegada do Silvino.

A expectativa era muito grande.

Continua.

leonmedrado@gmail.com

NÃO ESTÁ AUTORIZADA A CÓPIA E REPUBLICAÇÃO DESTE CONTO EM NENUM OUTRO BLOG OU SITE. É EXCLUSIVO DO CASA DOS CONTOS ERÓTICOS

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 77 estrelas.
Incentive Leon a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de LeonLeonContos: 267Seguidores: 670Seguindo: 162Mensagem Um escritor que escreve contos por prazer, para o prazer, e com prazer.

Comentários

Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Vou fazendo algumas correções e revisões, preparando para publicar as partes que faltam.

0 0
Foto de perfil de Will Safado

A parte 4 desse conto, está sendo direcionada para o conto de um outro autor, o que houve? Estou ansioso para ler a sequência dessa história.

0 0
Foto de perfil de Leon

já reclamei desde ontem com o webmaster mas nada acontece. Este conto que aparece no link não é meu. Foi linkado na minha página de contos com um índice errado. E o meu conto não foi publicado. Aponta para um conto e abre outro. O Webmaster deve estar de férias. Faz mais de 12 horas que eu solicitei correção e nada.

0 0
Foto de perfil de Will Safado

A parte 4 desse conto, está senso direcionada para o conto de um outro autor, o que houve? Estou ansioso para ler sequência da história.

0 0
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Johnnyyutah, que bom que apareceu. Olha parte das suas observações são perfeitas. É o amor que torna o caso complicado. Mas as suas previsões, baseadas em informações preliminares e não definitivas erra feio. Você tem razão, estou colocando ingredientes diferentes e sei que este conto pode surpreender muito a maioria dos que acham que com duas partes e três frases dos personagens já julgam saber os rumos da história. Apenas tenham paciência, pois escrever um conto como esse dá trabalho, e eu ainda não sou uma Claudinha08 nem o mestre Melga38, ou outros feras que existem aqui. Apenas me deixem trabalhar. Ou então, nem me darei ao trabalho. Obrigado sinceramente.

0 0
Foto de perfil de Leon

O erro de frase como essa: "Caso fosse real, não tenho duvidas que os dois se casariam ou se juntariam, sei lah. Na vida real de um relacionamento liberal, sendo os dois independentes profissionalmente, ele ou ela pode se apaixonar pelo seu ou sua amante a qualquer momento. e não precisa ser apenas Amor, pode ser por compatibilidade por exemplo. pq ele ou ela deveria permanecer casados se a coisa não "encaixa" pra eles? Vejamos, estamos tentando trazer um caso que pode acontecer na vida real. Por que não se encaixa? Gaspar e Liz se encaixam. Encaixaram já. Portanto, todas as possibilidades são válidas. Não existe essa regra determinante que impede que alguns casais tenham relacionamentos abertos e cheios de amor. Conheço alguns homens que até hoje mantém três mulheres, três relacionamentos, e conseguiu que elas tenham um perfeito equilíbrio conjugal com ele. A inversa é verdadeira. Tenho um amigo que divide a esposa com outro homem, num mesmo ambiente e se dão muito bem. Acho que vocês, e o escritor tem a obrigação de tirar vocês da zona de conforte, adoram achar que a vida se repete por fórmulas. Dentro do quadradinho que idealizaram. É ao contrário, não existe fórmula nem regra e cada história é uma história. Mas é boa a interação por aqui. Edificante.

1 0
Foto de perfil de Leon

Aceito que o leitor diga: Espero que o marido tome as rédeas da situação. Eu apenas digo - Leiam, esperem, deixem fluir. Pode ser que ele não tome as tais rédeas. Nem sempre as histórias terminam como a gente gostaria. Eu ainda não sei. Vocês podem esperar. Mas nada prometo.

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Aceita que dói menos ZecaoUba. Entenda: O autor sou eu. A história é minha, e esse poder SÓ EU TENHO, eu não estou disposto e dar a ninguém. Pode sofrer a vontade. Se eu quisesse, perguntava: O que acham que devo Contar? SE TOCA MANÉ, A HISTÓRIA VAI SER COMO ELA DEVE SER. E PAU NA SUA DIGNÍSSIMA INCOMPREENÇÃO.

0 0
Foto de perfil genérica

Boa tarde a todos!!!!!!! Em primeiro lugar Leon, meus parabéns pelo belo trabalho que desenvolve. Li, por indicação de outro autor, " confissões que me alucinaram" e gostei bastante. Estou achando uma grande sacada vc estar escrevendo novas versões de alguns contos abandonados pelos respectivos autores...

Gosto do seu estilo, tem uma pegada psicológica bastante intensa na forma com que os personagens interagem. Não curto nenhum tipo de humilhação, por isso tenho meus autores preferidos (Claudinha, Júlio e Patrícia, Melga38, Marido e Puta...). Ao meu ver, sua tendência não é de humilhar o personagem... digo isso por tudo que escreveu. Concordo com vc que deve haver um conflito para que o protagonista dê a volta por cima. Desculpe mas gosto de interagir com os autores, acho uma oportunidade ímpar poder opinar nos contos, sempre com miito respeito. Algumas situações me incomodam um pouco...

1- essa insistência em chamar o marido de corno ( sei que vc já explicou isso, mas é importante reforçar, pois um marido liberal não aceita ese tipo de palavra). A esposa justifica dizendo que é uma forma de cumplicidade, que não vai fazer nada que o marido não goste... sinto muito, mas ao meu ver, é sim uma forma de humilhação, principalmente nesse caso específico, pois coloca o amante em uma postura de extrema dominância. O marido já disse que não aceitará humilhação e demonstrou que não se sente a vontade em ser chamado assim. Acostumou, mas não vejo o personagem gostando disso. Acredito que ficar exitado imaginando a sua esposa com outro não quer dizer que fique exitato em ser chamado de corno. O amante já comeu a mulher dele na cama do casal dizendo pra ele que o macho dela era ele, o amante. Já está impondo que nos dias em que ele estiver lá, ele será o único a comer a mulher do cara. Isso mostra um desejo de dominar o marido.

2 acredito, por tudo que li do perfil do marido, ele não será um homem que se deixa dominar. Vejamos... um funcionário que se impõe diante do chefe, pois tem consciência de seu potencial, não é um homem que aceita ser dominado... um homem que é um faixa preta de qualquer arte marcial, tem uma forte tendência a manter a calma em situações de extremo conflito sem deixar ser dominado.

3 A grande maioria dos casais liberais não aceitam envolvimento emocional com os outros parceiros, justamente para evitar qualquer tipo de abalo no casamento. Neste caso específico a mulher afirma que ele não precisa se preocupar, pois sempre fará tudo as claras, como se isso bastasse para deixar o marido seguro. Justamente por ela ter afirmado que ama o amante e que tem esse sentimento incontrolável pelo primo que o marido tem sim que ficar de orelha em pé. Não se trata de uma simples relação liberal, envolve muito mais.

4 A impressão que me passou e me incomoda, é que o primo vem em primeiro lugar sim. Só não vai com ele é abando ouvido, porque o primo não abandonaria a família. Também a pressão dos parentes. Noeu sentir, o marido, como ele mesmo já disse, é o prêmio de consolação e isso para um homem orgulhoso é o fim.

Leon, desculpe tantas observações, mas só fasso isso com autores que valem a pena e vc, no meu ponto de vista, vale. Espero que continue seus contos e não se abale por comentários infrutíferos. Espero tb que vc consiga viver de escrever. Se publicar alguma obra paga, pode contar que comprarei.

Abraço

PS. Espero que esse marido tome as rédeas da situação. Poderia ser, como alguém antes de mim pediu, comer a mulher do amante. Acho que esses tipos como a mulher dele é o amante, ficariam bastante bolados com uma situação dessas. Seria gostoso ver os sentimentos se inverteram.

0 0
Foto de perfil de Leon

Caro Alexandre33, me recordo de você. Eu não me chateio com comentários ou críticas que questionam corretamente, e expõem o que o leitor observa do conto. Questiono forma, e questiono alguns conteúdos. Acho que alguns leitores confundem até onde vai seu direito de crítica e onde acaba. Mas não me abalo, faço apenas questão de pontuar aqueles que eu acho desrespeitosos e agressivos. Bato na mesma pegada deles. Quanto às suas observações, são muito interessantes. Por um lado, colocam as suas preferências, e eu aceito, mas não me pauto por elas, mas não posso esquecer que se trata de uma história de marido liberal, traído e depois tentando se resolver com a esposa. E por outro lado, aponta alguns aspectos que ao seu ver, são determinantes para um marido liberal se manter respeitado. Agora vou ao cerne da minha resposta a você, tentando não dar espoiler. E começo justamente por aqui. A grande maioria dos leitores que se manifestam no primeiro ou segundo episódio de uma série, querendo ou não, demonstram uma certa impaciência com o desenrolar da mesma, não dando tempo ao autor de chegar nem ao meio do arco de sua trajetória. As reviravoltas que a história pode dar, ficam meio comprometidas, pois todos começam a tentar apontar o que gostariam que a história ou o personagem realizasse. Aí enche o saco do escritor. Dá muito trabalho estruturar uma série em partes, que nãos sejam apenas sequências sucessivas de fodas. Por outro lado, neste caso específico, esta história que foi iniciada por outra autora, me colocou três elementos essenciais de conflito, que eu como autor não posso abandonar. Primeiro, e a inexperiência total do marido, que embora tivesse fantasias liberais, na prática viu que não estava preparado para isso. Segundo, o fato real e concreto, o primo não é apenas um corpo, um macho eventual, é o grande amor da vida da esposa que só sumiu da vida dela em função do drama causado na família. Ambos reconstituíram suas vidas, criaram outros relacionamentos, cada um com seu casamento, mas o poder do mito do amor interrompido deles ficou muito maior. Nenhum deles sabe lidar com isso. Mas existe muito respeito entre eles. Isso é algo que faz com que possam interagir. O primo, é aquele macho acostumado a ser o dono na antiga namorada, e age assim porque sabe que isso a excita, nunca fez para desrespeitar o marido. Tanto é que na sequência eles se entendem. Finalmente, vou mais uma vez tratar do tema "corno". Como vocês colocaram, pode ser ofensivo para uns, e para outros pode ser excitante. Não tem a mesma conotação para todos. Não se pode generalizar. Neste caso, eles usam o tempo como uma forma genérica, e não ofensiva, e chegam a comentar isso. A Liz e o marido inexperientes do mundo liberal, não sabem ainda todas essas diferenças no começo da história. Por uma questão de coerência, eles não podem ser logo de cara como um tratado de vida liberal como mandaria um manual aprovado pela sociedade dos casais liberais do brasil. Seria pedir demais. Finalizando: Eu não faço conto erótico para satisfazer taras ou provocar masturbações. Para mim, autor, é um exercício de dramaturgia, de construção de histórias e de personagens que começam de um jeito e ao logo da história se transformam. A história tem que ser útil de alguma forma para ajudar a trazer um pouco mais de luz sobre o universo de casais liberais. Se não for assim prefiro escrever um conto curto e excitante, pois sexo e foda eu já li e escrevi de tudo que é jeito. Se não tiver todo um contexto envolvendo uma chupada de boceta, ela não passa de mais uma. Portanto sem desprezar os vossos comentários e sentimentos, gostaria apenas de pontuar. Deixem a história fluir. Pensem assim: Se fosse um livro, você iriam lendo e descobrindo as situações, sem ter chance de dizer ao autor: " Prefiro assim, ou não gosto assado. Eu que pego uma história e planejo a estrutura, desenho a trajetória dos personagens não estou aberto a mudar conforme a público dá sua preferência. Novela é assim. Série nem sempre. É complexo porque temos que elaborar muito as atitudes e fatos que se encadeiam para conduzir a história. Espero ter esclarecido. Obrigado. Não vou parar a história.

0 0
Foto de perfil genérica

Perfeito Leon, concordo com vc quando afirma.que não escreve para leitores se masturbarem, até porquê, como disse no meu comentário, a pegada psicológica que me atrai. Gosto bastante do tema liberal, mas tb não leio.um.conto para me masturbar. Tenho 53 anos e prefiro guardar munição para o combate real. Kkkkk. Grande abraço e continue seu conto, vou continuar avaliando bem seu conto, pois acredito que na condição de leitor, devo incentivar os autores que me agradam, pois os.que não me agradam, apenas para a leitura e nao5 comento nada.

0 0
Foto de perfil de Leon

reeditei. Estou fazendo pequenas revisões nos textos e corrigindo detalhes.

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Total de leituras = 2.587 em três dias - Leituras no dia 01 de 08 =234 No dia 31 de 07=495, e no dia 30 de 07, = 1.858 – Esses é que são significativos.

0 0
Foto de perfil de Leon

Total de leituras: 2.587 - Data Leituras

01/08/2021 234

31/07/2021 495

30/07/2021 1858

E tem leitor que acha que faz alguma diferença a quantidade de comentários. O que conta são os que acessam e lêm.

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

Não desanime, autor, há muitas pessoas totalmente envolvidas com esses personagens agora.

Espero ansiosamente que consiga publicar mais capítulos. Conheci seus contos ontem e estou alucinado, muito bons!

1 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Nachooo, obrigado. Informo que eu tenho 3 partes seguintes dessa história CONFISSÕES QUE ME ALICINARAM, e algumas outras, por terminar. Mas não tenho certeza se voltarei a publicar. Estou considerando, talvez publicar na Amazon, como e-book, a um preço simbólico bem acessível (algo como o preço de um BigMac) para que os leitores possam terminar de ler, e de alguma forma me ajudarem a continuar. As coisas não estão fáceis. Acredito que os que valorizam uma boa história aceitem colaborar.

0 0
Foto de perfil genérica

Cara, achei muito legal o texto realmente envolvente e me traz muito prazer. Olha ficaria muito instigante ler que o personagem principal, se achega se a esposa do outro e como seria maravilhoso ver a reação do outro já que ele alegou que fazia parte foi mundo liberal e sua esposa era cúmplice nossa iria ser uma reviravolta muito da hora estou acompanhando e mostrando a minha namorada este conto que,além de muito coeso está bem redigido. Pense nesta dica que eu acho que tem gente torcendo pelo protagonista do conto e quem sabe pode se tornar bom projeto mais elaborado continue assim, felicidades.

2 0
Foto de perfil de Leon

Nego Bala, eu procuro criar situações de confronto com crenças, preconceitos, valores, princípios, que as atitudes dos personagens provocam. Quem vive ou viveu aventuras liberais sabe que é sempre uma estrada cheia das surpresas e transforma a todos que por ela passam. Agradeço sua contribuição. E me agrada ouvir opiniões como as suas.

0 0
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Leon

Eu agora acho que vou me dedicar a contar a história da mulher que não deu perdão ao corno. Vou me divertir e tripudiar com os cornos revoltados.

1 0
Foto de perfil genérica

Liberdade total ao autor . 👍🏿👏🏾👏🏾

0 0
Foto de perfil genérica

Da uma olhada nos contos do Nego Bala😜

0 0
Foto de perfil de Leon

Vou ver. Obrigado pela dica.

0 0
Foto de perfil genérica

É tô sentindo que pode virar livro 😜 sério o contexto aprofundado faz toda a diferença continua assim.

0 0
Foto de perfil genérica

Como eu falei no primeiro conto, você escreve extremamente bem meus parabéns por isso tem tudo pra virar um dos maiores em contos é fato, mas tenho q ser sincero o rumo que você criou nesses 2 conto ficou muito ruim. A continuação que seria o companheirismo, amor e cumplicidade nesse novo mundo que os aguarda simplesmente é humilhação e submissão por parte da esposa em cima do marido o famoso aceita ou me perde e o q ficou um pouco chato é na parte q é só ela chorar q ele se desculpa como se ele fosse o culpado por magoar ela.

0 1
Foto de perfil de Leon

Bassoli. Vocês não esperam o conto se desenvolver e já ficam loucos para mudar os rumos da história. Não deixam o autor trabalhar; A continuação que seria o companheirismo, amor e cumplicidade nesse novo mundo que os aguarda só poderá vir se eles passarem por um processo de amadurecimento. Dei várias pistas de que o marido está tentando encontrar o equilíbrio entre a fantasia e prática real. Está diante de um caso complexo. A esposa tem um profundo amor pelo antigo namorado, que se tornou um mito. Não se consegue desenvolver um arco dramático sem reviravoltas na história sem ir ao inferno para descobrir o paraíso. Mas eu confesso que não sei mais se vale a pena tanto trabalho. A maioria quer mesmo é se masturbar. Obrigado por sua educada contribuição.

1 0
Foto de perfil genérica

Cara o melhor a se fazer é ignorar e começar a excluir comentários pq isso vai fazer mal pra vc n da pra agradar a todos, eu n gostei, mas vou continuar acompanhando pq vc é muito bom acho mesmo q são pequenos detalhes q me incomodaram como o choro da esposa e o marido mudar todo seu pensamento por conta disso e a humilhação, mas como vc acabou de me responder não tem nenhuma ponta sem nó, é isso vc viu como bastante gente gostou.

Como falei o melhor é começar a ignorar e nem responder.

Boa sorte!

0 0

Listas em que este conto está presente

Fav
Fav