Duas Gostosas na Minha Cama

Um conto erótico de Fernando
Categoria: Grupal
Contém 3419 palavras
Data: 24/11/2020 00:46:45
Última revisão: 15/11/2023 19:19:34

Hoje eu estava recordando a primeira vez em que eu acordei apertado, espremido entre duas gostosas. Eu não conseguia acreditar que aquilo tinha acontecido comigo. Eu sei que tem muito malandro que transa com duas, três ou até mais meninas numa só tacada. Mas eu? Duas meninas na minha cama na mesma noite?! Hehe!

Eu não sou do tipo pegador, sou super caseiro, prefiro ver uma série e dormir a ir na balada. E quando vou na balada geralmente não pego ninguém, é triste, mas algo aconteceu naqueles dias em meados de 2019. Todos os nomes do relato foram alterados e muitos detalhes não foram escritos para preservar os envolvidos.

Tudo começou quando meu amigo Ricardo me apresentou a Jéssica, a então nova namorada dele, numa festa a alguns messes antes. Ela é uma loirinha de olho azul, seios e bunda médios e deve ter uns 1,60m. Eu não acredito nesse negócio de amor à primeira vista, mas era como se a gente já se conhecesse a décadas. Ela e eu nos demos super bem de cara e ela própria me confessou que se já não estivesse com meu amigo ela até poderia namorar comigo. Desde então ficamos muito amigos e isso despertou muito do ciúmes do Ricardo. O relacionamento deles não durou muito tempo, eles viviam brigando e quando terminou a Jéssica disse que não queria mais saber desse negócio de namoro (que estava traumatizada e tal). Só que a Jéssica é uma menina muito certinha, ou pelo menos é o que ela quer ser. Ela só transa com quem ela tem um compromisso mais sério. Não tem sexo avulso com ela não. Pelo menos é assim que ela quer ser vista. É uma safada enrustida na verdade.

Nesse meio tempo enquanto a Jéssica e o Ricardo tentavam se entender apareceu lá em casa a Daiana. A Daiana era a mina que meu outro amigo, Gustavo, estava afim. Eu e o Gustavo dividimos um apartamento e somos estudantes universitários. Ele era fascinado pela Daiana, mas ela não era tão chegada nele assim. Foi com muita insistência que ele a convenceu a posar lá em casa. Ela é morena clara, tem um bumbum um pouco maior que o da Jéssica, olhos castanhos, 1,70m e é super alegre. Ela gostou de mim de cara, mas eu demorei um pouco para me acostumar com seu jeito super alegre. É engraçado, mas hoje eu amo esse jeito.

Alguns dias depois ela me agarrou na sala do ap enquanto o meu amigo não estava olhando. E logo depois a gente começou a… aí que tá, ela já tem namorado. O namorado dela é um gordinho querido que ela diz amar muito. Eu não conheço ele pessoalmente, só pelas fotos. Vamos dizer que se a Daiana é nota 9, ele deve ser… sei lá… uns 6,5. Ela me disse que ele é um cara muito legal e que eles estão juntos a muito tempo, mas na cama parece que deixa muito a desejar.

A primeira vez que eu e a Daiana transamos foi emocionante. Ela estava, por assim dizer, muito carente de pica, pobrezinha. Foi um espetáculo! Nós transamos por mais de uma hora, no fim eu estava exausto. Eu sou o tipo de cara que demoooora pra gozar. Mas depois da transa ela ficou toda estranha e disse que não podia acreditar que tinha traído o companheiro dela. Parecia que ia ser nossa primeira e última vez, mas no dia seguinte ela já tinha esquecido isso tudo.

Eu e a Daiana começamos a nos encontrar quase todos os dias da semana. Só não nos viamos nos finais de semana que é quando ela ficava com o amado gordinho dela. E era raro o dia em que a gente não transava. Sabe, eu sempre me preocupei com a possibilidade de acabar corno um dia, sempre achei que isso poderia acontecer, mas eu nunca imaginei que eu seria o filho da puta que come a mulher do próximo. Aconteceu! Se bem que ele não era próximo de mim, será que foi pecado mesmo assim?

Um belo dia eu e a Dai vinhamos da faculdade em direção ao prédio onde moro e encontramos a Jéssica no caminho. Vale lembrar que a Jéssica já tinha se separado do Ricardo, este sim uma amigo próximo. Após uma breve conversa a gente a convidou para vir com a gente beber umas no ap e jogar conversa fora. Eu e a Daiana fizemos uma caipirinha que ficou meio forte e depois o Gustavo apareceu com um baseado que mais parecia um charuto cubano. A gente conversou e riu muito. Logo todo mundo estava chapado e bêbado, como você pode imaginar.

Foi aí que o Gustavo decidiu sair para encontrar uma mina de quem ele estava afim. Estávamos torcendo para que ele se desse bem. Bom, pelo menos a Daiana e a Jéssica estavam. Acontece que ele gosta de se gabar de pegador quando as meninas não estão olhando e isso já me deixou com muita inveja quando eu não estava com a mesma sorte. Tanto que é difícil torcer por ele até hoje.

Mas o que me alegrou foi que ficamos só nós três no apartamento e quando você está chapado, sabe?, algumas ideias surgem na sua cabeça de repente. A Jéssica tem muito medo de sair a noite e, por isso, decidiu dormir aqui em casa. Foi aí que eu comecei a desejar uma transa a três. Mas tinha um problema, dois, na verdade. Primeiro problema: como convencer a Daiana? Segundo: como convencer a Jéssica?

Acontece que a Daiana já tinha um ciuminho da minha amizade com a Jéssica e eu tive medo de que ela brigasse comigo por causa da proposta indecente. Já pensou? Eu poderia acabar dormindo sozinho naquela noite se tudo desse errado.

Antes que o medo me paralisasse eu peguei a Dai num canto e perguntei o que ela achava de um sexo a três. Ela arregalou o olho e retrucou com um ar de deboche.

- E tu acha que dá conta de nós duas?

- É claro, ué?

- Hahahahh!

Foi fácil. Ela aceitou só para poder debochar de mim caso eu não desse conta. Ah, que menina!!

Mas faltava agora convencer a certinha da Jéssica. Eu pensei que ela fosse estourar indignada quando ouvisse a proposta, mas a maconha ajudou, eu acho. Ela arregalou o olho e caiu o queixo, balançou cabeça como se dissesse "Eu não acredito que vocês estão me propondo isto, seus tarados!"

- Tu não te importa de dividir teu crush comigo, amiga? Kklkkk!

- Não, amiga, tu não entendeu, nós que queremos dividir você hahaha!

- Ai, meu Deus!

Foi aí que eu me lembrei que a Daiana já tinha me confessado que tinha curiosidade de saber como seria transar com uma mulher.

- Ai, gente, eu não sei, eu nunca fiquei com outra menina antes. - disse a Jéssica já dando um pouco pra trás.

- Mas você gostou daquele beijo que eu te dei na festa da geo, lembra?

Ah, a festa da geo!! De fato elas se beijaram bem na minha frente. Começou com um beijinho tímido mas depois foi avançando até um beijo de língua mais pegado com direito a gemidinhos. Mas depois a Jéssica voltou a ser a certinha e não quis mais nada pelo resto da noite.

A Jéssica ficou nos fitando por um tempo pensando se ia ou não aceitar a proposta indecente. Pela expressão que ela fazia, parecia que estava acontecendo uma guerra na cabeça dela entre o pudor e a libido e quanto mais líquidos iam se acumulando lá embaixo e mais os mamilos iam se endurecendo mais difícil era manter a boa moça sob controle. A maneira com que ela juntou as pernas parecia uma última tentativa de impedir que a fera faminta escapasse do meio de suas lindas coxas macias e engolisse o primeiro cacete que encontrasse pela frente. Era como naqueles filmes em que o homem luta para não virar lobisomem, mas no caso era a certinha lutando para não virar a safada. A gota d'água, que deu a vantagem decisiva a safada, foi quando algo chamou a atenção de seus olhos para minha calça, era um volume que crescia também sem controle. Sentindo que a guerra estava perdida a santinha deu um último suspiro e, suplicante, pediu:

- Vocês têm que me prometer que nunca vão contar nada a ninguém, tá?!

Depois que nós respondemos que sim, estava terminada a guerra!! A boa moça ergueu a bandeira branca. Foi quando a Dai me olhou como se perguntasse "O que a gente faz agora?"

- Por que vocês não se beijam? - disse eu.

Sabe aquele tipo de tensão que a gente tem na primeira vez? Era tipo isso que se via nos olhares das duas naquele momento. Se eu pedisse para elas me beijarem ou até chuparem meu pau, seria algo muito mais natural do que beijar a boca de outra menina. Finalmente a Dai tomou a frente e corajosamente agarrou a Jéssica pelas orelhas com as duas mãos e beijou sua boca com uma fome enorme! Imediatamente a Jéssica lançou um gemidinho bem agudinho, quase como um sustinho, ergueu os braços no instinto de se defender e segurou nos braços da Dai por um momento, mas depois aceitou o beijo e começou a relaxar.

Eu sempre tive tara por vídeos de lésbicas na internet e mal podia acreditar que estava vendo uma cena dessas ao vivo. A medida que o beijo foi ficando mais natural as mãos Jéssica foram migrando para os seios da Dai e as da Dai agarraram a bunda da Jéssica

Aí as duas se deitaram no sofá com a Dai por cima. Ela tirou a blusa da Jéssica e seu sutiã em seguida. Enquanto beijava seus lindos seios uma mão invadia o shortinho gerando gemidinhos deliciosos. Os bicos dos seios da Jéssica não podiam estar mais saltados, aliás nunca vi bicos assim antes, eles devem ter crescido uns três centímetros e a Dai se deliciava chupando aquele mamilos durinhos. Então a morena foi descendo cada vez mais até estar de cara com o zíper do shortinho que voou para longe em segundos. Foi o primeiro oral das duas. Muitos gemidos e convulsões. Enquanto recebia o oral da Daiana, a Jéssica não parava de me olhar, eu já tinha tirado toda minha roupa e estava expondo meus 20 cm. Os olhos da Jéss pareciam hipnotizados por meus genitais por um tempo, mas depois se fecharam num gemido lindo. Depois a Dai se levantou para tirar a própria blusa, o sutiã, a calça e a calcina e voltou para cima da Jéssica. As duas se beijavam e se masturbavam recipocramente.

Era tão lindo de ver aquelas duas ali se pegando que eu não quis interferir. Então sentei no outro sofá e fiquei ali admirando a cena. De onde eu estava dava para ver as duas bundas maravilhosas e os dedos massageando as duas bucetinhas. Os dedos mais brancos massegeavam a bucetinha mais escura e a bucetinha mas rosinha era massegeada pelos dedos mais escuros. Os gemidinhos eram tão maravilhoso que eu cheguei a pensar que talvez eu seria capaz de ter uma ejaculação precoce, o que me fez lembrar a pergunta sacana da Daiana "você acha que dá conta? Hahaha!". Ai meu Deus!!

Não demorou muito, entretanto, para que as safadas acabassem olhando para mim e para o meu pau suculento. Elas se levantaram do sofá e se ajuelharam uma de cada lado das minhas pernas e começaram a lamber meu cacete como se ele fosse um sorvete. Enquanto a Daiana lambida ele de cima a baixo a Jéssica só beijava com todo amor e carinho. Ambas trocaram olhares comigo naquela expressão de menina travessa e depois se olharam e caíram na gargalhada.

- Do que vocês estão rindo?

- De nada, kkkkk!

Disse a Jéssica enquanto masturbava meu pau. Logo em seguida ela abocanhou ele e meteu tudo o que pode na boca. Enquanto isso a Daiana veio lambendo minha pele lá de baixo até os meus mamilos. A danada mordeu meu mamilo só pra arrancar de mim um uivo de dor contido.

- Aaaaiii!!!!

Ela me olhou e fez aquele sorrisinho de menina levada. Safada! Não contente com isso ela veio morder meus lábios também. Fiquei brabo e dei um belo dum tapão naquela bunda macia!

- Aí, amor!

Disse ela fazendo beicinho e rebolando um pouquinho.

- Dá mais um, vai!

Eu não sei, mas para mim um tapa tem que ser espontâneo, se alguém me pede para bater, não tem a mesma graça.

De repente a Jéssica levanta a cabeça, olha para mim e pergunta

- O Gustavo não vai voltar hoje, vai?

- Não sei, talvez, por quê? - respondi.

- Pior, vamos pro quarto!!

Respondeu a Daiana já levantando e pegando nossas roupas. Elas foram na frente pelo corredor até o meu quarto. Estavam rindo não sei de que, a Jéssica deu uns tapas no bumbum da Daiana no caminho.. E eu fui logo atrás armado e tentando não prestar tanta atenção naquelas bundas.

Chegando no quarto a Jéssica deitou na cama de barriga para cima e de pernas abertas para mim exibindo sua bucetinha fechadinha em forma de capô de fusca. Já a Daiana ficou de quatro ao lado da Jéssica rebolando um pouco como se faz no funk.

- Ah, Deus, por que eu não tenho dois caralhos!?

A Jéssica não perdeu tempo e agarrou meu pau com os dois pés fazendo uma espécie de sanduíche, ou melhor, um cachorro quente, onde os pés dela eram os pães e meu caralho a salsicha. A safada me olhava com um olhar de desejo que quase me fez ter uma ejaculação precoce de novo! De sua bucetinha escorria aquele líquido viscoso que já estava lambuzando o cuzinho e o meu colchão. Ela abriu as pernas e a bucetinha com os dedos na minha frente. Não tive escolha senão enfiar.

Enquanto isso a Daiana sentou em cima da boca da Jéssica de costas para mim. A branquinha deu um gemidinho abafado pela buceta da Dai. Era também um gemido que expressava um susto, ela não esperava que a Daiana fizesse aquilo. Fico só imaginando a cara que a Jéssica fez entre as coxas da Daiana!

Quanto a mim, aquilo era o paraíso! Os lindos seios da Jéssica com seus mamilos saltados combinados com a bunda maravilhosa da Daiana, tudo na mesma cena! A bucetinha da Jéssica parecia virgem de tão apertadinha. Foi quando eu comecei a meter o mais rápido possível gerando muitos daqueles gemidinhos abafados da minha amiga. Minha amada amiga!!

A Daiana me olhou com um ar de censura. Ela não disse nada, mas eu entendi o recado. O olhar dela me fez lembrar mais uma vez daquele momento em que ela me perguntou se eu daria conta das duas e também me fez lembrar que tinha mais uma bucetinha esperando por mim. Não foi fácil, mas tive que diminuir o ritmo.

A Jéssica gemia de um jeito que parecia estar sufocando entre as coxas da Daiana.

- Dai, tu vai matar ela!!

- Hahahahaha!

Respondeu a safada! Ela se levantou e se virou. Enquanto ela se virava eu olhei para a cara da Jéssica. Estava toda vermelha e com uma expressão que misturava dor com prazer. Seus olhos pareciam pedir piedade, sua testa franzida suava pareciam a de quem sofre, mas ela não parecia querer desistir, muito pelo contrário. Então a Daiana voltou a sentar sobre a boca da Jéssica, só que desta vez ficou de frente para mim. Nos beijamos por um tempo, dava para ver que a língua da Jéssica estava trabalhando sobre a buceta da Daiana e isto estava levando ela ao delírio. Ela gozou em seguida num dos gemidinhos mais lindos que já ouvi.

Depois de gozar ela deitou do lado da Jéssica de bruços mostrando toda a formosura daquela bunda macia, daquelas pernas torneadas e daquelas costas lisinhas. A Jéssica continuava com aquela expressão enigmática e agora cravava as unhas no meu peito. Gozou em seguida se contorcendo e gemendo tão alto que deve ter acordado toda a vizinhança.

Mas eu ainda não tinha terminado. Enquanto a Jéssica relaxava o corpo todo como quem terminou de correr uma maratona eu fui montar na Dai. A primeira safada já tinha sucumbido ao poder do meu caralho, agora faltava a outra.

Daiana pouco fez, só levantou um pouco o bumbum para que eu pudesse me encaixar. Com as duas mãos eu separei suas nádegas e vi seu cuzinho e sua bucetinha um pouco mais embaixo, posicionei a cabeça do pau na entrada xaninha e enfiei. Ela gemeu lindamente, suas mãos agarravam o travesseiro com força e sua respiração acelerou a cada fincada da minha pica. Deitado em cima dela eu agarrava seus cabelos, fazendo a danada gemer mais ainda.

De repente senti a Jéssica me dar um tapa na bunda. Eu nem percebi ela se levantando para fazer isso. Foi aí que:

- Ei! que tu tá fazendo!!???

A safada enfiou o dedo no meu cu sem nem me avisar ou perguntar se podia! Nunca tinha sentido nada dentro do meu rabo assim antes. Não sei como descrever a sensação, mas sei que aquilo me deixou quase maluco.

- É bom né?

Disse a Jéssica.

- Caralho!!!

Respondi!

Aquele dedo no cu foi um golpe baixo em todos os sentidos. Eu estava vencendo as duas, estava dando conta, era o único que ainda não tinha gozado e estava com fôlego para fuder muito mais, mas aquele maldito dedo teve como efeito me fazer gozar quase instantaneamente. Fiquei um pouco bravo por ter sido invadido assim, mas, por outro lado um dedo no cu é que nem uma pedra de Crack, depois que tu experimenta uma vez…

Depois fomos a cozinha comer alguma coisa e logo depois voltamos para o quarto para aproveitar mais um pouco. As meninas estavam muito animadas, riam de qualquer coisa e estavam muito mimosas também. Logo estávamos todos nos beijamos novamente e esfregando nossos corpos. Desta vez a Daiana foi a primeira a levar cacetada na xaninha. Estava de quatro levando palmadas na bunda tanto de mim quanto da Jéssica. Depois foi a vez de trocar. Quando estava já posicionado atrás da branquinha ela falou:

- Aí querido, tu não quer comer o meu cuzinho?

Disse a Jéssica quase miando. A Daiana por outro lado ficou com ar de surpresa e não conseguiu não perguntar

- Tu gosta de dar o cuzinho, amiga? Sério isso?!

- Tu não? Aí, é uma delícia!!

Eu não pude ver a minha cara, mas tenho certeza que muitos corações saíram dos meus olhos ao ver a Jéssica falando essas coisas!! Foi mais uma prova de que por detrás daquela fachada de menina certinha tinha uma tarada monstra. Já a Daiana fez uma cara de "ui!", do tipo "tá doendo só de pensar!!"

Enquanto a Daiana abria as nádegas da Jéssica com as mãos deixando o cuzinho a mostra e me olhava com uma cara de sapeca, a Jéssica dizia miando.

- Devagar!

Você não imagina como foi difícil enfiar devagar! Deus, dai-me forças!! Primeiro entrou a cabeça, obviamente e aí ela deu uma reboladinha. Nossa senhora!

- Aí, devagar!!

Disse ela olhando para traz com cara de pobrezinha. Achei que ela estivesse de sacanagem, então enviei um pouco mais rápido. Ela jogou o corpo pra frente para fugir

- CALMA, AMIGO!!

A esta altura a Daiana estava ali do lado sentada sobre os próprios pés nos olhando com os olhos arregalados.

- Tá bom, tá bom, foi mal, desculpa! É que tá difícil!

Respondi angustiado. Aquele cuzinho apertadinho parecia, hmmm. Aquilo parecia uma eternidade! Metade já estava dentro e a danada se fazendo.

- Mete com carinho, amigo!

Que angustia!! Faltava só 1/4 do caralho.

- Posso meter tudo agora?

- CALMA. Depois que tiver tudo dentro aí... AHH! HMMMM! Delícia!

- Aí o que?

Disse quase louco! Pronto, meu pau todo sumiu dentro daquela bunda.

- É agora?

Ela começou a rir e depois disse.

- Vai fundo, gostoso!

Então comecei o vai e vem.

- Mais rabido!

Agarrei sua cintura e liberei toda a ira naquele cuzinho.

- RA... AA... PI.. DOO... OOO....UUUUU... AH!

Ela agarrou o travesseiro, se abraçou nele, mordeu ele e gemeu como nunca. Nem de longe lembrava aquela Jessica do começo. Aí ela gozou, levantou a cabeça e ...

- AAAAAHHHH, AAAAHHHH, AAAAAHHHHH, MINHA NOSSAAAAAAAA!!!

A Daiana correu para tapar a boca da outra, já eram 3 da manhã! Nem sei como a camisinha não explodiu! Era pura porra. Depois dali dormimos até baterem na porta para ver se não tínhamos morrido.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 48 estrelas.
Incentive Amanda e Fernando Os irmãos K a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaAmanda e Fernando Os irmãos KContos: 7Seguidores: 29Seguindo: 0Mensagem

Comentários

Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível

Listas em que este conto está presente