A minha médica.

Depois de algum tempo fantasiando, decidimos colocar em prática a nossa primeira fantasia, você procura o seu jaleco branco que tinha guardado e o coloca na mochila e vem toda ansiosa para chegar e realizarmos isso juntos.

Você chega de manhã, bem cedo, ainda eram 8 horas e eu já estava morrendo de vontade de nos trancar no quarto. Subimos para o meu apartamento e cheios de vontade, mas meu irmão estava no quarto, dormindo. Cautelosamente eu pego a chave e tranco o quarto para ele não ver nada.

Você deita no sofá e eu me encosto junto, sentindo o seu calor e a sua pele, eu te beijo devagar enquanto começo a passar minha mão pelas suas pernas, deslizando do calcanhar até o quadril, passando para a parte de dentro da coxa e subindo bem devagar. Você começa a ficar ofegante e decide brincar comigo, você colocou sua mão por cima da minha bermuda, me apalpando, bem carinhosamente, apertando e pressionando o meu pinto, só para ver o quão excitado eu estava.

Eu levando, você olha para mim com um olhar penetrante e calmamente tira a minha camisa e me entrega. Eu uso ela para amarrar as suas mãos para fora do sofá, me abaixo no seu ouvido e com uma voz baixa e grossa eu digo:

- Se você mexer as mãos, eu paro.

Você me olha e no seu olhar, eu vi que estava cheia de tesão. Começo a pressionar meu corpo sobre o seu, direcionando meu pinto para a sua bucetinha. Na primeira vez, você se encheu de prazer. Na segunda, já estava desejando que eu tirasse a minha bermuda e o seu short, mexendo desesperadamente os braços e me puxando para fazer mais.

Começou a ficar mais quente, você implorava para tirar minha bermuda. Eu deixei, me levantei e você veio até mim, abaixou minha bermuda com calma e descia junto até chegar lá em baixo e dar uma lambida por cima da cueca no meu pinto. Tirei sua camisa e o seu short, só disse para você se arrumar. Você me vendou e eu deitei no chão, encostado em uma almofada.

Vestida só com o jaleco e lingerie, você senta em cima da minha cueca e tira a minha venda, vejo o quão sexy você estava usando aquele jaleco. Eu fiquei mais excitado e muito duro, você se esfregava, indo para frente e para trás, me beijando com muito calor e passando a mão no meu corpo enquanto as minhas mãos deslizavam das suas costas a sua bunda, eu apertava com força e dava alguns tapinhas. Você me respondia de forma ofegante, de quem desejava desesperadamente tirar toda a roupa e se encaixar no meu pinto.

Nessa hora, o interfone toca e cortou todo o nosso clima.

Mas eu queria aquilo, eu estava com tanto tesão, tão excitado. Um tempinho depois meu irmão acordou e fomos para o quarto. Sem demora você, com um olhar selvagem e cheia de tesão, vestiu o seu jaleco e me deu as boas-vindas a consulta e logo em seguida, com uma voz doce, calma e excitante, você disse:

- O que você está sentindo? Está com alguma dor?

Digo que estou com tontura, dores em todo o corpo e que eu precisava ser imediatamente examinado. Com muita calma, começa a tocar o meu corpo inteiro, do meu peitoral ao pescoço, do meu abdômen ao meu pênis sempre com um toque delicado, mas muito excitante.

- Tire a sua roupa para e poder te examinar. – Disse você no meu ouvido

Eu então tiro a minha camisa, logo depois a minha bermuda. Ela me olha e diz:

- Tudo.

Eu abaixo a minha cueca e ela se aproxima do meu corpo, sua mão calmamente vai até o meu pinto que já estava duro.

- Nossa, como você está quente. Acho que vou precisar medir sua temperatura.

Você então percebe que não tinha termômetro e decide medir a temperatura com os lábios. Você se abaixa, segurando o meu pinto com as mãos e encosta sua boca. Começa a chupar meu devagar e eu vou ao delírio. Por necessidade de maior precisão você precisa fazer muito e com muito cuidado.

Meu pinto estava duro dentro da sua boca e você me olhava cheia de tesão, de joelhos e me chupando muito gostoso. Sua língua deslizava sobre a cabeça enquanto entrava dentro da sua boca e saia de forma deliciosa. Você para m pouco e olha para mim. Salivando de vontade você me chupa mais e vai deslizando sua mão pelas minhas coxas e subindo até a minha costela, apertando forte e me puxando para você conseguir chupar ele todo.

Você finalmente acaba de medir minha temperatura e diz lambendo o meu pescoço que já tem o diagnóstico. Minhas mãos deslizam pela sua cintura e eu te puxo até o seu corpo encostar no meu, olho no fundo dos seus olhos e vou abrindo os botões do seu jaleco. Um botão por vez, quando o seu jaleco abriu, você o puxou para trás e eu vi você só de lingerie. Você me empurra para a cama e senta em cima de mim, vai se abaixando e começa a me chupar mais uma vez. Seguro a sua cabeça e vou te puxando para o meu pênis entrar inteiro na sua boquinha.

Com as costas esticadas você tira o seu sutiã e o deixa cair no meu rosto, você inclina para a frente, me deixando cheio de vontade de lamber os seus seios deliciosos. Puxando as minhas mãos para eles, eu fico sentindo você rebolar devagar em cima de mim. Minhas mãos te apertam e mexo em seus peitos, você fica louca de tesão e deita em mim, dizendo que o meu remédio é sexo.

Eu tiro a sua calcinha. Você está selvagem, já não aguentava mais e finalmente sentou em cima do meu pinto. Sinto ele te penetrando, entrando facilmente e bem devagar, você já estava encharcada e cheia de tesão.

Começa a pular em cima de mim, a gemer bem gostoso enquanto meu pinto fica cada vez maior. A sua bucetinha se encaixando e subindo rápido em cima do meu pênis, cada vez mais rápido e mais gostoso. Minhas mãos vão apertando o seu corpo, enquanto aperto e puxo sua bunda.

Você encosta o seu corpo no meu, sua boca bem no meu ouvidinho e começa a gemer, me deixando com mais vontade. Então você me pede, enquanto geme, para eu ficar por cima e meter bem gostoso.

- Você quer é? – Eu pergunto no seu ouvido, segurando o seu pescoço.

Você balança a cabeça dizendo que sim, mas não para de pular em mim, você estava tão louca de tesão que não queria parar de jeito algum. Eu te deito e fico por cima, metendo em você com muita força, ouvindo seu gemido delicioso. Atingimos o ápice, eu já não aguentava mais segurar e você gritava:

- Goza, goza dentro de mim.

Eu não aguente e continuei metendo, senti que eu estava gozando e comecei a enfiar ainda mais forte e mais fundo, você estava tendo um orgasmo, gemendo e gozando ao mesmo tempo que eu. Fui diminuindo o ritmo e você gemendo ainda por sentir o meu pinto pulsar forte dentro de você.

Ainda estávamos lá, dois insaciáveis querendo mais. Então continuamos, levantei suas pernas até o meu ombro para ir mais fundo e te dar mais prazer. Meu pinto entrava e saia com força, eu só via o seu rosto encharcado de suor e prazer. O seu gemido é tão gostoso e eu estava enfiando tão fundo que eu não aguentei e quis gozar de novo. Antes de gozar eu abaixei as suas pernas, me levantei e posicionei meu pinto no seu peito, te sujei inteira com o meu gozo, mas ainda insatisfeito, comecei a massagear e melecar os seus seios. Eu via no seu rosto que você queria mais.

Eu me posiciono para baixo, com muita cautela eu começo a passar a minha língua no seu clítoris, eu te chupava muito e você gemia de tanto prazer. Segurava a minha cabeça e puxava para não parar de chupar a sua bucetinha.

Você não aguenta e tem mais dois orgasmos deliciosos, gemendo e se contorcendo enquanto você esguichava seu gozo na minha boca. Sabendo que estávamos exaustos, eu me levanto para te dar mais prazer e começo a chupar os seus peitos, até você começar a se tocar para gozar mais uma vez.

Você não se aguenta e goza de novo, esguichando na minha mão e na minha coxa, com o orgasmo mais longo e mais gostoso que eu já te proporcionei.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/05/2018 21:10:33
Li seu texto de novo. Brinca de médico comigo. Eu fiquei com muito tesão gostoso. Me chupa. Eu te dou gostoso
09/05/2018 20:55:49
Conto gostoso de ler. Gozei como não fazia faz tempo. Delicia de homem, isso sim satisfaz mulher na cama. Queria você comendo minha xoxota