coisas da vida cap.2

Um conto erótico de Lucas
Categoria: Heterossexual
Data: 12/04/2018 00:32:52
Nota 10.00

No dia seguinte, eu escuto a voz da minha irmã me gritando,acordo e vejo que Dayana e eu estamos abraçados cara a cara um com outro.

- Mais oque que ta acontecendo aqui? - pergunta minha irmã gritando.

- Não ta acontecendo nada aqui Luana - respondi. Segundos depois Dayana também acorda, e quando percebe que dormiu do meu lado se levanta e fica encarando Luana e eu.

- Dayana quem diria você, uma menina tão quieta iria fazer uma coisa dessas - disse minha irmã meio irônica

- mais não aconteceu nada aqui, agente só... sei lá... dormimos vendo filme eu acho - falei

- Com certeza foi isso - disse Dayana por fim

- é concerteza - eu disse e em seguida sai dali pois não queria ouvir minha irmã, tirando sarro com a minha cara por ter dormido abraçado com a minha prima, então fui pro meu quarto tranquei a porta deitei na minha cama e voltei a dormir. acordei horas depois, fui até a sala e minha irmã estava la junto com Brenda(melhor amiga da minha irmã) vendo tv.

- até que fim resolveu acorda heim - disse Brenda ao me ver. Brenda e eu éramos bem próximos, eu conhecia ela desde que ela se tornou melhor amiga da minha irmã quando eu tinha 6 anos de idade, confesso que ja bati varias punhetas pensando nela, e não era pouco até porque ela era muito bonita e gostosa, ela tinha a pele morena cabelo comprido, mais oque mais me impresionava nela era sua bunda que era bem grande pra sua idade, e apesar de ser 3 anos mais velha que eu éramos quase da mesma altura, naquela época eu devia ter 1,68 de altura e ela 1,70.

- mais eu dormi so por alguns minutinhos - falei pra ela

- minutos pra vc, por que pra gente do mundo real foram horas - disse minha irmã

Olhei pro relogio da sala e vi que elas tinham razão ja era 11:45 da manhã, eu tinha dormido por mais 3 horas oque eu não costumava fazer depois de ter acordado.

- onde está a Dayana - eu perguntei querendo saber por ela pois ela não estava na sala, e nem na cozinha por onde eu tinha passado antes.

- ja está com saudades do seu amor irmãosinho - disse minha irmã - ah assim eu vou ficar com ciumes - completou Brenda olhando para min fazendo biquinho.

- que saudade oque? eu so perguntei por perguntar mesmo - falei.

eu particularmente não sabia realmente porque eu perguntei isso de verdade, talves realmente fosse saudades apesar do pouco tempo que passei com Dayana e de quaise não ter conversado com ela, mesmo assim eu pude sentir uma energia positiva vindo dela, mesmo ela sendo um pouco calada demais.

- mais só pra você saber, ela ja foi pra casa - disse minha irmã

- ja foi? - perguntei

- sim ja foi, nossa mãe chegou mais cedo hoje, e levou ela, parece que ela vai ter que viajar pra terminar seu tratamento. - respondeu minha irmã

- tratamento - perguntei denovo

- é tratamento, ela não te falou do problema dela né?

- não qual problema?

- Lucas, a nossa prima tem câncer.

Naquela época eu não tinha muita noção que o câncer era tão perigoso eu so sabia que era uma doença.

- é grave? - perguntei

- muito, mais não se preocupe o pior ja passou, ela ja esta na fase final do tratamento - respondeu minha irmã

- ainda bem - falei e depois voltei pro quarto, mais dessa vez eu não deitei na cama, fui até a mesinha do meu computador e procurei saber um pouco mais sobre o câncer, e naquele dia eu me arrependi de ter procurado, pois depois de saber que o câncer era uma doença perigosíssima e uma das que mais matava pelo mundo, eu fiquei mal, fiquei bravo comigo mesmo por ter pensado tanta coisa ruim de Dayana, pois eu cheguei a pensar até que ela era louca e fiquei muito mal por isso. então eu fiz uma promessa para mim mesmo de que da próxima vez em que eu estivesse com Dayana a primeira coisa que eu iria fazer seria pedir desculpas, mesmo ela não sabendo o porquê.

Depois desse dia eu fiquei ansioso pra rever a Dayana, eu fiquei contando os dias as semanas e quando chegou no segundo mês sem ver ela eu tomei coragem e perguntei a minha mãe em que dia Dayana voltaria, e minha mãe falou que ela voltaria no Natal, minha ansiedade ficou maior ainda pois faltava um mês e meio para o Natal daquele ano, eu nunca tinha sentido tamanha ansiedade na minha vida, nem mesmo em finais de campeonatos em que meu time participava ja que eu era apaixonado por futebol.

Enfim passou-se um mês e meio, e dois dias antes do Natal eu fui jogar bola na quadra do meu bairro, fiquei so meia hora jogando.

- koé Lucas ja vai? - perguntou Alan quando ele percebeu que eu ja estava indo embora.

- eu tenho que ir cara, minha mãe e minha irmã vão sair pra comprar presentes, e eu tenho que ficar em casa esperando os meus primos que vão passar o Natal la em casa - falei

- então tá, tchau eu vou ficar mais um pouco.

- Ta bom tchau

Me despedi do Alan e fui embora, no meio do caminho eu avisto a Brenda que estava caminhando na mesma direção que eu estava indo.

- sua irmã está em casa? - ela me perguntou quando eu cheguei perto dela

- bom eu acho que ainda está, mais talvez não esteja ela ia sair junto com a minha mãe - respondi

- então vamos pois eu preciso falar com a sua irmã

- ta bom

Continuamos até que chegamos na minha casa, e para minha surpresa minha mãe e minha irmã ja haviam saído.

- é parece que elas ja foram, mais se você quizer ficar e esperar - falei para a Brenda

- ta bom - ela falou

- eu vou botar um filme pra mim ver na sala se você quizer ver também pode vim.

- ok - ela concordou

eu não lembro bem qual foi o filme que tinha botado naquele dia, so sei que era um filme de ação, o filme até que era bom pelo que eu me lembro, enfim estávamos vendo filme e batendo um bom papo, até que chegou uma parte em que o personagem principal entra em um clube de striptease, e começou a aparecer mulheres dançando mostrando bunda e peitos, eu não aguentei e fiquei de pau duro na hora, naquela época eu ficava de pau duro por qualquer coisinha, e naquele momento Brenda percebeu que eu estava de pau duro, eu tentei disfarçar mais o shorts que eu estava usando era de futebol e me entregou.

- a safadinho tá de Pinto duro né - disse Brenda

eu não sabia oque responder fiquei com muita vergonha naquela hora, Brenda percebeu que tinha me deixado com vergonha e tentou descontrair.

- não precisa ficar com vergonha isso é normal em todos os garotos - ela falou

eu ainda fiquei alguns segundos sem falar, mais minha curiosidade bateu mais forte que a vergonha.

- como você sabe? - eu perguntei pra ela

- eu só sei. Aliás se você quizer tirar seu pinto pra fora pra bater uma tudo bem - ela falou

- eu não vou fazer isso com você aqui.

- então quer dizer que você é punheteiro também né safadinho.

- eu não quis dizer isso... eu só...

- não precisa se explicar isso também é normal.

- pode até ser normal, mais eu não vou fazer isso com uma menina me observando.

- e se essa menina, fazer alguma coisa além de observar - disse Brenda

- hã? como assim? - perguntei meio confuso

- você é muito bobinho sabia?

Brenda disse isso se aproximando de mim passou a mão por cima do meu short e depois botou a mão la dentro pegando no meu pinto.

- olha só o que temos aqui um bonequinho bem crescidinho hein - ela disse

eu não falava nada apenas observava ela alisando meu pau, então ela pegou a minha mão e botou dentro do short dela e eu pude sentir sua bucetinha, estava molhadinha, ficamos alguns minutos assim ela punhetando o meu pau e eu com a mão na sua buceta, até que em algum momento ela se levantou e começou a tirar sua roupa, quando ela terminou eu pude ver todo o seu lindo corpo, aqueles peitos durinhos recém formados, suas coxas grossas e claro sua linda bucetinha que até aquele momento da minha vida tinha sido a coisa mais linda que ja havia visto, Brenda dizia ser virgem mais depois daquele dia eu tive minhas dúvidas, enfim logo depois dela tirar a roupa ela olhou pra mim meio confusa - você não vai tirar sua roupa? - ela perguntou.

- eu... hã... sim claro - eu respondi, então comecei a tirar minha roupa, oque foi muito difícil pra mim pois eu não gostava muito de ficar mostrando meu corpo, eu mal ficava sem camisa, então ficar totalmente sem roupa na frente dela foi uma tarefa bem difícil pra mim naquela época, e eu não tinha um corpo muito bonito naquela época então eu tinha medo dela achar meu corpo feio ja que eu era muito mais muito magro, naquela época eu era tão magro que minha mãe chegou até a me levar no médico pra saber se era normal eu ser assim tão magro, mais o medico disse que era normal e que eu só precisava comer um pouco mais.

enfim depois que eu terminei de tirar a roupa, ela mandou eu sentar no sofá e quando eu sentei ela se agachou no chão colocou a boca no meu pau e começou a chupar e a sensação foi a melhor possível eu ainda não gozava naquela época mais eu pude sentir uma sensação muito gostosa naquele momento e eu queria que aquilo não acabasse nunca, mais depois de minutos dela me chupando, ela se deitou no sofá de frente para mim abriu as pernas e disse "agora é a sua vez", então eu me agachei e fiquei cara a cara com aquela linda buceta rosinha, eu nem pensei duas vezes ja fui logo metendo minha língua la dentro, eu fiz aquilo quaise que como um instinto mesmo, o gosto era um pouco salgado mais eu nem liguei porque aquilo estava muito bom mesmo e eu continuei a chupar aquela bucetinha "hum.. assim... vai seu gostosinho" Brenda dizia gemendo enquanto eu a chupava, naquele momento eu ja estava mais a vontade então fui subindo devagarinho até chegar em seus lindos peitos então comecei a mamar neles e fiquei alguns segundos assim até que ela falou pra mim parar.

- agora eu quero sentir esse seu pau todo dentro da minha buceta - ela disse. Então eu sentei no sofá e brenda veio por cima de mim e no momento em que ela sentou eu senti algo indescritível, e no momento em que ela começou a rebolar no meu pau aquilo ficou muito mais muito gostoso mesmo sentir aquela bucetinha quentinha e meu pau entrando e saindo de dentro dela aquilo tava sensacional, e ficamos assim um bom tempo até cansarmos de 'brincar'.

Nós ainda ficamos um tempo abraçados no sofá ainda pelados, passamos um bom tempo assim conversando de como agente podia fazer aquilo novamente, até que Brenda falou que tinha que ir embora que ja estava ficando tarde, então nós se vestimos, e antes dela sair ela me deu um beijo na boca - talvez a gente fassa isso denovo em breve - ela falou, eu apenas sorri e acompanhei até que ela saiu e foi embora, eu voltei a sentar no sofá e pensei "concerteza eu quero isso novamente".

*******

Continua[...]

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/04/2018 09:19:06
Muito bom. Do jeito que contou, o relato é imprevisível,existem várias alternativas para desenvolver a história. Só não pode levar tantos meses pra continuar, senão vai levar anos pra concluir
12/04/2018 07:08:39
delícia
12/04/2018 03:57:16
Excelente conto