As aventuras de Alana CD part.8

Um conto erótico de Alana CD
Categoria: Homossexual
Data: 14/03/2018 14:48:09
Nota 10.00

Na manhã seguinte acordei com a sensação que tinha sido atropelada por um caminhão, haviam marcas vermelhas e ainda sentia fortes dores em meu bumbum, e meu cu estava completamente deflorado escorrendo porra da noite anterior, fui para o banheiro tomar um banho e quando sai encontrei com Dodo que sem demonstrar o minino de sentimentos mandou-me voltar para casa de dona Roberta.

E assim se passaram meses e minha situação ali permanecia a mesma, com minha rotina diária e as curras esporádicas quando me era solicitada a presença na casa de Dodo, curras essas que com o tempo se tornaram menos sofridas e chegaram a serem prazeirosas durante algumas vezes.

Outras meninas surgiram e acabaram tomando a atenção de Dodo, até que certo dia dona Roberta veio me falar que ele não precisava mais de mim e que por conta disso não iria mais bancar minha vida na comunidade, e o pior, que eu deveria pagar pelo dinheiro investido em minha transformação. Sem ter a quem recorrer financeiramente e com a orientação de outras meninas da comunidade ao tomarem conhecimento de minha situação, acabei indo parar na prostituição, a única forma que me restou para ganhar dinheiro rápido. Durante os meses que trabalhei consegui pagar grande parte do que devia a Dodo e ainda me sobrava sempre um dinheirinho que acabei investindo em mim e colocando minhas tão sonhadas próteses de silicone, que fizeram me sentir ainda mais confiante e sexy.

Certo dia durante uma visita de mamãe ela descobriu a situação em que me encontrava, e ficou horrorizada e super preocupada ao saber que havia me tornado uma Prostituta Trans de rua, então depois de passarmos o dia conversando na casa de dona Roberta mamãe decidiu ir a casa de Dodo e pedir que me liberasse para ir embora com ela, ela então seguiu para a casa dele enquanto aguardavamos eu e dona Roberta em casa, depois de algumas horas ela regressou, estava estranha, parecia diferente de quando havia saido,ofegante, seria e suada. Até que ela começou a falar e entendi o que havia acontecido, explicou-me que ao pedir para que me liberasse ele respondeu que ainda restava uma parte a ser paga, e ao questionar-lhe sobre quanto restava ele disse que tudo poderia ser pago naquele momento por ela apenas com alguns agradinhos, mamãe que não suportaria voltar pra casa sem mim naquela noite sabendo o que estava acontecendo comigo então decidiu fazer tudo que lhe foi imposta como restante do pagamento, ela disse ainda que nunca havia visto um pau tão grande em sua vida como aquele e devido a isso mal conseguia sentar naquele momento e não sabia como eu aguentei todo aquele tempo. Então ela me ajudou a arrumar minhas coisas nos despedimos de dona Roberta entramos no carro e fomos embora.

Durante o trajeto de saida da comunidade fomos abordadas novamente em uma rua escura por um grupo de homens negros mal encarados como no dia em que havíamos ido parar ali por engano, um deles perguntou pra onde estavamos indo e então respondi-lhes que Dodo havia me liberado pra ir embora, e que minha divida com ele já havia sido paga, eles então se entre olharam e disseram pra eu descer do carro e pagar o que faltava pra eles, ouvindo aquilo não me restou outra opção a não ser de sair e lhes acompanhar, mamãe tentou me seguir mas foi impedida de sair do carro, fui levada para a mesma casa da noite em do primeiro dia, os homens foram chegando e enchendo o ambiente, haviam ainda mais do que da primeira vez, eu que estava vestindo um vestidinho verde e uma sandalinha rasteira permaneci ali no meio deles aguardando o que iria acontecer. Ate que não demorou pra que eles começassem a baixar suas calças e expor aquelas coisas pretas llustrosas que começavam a dar sinais de vida e apontar em minha direção, foram me cercando e passando a mão por todo meu corpo, agarravam meus seios, apertavam minha bunda, podia sentir suas respirações ofegantes e excitadas, até que um deles mandou que me ajoelhasse e empurrou minha cabeça na direção de sua vara, então abri minha boca e com toda experiência que havia adquirido até ali, passei a chupa-lo enquanto segurava e punhetava outros dois que estavam em minhas laterais, o cheiro inebriante daqueles paus a essa altura já tomavam conta do ambiente me deixando excitada de estar sendo o centro das atenções, até que em determinado momento, debido as insistências de mamãe, ela também foi levada para o quarto, ao me ver naquela situação agindo com tal desenvoltura no meio daqueles homens pode então ver no que eu havia me tornado, ela então pela primeira vez mostrou do que realmente era capaz em minha frente e me disse_”nossa Dandara, não acredito que tenha começado a festinha sem mim”, em seguida ajoelhou-se ao meu lado e abocanhou o penis mais próximo, permanecemos ali, mãe e filha ajoelhadas uma ao lado da outra mamando aqueles machos durante um longo tempo, até que eles nos fizeram a gente se levantar e um deles ja me agarrou por trás e introduziu aquele mastro em mim sem piedade, me fazendo gemer de tesão, o mesmo fizeram com mamãe, só que metendo o pau em sua Xana e nos colocaram frente a frente uma com a outra enquanto rebolavamos naquelas picas, mamãe se segurava em mim tentando se equilibrar sobre seus saltos e maliciosamente passou a acariciar meus seios e beijou minha boca para provocar ainda mais os homens ali que nos rodeavam e revezavam entre nos duas, nunca havia experimentado tantos paus de uma só vez, estava realizada de estar participando daquela orgia com mamãe, que também parecia estar muito satisfeita com aquilo, até que veio a ordem para que nos ajoelhassemos novamente, já sabendo o que nos aguardava abrimos nossas bocas e colocamos nosssos rostos lado a lado esperando, até que ouvimos o primeiro urro e senti um jato forte e quente de leite bater em minha testa e escorrendo pelo meu rosto, a partir dai começaram a vir outros e outros jatos alguns em nossas bocas que não nos davamos outra escolha além de engolir todo aquele néctar, enquando isso nos duas nos beijamos e compartilhavamos aquela porra, por fim apos todos eles terem se fartado de nos duas, mamãe que ja havia gozado duas vezes, disse me que so faltava eu pra terminamos e irmos embora, ela então pegou meu pequeno grelo, que já por conta do uso dos hormonios durante meses estava ainda menor e passou a me masturbar carinhosamente, abriu minhas pernas introduziu seus dedos em meu cuzinho e passou a chupar meu mocro penis, enquanto fodia meu cuzinho, não demorou pra que começasse a gemer e gozar uma pequena quantidade de liquido transparente em sua boca, ela então foi com a boca em direção a minha, me beijou e me fez provar um pouco, por fim nos vestimos novamente agradecemos aos rapazes e fomos embora com a promessa que um dia voltariamos.... continua.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/05/2018 17:12:13
Continue!!!
14/03/2018 19:02:42
Uaaaaau! Menina babado! Arrasou! Continua