Casa dos Contos Eróticos

Vingança adolescente! VI

Autor: Litte Boy
Categoria: Homossexual
Data: 17/11/2017 23:45:01
Nota 9.67
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Finalmente tocou o sino para o intervalo, não via a hora de sair daquela sala, as pessoas me olhando me davam ânsia, eu estava tão puto que seria capaz de destruir Igor mas, me contive, afinal sujar minhas mãos não vale a pena se posso ter uma sensação de ambiguidade bem melhor.

Me levantei e sai com pressa, não olhei para trás e nem fazia questão, apenas olhei pra Henrique que estava em minha frente e assim que o vi pisquei para ele e ele capitou a mensagem, saimos as pressas para o nosso “lugar secreto” e sentamos embaixo daquela árvore linda como sempre.

Assim que sentamos e pudemos nos olhar mais profundamente ele com dúvidas me perguntou:

-Tá melhor?

-Estou ótimo. Ótimo! Disse querendo a todo custo demonstrar segurança.

-Ok, mas qual o plano? Sua curiosidade era palpável.

-Eu quero expo-lo Rick, assim como ele fez comigo. Eu quero que ele sinta o que eu senti.

-E vai fazer oque?

O olhei sorrindo, tentando ainda formular minhas ideias para que ele entendesse.

-Ele tem o ego muito alto, ele preza pela sua imagem, e eu vou destruir isso, vou adorar tirar aquela pose de macho que ele poem em si.

Henrique parecia ter gostado mas me olhou confuso e logo perguntou.

-E como vai fazer isso?

-Simples, dessa vez ele quem vai ser a putinha e eu vou estar lá registrando cada cena para depois ele sentir cada pedacinho da sensação de ser exposto.

Henrique me olhava rindo, parecia ter aprovado, mas mesmo assim, ele ainda parecia duvidoso. Era como se ele não acreditasse que aquilo seria possível.

-Esquece, ele nunca vai ir pra cama com um cara para dar, eu conheço ele.

O olhei rindo com confiança e o respondi logo em seguida:

-Eu sou gay Henrique, eu sei que no fundo ele tem essa curiosidade sexual, e é totalmente normal. Ele só não alimenta por pura vaidade. Ainda olhando em seus olhos fazendo ele assimilar minhas palavras, soltei o resto por impulso:-Assim como você tinha a sua “curiosidade”.

Seu rosto se enrijeceu e eu logo mostrei uma fresta de arrependimento pelo que disse.

-Nada aver, eu não sinto vontade nenhuma de dar.

Ele foi grosso em sua fala. E nesse momento revirei os olhos pensando em como a masculinidade era algo tão frágil e tão idiota.

-Eu me refiro a curiosidade em si, nada impede que as curiosidades mudem, cada um tem a sua. Disse explicando.

-Ah, entendi. Mas, eu ainda não captei como você vai fazer isso? Aonde vai acontecer, como vai ser...

-Ah, deixe isso comigo, estou ainda finalizando algumas coisas, mas já sei que terei de ser um bom ator, bancarei o emocinalmente garotinho que não guarda rancor e perdoa a todos. Preciso dele e de todos ao meu lado. Ninguém pode me ver como uma ameaça.

Olhava seriamente para Henrique e ao mesmo tempo que ia lhe falando ia também arquitetando mais uma vez tudo em minha mente.

-E precisarei muito de sua ajuda.

Quero que você dê uma festa esse fim de semana, uma festa que todos os alunos dessa escola estejão lá. Eu sei pelo seu histórico que isso não vai ser tão difícil. E enquanto isso, eu irei desenvolver o meu teatro.

-Tá certo, vou ver o que eu faço, mas não vai ser fácil heim. Hoje já é quarta feira e preciso avisar meus pais e organizar o básico: bebidas e petiscos.

Eu olhei suplicante e soltei aquelas palavras com a feição mais fofa que tinha.

-Eu sei, eu sei, mas olha, por favor faz por mim! Eu prometo te ajudar quando puder.

-Tá certo seu chatinho.

-Obrigado. Disse sorridente.

-De nada. Mas depois quero uma recompensa. Disse-me com o dedo apontado pra mim e com seu sorriso travesso.

-Estamos negociando favores, é isso mesmo?

-Digamos que sim! Afirmou ele num longo sorriso sacana.

-E oque você quer? Disse provocativo.

Ele sorriu e pôs o dedos em seus lábios e fingiu estar pensando em algo e logo falou:

-Não sei, talvez um beijo, um abraço, uma sacanagem..

-Hum, pensarei com carinho e por hora um beijo já está ótimo.

Me aproximei dele e dei um beijo suave mas, logo ele passou seu braço em minha cintura e colou nossos corpos aumentando o ritmo daquele beijo. Ele sem resistência foi me deitando na grama e continuava a me beijar, ora descolava seus lábios dos meus e atacava meu pescoço, tava tão bom aqueles beijos cheio de tesão e sentimento, assim que voltará a beijar meus lábios ouvimos o sino tocar e tomamos um pequeno susto que me fez descolar dele.

-Me solta tarado, hora de entrar. Disse rindo.

-Eu tarado? Você me beija e eu sou o tarado?

-Mas eu dei um beijinho simples, me jogar no chão foi você. Disse me defendendo.

-Ah, eu sei que você estava gostando.

Sua confiança era certas vezes até irritante, o que o fazia pensar que ele era tão bom assim como falava?

Fato, seus beijos eram ótimos, sua pegada era maravilhosa e só de imaginar como ele fodia gostoso um calor me percorria o corpo. É, acabei me respondendo!

-Aim vamos entrar vai. Me levantei e olhei esperando ele se levantar, assim que já estava de pé ele me deu um leve selinho. Sorri e o alertei: -Nada de se revoltar, nada aconteceu ok? Tudo agora é passado! Disse seriamente, pois o que eu menos precisava agora era de uma nova briga.

-Tentarei. Ele me disse sendo turrão.

-Consiga! Falei mais alto.

-Tá. Disse ele revirando os olhos.

-Ótimo!

Saimos e fomos em direção a sala, entramos e ainda tiveram aquelas olhadas, as meninas não acreditavam que Henrique talvez fosse gay e aquilo até foi divertido, sentamos e logo Matheus e as meninas se aproximaram.

-Como você esta Caio? E antes que eu respondesse Matheus continuou: -Olha nos achamos a atitude do Igor ridícula, e você pode contar comigo. Ele pegou em minha mão e deu um leve sorriso, sorri em agradecimento e dessa vez Dora quem falou:

-Realmente foi foda o que ele fez, mesmo ele sendo meu amigo ele errou feio.

Eu apenas sorri para todos e já dando início ao meu plano disse olhando para eles:

-Obrigado gente mas, sinceramente, quero apenas esquecer isso. Igor não é nada para mim, seguirei normal com a minha vida e Igor seguirá com a dele, não quero mais discussões. Quero apenas esquecer o passado.

Olhava para eles com um meio sorriso, queria que eles me vissem querendo superar tudo aquilo, e quando vi todos sorrindo de minhas palavras, terminei:

-E sinceramente, desejo até me reconciliar com Igor. Claro que não tenho a intenção de ter uma amizade com ele, mas apenas deixar as diferenças de lado para seguirmos em frente, afinal temos ainda três anos pela frente e eu não quero ter esse clima chato me acompanhando todo o ensino médio.

-Poxa que legal, assim que se fala. Se quiser até falo com ele sobre isso, ele se desculpa e viramos essa página. Disse Dora notoriamente feliz com o que tinha dito.

-Ótimo Dora. Disse sorrindo.

-Atitude digna Caio, mas eu, não sei, não perdoaria assim tão facil, invejo sua compaixão. Matheus disse aquilo me olhando e parecendo querer analisar o que eu diria a seguir, parecia que ele tinha percebido alguma coisa.

Dei um sorriso meigo e o respondi.

-Eu sou assim mesmo, quando nos conhecermos melhor vocês irão perceber.

Matheus retribuiu o sorriso e logo tirou aquilo de sua mente e voltou sua atenção para Henrique.

-Mas você e Caio? Eu, a sala e com certeza a escola quer saber: o que rola entre vocês dois?

Olhei pra Henrique assim como todos ali naquele momento, aquilo até eu queria ouvir.

Ele me olhou como quem diz “me ajuda”, e eu apenas sorri e o encarei ainda mais, em meio as poucas palavras gagas ele disse:

-Olha, ainda não sei bem... eu gosto do Caio só isso!

-Acreditarei por hora... esse povo hoje em dia estão me surpreendendo tanto.

Eu ri e Rick me olhou com vergonha me fazendo rir mais ainda, as meninas ficaram passadas e confusas.

As aulas seguiram normais, digamos que dentro do acontecido podemos dizer que seguiram normais, quando sai ainda ouvia alguns meninos fazerem piadas mas, nem liguei, assim como todo dia me despedi de todos e assim que estava saindo vi Igor se levantando no fundo onde tinha se sentado o olhei e seu rosto era indecifrável, me desprendi dê encara-lo quando o pessoal passava se esbarrando por mim, segui para rua e Rick logo veio atrás de mim e seguimos juntos para irmos pra casa, olhavam incrédulos para gente, principalmente as meninas da escola que quase morriam nitidamente por terem um dúvida gigante em suas mentes.

Assim que chegamos em minha casa ele me olhou e me deu um selinho de despedida, disse que iria para sua casa pois tinha “uma festa para organizar” dizendo ironicamente. Sorri de suas bobagens e vi ele seguindo rua a cima.

Assim que entrei fui tomar um banho e me concentrar em achar alguém que despertasse loucamente os desejos mais ocultos de Igor e, para isso, analisaria tudo nele, entrei em seus perfis das redes socias, procurei amigos com quem ele mais saia, procurei por possíveis ex’s mas, até então não tinha achado nada demais, e confesso que tinha até me decepcionado um pouco.

Parei e fui comer, desci e esquentei algumas coisas que tinha achado dentro da geladeira, assim que subi e liguei o computador vi que Rick já tinha espalhado no blog da escola a grande festa que teria sábado na casa de piscina dele, tema: Hawaii, simples e divertido pensei, bem coisa de Henrique.

Ele já estava fazendo a parte dele e eu tinha logo que fazer a minha, não tinha mais como voltar atrás, tinha logo que terminar o que comecei, por um segundo um grande estalo deu em minha mente e logo chamei Dora para conversar no msn.

Caio: Dorita ta ai?

Dora: To :)

Caio: Então serei direto, olha eu sei que Igor tem seu ego forte e que nunca chegara em mim e pedirá desculpas mas, eu sinceramente quero perdoa-lo, quero de fato deixar tudo isso no passado. Então pensei: fale com ele, diga que eu quero conversar com ele amanhã, para botar um ponto final nessa historia.

Dora: Claro que farei, falarei com ele

agora. Aim seu lindo você é um fofo.

Eu nunca pensei que manipular pessoas era tão facil assim.

Caio: :D, to esperando.

Depois de uns 20 minutos Dora retorna.

Dora: Nossa que garoto dificil viu mas, consegui, ele aceitou falar contigo amanhã.

Caio: Obrigado querida.

Dora: Por nada. ;)

Depois de uns minutinhos Igor puxa assunto, pensei comigo "já?” que garoto idiota, isso com certeza é remorso, eu sinceramente odeio isso, se você fez algo assuma e carregue as consequências, se arrepender as vezes só mostra o quanto você é patético.

Igor: Oi, Dora disse que você quer falar comigo né?

Eu: Sim, sim. Amanhã , ok?

Igor: Ok, olha eu realmente quero falar contigo, as vezes eu sou um idiota, e faço tudo errado.

Eu: Olha, amanhã teremos muito tempo pra falarmos. Até amanha. Se cuida.

Igor: Até amanha. Se cuida também. Ansioso. :)

Ele me dava nojo, fingir perdoa-lo amanhã seria desgastante demais para o meu nível de fingimento mas, eu precisava, não tinha achado ninguém com quem ele possa ter algum desejo e eu sabia que dentro dele, tudo aquilo que ele tinha feito era pelo simples fato dele sentir algo por mim, então, nada melhor do que você mesmo fazer o serviço por mais que eu odiasse o que estaria por vir.

Naquela manhã me arrumei e fui logo para a escola, quando chegei todos ainda me olhavam e cochichavam e aquilo mesmo sendo vergonhoso era preciso para mim.

Vi panfletos da festa de Rique no hall da escola e me surpreendi em como ele era realmente bom naquilo, Rick sabia dar uma festa, notava as pessoas pegando os folders e confirmando presença, olhava aquilo rindo do quê estava por vir.

-Parece que vai bombar heim! Disse Henrique atrás de mim me fazendo ter um pequeno susto por ter chegado sem avisar.

-É, parece. Disse rindo do pequeno susto.

-Já pensou em tudo?

-Digamos que sim. Disse entredentes.

-Hum que bom, e quem será a pessoa que fara Igor revelar seus desejos? Disse ele baixinho.

Olhei naqueles olhos verdes lindos e depois de um grande suspiro disse com peso nas palavras.

-Eu.

-Oque? Você? Como assim? Que palhaçada é essa? Disse ele me olhando incrédulo, puxei ele para o canto mais reservado que achei e tentei explicar-lhe:

-Olha Rick, você vai ter que confiar em mim. Igor não tem alguém que ele goste mesmo a não ser eu, eu sei que ele sente algo por mim, e usarei isso a meu favor. Eu sei que é estranho mas, é a unica solução.

-Não tô acreditando no que você está falando, você vai transar com ele? E outra, seria idiotice porque você estaria se expondo também, e denovo. Não acredito nisso.

-Para se ser besta garoto, é so uma vingança, eu irei de fato transar com ele mas sem nenhuma intenção que não seja a vingança. Sim, eu estarei me expondo e será ótimo, pois dessa vez ele será a minha putinha, nada mais justo.

Olhava para ele e nada do que eu dizia fazia ele digerir aquilo.

-Por favor não fica assim, eu não sinto nada por ele e você prometeu me ajudar. Disse suplicante.

-Isso tá virando loucura, eu sei que prometi mas já estou me arrependendo.

Ele saio furioso a passos largos e me deixou ali sozinho, mais uma vez ele fazia isso, ciúmes era uma coisa insuportável em Henrique, o fazia mudar da água para o vinho. Segui atrás dele pois não podia deixa-lo pensar besteiras, ele tinha agido como criança mas eu gosto dele e não posso ver ele pensar idiotices, o segui até o fim da quadra, estava vazia, as aulas não tinham começado ainda.

-Rick, me espera! Para de besteiras e me ouça. Gritei.

Ele rapidamente parou e se virou dizendo:

-Eu ja ouvi tudo, e relaxa, vou te ajudar no plano mas, por favor não me pede para aceitar, eu não aceito.

-Porque? Para de besteiras.

Disse finalmente me aproximando e olhando novamente em seus olhos que ainda estavam verdes , porém, sem aquele brilho que tanto encantava quem o olhasse. Ele continuou me encarando e parecia estar formulando as ideias em sua mente, ele estava agitado e quando pareceu saber o que dizer ele pegou em meus ombros e deu um leve aperto dizendo exaltado:

-Por que? ... Por que?

Porquê eu gosto de você caramba, porque me doi saber que você vai transar mesmo que por vingança com outro cara, porque eu tenho ciumes de você, porque desde do nosso selinho eu vivo pensando em você, porque eu estou a cada dia mais encantado por você, porque eu sinto algo por você...

Ele soltou meus ombros e de cabeça baixa ele deu um longo suspiro recuperando todo o fôlego que tinha perdido.

Eu não sabia oque falar, apenas o olhava tentando digerir tudo àquilo que tinha ouvido. Sabe quando aquilo que você mais sonha acontece quando menos se espera e você fica sem reação?! Eu estava assim.

-Eu jamais te machucaria se soubesse Rick, eu não sei o que te dizer, você me pegou de surpresa, eu to sem...

-Não precisa responder nada, no final estou até aliviado de ter finalmente dito isso. Voltando ao seu plano, eu te ajudarei, não se preocupe.

Naquele momento eu me senti tão egoista, e por um segundo não queria saber de plano algum, queria apenas poder abraçar Henrique e ter aquele garoto que me encantará novamente. Olhava seu rosto e ele precisava, ansiava que eu dissesse algo, dei um breve suspiro e me desarmei.

-Uma vez você me disse que eu não era sincero em minha palavras, que eu não dizia o que tinha em meu coração e em certo ponto você estava certo.

Nem sempre sou sincero, mas olha, para ser bem franco, eu nem sei como dizer isso..

Eu sentia tantas coisas naquele momento, minhas mãos estavam suando e minha mente estava borbulhando de informações, não conseguia se quer formar uma frase para lhe falar, fechei por um segundo os olhos balançando a cabeça e disparei tudo que estava pensando:

-Tá...

A verdade é que desde nossa conversa no onibus eu não paro de pensar em você, desde nossos beijos meu pensamento fica 24h em ti, eu acordo todos os dias e logo quero te ver na escola, eu adoraria cozinhar denovo para você, eu adoraria dormir do seu lado novamente, eu adoraria passar meu tempo todo com você... porque no fundo, no fundo de todo meu medo de me iludir, de me machucar, de sofrer por um garoto que até pouco tempo atrás era hetero, eu também gosto muito de você Henrique, sinto um sentimento que chegou tão rápido mas que já parecia estar comigo à muito tempo. Eu não sei explicar, só quero estar contigo a todo momento. E saiba que ninguém jamais me fez sentir algo assim, algo tão forte.

Mas mesmo sentindo tudo isso, eu preciso dessa vigança, por que não terei sossego se não fizer. Sera que você aceita isso?

Henrique me olhava com uma feição feliz, era tão lindo ver aquele sorriso novamente em seus rosto.

Eu finalmente me sentia leve também, eu gosto muito daquele garoto e ocultar aquilo era terrível.

-Diz algo. Eu disse sorrindo.

-Você me faz bem!

-Isso eu já sei, eu sou foda. Disse em algumas risadas.

-Deixa de zuera e vem aqui.

Ele me puxou e me deu um beijo quente, um beijo apaixonado, um beijo maravilhoso, nunca esquecerei aquele beijo. Assim que nosso beijo terminou nós olhamos envergonhados, parecia que tínhamos nos beijados pela primeira vez, aquele garoto sabia como me desarmar.

-Agora eu preciso entrar por que conversarei com Igor e você, vai divulgar mais a festa. Disse olhando para ele me ajeitando.

-Afz, o clima tava tão bom. Disse ele em poucas palavras.

-Para de ser chato. Oh, pensa assim: quanto mais rápido acabar, melhor. Disse sorrindo.

-Ta certo. Mas antes, um último beijo.

Nossos lábios se encontraram mais uma vez e como da vez passada, beija-lo era algo incrível, era como se a boca dele tivesse o encaixe perfeito na minha.

Nos afastamos lentamente sorrindo ao fim do beijo, saímos da quadra e entramos no pátio da escola.

Aquele dia seria cheio!

Continua...

⚜️⚜️⚜️⚜️

Olá meus queridos!

Está aí mais um capítulo, espero que gostem. Até o próximo.

Beijo,

Little Boy.

Comentários

18/11/2017 17:31:10
Um deleite sua narrativa. Continue...
18/11/2017 14:25:54
Estou amando posts mais.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.