Casa dos Contos Eróticos

Amor e sexo em familia - Final de ano

Autor: Xxx18
Categoria: Heterossexual
Data: 14/11/2017 00:43:22
Nota 10.00
Ler comentários (6) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá a todos, sou xxx18 estou aqui para trazer mais um conto da serie Amor e sexo em família. Tive alguns atrasos pois não encontro muito tempo para escrever esses dias, e como meus contos são demorados, fica difícil encontrar tempo. Agora vamos dar continuidade ao conto, onde finalmente Alice se entregou a Alexandre e tiveram sua primeira de muitas fodas.

Continuando...

Eu e Ali tivemos nossa primeira vez, eu me sentia realizado, me sentia homem, finalmente havia comido uma mulher. Acordei alguns minutos antes de Alice, algo raro, ela sempre acordava mais cedo, mas não aquele dia após nossa noite de amor. Fiquei ali olhando seu rosto enquanto ela dormia, não vou dizer que ela ria enquanto sonhava, mas parecia um semblante de alegria, de realização, sua beleza era admirável, a beleza da juventude, sua pele era macia, perfeita, branquinha com algumas pintinhas em alguns lugares que davam todo um charme. Eu acariciava seu braço, seu cabelo, até que ela abre lentamente os olhos, então ela sorri e eu digo:

- Bom dia amor.

Ela levanta a cabeça, me beija, depois volta a deitar só que em meu peito e diz:

- Bom dia. Dormiu bem?

- Sim, e você?

Ela se remexe e diz:

- Sim. Depois de ontem, tive a melhor noite de sono.

Estávamos nus ainda, o contato de sua pele era ótimo, seus seios apertados contra o meu peito, sua perna entrelaçada com a minha, sua coxa encostando em meu pau. Aquela situação era tão erótica quanto a noite anterior, acordar ao lado de uma mulher nua depois de transar é maravilhoso. Depois de alguns minutos eu digo:

- Ali, ontem você disse para eu gozar dentro de você. E se você engravidar?

Eu realmente estava um pouco preocupado, afinal éramos irmãos, como explicaríamos?

- Ale já te disse. Eu já cuidei de tudo, pedi pílulas para a Vanessa, ela me entregou ontem. Ela usa direto. Era minha primeira vez, eu queria sentir dentro, não ia perder a virgindade usando camisinha ou com você gozando fora, eu ia virar mulher e queria sentir porra dentro de mim, e se você quiser saber, foi ótimo, gozei com a sensação do seu pau pulsando e ejaculando dentro de mim.

- Então era isso que vocês cochichavam?

- Sim. Disse a ela que hoje eu ia encontrar um garoto aqui da rua e talvez ia rolar algo.

Nos levantamos e ela olhou para a mancha de sangue no lençol, o seu sangue. Eu olhei para ela, que estava sorrindo e disse:

- Por que esta sorrindo?

- Me sinto estranha, diferente, eu tinha medo antes, agora me sinto realizada.

Eu a olhava, ela realmente estava diferente, seu olhar mudara, ela tinha fodido, se tornara mulher. Chamei ela para tomarmos banho, antes que nossa mãe acordasse de ressaca. Fomos para o chuveiro, nos lavamos um ao outro, nos beijamos bastante mas não demoramos muito, pois nossa mãe acordaria a qualquer momento. Fomos tomar café e nossa mãe logo acordou. Ela diz com cara de sono e ressaca:

- Nossa bebi muito ontem. Nem lembro de ter tomado banho.

Alice gargalha e diz:

- Logico, você não tomou, fui eu que te dei banho.

Eu dou uma risada e então minha mãe diz se sentando a mesa:

- Obrigado filhota, te amo muito. Mas me sinto envergonhada, ser carrega e lavada pela filha enquanto eu caia de bêbada.

Alice responde descontraída:

- Deixa disso mãe, você tem que se divertir mesmo, e não precisa ficar com vergonha da sua filha.

Minha mãe diz:

- Voce esta diferente Alice, oque houve?

- Como assim diferente?

Minha pensa alguns segundos e diz:

- Não sei dizer, esta mais viva, com energia, esta bonita.

- A sei lá mãe, sou apenas eu.

Realmente Ali estava diferente, estava mais bela essa manha, mais do que qualquer outra. Seu rosto era vivaz, corado, seus olhos brilhavam com um olhar alegre. Fiquei a observando durante todo o café, e a cada segundo olhando me apaixonava mais. Ela também não parava de me olhar e sorrir, seu olhar dizia oque fizemos na noite anterior.

Alguns dias se passaram e chegou o ultimo dia de aula do ano, aquele dia que todo jovem estudante adoram. Todos estão felizes fazendo planos para as férias, pensando em tudo que ira mudar no próximo ano. Eu muito alegre e aliviado volto para casa, e quando vou entrando já vejo a mochila de Ali no sofá e vou a procurando pela casa, quando a encontro na piscina, eu vou me aproximando e digo:

- Já esta aqui? Chegou mais cedo?

- O professor da ultima aula nos liberou mais cedo, já estava cansado de nos. Cheguei faz uns 30 minutos. Vai entrar comigo na piscina?

- Espera ai amor, vou lá trocar de roupa e já volto.

Fui me trocar e voltei rapidamente, já entrando na piscina com Alice. Ela vem ao meu encontro e nos beijamos, então eu digo:

- Finalmente vamos ter os dias inteiros para agente.

- Voce agora é meu.

Então ela me beija mais, com eu alisando seu corpo debaixo d’água. Depois de alguns minutos nos beijando e trocando carinhos perto da borda da piscina, Ali muda de olhar e então percebo ela um pouco triste e pergunto:

- Oque houve Ali?

- Gostaria que pudéssemos namorar livremente, como um casal, contar a todos o nosso amor.

Eu fico um pouco pensativo e então eu digo:

- Eu também queria muito Alice, mas você entende não é? Somos irmãos, o mundo não aceitaria.

- O mundo é uma droga, porque não podemos ficar juntos se nos amamos tanto?

Eu fico pensando algum tempo e então digo acariciando seu cabelo molhado:

- Um dia Ali, vamos poder nos mudar, e eu vou levar você comigo, para outro pais, onde possamos viver juntos e ninguém ira nos julgar.

Ela sorri com esperança e diz com os olhos brilhando:

- É serio? Voce promete que ficaremos juntos para sempre?

- Sim, eu prometo, eu te amo muito.

- Não vejo a hora de agente poder viver juntos sozinhos, fazermos amor o dia inteiro em uma casa so nossa, onde eu te daria muitos filhos, e envelheceríamos juntos.

- Eu também não vejo a hora.

Eu a coloco contra a borda, e começamos a nos beijar com suas pernas envoltas em meu quadril. Eu aliso todo o seu corpo, apertando forte meu pau contra sua boceta. Depois de alguns minutos assim ela diz:

- Vamos transar?

- Voce que?

Ela de olhos fechados e boca aberta apenas balança a cabeça em afirmação. Ela apenas diz:

- Vamos para o meu quarto rápido, eu te quero.

Rapidamente saímos da piscina e eu de surpresa a agarro pegando no colo, ela da um gritinho seguido de um risinho dizendo:

- Pra que isso Ale?

- Por que você merece. Eu te amo.

Eu a beijo em meus braços enquanto a levo ao quarto, estávamos molhando todo o chão. Chegando la a jogo na cama e rapidamente eu retiro sua calcinha, e começo a chupa-la. Ela diz:

- Pode me comer logo se você quiser, não precisa fazer isso.

- Mas eu quero.

Vou beijando toda a sua pélvis, o interior de sua coxa e por ultimo sua boceta, ela se arrepiava toda a cada toque meu. Ela retira a parte de cima do biquíni enquanto e chupava sua boceta, e então ela agarra minha mão e coloca sobre seu peito apertando ele. Ela começa a gemer baixinho enquanto me olha com cara de prazer, então ela diz:

- Te amo Alexandre, você é demais.

Então eu resolvo enfiar dois dedos em sua boceta que estava bem molhada, enquanto e lambia seu clitóris. Ela delira, começa a gemer alto conforme eu aumento a velocidade das dedadas. Então ela diz:

- Continua amor aah, aah, por favor não para, vou gozar aah, aah.

Ela apertava meu cabelo enquanto e chupava todo seu melzinho. Logo ela se contorce inteira gozando intensamente. Eu subo e fico a beijando por algum tempo, enquanto acaricio todo seu corpo. Seus grandes olhos azuis brilhavam, seu rosto estava muito vermelho devido ao orgasmo, ela de repente diz:

- Me come por trás Ale?

- Como assim? De quatro?

Ela mordendo os lábios diz:

- É.

- Ta bom amor. Vira ai para mim.

Ela então fica de quatro enquanto eu tirava meu calção de banho. Que visão que eu tive, ela empinou bem, com as pernas levemente separadas, pude ver toda sua boceta rosadinha por trás. Aquela bunda maravilhosa, branquinha, macia e empinadinha para mim, sua cinturinha finíssima fazia uma curva com seu quadril. Eu fiquei louco, ela rindo e percebendo meu tesão diz:

- Oque achou? Gostou?

Eu estava com o pau apontando quase que para o teto, de tão duro, então eu digo esfregando meu pau na sua boceta:

- Voce é muito gostosa.

Ela olhando para trás com cara de safada e mordendo o lábio diz:

- Sou?

- É. Muito.

- Então me fode. Minha boceta é sua. Me fode.

Eu vou enfiando devagarinho enquanto ela geme a cada centímetro. Vou alisando sua bunda enquanto vou enfiando calmamente aproveitando ao máximo. Que sensação deliciosa era a boceta de Alice, apertadinha e quente, e muito molhada. Eu enlouquecia vendo meu pau entrando e saindo, com seus pequenos lábios abraçando ele. Eu aumento um pouco a velocidade e ela gemendo a cada empurrada diz:

- Nossa que delicia.

Alguns segundos depois ela aperta o rosto contra o colchão abafando os gemidos, e ela com uma mão começa a esfregar seu clitóris enquanto eu metia, e com a outra segurava o lençol com força. Eu aumento a velocidade, os barulhos de sexo começam a surgir, aquele barulho delicioso de corpos batendo: ploc, ploc, ploc, ploc ...

Estava muito bom, meu pau saia e entrava com facilidade, graças a Alice que estava bem lubrificada. Que sorte eu tinha de comer uma mulher daquelas, ela era muito gostosa, nosso sexo era fantástico. Eu logo anunciei que ia gozar:

- Amor estou quase gozando.

Ela suspirando diz:

- Espera um pouco amor, por favor não goza ainda, estou quase lá.

- Não vou conseguir segurar muito Ali.

- Fica quietinho amor, estou quase gozando, vai devagarinho.

Eu então obedeço, vou bem devagar para não gozar enquanto ela se masturbava com vontade e bem rápido, ela gemia bastante. Eu me debruço sobre ela e beijo sua costa e nuca para excita-la e ela diz:

- Aguenta amor.

Eu estava me segurando metendo lentamente, estava difícil me segurar mas eu digo:

- Vai amor, goza, goza no meu pau sua safadinha, moleca safada.

Ela começa a gemer alto e diz:

- Vai amor pode meter que eu vou gozar, vai com força agora.

Eu já não aguentava mais então eu meto com força e rápido, socava fundo segurando em sua cintura enquanto ela gemia e dizia:

- Vai amor me fode aah, me fode, me fode, que delicia aah, me fode que eu vou gozar.

Então ela geme alto enquanto goza e eu com o pau explodindo já enfio fundo e seguro, gozo muito, deposito toda minha porra no fundo dela. Meu pau pulsava e ela dizia:

- Isso amor goza muito, goza em mim. Que delicia aah.

Eu caio exausto para o lado, e ela se deita ao meu lado, que transa maravilhosa, me senti aliviado, fazia dias que eu não gozava. Ali então diz com voz ofegante:

- Nossa que delicia é ser fodida, é muito bom dar. Se eu soubesse tinha feito antes.

Eu gargalho e depois digo serio:

- É ótimo transar com você, você é maravilhosa Ali. Te amo sua gostosa.

Ela ri depois me beija dizendo:

- Eu também te amo Ale.

Ficamos namorando algum tempo depois fomos limpar toda a casa molhada antes que nossa mão chegasse.

Alguns dias se passaram e o natal já passara, era a semana que antecedia o réveillon e íamos viajar, ir a casa de praia da família, ter nosso encontro familiar, todos os tios e primos. Ali e eu estávamos contentes mesmo sabendo que seria difícil transarmos com a casa cheia, ainda mais que não teríamos quartos sozinhos. Mas mesmo assim queríamos ver e matar a saudade de nossos tios e primos, sem falar que a praia era maravilhosa e principalmente Ali gostava muito. Seria um ótimo réveillon e inicio de férias, e daríamos um jeito de namorarmos um pouco, afinal o amor encontra um jeito.

Continua...

Comentários

14/11/2017 10:40:30
Maravilha delicia de conto
14/11/2017 10:18:14
Só melhora hahaha
14/11/2017 08:01:23
Muito bom!!! Cada vez mais incrível!!!
14/11/2017 07:56:36
Muito bom.
14/11/2017 02:28:16
Seres e muito bom, esperando ansiosamente a continuação!
14/11/2017 01:42:41
Muito bom o conto

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.