Casa dos Contos Eróticos

Meu primeiro swing frente e verso

Autor: Benny69
Categoria: Grupal
Data: 04/05/2015 21:52:42
Última revisão: 05/05/2015 23:55:00
Nota 9.80
Ler comentários (6) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Me chamo Paulo e sou um profissional liberal separado e bem posicionado socialmente. Sou do tipo atlético, 1,75 de altura, 45 anos e sempre gostei de jogar bola com os amigos.

Sou separado desde os 40 anos, pois minha esposa e eu nos tornamos apenas amigos e eu queria mais, especialmente no aspecto emocional e, por que não dizer, no sexual. Sempre tive muito desejo e quando não transava com minha ex, que nem sempre estava com vontade, eu me estimulava na internet e atingia orgasmos maravilhosos vendo sexo entre casais, mulheres se pegando e fotos de caras interessantes, o que sempre me deixou curioso apesar do preconceito que carregava com relação ao sexo entre homens. Eu tenho pernas grossas, uma bunda malhada e meu pau é 15x15 (15 de comprimento e 15 de perímetro) o que sempre achei ser uma medida normal entre homens. Eu mantenho sempre o saco e o púbis raspados pois tinha Renata, minha namorada, que adorava sexo oral mas detestava se engasgar com pentelhos. Como eu pedia para que se depilasse também, pois sou um chupador de primeira, eu também fazia minha parte.

Nas peladas com os amigos acabei me tornando mais íntimo de dois casais com os quais se passam minhas histórias mas apimentadas, as quais relatarei a seguir. Eu sempre marcava as partidas para os fins de tarde e lá estavam os inseparáveis Guto e Lucas. Guto era um esportista, jogador de futebol e Vôlei, com mais de 1,90 de altura e do tipo bem magro. Lucas, por outro lado, era baixo com cerca de 1,65 de altura e do tipo forte e atarracado.

Após as partidas íamos tomar banho no banheiro da academia e nesta hora as coisas ficavam bem animadas. Guto tinha um pinto de mais de 20 cm, mais fino que o meu, porém era uma bela “ferramenta”. Ele vivia falando de sua esposa Márcia, uma fisioterapeuta muito gata, 32 anos, 1,75 de altura e bem atlética como ele. Se gabava das trepadas de longa duração que eles tinham e de como ela tinha uma musculatura vaginal poderosa que era capaz de “mastigar” um pinto e fazer o cara gozar na hora que ela quisesse. Ela não gostava muito de sexo anal mas aceitava o pinto dele ocasionalmente em seu rabinho apertado, quando a xaninha estava ficando assada de tanto trepar …

Lucas tinha um pau pequeno, talvez com uns 12 cm, mas com um enorme cogumelo na ponta. Ele ficava excitado contando as histórias de antes de seu casamento, quando ele tinha de satisfazer quatro namoradas ao mesmo tempo! Também com um pau daqueles não era difícil! Ele era casado com Débora, fisioterapeuta amiga de Márcia, uma mulher linda e na época com 30 anos, que adorava trepar e gozar inúmeras vezes. Lucas reclamava que para satisfazê-la ele precisava fazê-la gozar no mínimo 10 vezes, senão era briga na certa. E ele teve de aprender a segurar seu orgasmo para satisfazer aquela mulher maravilhosa e completa. Ela adorava dar o cú para aquele pinto cabeçudo e fazê-lo gozar chupando aquele cacete enquanto massageava as bolas e eventualmente lhe penetrava o rabo com os dedos …

Confesso que naqueles banhos todos nós ficávamos excitados com as descrições de nossas trepadas e em minha mente um belo swing começava a se desenhar...

Um detalhe interessante é que conheci Guto e Lucas através de suas esposas, que foram minhas fisioterapeutas no período de recuperação de uma queda de moto, onde machuquei a perna e tive de ser operado. Neste período acabei desenvolvendo uma relação de amizade com elas, onde rolavam conversas de sexo nas terapias, pois ambas eram muito abertas ao assunto. Elas adoravam ouvir os relatos de minhas descobertas sexuais, já que eu também estava recém separado e doido para recuperar o tempo perdido com a Renata minha namorada. Em alguns momentos, tanto Débora quanto Márcia, chegavam a notar meu tesão sob o short de ginástica com o qual eu fazia os exercícios. Mas nunca passei das conversas sacanas neste período e elas fingiam me ignorar ...

A descrição do sexo com as parceiras, relatadas por Guto e Lucas, tornou Débora e Márcia minhas musas para as punhetas noturnas, nos dias em que a Renata não estava a fim de transar. Ficava me imaginando fazer com elas o que o Guto, Lucas e elas próprias descreviam com tanto prazer. E, com minhas experiências após o casamento, principalmente com Renata que adorava tomar meu leitinho, comecei a desenvolver o gosto de tomar meu próprio sêmen e de receber um fio terra de minha parceira enquanto era chupado. Passei a gostar muito disto e confesso que passei a sonhar acordado imaginando ser enrabado pelo Guto e principalmente pelo Lucas e seu pau de cogumelo. Será que eu iria aguentar? E o que eles iriam pensar de mim? … Eram estes meus pensamentos enquanto me masturbava e gozava solitário.

A oportunidade veio com o convite de passarmos um final de semana na praia no apartamento de Márcia. Todos viajaram na sexta à noite e eu tive um problema com minha namorada Renata, que na última hora desistiu de ir pois havia ficado com medo do que iria acontecer naquele encontro, onde todos nós esperávamos realizar a desejada troca de casais. Ela tinha ficado com medo da experiência, já que ela conhecia apenas superficialmente aos outros casais. Acabamos brigando e acabei deixando para ir para a praia no Sábado pela manhã, chateado por ir sozinho. No caminho fui pensando no que teria de fazer para compensar a falta de minha gata, uma linda advogada de 25 anos, que meus amigos esperavam conhecer e experimentar, se rolasse o swing gostoso que nós três planejávamos ...

Finalmente cheguei no apartamento da Márcia. Eram 9h da manhã e ela mesma atendeu a porta com um hobby lilás, bem levinho, e com cara de quem havia levantado naquela hora. Mesmo assim ela estava linda e me deu um grande sorriso, me abraçou forte e lhe correspondi ao abraço lhe dando um beijo no rosto. Na sala, perguntei se ela estava só e ela disse que o Guto estava no banho, dando um sorrisinho bem safado, me dando a entender que eles tinham acabado de transar...

Ela logo perguntou : cade a Renata sua gata? … dando uma boa risada. Fiz cara de triste e disse que ela não quis vir pois ficara com medo do que poderia acontecer. Ela deu um sorrisinho safado e disse : “então você vai ter de fazer o papel seu e dela?” … dando uma piscadela enquanto os bicos de seus seios entumescidos pareciam querer furar o tecido de sua roupa.

Eu não aguentei a provocação e a agarrei ali no meio da sala mesmo e lhe dei um grande beijo na boca, já dedilhando o hobby entreaberto quando percebi que ela estava totalmente nua por baixo. Nua e melada pois meus dedos saíram melados da xaninha dela. E respondi : “vou fazer o possível para satisfazer todo mundo começando por você”!!

Neste ponto estávamos já nos agarrando e nos beijando ao mesmo tempo que ela dizia “não ... o Guto tá aí ... ele vai ver ...” e eu disse ... “tá bom ... eu falo com ele e a gente faz um bom “ménage à trois” ...

Ela não aguentou e cedeu. Eu a sentei na poltrona da sala e ela, já com as pernas abertas e a boceta molhada pelo suco dela misturado com o sêmen do Guto, se deitou e abriu totalmente as pernas expondo uma buceta raspada e com um telhado de pelos em cima. A xota dela já estava meio aberta mostrando que havia trepado há pouco tempo. Eu a deitei com carinho e me pus a chupá-la devagar sugando aquele sumo delicioso ...

Ela começou a gemer de tesão e foi então que o Guto apareceu pelado na sala e disse “oxi, que é isso?” já dando uma risada marota enquanto eu disse a ele que eu a estava preparando para nós dois! Ele não se incomodou, deu uma boa risada e chegou com seu pau enorme e já em riste, pôs a piroca perto do rosto dela e disse “toma sua gata safada ...”. Ela gemeu mais uma vez, deu um sorriso lindo e começou a chupá-lo sofregamente enquanto eu sugava seu clitóris e a penetrava com dois dedos sua boceta apertada e quente. Fiquei um bom tempo chupando-a até que ela chegou ao êxtase e gozou loucamente enquanto eu me mantinha chupando sua boceta e ia sorvendo todo o sumo do prazer que escorria dela...

O Guto, com o pau super duro, deu nova risada e comentou que ela já tinha gozado bastante para uma manhã ... mas ela sorriu e falou que queria mais.

Após aquela deliciosa chupada eu estava com o pau ereto, mas ainda vestido. O Guto notou meu tesão e disse para eu tirar a roupa e irmos para o quarto. Eles saíram pelados se alisando e beijando. Não me demorei e em segundos lá estávamos os três nos deitando em uma ampla cama e num quarto enorme do apartamento dela.

O Guto se sentou na cama e eu fiquei de pé ao lado da cama dando o maior amasso nas suas coxas e bunda, dando beijos do pescoço, nos peitos e na boca ... ela estava em transe de tanto tesão. O Guto sorria satisfeito se masturbando levemente enquanto enfiava seus dedos compridos na buceta melada dela.

Daí a maior surpresa. Do nada, abre-se a porta do quarto ao lado e sai o Lucas, só de cueca, como se tivesse acordado naquela hora e olha a cena pela porta e fala : “nossa, que festa, hein?” Débora, sua gata linda, saiu em seguida do quarto perguntando sobre o que estava acontecendo e nos viu : eu e a Márcia pelados e parados dando risada e o Guto sentado na cama de pau duro. Débora tomou a frente do Lucas, vestida com um baby doll rosa claro bem decotado onde dava para entrever sua linda boceta só com um bigodinho entre suas lindas coxas...

Eu me adiantei, dei oi para o Lucas e perguntei : “posso cuidar dela?” ... E ele respondeu com um sorriso : “claro ... você não vive querendo cuidar dela? Pode matar seu tesão mas já vou avisando que trepamos a manhã inteira e ela já está dolorida de tanto gozar!”

Eu aproveitei a deixa e a puxei para uma beirada daquela enorme cama, dei um abraço apertado e comecei a beijá-la e te apalpá-la loucamente. Ela gemia e arfava quando eu tirei seu baby doll e comecei a chupar seus seios dedilhando a boceta melada do leite do Lucas e do seu sumo delicioso. Eu a deitei na cama e comecei a lhe beijar enquanto passava meu pau duro no seu clitóris molhado. De repente a cena ao lado nos chamou a atenção pelos gemidos e sussurros. Olhamos para o lado e o Lucas estava deitado na cama com seu pau grosso e cabeçudo nas mãos da Márcia, que olhou para Débora e perguntou brincalhona: “Como você aguenta essa maçã dentro de você?, se referindo a glande cabeçuda do Lucas”. E ela respondeu dando uma boa risada : “São anos de treinamento minha filha!! … mas cuidado com seu lado B senão será hemorroida na certa!!” HAHAHA!

Márcia perguntou se podia chupá-lo e Débora respondeu : “Ele me comeu a manhã inteira mas se está duro deste jeito é por que morre de tesão por você! Pode matar o tesão dele de uma vez pois ele está doido para saber se você é tão apertada e musculosa como o Guto fala!!” E ela não titubeou e começou a chupá-lo, adorando lamber aquela glande que parecia um cogumelo enorme enquanto o Guto a penetrava na boceta por trás, de pé ao lado da cama. O Guto vendo a satisfação dela sentiu uma ponta de ciúme e perguntou se ela preferia aquele pau cabeçudo ao pau dele, que era mais fino porém com o dobro do tamanho. E ela disse sorrindo que “dentro dela tinha lugar para todo mundo”, entre uma chupada e outra naquele pirocão.

Deixando os três para lá eu dei mais uns beijos em Débora e comecei a chupar sua boceta, que estava escorrendo néctar naquela altura do campeonato. Após muita chupada, apalpadas, mordidas, ela entrou em um êxtase total e ficou gemendo e ronronando “me chupa, mete os dedos, aiiiiii” .... e após alguns minutos ela gozou forte na minha boca ... Depois de gozar ela ficou descansando quase desacordada e eu me deitei ao seu lado e fiquei lhe acariciando a barriga, que tremia em espasmos enquanto ela parecia curtir o orgasmo e o relaxamento de seu corpo. E eu fiquei dizendo no ouvidinho dela : “gata linda, você é mais gostosa do que eu sonhei, adorei seu gozo na minha boca, adorei seu cheiro, seu suor me dá tesão, sua boca linda me enlouquece, sua buceta me faz sonhar ...”, enquanto ia lhe beijando devagar o pescoço, seus peitos bicudos, acariciando suas coxas duras e fui passando a mão devagar em sua xana, que ainda estava sensível e ela ficou gemendo e ronronando como uma gatinha …

Ao nosso lado o ménage estava completo: o Lucas deitado, a Márcia montada no seu pau rebolando e gemendo que nem uma louca enquanto o Guto dava seu pau para ela chupar a lambuzava o rabo dela com um óleo fino para facilitar a penetração. Ela rebolava e gemia, o Lucas olhava a cena parecendo não estar acreditando e o Guto mandava ela chupar seu pauzão dizendo “toma safada! Chupa essa pica doce”. Márcia estava enlouquecida e falava entre gemidos : “caralho, quanto pau gostoso … tô sentindo esse cabeção me arregaçando … quero tudo … hoje vou me acabar … Lú não vai gozar agora … Guto me dá esse pau pra chupar … caralho … Lú me fode … me fode!”

A certa altura Débora abriu os olhos e ficou impressionada com a animação do trio ao lado. Após certo tempo, apesar das negativas da Márcia que dizia baixinho “no cu não .... eu não vou aguentar dois pintos enormes caralho ... vocês vão me matar ...” ... mas o Guto dizia no ouvido dela : “você vai dizendo se aguenta ... vou por só a cabecinha meu amor” ... e então ele a pegou de quatro e numa única estocada enfiou metade do pau. Ela parou de pular no pau do Lucas e gemeu forte enquanto o Guto continuava bombando e falando “toma gata! Toma” ... ela se deitou sobre o Lucas, que começou a acariciá-la e beijá-la .... ela então disse ao Guto : “vai caralho, agora fode este cu com vontade que vocês dois já me arregaçaram” ... e continuou agarrada ao Lucas enquanto o Guto ia socando seu longo pinto com vontade.

Débora olhou para mim e falou : “o que estamos esperando? Quero seu pau grosso dentro de mim” ... Então eu a puxei para a beirada da cama, a buceta dela escorria seu mel, meu pau estava enorme, grosso com a cabeça vermelha, meu saco e púbis lisinhos ... ela não aguentou e sentada na cama engoliu meu cacete e ficou lambendo minhas bolas enquanto eu virava os olhos de tanto tesão. Aí ela pegou o óleo que estava na cama, lambuzou o indicador e enfiou o dedo no meu rabo enquanto me chupava fazendo um delicioso “fio terra”. Eu fui à loucura com tanto estímulo visual, oral e anal que pedi para ela parar senão eu iria gozar.

Foi então que delicadamente eu a tirei do meu pau e a virei e comecei a fodê-la de quatro sem dó!! Lambuzei meu dedo com o lubrificante e atolei o polegar no cu de Débora enquanto ela gemia sendo socada pelo meu pau .... Ela gozou gritado mais uma vez e eu não parei de meter a virando de barriga para cima e a pegando num delicioso papai e mamãe... Débora continuava de olhos fechados e eu a arrastei para o meio da cama, para perto do marido, e continuei metendo e a beijando enquanto Débora gozava outras vezes... Nesta hora, enquanto eu metia, o Lucas colocava os dedos dele na boca dela para ela chupar enquanto eu a penetrava as orelhas com minha língua, lhe lambia o suor e sugava seus peitos ... Débora gozou inúmeras vezes gemendo alto e falando frases sem nexo enquanto delirava de prazer …

Ao nosso lado finalmente a Márcia gozou um orgasmo bem gritado, empalada pelos dois paus e o Lucas acabou gozando dentro dela, com os dois terminando acabados e abraçados, deixando o Guto, seu marido, meio puto pois havia ficado na mão e sua mulher estava cheia de porra do amigo …

Guto tirou o pau do cu da Márcia e reclamou que não havia conseguido gozar pois de manhã já tinha gozado com ela. Lucas estava com cara de satisfeito, pois havia realizado seu sonho de comer a Márcia, e saiu para tomar um banho. Débora estava desacordada e com cara de felicidade depois de gozar comigo inúmeras vezes. Eu continuava cheio de tesão pois não havia gozado mas fiquei quieto já que não tinha trazido a mulher para completar o swing.

A Márcia se ofereceu para fazer seu marido Guto gozar e rapidamente dei uma ideia melhor para satisfazer todo mundo, senão acabaria tendo de terminar me satisfazendo na punheta. Então falei : “Já que a Renata não veio eu vou fazer o papel que tínhamos pensado para ela, ok?”. Acho que ela ficou com medo dos pintos de vocês mas eu pretendo dar o melhor de mim para todo mundo ficar feliz! Márcia ria, já entendendo minha jogada, mas o Guto continuava com o pau na mão esperando o que ia acontecer...

Me deitei na cama e pedi para a Márcia se sentar em meu rosto para que eu pudesse sugar todo o leite do Lucas misturado ao sumo dela, o que confesso a vocês deu um milk-shake maravilhoso!! Fui chupando e sugando a buceta dela enquanto o leite escorria para a minha boca. Minha língua a penetrava ajudando a puxar aquele néctar dando enorme prazer a Márcia que se largou sobre meu rosto, quase me sufocando, para aumentar a penetração … Após algum tempo deixei-a limpinha!!

O Guto nos olhava se masturbando sem entender onde eu iria chegar e então eu pedi a ele para colocar um travesseiro nas minhas costas para que meu cu ficasse mais acessível e disse a ele : “já que você arregaçou o rabo da sua mulher pode foder esse cu de macho com vontade!! Só lubrifica ele bem e não goza dentro pois seu leite quero na minha boca!” ... Ele não acreditou naquela situação e ficou pedindo uma confirmação para a esposa. Foi quando a Márcia disse : “esse cara adora um leite de macho e agora quer dar a bunda meu amor... fode seu amigo bem gostoso como você me fodeu e como você me disse ontem que iria comer a Renata bem na minha frente!!” … Ele agora é a Renatinha pedindo piroca!!

Neste momento a Márcia se levantou, pegou o lubrificante e lambuzou o pau do marido. Depois, enquanto eu segurava minhas pernas ficando na posição de “frango assado” ela passou bastante lubrificante no meu rabo apertado e foi me penetrando carinhosamente, primeiro com um dedo e depois com dois dedos. Enquanto ela laceava meu rabo dizendo ao Guto para ter calma pois meu rabo era muito apertado e que sem preparo ele iria me machucar ela esticou seu lindo pesinho, colocando os dedos em minha boca dizendo : “vai gato, chupa meu pesinho enquanto eu te preparo para ser fodido como você sempre quis, seu safado” … E se virou para o Guto dizendo : “em nossas terapias ele sempre perguntava como era seu pau e como você me comia … agora eu quero que você o coma com vontade, tá bom amor? … pode vir que ele tá pronto!!” ...

Não deu nem tempo de agradecer a Márcia pois o Guto pegou minha bunda com suas mãos fortes e me deu uma estocada que abriu de uma vez meu rabo apertado. Confesso que no início doeu um pouco até que finalmente meu rabo relaxou ... e o Guto socou até quase o fim dizendo “toma seu puto safado!!”. A cada estocada seu longo pau batia no fundo do meu rabo pedindo mais espaço. E a cada cutucada meu outro esfincter ia cedendo devagar e eu gemia pedindo calma mas para ele continuar … Márcia dizia : “tá doendo, gato? … é que o pau dele é grande e ele quer colocar tudo em você como ele faz comigo … vai fazendo força como se fosse evacuar que uma hora a cabeça da pica dele abre sua segunda portinha..” E enquanto dizia isso forçava o pesinho em minha boca dizendo : “vai gatinho, que você hoje vei descobrir como sobre mulher de homem pirocudo … kkkkkk” … “chupa esse pé, seu safado” … “fode ele amor que ele está quase todo arrombado...” … e, de repente, senti um alívio danado quando fiz força e meu cu abriu permitindo que aquela tora toda entrasse no rabo!! Foi difícil mas a sensação de prazer foi maravilhosa, sentindo aquela vara grossa entrando até as bolas baterem em minha bunda e depois saindo até quase a glande sair do meu rabo!

Eu gemia e dizia ao Guto o quanto ele sabia foder um cu! Pedia mais e puxei a Márcia lhe dando um delicioso beijo agradecendo-a por me ensinar a dar o rabo para uma ferramenta daquele porte … Não sei quanto tempo durou mas o Guto mostrou que é atleta pois foi me enrabando até o Lucas voltar do banho e achar uma loucura eu estar sendo enrabado daquela maneira...

Enquanto era enrabado vi que o Lucas acordou Débora com alguns beijos e ficou abraçado a ela, que ficou nos olhando e curtindo a cena. Ela também já suspeitava de meu desejo secreto de explorar minha bisexualidade e do quanto queria sentir o cogumelo de seu marido em meu rabo. Ela, diferentemente de Márcia, sempre me descrevera em detalhes suas trepadas com o marido e como ele a deixava arregaçada e dolorida por dias após trepadas longas, pois ela gostava de ser penetrada com força, por aquele pau grosso e, depois, quando ele se cansava, ela pedia que ele enfiasse o punho em sua buceta e vários dedos em seu rabo. Débora era uma amante completa pois não tinha limites na cama.

A certa altura a Márcia se cansou da cena e foi se banhar. Em minutos o Guto disse que ia gozar e eu me sentei na cama e pedi seu leite em minha boca. Então abocanhei aquele pau enorme e deixei a glande dentro de minha boca. Ele começou a gozar em minha garganta e eu fui engolindo os jatos quentes de porra enquanto saboreava aquele néctar e massageava seu saco e suas bolas tentando drenar todo seu leite. Suguei aquela pica do modo como a Renata fazia comigo, até ele pedir para parar, sem deixar perder uma gota sequer. Satisfeito, ele me agradeceu e foi tomar banho com a Márcia.

Olhei para Lucas e Débora e vi que olhavam para mim sorrindo, fascinados com minha atuação. Vi que o pau dele estava meio duro e percebi que era a hora de completar minha atuação dizendo : “Lucas, eu não trouxe a Renata, fiquei te devendo, mas meu cu é seu … você pode terminar o serviço em mim pois eu ainda não tinha gozado já estou bem cansado?” … “não sei se consigo uma ereção agora mas se você me comer sei que vou conseguir gozar ...”. Débora aproveitou a deixa e caiu de boca no pau dele deixando-o pronto para me enrabar e foi logo dizendo : “hoje todo mundo vai gozar .. ele vai te comer e vai gozar … e se você não gozar com essa piroca eu vou enfiar minha mão inteira no seu rabo e apertar sua próstata até você gozar seu safado!!” … O Lucas e eu fizemos cara de assustados e caímos na risada!!

Então eu pedi a ele para me foder pois eu queria muito saber como era ter um cacete tão cabeçudo dentro de mim e falei que estava fácil pois meu rabo estava dilatado, melado e pronto para agasalhar aquela pica. Ele imediatamente correspondeu e Débora disse “vai amor, fode ele prá mim, vai ... eu vou adorar ver a cena e não posso ajudar nem me masturbar pois estou toda assada de tanto meter e cansada de tanto gozar”...

Eu passei mais um pouco de óleo no pinto dele e no meu rabo. Arrebitei a bunda, ficando de frente para Débora, que estava deitada de conchinha sorrindo. Ele masturbou o pau por alguns segundos deixando-o muito duro enfiou aquele cogumelo de uma vez no meu anel, ou no que restava dele, e eu senti meu cu dilatar e agasalhar com prazer aquela ferramenta ... Na verdade doeu um tanto quando ele entrou mas depois a dor foi se tornando o prazer de sentir aquela cabeça entrando até o fundo, as bolas batendo em minha bunda e, por vezes, o esforço daquela cabeça repuxar meu anus quanto ele tirava totalmente o pau. Ele tirava o pau e dizia brincando que meu cu parecia uma vagina e dava para ver o colo do útero!!

Enquanto ele brincava tirando o pau do meu cu para fazer os comentários eu insistia para ele por de volta e me foder com vontade pois eu estava quase gozando. Enquanto ele me fodia eu puxei o pesinho da Débora e fiquei chupando seu dedão enquanto seu marido me comia ... E ele socava e suava sem perder o ritmo enquanto ela dizia : “mete amor, fode ele e me dá seu leitinho...”

Não sei quanto tempo passou mas o Guto e a Márcia voltaram vestidos e comentaram o quanto eu estava a fim de trepar e como eu era bom para foder e ser fodido... Eu era “frente e verso”, Paulo e Renata ...

E finalmente, exausto, dolorido e arregaçado, entre gemidos de dor e prazer eu disse que ia gozar ... pedi para Débora amparar meu leite e ela pôs as mãos de conchinha e eu gozei muito sem me nem me tocar ou me masturbar ... apenas com o Lucas socando furiosamente meu rabo e minha próstata, o que ere inédito para mim... Gozei loucamente com vários esguichos a cada socada que levava ...Eu terminei de gozar e o Lucas disse que ia gozar. Débora também fez ele gozar tudo em suas mãos ... Então eu o agradeci pela enrabada maravilhosa e lambi o resto de porra que sobrou no seu “cogumelo do amor” ainda entumescido aproveitando para encher minha boca com aquela glande percebendo que seria impossível passar aquele volume em minha garganta. Era por isso que Débora frequentemente chegava com a garganta irritada para fazer seus atendimentos.

Nesta hora, Débora perguntou sorrindo: “o que faço com essa porra toda em minhas mãos? ... fazendo a menção de jogar fora no banheiro ... Então eu sorri e disse : “deixa que eu cuido disso! Como a Renatinha minha gata sempre me diz que porra é ótima para tonificar e tem baixo valor calórico... deixa comigo!".

E eu fui lambendo e sorvendo o monte de sêmen que havia em suas mãos, limpando o leitinho entre seus dedos, conseguindo beber tudo sem perder uma gotinha sequer. Débora sorriu, me deu um selinho na boca e foi tomar banho com Lucas. Guto e Márcia também se retiraram...

E eu fiquei sentado na cama olhando para a minha situação. Eu estava suado, exausto, com o cu tão arrombado que caberia uma maçã ... Mas estava feliz pois eu tinha realizado todos os meus desejos com meus amigos e me sentia agora um homem “completo”, em frente e verso.

Comentários

24/06/2015 01:57:18
Ual que tesão de conto Conheça os desejos da mulher na cama... http://bit.ly/desejossexuais
10/06/2015 08:50:31
Nossa q delicia de conto
09/05/2015 14:15:11
caracas, que conto gostoso! sexo em sua totalidade sem preconceito, adorei!!!
05/05/2015 06:26:31
é só me chamar ... e tem gente que não gosta de uma bela orgia.
05/05/2015 02:00:35
Gostei muito bom
04/05/2015 22:19:57
Nota dez. Um tanto fantasioso, mas valeu o relato

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.