Casada e enrabada por um jovem.

Um conto erótico de Mallu
Categoria: Heterossexual
Data: 23/01/2011 18:01:58
Última revisão: 28/11/2016 08:55:05
Nota 9.82

Estou com desejos à flor da pele, biquinhos dos seios endurecidos, a xoxotinha úmida, grelho rígido, pronta para transar.

A fase ninfomaníaca. Como tem período que não quero nada com nada. Ciclos que se alternam.

Sou casada na faixa dos trinta. Peso 67kg, meio cheinha, altura 1,72m. Quando a preguiça permite, faço caminhadas.

Não gosto de algumas partes do meu corpo, especialmente a barriga. Prefiro descrever meus pontos fortes. Morena, cabelos lisos, pele macia e branquinha, seios firmes, coxas grossas e roliças, bunda arrebitada.

Minha vida sexual com Moacir, meu esposo, é relativamente boa. Já fizemos quase tudo na cama. Sexo oral gostoso. Todas posições. Só não tinha acontecido o anal.

Tentamos várias vezes. Mesmo preparada (com dedos), lubrificada com gel e excitada, nunca se consumou. Ao primeiro sintoma de dor eu contraio o anelzinho, complicando tudo.

Dedinhos no ânus até causa prazer. Mas o medo é maior. A rola do meu marido é curta e grossa. E no tesão de meter atrás, fica mais rombudo. Para provocá-lo, é só falar: ¨-Quer comer meu cuzinho?¨ , que ele fica todo aceso. Mais ainda, quado na transa, finjo que estou dando para outro.

Aliás, essa história de ficar com outro, no começo era brincadeira, fantasia para apimentar. Quando senti que ele falava sério, deixei acontecer, sem ele saber. Até chegarmos a ser um casal moderno, demorou certo tempo. Mas são outras histórias.

O que vou narrar, aconteceu na praia. Para mim, o ar do litoral tem efeito afrodisíaco. O calor do sol, cheiro de água salgada, os desconhecidos semi despidos, tudo, até mesmo a brisa que toca a pele parece alimentar o fogo do desejo, me levando para um novo ciclo de tesão, provocando cio nesta fêmea.

Estávamos num hotel a beira-mar. Os apartamentos tinham sacadas, alguns de frente para a praia e outros para a piscina, que era nosso caso. Íamos tomar sol na areia. Eu estava pronta, aguardando meu marido.

Saí na sacada. Nisso notei na sacada do apartamento debaixo, à direita do nosso, um jovem com o calção abaixado nas coxas. O garoto estava se masturbando, sentado numa cadeira de lona.

Fiquei em silêncio. O menino se contorcia todo rígido, punhetando, de olho nas mulheres na piscina. Aquela situação me excitou também. Não sei se o calor, ou o local onde ninguém nos conhecia, tomei coragem e tirei a parte de cima do biquíni. Me encostei no parapeito da sacada.

Fingi que olhava as montanhas ao longe. Me apoiei no parapeito expondo os seios que já estava com os biquinhos duros. Adrenalina à toda, ousei ainda mais, tossindo leve, sem olhar para baixo.

O moço me viu. Sobressaltado, ergueu o calção. Depois, como achou que eu não o tinha notado, abaixou de novo o calção, virou as costas e continuou. Que pena que nosso apartamento era o de cima. Se fosse o de baixo, eu poderia me mostrar inteirinha.

O menino gozou rápido e se recompôs. Decidida a provocá-lo, entrei no quarto, peguei uma toalha e a calcinha que tinha usado até há pouco. Era cor de rosa, de cetim ornada com rendas. Com certeza, ainda perfumada de odores das minhas partes intimas.

Voltei na sacada, estendi a toalha e derrubei, ou melhor, joguei a calcinha. Acertei a sacada dele em cheio. Só então olhei para baixo. Ele catou minha calcinha, olhando para mim. Fiz sinal gesticulando, pedindo para me devolver.

Logo depois batidas na porta. Tirei a parte de baixo do biquíni. Enrolei a saída de praia com um laço na altura do peito e fui atender. Só então reparei que era bem jovem, com rostinho lindo, olhar indagador. Vestia apenas uma bermuda tipo surfista. Todo tímido e ruborizado, segurando a calcinha como se fosse uma peça frágil de cristal. Uma gracinha.

Ao pegar a calcinha, abri as pernas, deixando aparecer minhas coxas alvas e até os pentelhos. Agradeci e perguntei seu nome. Disse que era Hélio, mas todos o chamavam de Juninho. Seu olhar pousado no meu baixo ventre, era agora de espanto e cobiça.

Senti um imenso prazer com o ato exibicionista. Juninho me comia com os olhos. Me aproximei, peguei a peça e o abracei para beijar no rosto, enquanto agradecia com um ¨-Muito obrigada¨. Senti seu corpo retesado, até meio trêmulo. E ficou nisso.

Contei para Moacir o acontecido. Ele notou meu interesse no Juninho. Como vive fantasiando em me ver com outro, já ficou com ideias libidinosas, me pegando para transar. Enquanto me possuía, ficava falando no menino, dizendo que se ele me comesse, ia encher minha boceta de porra e outras pornografias.

Fomos para a praia onde passeamos pela orla. Tomamos banho de sol, retornando ao apartamento. Como eu sou muito demorada no banho, meu marido foi primeiro. Enquanto esperava, saí na sacada. Acho que esperava ver novamente o menino. Para minha decepção, não o vi.

Depois, enquanto eu secava os cabelos, Moacir desceu para o saguão, onde havia uma mesa de bilhar, jogo que ele adora, apesar de não ser muito bom até naquele taco. Rss. Algo me levou varias vezes à sacada. Na terceira ou quarta vez, vi Juninho na beira da piscina. Vestia só um calção de banho, tronco desnudo, realçando ainda mais a aparência de adolescente imberbe.

Resolvi provocá-lo. Disse um ¨-Ei¨ de forma discreta. Juninho olhou para cima e me acenou sorrindo. Como não vi ninguém observando, na ânsia de não perder a chance de chamar sua atenção, fiz outra loucura. Voltei ao quarto, peguei a calcinha e da sacada, deixei cair novamente. O jovem se apressou em pegar. Com maior jeito de safada, pedi:

- Traz pra mim?

Desta vez, Juninho veio mais confiante. O recebi com um selinho, dizendo:

- Sabe que eu vi você se masturbando? Aquelas mulheres na piscina eram mais bonitas que eu?

Deixei cair a toalha que envolvia meu corpo, ficando agora totalmente nua. O menino corou e gaguejou:

- É...é...a sen...senhora.

A resposta não podia ser outra. Mesmo assim, gostei do que ouvi. Era óbvio que diria que era eu, afinal, estava lá, na sua frente, ao vivo, expondo toda a nudez. Para evitar a perda do tempo precioso, parti para o ataque:

- Se masturba pra mim?

O garoto estava surpreso, porém, o volume no calção denunciava estado de ereção. Ainda assim, estava reticente, receoso, indeciso até. Abaixei seu calção, expondo um pênis duro, mais fino, comprimento igual ao do meu marido. Com pelos pubianos mais espessos.

Peguei naquela rola, acariciando, sentindo ele pulsar de tesão. Agachei, beijando a glande. Mal coloquei a cabeça na boca, Juninho começou tremer, empurrando o quadril para frente. O garoto já estava para gozar. Eu queria ele dentro de mim. O problema é que não tinha nenhum preservativo à mão. ¨Que droga!¨, pensei.

Minhas regras estavam irregulares, havendo risco de engravidar. Juninho me agarrou e por instinto, tentava meter de forma desajeitada, estocando no meio das minhas coxas. Sentir aquele falo juvenil inchado procurando a penetração, era até comovente.

Na hora, já sem raciocinar direito, tomada pelo desejo, resolvi que deixaria ele tentar atrás. Puxei o rapaz até o banheiro, peguei um creme que uso para pentear os cabelos e lambuzei a sua piroca. No espaço exíguo, com ele de costas para a parede, entrei na sua frente, me apoiei na pia empinando a bunda. O pênis encaixou no vale das nádegas.

- Vem, mete, vai.

Ordenei. Ambos inexperientes, a cabeça chegava a tocar o botãozinho e escorregava. Depois de pegar e direcionar varias vezes sem sucesso, segurei firme com a cabeça na entrada e pedi:

- Vai, empurra!

Juninho obedeceu. A cabeça passou, abrindo minhas pregas virgens. O susto foi maior que a dor, me levando a contrair o esfíncter, gritando um sonoro ¨-Áii¨. A reação foi fugir com o quadril para frente, me desengatando desesperada. O velho pavor do sexo anal tomou conta de mim.

Virei, peguei na sua rola e comecei a masturbar. Ia fazer ele gozar na minha mão. Porém, pensei que aquele momento ficaria eternizado na memória daquele garoto. Em como uma mulher madura o seduziu e covardemente, correu na hora do vamos ver. Senti vergonha.

Decidi que seria naquela hora ou nunca. Procurando me acalmar, passei mais creme no cuzinho e também no mastro do Juninho. Me virei de costas para ele e tentamos novamente. Desta vez, segurei e fui afastando a bunda, sentindo que a cabeça passou, causando uma dor suportável.

Segurando a vontade de desistir, fui me deixando penetrar, pouco a pouco, sentindo o avanço ardido. A sensação era bem esquisita, o inverso de quando evacuamos. Ao pouco fui acostumando com aquilo empalado dentro do meu buraquinho virgem.

Parece que todos os sentidos estavam ali, o cilindro de carne viva quente, forçando que as paredes estreitas alargassem, dando espaço à sodomização. Já não era dor. Mais ardência de contato do bilau, esfregando na pela interna sensível e arregaçada.

Antes que eu pedisse, o garoto começou a meter. O entra e sai era algo diferente de tudo que havia sentido na vida até então. Mesmo com certo incômodo, um prazer diferente tomou conta de mim. Já nem me importava com ele aumentando o ritmo, estocando com rapidez.

Pensamentos voavam na minha cabeça. De que então aquilo era o temido sexo anal. Não tão ruim como eu pensava. Aliás, estava até gostoso. Juninho brincava de pistão colocando tudo na minha empinadinha. Arfando, mãos crispadas como garras segurando minhas ancas.

Parecia temer uma nova fuga de minha parte. Passamos a gemer, ele de prazer e eu, sei lá, soltando todo ar, ao ritmo de cada saída e nova carcada forte, o baixo ventre do menino batendo ao encontro do meu traseiro volumoso. Parecia um garanhão cobrindo a égua.

Juninho acelerou a cópula e logo gozou, enchendo meu buraquinho de gala. Tanto que senti a coisa morna, lá no fundo, inundando meu ânus. Deu para sentir sua espada todinha enterrada, pulsando dentro do meu cuzinho judiado.

Nos lavamos e depois, já sozinha, tive um orgasmo incrível manipulando o grelhinho. Relembrando a experiência incrível da primeira vez que dei ali atrás. Ainda sentindo dorzinha persistente, que já deixava saudade.

Dias depois, acabei dando para meu marido também. A partir daí, de vez em quando, fazemos anal. Moacir ficou maravilhado por ter em mim a esposa completa. Sem saber que o primeiro a meter ali, acabando com meu trauma anal, foi um garoto com idade para ser nosso filho...

****************

PS> Autorizei a divulgação enviar minhas fotos para quem deixar e-mail nos comentários.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/02/2019 02:57:40
muito bom dez com louvor
06/02/2019 22:10:25
Para todos daqui pra baixo que deixaram o email, eu enviei o vídeo deste conto
06/02/2019 07:57:30
Sou seu Fã....Leio todos seus contos....Minha Escritora favorita....Adoraria conversar com Vc.....marcos198229@gmail.com
06/02/2019 07:56:11
Delícia de Conto.....marcos198229@gmail.com
02/02/2019 21:04:02
Delicia de conto.
28/01/2019 06:46:18
Gostaria de receber seus vídeos e fotos.. mfossebastos@gmail.com
28/01/2019 06:25:00
Muito bom!
26/01/2019 20:57:43
Arielfps@gmail.com, Mallu aguardo seu email sou o Feh Moreno
22/01/2019 16:42:38
Para todos daqui pra baixo que deixaram o email, eu enviei o vídeo deste conto
22/01/2019 12:47:36
Uma delicia de conto, quero saber mais das suas aventuras. gaiamum75@gmail.com
02/01/2019 09:35:22
Gostei muito. Assim, fuder é delicioso. Pena que o moleque não te meteu muito mais
01/01/2019 00:29:07
DENTRE MAIS DE CENTO E CINQUENTA MIL CONTOS, ESTE CLÁSSICO É O CAMPEÃO (1), O MAIS COMENTADO DO SITE, COM 592 VOTOS. Muito bem escrito, merece a nota máxima.
14/12/2018 17:18:53
Delíciaaaaaaaaaaaaaaaa. Um Rabinho empinado é bom D ++++ cslgangfantazy@gmail.com
12/12/2018 15:23:07
Para todos daqui pra baixo que deixaram o email, eu enviei o vídeo deste conto
12/12/2018 14:06:34
Maravilhoso conto, Mallu. Adorei sua história e vou ler todos os outros, parabéns! Contos com iniciação de rapazes me excitam pois me imagino na pele deles. Adoraria ver suas fotos, envie para duduba2012@hotmail.com.lBeijos!
03/12/2018 13:33:57
Que delicia malu, o menino nunca mais vai esquecer esse dia. ótimo conto
02/11/2018 07:31:00
Muito bom. Estou curtindo bastante os seus contos. robsonsaxa@gmail.com
02/11/2018 01:25:40
Boa Noite Malu, Eu já tinha lido esse conto sim e tbm comentado mas acabei relendo o conto inteiro... É muito excitante! Esse negócio de sexo anal deixa nós homens loucos!! Inclusive tinha uma amiga que dizia que isso de homem querer comer cu era coisa de homem que queria dar e não assumia kkkk A teoria dela podia ser boa mas ela tinha uma bunda sensacional. Um dia eu fui decidido a explorar regiões inexploradas, caprichei nas preliminares até ela ficar acesíssima e consegui... Ela curtiu e repetimos algumas vezes. Qualquer dia voou postar essa estória aqui na casa :- ) Referente sua pergunta lá no meu conto, sobre a ópera que o Hugo cantou, na época eu não sabia. Mas a coisa de 2 anos atrás, mais ou menos, fui com minha mulher e filhos no teatro municipal assistir Israel no Egito, de Handel, uma montagem muito legal, na qual incluíram um telão ao fundo com cenas do êxodo e legendas. Já quase no final entrou um tenor e começou a cantar. Tive a impressão que a música era familiar e de repente veio a memória. Bateu uma saudade da Helga. Naquela noite minha mulher sofreu kkkk Então, o trecho que ele cantou, se minha memória não me pregou uma peça, foi de Handel, já no final da obra, mas não sei dizer exatamente o nome do trecho. Porque a curiosidade ? Você gosta de ópera?
28/10/2018 21:47:30
Muito bom
27/10/2018 21:01:02
Malu amei sua história, me deixou excitado com um maravilhoso TESÃO. E também amei sobre as fotos gostaria de ver. Um beijo enorme para você. E me preparando para ver seus outros contos.😍😘😗😙😚