Casa dos Contos Eróticos

Eu, minha mulher, inversão de papéis e um travesti

Categoria: Heterossexual
Data: 14/12/2009 14:48:25
Nota 9.50
Ler comentários (12) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Eu e minha mulher somos muito liberais e criativos entre quatro paredes, não temos segredos e compartilhamos inúmeras fantasias, posso dizer, que não temos limites e damos vazão a todos nossos desejos, por mais bizarros que sejam.

Eu tenho 44 e ela 42 anos com corpinho que muita mulher de 20 anos não tem, estamos juntos a quase 3 anos e desde que nos conhecemos nossa vida sexual melhora a cada dia, somos insaciáveis e sempre buscamos mais e mais sensações e prazeres, ela é uma verdadeira puta na cama, é a mulher que sempre sonhei ter a meu lado.

Muito bem, um ano após nos conhecermos, já cansados do sexo total do dia a dia, juntos descobrimos a prática da inversão de papéis, para quem não sabe, é a prática sexual onde a mulher assume o papel de homem, passando a penetrá-lo, como uma putinha, ela passa a ser ativa e ele passivo. Foi uma grata descoberta, ela ao penetrar-me com um dos vários consolos e cintas que temos, sente-se um verdadeiro macho, e sempre goza quando está me fodendo e eu descobri como é gostoso dar o cuzinho, uma sensação que só sabe como é prazerosa, quem já provou, é simplesmente viciante.

Desde que descobrimos a prática da inversão de papéis, fazemos acontecer na maioria de nossas transas que chegam a durar a madrugada enquanto fodiamos, ela me dizia que eu deveria experimentar um pau de verdade, quente latejante no cú.

Eu sempre manifestei vontade, porém, por não ter atração e tesão por homens, ela sempre respeitou e não insistiu, no entanto numa de nossas fodas, enquanto ela me comia o cú, cogitou que poderiamos foder um travesti, que era uma “mulher” com um pau e serviria aos dois, a idéia me encantou e passamos a fantasiar a possibilidade.

Apesar da fantasia, nunca tinhamos fodido com uma terceira pessoa, e ainda nos assustava a possibilidade de contrairmos doenças, mas tomamos decisão que iriamos foder com um travesti e ponto final.

No início de setembro, durante o decorrer da semana, ficamos trocando e-mails com muita putaria e disse a ela que queria servi-lá, como bem entendesse, que faria tudo que ela determinasse. Quando chegou na sexta feira, ela de forma direta escreveu, determinando que queria me ver sendo fodido e ela também ser fodida por um travesti. Meu coração foi a mil e não via a hora do sábado chegar.

O tão esperado sábado chegou, dispensamos as crianças, e ficamos com a casa só para nós, compramos vinhos, incenso e petiscos e na cama bebendo, enquanto trocavamos carícias, falavamos a respeito do travesti.

Após algumas taças de vinho, ela colocou um vestidinho de malha fina, sem nada por baixo, pegamos o carro e nos dirigimos até a avenida Indianópolis, aqui em São Paulo, em busca de nossa boneca perfeita, no caminho discutiamos como “ela” deveria ser, eu sugeri que deveria ter um pau grande, pois como o meu é de médio a pequeno, 14 cm, gostaria de vê-la sendo fodida por uma rola grande, ela indagou se eu aguentaria e eu respondi que sim, pois ela já haviamme fodido com consolos grandes.

E nossa seleção começou, rodamos por mais de 1 hora, até avistarmos uma boneca de 1,60, uns 55 kg, cabelos negros, rosto delicado e muito feminina, enfim, uma princesinha.

Encostamos o carro e ela sentada do lado direito, chamou e boneca e perguntou o nome e se fazia programa com casal, e ela delicadamente respondeu que sim e que adorava trepar com casais, debruçada no vidro enquanto conversavamos, a boneca, colocou a mão dentro do carro e por baixo do vestido de minha mulher e disse, nossa que bucetinha depilada macia e molhada, e ela delirando de tesão, perguntou ao travesti sobre seu dote, o travesti por sua vez, levantou a saia afastou a calcinha e mostrou sua rola, era um pau maravilhoso, cons uns 18 cm, porém grosso e com uma cabeça grande o rosada que mais parecia uma maçã, fomos ao delírio e pedimos que entrasse no carro, nos dirigimos até nossa casa.

Tão logo chegamos, fomos para a cama como cães no cio, abrimos um vinho e começamos as carícias, minha esposa passou a beijar Melissa e aos poucos a despiu, libertando aquele pau maravilhoso, ela tb ficou toda nua e pediu que eu me despisse, em seguida ela tomou aquele caralho na mão, meus olhos brilhavam vendo aquela cena, e passou a chupá-lo, ficou rijo como Madeira.

Na squência ela me disse, amor segura esse pau e sente como é gostoso, e peguei pela primeira vez num pinto que não era o meu e muito maior, aquilo foi maravilhoso, como era quente, cheio de veias, ai ela mandou que eu chupasse e eu sem pestanejar, cai de boca, mamando naquele pau como se fosse o último do mundo, que tesão que foi, em seguida ela passou a chupá-lo também, disputando-o comigo com sua boquinha.

Com o travesti ainda deitado, ela colocou uma camisinha no pau dele e sentou em cima, a visão daquela cabeçorra arrobando sua buceta foi um delírio, equanto ela cavalgava no travesti, eu lambia o saco dele que era grande e balançava muito, depois e trocou de posição e pediu para eu foder o cú dela enquanto a boneca fodia sua buceta, ela delirou com dupla penetração e eu sentindo o pau do travesti junto com o meu, na parede do reto dela.

Em seguida ela mandou que eu ficasse de quatro, posicionou o travesti atrás de mim e pegando na pica dele, começou a pincelar meu cú, passou lubricante e aos poucos foi me enterrando aquela cabeçorra, doia, mas o prazer era maior, indescritível, depois que o pau entrou todo, ela passou a me beijar na boca sussurando, vai minha putinha rebolha pro seu macho, o tesão dela era tão grande que sua secreção vaginal, escorria pela perna.

Depois de muito me foder, senti que o pau da boneca começou a inchar e latejar, quando senti os espasmos e a camisinha enchendo de porra, minha mulher ao me ver gozar já com um consolo grande enterrado na buceta, também chegou a climax, gozando como nunca, eu gozei com aquee cacete enterrado no meu cú. Foi uma madrugada maravilhosa e amamos aquela boneca cujo nome era Melissa.

Este conto é real e não uma criação, esperamos que tenham gostado, agora estamos buscando uma mulher, uma amiga de verdade uma “namoradinha” para nós, para compartilhar todas a fantasias acima relatadas e outras que juntos venhamos a descobrir, ela é bi iniciante, mas decidida, caso alguma leitora de São Paulo e região, ou que esteja de passagem pela cidade e tenha interesse, nos escreva, temos fotos do corpo e seremos francos e objetivos, nosso e-mail: casal4341sp@hotmail.com.

Comentários

13/02/2018 11:06:49
Show de conto, muito bem narrado. Parabéns. O importante é experimentar tudo no sexo, para saber o que realmente dá prazer. Isso tudo é fugir das regras hipócritas impostas pela sociedade. Nota máxima para vcs e muito agradecida pela leitura do meu conto. Bjs, Val.
02/02/2018 22:58:57
Ótimo conto, muito bem narrado. Dentro de quatro paredes, o que importa é o prazer. Eu e minha mulher na próxima ida ao Brasil vamos experimentar algo assim também. Eu já tenho transado com trans, apesar da primeira vez ter sido um desastre (narrei aqui). Grato pela visita. Tem outros relatos que talvez lhe agrade. Abs.
19/03/2014 13:48:17
Maravilhoso, quero muito realizar um dia! PARABENS
09/05/2013 00:51:49
O conto é lindo casal, e a intimidade é admirável... bjs.
06/03/2012 11:23:16
Show de conto, é meu sonho.
05/01/2012 21:52:47
sou de santa catarina que tal eu ser este travesti para nos chuparmos que acha meu email mbz3286@ig.com.br
03/10/2011 22:31:48
Delicia total. alexandre_pica@hotmail.com
06/01/2010 14:25:46
adorei ta de parabens, amigos isso é tudo de bom muito bem relatado
26/12/2009 12:19:52
ADOREI DEU VONTADE DE EXPERIMENTAR
20/12/2009 17:51:22
Casal, se for verdade é maravilhoso! Estarei de férias em janeiro. Se querem procurar juntos novas aventuras, estou dentro!!!
PF
15/12/2009 12:15:09
Esta sempre foi minha fantasia, mas nunca tive a oportunidade de realiza-la. Parabéns.
14/12/2009 18:27:41
Parab´ns pela coragem, ótimo conto

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.