A Sílvia me salvou

Um conto erótico de Gilson
Categoria: Grupal
Contém 502 palavras
Data: 10/07/2024 09:38:51
Assuntos: Anal, Cuckold , Grupal, Oral

Era aniversário da minha esposa, e ela insistiu que deveríamos ir à nova boite da hora que tinha inaugurado na cidade vizinha, sinceramente não estava afim, mas era o dia dela, compulsoriamente concordei, embora tivesse sugerido em ela ir com a amiga.

Valeria já tinha bebido na hora do almoço na churrascaria que fomos almoçar, o aniversário caiu no sábado, completava quarenta anos, a preta estava linda, muito gostosa minha esposa, estamos casados a quinze anos, ela só se perde na bebida, no resto se cuida, dona de uma bela rabeta.

Eu sou Gilson, moreno, franzino, nosso casamento já teve altos e baixos, traições dos dois lados, e reconciliações, enfim, levamos a vida como ela é.

À noite, Valéria estava visivelmente alta, bebeu o dia todo, colocou o vestido mais justo e curto que tinha no armário, e lá fomos para tal balada, quando entramos no estabelecimento colocamos o esqueleto pra balançar, músicas da nossa época acredito que era dia de flashback, dançamos muito, bebemos mais, e encontramos com a sua amiga de infância que nunca falta as suas comemorações, Silvia, as duas ora sumiam, ora apareciam, e eu atendendo o tal desejo da minha mulher.

O DJ cantou parabéns para os aniversariantes da noite, a turma ficou eufórica, tinham outras pessoas comemorando por lá, estava bem lotada a casa.

Voltamos pra casa, Silvia dormiu na minha casa, e pela manhã foi embora, e a Valéria com uma puta ressaca, tomando café da manhã disse que a Sílvia a salvou na noite anterior, tentei entender o que tinha acontecido, e ela falou que entrou no banheiro errado, e tinham quatros carinhas que lá estavam, pegaram ela, colocaram ela pra mamar, e ela mamou os quatros, fecharam a porta do banheiro, e comeram ela também, a Sílvia disse que entrou pq não me achou no banheiro feminino, e como tinha dito que iria urinar, ela voltando não me viu do seu lado, pra não causar constrangimento, ela aventurou entrando no banheiro masculino, forçou a porta e viu eu sendo penetrada e chupando os outros, e ela me tirou de lá, e me levou ao banheiro feminino e limpou meu rosto estava muito sujo de porra, e ajeitou a minha roupa, vestido estava fora do lugar.

Ouvi aquilo tudo e perguntei-lhe pq relatório, já que não tinha visto, segundo pq se ela gostou e concordou, o que eu poderia fazer?

Valeria foi categórica, falei pq eu tinha essa fantasia sexual e sem premeditação, a realizei, e alguém pode ter filmado e você receber o vídeo da tua mulher sendo enrabada por quarto, não causando nenhuma surpresa.

E com a violência na hora e a rapidez, já que um saia o outro me pegava, espécie de ciranda do sexo, estou com minha ppk muito assada e meu rabinho machucado.

Mais uma vez perguntei a razão pra saber tudo, se ela gostou não poderia fazer nada.

Ela foi deitar e eu fui fazer o almoço, já que minha esposa estava muito maltratada.

Até o próximo aniversário.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 10 estrelas.
Incentive Negão_RJ a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaNegão_RJContos: 191Seguidores: 80Seguindo: 6Mensagem Gosto de Ler, Gosto de Escrever

Comentários

Foto de perfil de Maísa Ibida

Quente e direto, gostei de seu texto, aliás vejo potencial para mais detalhes afinal, sua aniversariante esposa parece ser decididamente fogosa, votaddsmo

1 0