A Calcinha da Cunhada

Um conto erótico de Sommelier
Categoria: Heterossexual
Contém 544 palavras
Data: 09/07/2024 15:18:02

Olá, pessoal!

Direciono esse conto a todos que possuem uma tara em suas cunhadas e que amam o cheiro das mulheres.

Sábado. Verão. Calor. Uma cunhada deliciosa. Receita perigosa.

Estávamos visitando minha sogra, um amor de pessoa, mas meu maior interesse era na minha cunhada: Morena clara, cabelo curto, olhos e sorrisos de safada. Baixa, magrinha e um corpo perfeito. Não é o meu tipo, gosto de mulheres mais "cavalonas", mas minha cunhada e seu olhar sacana me desperta um tesão indescritível.

Além de ser um incurável fã de mulheres, minha tara se estende também aos seus cheiros. Mulheres são cheirosas por natureza e até seu cheiro natural me excita. Logo, mulheres suadas também chamam minha atenção: O aspecto de sua pele brilhando com o suor, o cheiro, o gosto, tudo isso me enlouquece.

Nesse dia, o calor estava absurdo, mais de 40 graus. Após acordar, minha cunhadinha resolveu tomar um refrescante banho e vestir um pequeno top e um microshort jeans. Mal podia olha que meu pau endurecia. Trocamos algumas palavras e ela precisou sair.

Depois de meia hora retornou, prendendo os cabelos e indo tomar outro banho. Ao sair, minha esposa a abordou rindo: Mana acho q vc vai sair de novo! Esqueci algumas coisas para a sobremesa do jantar.

Ela não relutou, pois adora sair, apenas colocou outra roupa e as duas seguiram rumo ao mercado. Meu instinto primitivo me guiou automaticamente para o banheiro e nele, ao cesto de roupas sujas.

As roupas delas estavam quentes, assim como o dia, assim como eu, assim como minha pica, que latejava só de ansiedade de sentir o cheiro daquela fêmea deliciosa.

Estava correndo perigo, mas o tesão era maior: fiquei pelado e agarrei primeiro seu top. O cheiro de suor, a umidade, o sal do seu corpo na minha boca me fizeram gemer de êxtase. Agarro meu pau, absurdamente duro e pulsante e começo a punheta-lo devagarinho, enquanto sinto o cheiro da minha deliciosa cunhada e me imagino lambendo e chupando seu corpo suado. Fui para a melhor parte: o shortinho e a calcinha.

Sua calcinha fio dental estava molhada de suor. O cheiro era suave e o gosto tão bom quanto. Só conseguia me imaginar com ela de 4 e eu lambendo aquela bucetinha deliciosa ouvindo sua voz delicada gemendo e pedindo mais. Os shorts, por serem curtos, tinha o mesmo cheiro maravilhoso.

Estava muito difícil segurar, nunca havia feito nada assim. O tesão e o medo tomavam conta de mim, mas não conseguia parar. Sentia meu corpo pronto para gozar litros de porra bem quente, mas queria prolongar o momento. Esfregava a calcinha no meu rosto e fiquei embriagado de prazer, tanto que me permiti gemer alto como se estivesse penetrando aquela buceta inchada e molhadinha.

Segurei o possível, mas mesmo punhentando devagar, quis me permitir gozar deliciosamente. Comecei a gemer, e senti minhas pernas ficando fracas e gozei imaginando estar leitando a buceta da minha cunhada. Fazia tempo que não jorrava tanto leite assim do meu pau: Lavei a parede do banheiro com porra.

Fiquei com o cheirinho dela alguns minutos no meu rosto e me lavei para não deixar vestígios.

Tenho várias histórias deliciosas para compartilhar com vocês! Beijos e abraços!

Amem e dêem prazer para suas mulheres.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 10 estrelas.
Incentive Sommelier a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Mister Safado

Amo sentir cheiro de xoxota na calcinha.

1 0
Foto de perfil genérica

Ou o cheirinho de suor? A mistura dos dois é absurda de deliciosa. Espero que tenha gozado gostoso lendo o meu conto. Abraço!

0 0