Menina do Escritório - Capítulo 19: Contratada

Um conto erótico de Zur
Categoria: Crossdresser
Contém 1415 palavras
Data: 09/07/2024 02:59:29

Assim que entro em casa, aproveito para ir ao banheiro tirar o plug antes que Bia perceba. A sensação de liberdade ao remover o plug é imensa, ele sai suavemente, e uma onda de alívio se espalha por mim.

Depois de me livrar do plug, o guardo com cuidado e decido dar outra olhada no celular para ver se houve alguma novidade no grupo da empresa. Minha mente continua cheia de preocupações enquanto procuro por um sinal das minhas fotos de lingerie.

No entanto, até agora, nada. Nenhuma nova mensagem, nenhum sinal das fotos. A ausência de qualquer atividade no grupo só aumenta minha ansiedade. Estou preso em um estado constante de preocupação, sem saber quando ou se Sofia vai cumprir sua ameaça.

Com um suspiro, guardo o celular no bolso e saio do banheiro. Bia está na sala, sentada no sofá, mexendo no telefone. Ela olha para mim e sorri quando me vê, e meu coração dá um salto ao perceber como ela é incrível. Mesmo com tudo que está acontecendo, ela ainda consegue me fazer sorrir.

Me aproximo dela e me sento ao seu lado. "Amor, o que está vendo?”, pergunto, tentando manter a conversa leve e normal.

Ela sorri, mostrando a tela do celular. "Só estou vendo umas ideias para amanhã. É dia dos namorados, lembra? Estou pensando em um lugar bem romântico para irmos almoçar. Depois, talvez eu até destranque esse cadeadinho do meu bebê… Talvez…”, responde ela, seu risinho gracioso.

Essa semana foi tão maluca que até tinha esquecido que amanhã era sábado de dia dos namorados.

“Ah, é verdade! Dia dos namorados… Seria ótimo sair para almoçar.”, comento, com um sorriso. A ideia de passar um momento romântico com Bia é reconfortante. Principalmente com toda essa confusão que estou passando.

Bia sorri, seus olhos brilhando de felicidade. "Ótimo! Então vem procurar comigo!”, Bia me convida aos braços dela. “Estava pensando em irmos num fondue. O que acha?", ela sugere, sua voz cheia de empolgação.

“Parece ótimo!”, respondo, genuinamente animado com a ideia. Eu estava realmente precisando esfriar a cabeça. Pego meu celular para ir procurar ao lado dela.

No entanto, a primeira coisa que vejo quando pego o celular é uma notificação de mensagem de Sofia. Meu coração dá um salto de ansiedade.

Respiro fundo, tentando conter a ansiedade enquanto guardo o celular no bolso. Preciso abrir essa mensagem com privacidade, sem que Bia perceba.

"Amor, desculpa, surgiu uma urgência do trabalho e preciso ir lá para o quarto para resolver", digo rapidamente, tentando parecer convincente.

Bia me olha com surpresa. "Mas já? Você acabou de chegar. Está tudo bem?", pergunta ela, sua expressão cheia de dúvida.

"Sim, sim, está tudo bem. Só vou resolver isso rapidinho e já volto, prometo", respondo, tentando parecer tranquilo.

Ela parece hesitar por um momento, mas finalmente assente com a cabeça. "Tudo bem então. Eu vou procurando, bebê, diz ela, sua voz suave.

“Sim, depois você me fala...”, respondo soando um pouco tenso. Saio da sala e me dirijo ao quarto, onde finalmente posso verificar a mensagem.

Com mãos trêmulas, pego o celular e abro a mensagem. Para minha surpresa e alívio, Sofia não compartilhou nada no grupo da empresa. Em vez disso, a mensagem é direta para mim.

“Ei, Leozinho... o que aconteceu? Você fugiu tão rapidinho... Ficou com medo dessa bucetinha, é? 😏”, Sofia manda um nude logo em seguida da mensagem.

Não consigo ficar ser apreciar a bela bucetinha de Sofia, Seus lábios, escuros e suculentos, estavam levemente entreabertos, convidativos a explorar cada centímetro com avidez.

“Não, Sofia, não é isso… É que eu não podia fazer isso com a Bia… Mas não compartilhe as fotos com ninguém, por favor” Imploro sem contensão.

“Relaxa, gatinha, eu só estou brincando. Eu vi o quanto você estava querendo, estava até se molhando na calcinha a danadinha 🥵”, Sofia está num tom leve, começo a achar até estranho, numa hora dessas eu já achava que minha vida estaria arruinada.

“Então você não vai compartilhar as fotos?”, pergunto esperançoso.

“Não, docinho, magina que eu puniria uma menininha por ser tão doce e fiel, suas fotos estão seguras comigo, Leozinho… Por enquanto 😉”, Não consigo entender quais as intenções de Sofia.

Sinto um alívio momentâneo, mas a ameaça implícita em suas palavras me deixa preocupado. Sinto que não posso baixar a guarda.

“Obrigado, Sofia... Eu… Eu não sei como te agradecer”, digito, sentindo um misto de alívio e incerteza.

“E nem precisa, nós somos amiguinhas de lingerie lembra? E amigas não fazem coisas para as outras por interesse, elas fazem de boa vontade…”.

Não sei o que responder para essa mensagem de Sofia, mas como ela continua digitando, espero ela acabar. “Por falar nisso… Bem, minha casa está uma bagunça e estou precisando dar uma limpeza amanhã, mas sou péssima nisso, estava pensando em chamar uma amiga para ajudar. Você pode me ajudar, Leleo?”

Respiro fundo, tentando controlar a ansiedade que ameaça me dominar novamente. A ideia de passar mais tempo com Sofia me deixa desconfortável, especialmente considerando toda a confusão que ela causou.

“Sofia, eu... Eu adoraria ajudar, mas amanhã é dia dos namorados e eu já tenho planos com a Bia. Desculpa...”, digito, esperando que ela entenda.

A resposta de Sofia não demora a chegar, e minha ansiedade só aumenta ao ler suas palavras.

“Ah, que pena... Mas tudo bem, eu entendo. Aproveite seu dia com a Bia, Leozinho. Bom, tenho que ir, tenho que compartilhar um negócio no grupo da empresa… tchau tchau…”, diz ela, sua mensagem ameaçadora.

Sinto como se estivesse preso em um jogo do qual não sei as regras, e Sofia parece estar ditando cada movimento.

“Sofia, espera! Eu acho que posso encontrar um tempinho para te ajudar… Eu posso ver com Bia para sairmos mais tarde…”, respondo aceitando sua chantagem.

A resposta de Sofia chega rapidamente, e sua ironia me dá um arrepio.

“Que bom que mudou de ideia, Leozinho... Não se esqueça do plug que a 'Bia' te deu! 😉 Vou amar sua visita. 😘”, ela responde, o tom sugestivo em suas palavras.

“Tchau, Leleo, até amanha!” Sofia se despede de uma forma amistosa, como se não tivesse acabado de me chantagear.

Após a conversa com Sofia, sinto um peso enorme sobre meus ombros. A sensação de estar preso em uma situação que foge ao meu controle é avassaladora. Decido então voltar para a sala e enfrentar Bia, mesmo sabendo que terei que mentir para ela novamente.

Ao entrar na sala, encontro Bia toda animada, segurando o celular com um sorriso radiante no rosto. Ela mal percebe minha expressão tensa quando me aproximo.

"Amor, encontrei um restaurante de fondue super legal para almoçarmos amanhã!", Bia anuncia assim que me junto a ela.

Sinto um nó no estômago. "Bia... Eu preciso falar com você sobre amanhã...", começo, tentando encontrar as palavras certas.

Ela olha para mim com uma expressão curiosa. "O que foi, amor? Aconteceu alguma coisa?", Bia pergunta, preocupada.

"Sim, infelizmente surgiu um problema no escritório e eu vou ter que trabalhar amanhã. É uma emergência e não posso evitar...", digo, sentindo-me terrível por ter que mentir para ela, mas sabendo que não tenho outra escolha.

Bia parece desapontada. "Ah, sério? Mas amanhã é Sábado. E ainda é Dia dos Namorados. Íamos passar o dia juntos…”, ela murmura, com uma nota de tristeza na voz.

"Eu sei, eu sinto muito...", respondo, sentindo o peso da mentira pesar em minha consciência.

Bia suspira. "Tudo bem... Podemos fazer nosso encontro de noite, então?", ela diz, tentando sorrir para mim.

“Claro, podemos jantar!”, respondo tentando animá-la.

Eu me sinto péssimo por ter que mentir para Bia, mas também aliviado por ter evitado contar o real motivo da minha falta amanhã. Só espero conseguir resolver essa situação com Sofia o mais rápido possível.

Após a conversa com Bia, nos preparamos para dormir. Ela parece um pouco desapontada com a mudança de planos para o Dia dos Namorados, mas ainda assim me abraça com carinho, demonstrando compreensão.

"Você não vai escapar tão facilmente, menininha… A gaiola vai ficar aqui até a gente terminar o nosso encontro amanhã.”, Bia sussurra com seus lábios rocando na minha orelha. Ela me provoca, passando a mão suavemente pela minha virilha e sentindo a gaiola de castidade.

“Mmm… Sim eu sei…”, mesmo frustrado fico feliz que Bia tenha se animado um pouquinho antes de dormir.

Espero que tenham gostado. Se quiser ler esse e mais contos com imagens é só acessar o meu Blog: https://contosdefeminizacao.blogspot.com/

Comentem o que acharam!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 8 estrelas.
Incentive Zur a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

boa noite,tomara,que Sofia te faça de empregadinha na ajuda que darás a ela,ia ficar bem excitante o conto,kkk

0 0