Fabricio conhece Abner e se transforma em Trans

Um conto erótico de Fabricio
Categoria: Gay
Contém 1344 palavras
Data: 08/07/2024 21:55:27

Depois daquela tarde sendo usado e abusado, (alias eu diria abusada e usada, pois eu quando estava nos braços de meus dois machos, me sentia uma putinha e das mais safadas) não pensem que a noite passei em branco não, foi só minha mãe e a dele dormirem que ele trancou a porta do nosso quarto, me agarrou na cama e me pegou gostoso de frango assado e olha que gozei deliciosamente com meu primo marido.

Sem falar que de manhã ele me acordou me avisando que a mãe dele e a minha haviam saído para exames e consultas e só retornariam após o almoço e me despiu, me fez vestir o vestido preto de alcinha e fomos tomar café comigo usando apenas o vestido, sem nada por baixo.

Tomamos o café e ele me disse:

“Agora quero ver minha esposa lavar a louça do café da manhã, vou aprecia-la na pia.

Obedeci com prazer e assim que comecei a lavar os pires e as xicaras, ele me encochou por trás, senti aquele cacete duro dentro de seu pijama e ele me passou a mão por todo meu corpo parando com uma mão sobre meus mamilos e me beijando o pescoço apertou o mamilo e sussurrou:

“To doido para ver esses peitinhos e dar uma chupadinha, to doido primo, você é minha sabia, quero te foder a todo instante, você me deixa louco de tesão, nossa que vontade de meter “

Eu respondi:

“Acabei de abrir as pernas, estou prontinha para ser usada, vai marido tarado, tira esse cacete para fora, levanta meu vestido e me fode, também não aguento de vontade de dar e ser usada”

Senti o vestido ser levantado, arrebitei a bunda e já com as pernas abertas senti aquele poste grosso e enorme começar a me penetrar, nossa eu tremia de tesão e desejo e ele me fodeu ali mesmo comigo em pé na pia e que delícia ser a putinha dele, gemi gostoso naquele cacete e gozei gostoso com ele gozando também.

Depois fomos tomar um banho pois minhas coxas estavam meladas do gozo dele e no chuveiro lavei aquele cacete enorme e duro e paguei um delicioso boquete que se deliciou.

Depois do banho meu primo disse que iria visitar um amigo que se mudara para capital e me convidou para ir junto e aceitei, deixamos um recado para nossas mães e pegamos um taxi até o apartamento desse amigo.

Seu amigo se chamava Abner, estudava e morava num apartamento na Vila Mariana, assim que chegamos ele nos recebeu.

Abner era alto, ruivo, olhos verdes, nos recebeu sorrindo e meu primo me apresentou:

“Amigo este é Fabricio meu primo de quem lhe falei, creio que ele vai se realizar conhecendo sua namorada Bia”

Abner nos fez entrar e fomos até a sala onde estava Bia, loira, linda que vestia um top e uma mini saia, exibindo suas pernas que me abraçou e me beijou o rosto dizendo:

“Ah então você é Fabricio que tanto o Pedrinho nos falou esses dias, hein, ah venha comigo que tenho muito que conversarmos, vou te deixar especial”

Eu percebi que Bia era uma trans., gelei, temi de medo e ao mesmo tempo curioso que era queria saber de tudo e ela me alou que estava vivendo com Abner fazia um ano e que também viera do interior como um gay e que Abner a transformara em Bia.

Abriu um armário e foi logo me explicando tudo sobre como ser uma mulher.

Logo eu já estava vestida a caráter, sapatinho, meias tipo arrastão, mini saia, top e para minha alegria maquiada e ainda com uma peruca cabelos curtinhos e loirinha.

Ela pegou minha mão e me conduziu até a sala e quando Pedrinho e Abner me viram arregalaram os olhos e foi só elogios.

Sentei numa poltrona diante de Pedrinho e Abner e percebi que ambos me comiam com os olhos e foi Bia quem falou:

“Bom Pedrinho você a descobriu e eu a embelezei, mas lá no interior foi você que tirou minha virgindade antes de me entregar para seu amigo, creio que nada mais justo que ele seja o primeiro com ela agora e você comigo, já combinamos eu e ela, tudo bem assim”

Pedrinho concordou e Abner se levantou, pegou minha mão e me levou para o quarto.

Era uma cama enorme, linda que eu nunca imaginara que existisse a não ser em filmes, ele me abraçou me beijou e senti um desejo enorme por aquele cara, logo eu me entreguei, ele me dominou, me jogou na cama, começou a passar a língua pelas minhas pernas e coxas, levantou delicadamente a mini saia expondo a calcinha e minhas coxas e loucamente me deu um banho de língua pelas coxas e virilha, depois alisava a calcinha apertando meu pênis e sussurrou:

“Nossa que tesão, está durinho, vou dar uma chupadinha nesse clitóris tesudo.

Ele puxou a cintura da calcinha expondo a cabeça do meu pau e lambeu nem sei quantas vezes, depois deu chupadinhas de leve enquanto suas mãos deliciosas e suaves corriam por meu corpo todo, e enlouqueci e sussurrei:

“Vem sou tua agora, me possua, me fode logo eu to pegando fogo de tesão, quero sentir seu cacete me penetrar logo, vem”

Ele se despiu e pude ver um cacete gigante, enorme, grosso todo depilado e senti medo pois pude ver que era bem maior que o de meu primo e agarrei e dei uma chupada para ter certeza que era bem maior, mal conseguia entrar na minha boca e olhei para Abner e falei:

“Nossa que puta cacete grosso e enorme, eu to com medo, promete ir bem devagar, por favor”

Ele sorriu e disse que eu ia gemer muito, mas de prazer e não de sofrimento e me perguntou que posição eu preferia e falei de frango assado e me deitei, abri as pernas afastei a calcinha e ofereci minha agora cuceta para meu novo macho que posicionou seu cacete lambuzado de gel nele e começou a forçar, eu relaxei e não demorou senti a dor dele me abrindo, doeu muito, mas resisti a essa dor e o deixei me penetrar, senti cada centímetro daqueles 24 entrando e gemi muito de dor e prazer ao mesmo tempo e logo ele estava sobre mim, me beijando-me agarrando e dando estocadas deliciosas me fazendo a mais nova trans. putinha ser usada e abusada e adorei.

Eu estava gozando e gemendo e ele percebeu e me beijou gostoso e senti seu gozo forte, ele estava gozando com aquele puto cacete gigante dentro de mim, eu gozei muito mais ainda.

Ele não saia de cima de mim, apenas me agarrou e nos viramos na cama, fiquei sobre ele com seu poste gigante ainda dentro de mim e ele me beijava, me alisava e meu tesão recomeçou senti um calor subir pelo meu corpo e aquele macho reiniciou as estocadas e senti que estava me fodendo ainda mais e sussurrou:

“Safada vou gozar mais, vai goza também sei que quer isso também, vai vamos se solta sua safada tesuda, gostosa, nossa você é apertadinha hein, isso me deixa louco, to tirando seu cabacinho de novo é, vai goza no cacete do seu macho, vai isso mesmo, vai eu já to quase lá”

Eu senti um espasmo e comecei a gozar e agora gemi alto quase gritando:

“Mete mais to gozando no seu cacete, vai fode mais, isso mete tudo, ai que tesão de cacete...”

Ele começou a gozar e senti junto com meu gozo suas ejaculadas fortes, nossa parecia um cavalo me fodendo e ejaculando e adorei.

Depois levantamos e ele se vestiu e eu também e fomos para sala e ouvi Bia gemendo no outro quarto com meu primo a fodendo e adorei aquela tarde com Abner o dono do maior cacete que me penetrou.

Ele me abraçou e disse no meu ouvido:

“Quando quiser mais é só ligar e vir me visitar, e se quiser morar comigo, te farei minha exclusiva”.

Bom depois conto como minha vida mudou depois daquela tarde....

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 6 estrelas.
Incentive Adrian2006 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Listas em que este conto está presente

2024
Ler depois