Dando pela primeira vez pro Pedro, amigo de infância do meu pai

Um conto erótico de GuySC
Categoria: Gay
Contém 1757 palavras
Data: 08/07/2024 21:51:40

E ai galera. Voltei pra continuar contando como foi o início da minha vida sexual. Seria legal ler os últimos 2 relatos pra entender melhor como cheguei até aqui. Fico feliz com os comentários que tenho recebido, vou tentar trazer mais detalhes. Peço desculpas desde já se as coisas não são super fantasiosas, mas só conto aqui aquilo que realmente aconteceu. Mas vamos direto ao assunto.

Uns dois dias depois que mamei o Pedro, amigo de infância do meu pai e irmão do Ferrão, se eu não me engano era um sábado de manhã, acredito que tenha sido sábado porque eu estava em casa com todo mundo. Eu e a filha do Pedro estávamos brincando na frente da casa dela, daí entramos pra dentro do portão pra jogar bola. Daí a minha irmã chegou e disse que nossos pais iriam sair pra ir na casa de uns tios, mas voltariam perto do almoço ou um pouco depois do meio dia. Ela disse que iria ficar brincando com a gente. Eu via a movimentação dentro de casa, Pedro vinha até a porta, olhava pra gente, sorria pra mim. Mas tudo bem discreto e normal pra quem visse. Ele e a esposa pareciam estar separando as coisas pro almoço, minha amiga disse que iriam fazer churrasco.

Estávamos novamente na calçada de casa e a mãe dela chama, disse que teria que ir na feira e mercado buscar algumas coisas pro almoço, perguntou se nós queríamos ir junto. Minha amiga e minha irmã logo pularam falando que iriam sim, eu disse que iria ficar. Dei a desculpa que iria ficar na casa dos meus avós, que era do lado. Logo elas se arrumaram entraram no carro e foram comprar as coisas, fiquei acenando na calçada. Minha ideia era ficar um pouco sentado ali esperando pra ver se o Pedro iria me chamar. Mas achei que não iria, porque teria o risco delas voltarem logo. Só que a vontade de mamar era grande. Mal sabia eu que naquela manhã eu não iria só mamar, mas iria ter uma rola no meu cuzinho pela primeira vez.

Me levantei da calçada e antes que eu atravessar a rua escutei Pedro me chamando, pediu se eu poderia ajudar ele a montar a churrasqueira de tijolo no fundo da casa. Falou bem alto, acho que era pra disfarçar caso outro vizinho estivesse olhando. Pedro vestia o seu clássico short de futebol, tava sem camisa e com uma latinha na mão. Eu entrei e fechei o portão, fui caminhando até a cozinha. Quando entrei vejo ele parado em frente a pia da cozinha virando a latinha de cerveja, fui descendo os olhos de cima pra baixo, ele tava meio suado, com aquele brilho no corpo que deixa o macho ainda mais gostoso. O peito não tinha pelos, só alguns ralos, a barriga era pequena, naquela época ele não tinha o barrigão de macho que tem hoje em dia. Quando meus olhos chegaram na direção do pau dele vejo que ele tava com o pau pra fora do shorts, só o pau mesmo, o saco tava pra dentro ainda.

Ele colocou a cerveja na pia e disse pra eu ir mamar, que não podia demorar mas ele queria mais um pouco do que teve aquele dia. Caminho até ele e já vou me abaixando, chego bem na frente do pau ele e vejo aquele pau bem duro na frente do rosto, puxo o saco dele pra fora. Comecei a chupar, aquela cabeça era linda e tava brilhando de tão dura, o pau tinha umas veias em volta, não sei dizer o tamanho exato, naquela época era tudo tão corrido e arriscado, sempre correndo o risco de ser descoberto, e eu não me atentava em perguntar essas coisas. Mas sempre que eu relembro ou contava sobre, na minha mente ele não tinha um pau muito grande. Mas vendo o pau dele hoje em dia, tendo a noção que eu tenho, sei que ele tem um pau grande sim.

Fui chupando, fazendo movimentos mais leve com a boca, devido a minha inexperiência as vezes ele dizia pra eu cuidar com os dentes. Ele ia gemendo e dizendo que minha boca era gostosa. Enquanto eu tava ali curtindo aquele pau, ele me perguntou se eu já tinha deixado alguém ver ou brincar com a minha bundinha. Eu respondi que não, então ele perguntou se eu deixaria ele ver. Eu respondi que sim. Ele se afasta, coloca o pau dentro da cueca e disse pra irmos pro quarto dele. Ele deixou a casa toda aberta, acho que pra não levantar suspeitas. E caso a mulher chegasse ouviriamos o carro. Ele foi na frente e eu seguindo. Chegamos no quarto, ele mandou eu deitar de barriga pra baixo na cama. Eu tava com vontade, mas ao mesmo tempo tinha um pouco de medo também, não tava ligado sobre o que realmente iria acontecer.

Deitei de barriga pra baixo, ele tirou o shorts e puxou o meu pra baixo junto com a cueca. Eu tava querendo mas tinha muita vergonha, era a primeira vez que alguem me via pelado. Ele me deixou de camiseta, dizia que eu tinha uma bundinha linda, que era pequena e redondinha. Senti ele abrindo minha bunda, deixando meu cuzinho exposto, na mesma hora escuto barulho de cuspe e sinto algo molhado no meu cuzinho. Automaticamente eu dei uma travada na bunda, ele notando isso deitou em cima de mim, senti o peso dele nas minhas costas. Até aquele momento não tinha recebido muito carinho da parte dele, era mais um lance de carne mesmo. Então ele chega no meu ouvido, começa a beijar meus ouvidos e pescoço.

Ele ficou me beijando, disse que iria brincar com o meu cuzinho, falou que iria doer um pouquinho, mas ele iria deixar bem parado até parar de doer. Falava isso me beijando, disse que quanto mais eu relaxasse, menos dor eu iria sentir. Eu queria dar pra ele, tentei relaxar ao máximo, ele ficou esfregando o pau no meu cuzinho, dizia que tava quente. Falou que ia iria cuidar muito bem do meu cuzinho, que agora seria dele já que ele era o primeiro a entrar ali. Ouvir isso me fazia ficar mais submisso ainda, então dei uma leve levantada no quadril era a deixa que ele precisava. Ele segurou o pau e ficou pincelando no meu cuzinho, o pau forçava mas o meu rabo não relaxava. Ele pediu pra eu relaxar que ele sabia o que estava fazendo.

Sinto ele descendo e sem que eu esperasse sinto a língua dele no meu cuzinho, foi a primeira vez que eu sentia isso, fui ao céu e voltei. Ele tava deixando bem molhado, quando eu relaxei ele subiu em mim novamente. Sinto a cabeça no meu cuzinho e ao mesmo tempo sinto Pedro no meu ouvido, ele mandou eu respirar fundo e forçou a cabeça. Galera na hora doeu bastante, a cabeça tinha entrado, tava sentindo a pressão enquanto ela me alargava. Ele ficou parado e ouvindo os meus gemidos de dor e os meus pedidos pra tirar. Ele vira o meu rosto e me beija. Foi a primeira vez que senti a boca do meu macho, sentia o gosto de cerveja, ele não usou muito a língua, foi tipo um selinho molhado.

Então ele me diz que vai colocar o pau todo, acho que ele lembrou que não podíamos demorar muito porque elas poderiam voltar. Pediu pra relaxar, respirar fundo e soca o pau todo em mim. Não tive nem tempo de gritar, ele já me beijava pra abafar o meu grito. Doeu bastante, quem já deu sabe que a primeira vez dói, pra mim foi estranho porque não tínhamos conversado sobre isso, eu não tinha noção nenhuma sobre sexo. Senti o pau dele me rasgando, ameacei chorar, ele percebeu e começou a beijar o meu pescoço, disse que meu cuzinho tava quente, que era muito apertado. Ficava me chamando de gostoso, falou que iria querer sempre.

Eu sentia o pau dele pulsando no meu rabo, sem querer eu contraia a bunda e ficava apertando o pau, ele gemeu e disse que ia começar e mexer um pouco de leve. Senti ele trazendo o pau pra trás, mas não chegou a deixar o pau sair, trouxe quase todo pra fora e começou a meter fazendo movimentos bem leve. Eu gemia, mas era um gemido de dor, mas com o tempo e a metida dele eu comecei a sentir prazer, percebi que eu tava com meu pau duro também.

Ele ficou um tempo metendo, em nenhum momento ele foi ríspido ou meteu forte, acho até que por isso não doeu tanto como costuma ser pra grande maioria. Ele disse que meu cuzinho era muito apertado, falou que não ia aguentar e iria me encher de leite. Deu mais umas metidas e socou fundo, meteu fundo e gemeu forte. Quase gritou de tesão, ficou ofegante no meu ouvido, sentia o peito dele suado encostado em mim. O pau deu algumas pulsadas. Ele ficou parado me beijando. Perguntou se ainda estava doendo, eu disse que não. Então perguntou se eu tinha gostado, respondi que sim. Ele deu mais algumas metidas como ele tinha acabado de gozar foi deslizando bem gostoso, então e tira o pau e coloca de novo, meteu mais algumas vezes.

Ele disse que tinha sido uma delícia, falou que ia tirar devagar, mas iria doer um pouco. Aos poucos foi puxado o pau, e eu fui sentindo um vazio dentro de mim.

Ele tirou o pau, abriu minha bunda pra ver meu cuzinho, mandou eu ficar deitado, ele foi no banheiro trouxe papel e me limpou. Eu vi que tinha sujado, mas era normal já que não estava esperando que isso fosse acontecer e nem sabia sobre chuca na época. Ele mandou eu me vestir, disse que era pra eu ir pra casa e sentar no vaso, falou que iria doer um pouco pra ir no banheiro, doer pra tomar banho, falou que se eu sentisse muita dor era pra falar com ele que ele me daria uma pomada. E mais uma vez pediu pra que eu não falasse pra ninguém.

Fiz tudo como ele orientou, doeu por uns 2 dias, mas na outra semana já estávamos fazendo tudo isso de novo. Durante todo o tempo que morei naquela casa rolava sempre de dar e mamar ele. Foi meu primeiro e único durante muito tempo.

Espero que tenham gostado, deixem seus votos e comentários, depois volto contando outras experiências que tive.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 15 estrelas.
Incentive GuySC a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários