Meu primo e eu 3

Um conto erótico de Menino
Categoria: Gay
Contém 1192 palavras
Data: 09/06/2024 13:49:14
Assuntos: Gay, Incesto

Subi na cama e sentei na sua frente, quando João me puxa, quase me colocando em seu colo, setado no vaoNtre suas pernas, com as minhas pernas sobre a dele, e a cabeça em seu ombro, sentindo seu membro duro na lateral da minha virilha. “Esta sendo uma putinha obediente sabia? Eu adoro mimar minhas putinhas” enquanto falava, uma de suas mãos acariciava meus peitos, enquanto a outra acariciava minhas costas e ia descendo em direção a minha bunda...

-Vou até deixar vc pedir alguma coisa...

Olhando em seus olhos, me peguei sentindo um pouco de vergonha, mas aquela vontade estava me corroendo, e como se lesse meus pensamentos João voltou a sorrir maldosamente “So vou te dar se você pedir Luquinhas rsrs”

-Quero mamar sua rola... Falo baixo e desviando os olhos

Com um tapa, João segura meu rosto me olhando “Não entendi Luquinhas, o que você quer?

-Quero chupar sua rola, me deixa brincar com ela? Sentir o cheiro, lamber, chupar ela inteira?

-Agora sim, é assim que se fala direito. Mas tem que implorar, fica de 4, e vai me lambendo até me convencer a deixar vc mamar....

Fiquei de quatro sobre a cama, e comecei a beijar o pescoço, os ombros, as axilas do João, pedindo “Jao, posso mamar sua rola? Por favor?”, ia descendo e beijando seu peito, acariciando e chupando eles “Por favor Jão, posso mamar?”

-Porque você quer mamar putinha?

-Seu cheiro, o sabor na minha boca, meu corpo inteiro está ardendo, eu preciso mamar essa rola dnv João, por favor”

Então, ele segura minha cabeça e leva pra sua rola, voltando a socar ela na minha boca

“Nao queria chupar putinha, sente o gosto do pau do seu macho na sua garganta, não queria rola? Agora toma...”

Eu aproveitava cada centímetro daquela rola entrando, não precisava nem do João me forçar a colocar mais, eu mesmo tentava abocanhar aquela rola inteira, devorava aquele pau, chupei aquela cabeca enorme e sentia ela macetar minha garganta, pegava naquela vara e eu mesmo a batia no meu rosto, punhetava ele enquanto chupava suas bolas, cheirava sua virilha e lambia cada pedaço de pele... Senti o João se me movendo, mas não parei de mamar, só senti um tapa na minha bunda, que, como estava de quatro e abaixado mamando, estava aberta e empinada...

-Nossa Luquinhas, essa bunda sempre foi grande, mas agr parece ainda maior e mais empinada em... Falava enquanto alisava e dava alguns tapas, na arrancando ainda mais gemidos.... João cospe em uma mão e sinto ele massagear as bordas do meu cuzinho, até então quase virgem, só conhecia os pequenos objetos que eu introduzia nele, e então, enquanto mamava sua rola, colocou junto dois dedos seu na minha boca, deixando eles bem babados.

-vamos ver como está esse cuzinho Luquinhas, e começou a passar os dedos no meu buraquinho, forçando um dedo a entrar... A essa altura, estava tão dominado por todo o momento, que senti pouca dor, mas também conseguia sentir até a textura daquele dedo grosso entrando no meu cuzinho, me fazendo gemer com aquela rola na boca.

-Aaaaaah que cuzinho apertadinho Luquinhas, nunca deu esse cuzinho não? Que delícia, tá cheio de preguinhas .... E deu mais um tapa com força, me fazendo gemer alto. “Isso putinha, geme com meu pai na boca, geme enquanto vou abrindo caminho nesse cuzinho” João continua e coloca um segundo dedo, e um terceiro, me tirando gemidos de dor e prazer....

Quando João tira seus dedos, me sinto vazio, e logo em segura me tira da sua rola e me segura em frente ao seu rosto

-Já se divertiu demais putinha, agora é minha vez de brincar nesse buraquinho...

Neste momento fiquei um pouco assustado, eu adorava esse lado viril e meio bruto do João, mas eu era praticamente virgem, e aquela rola, alem de gigante era grossa... Mas eu jamais negaria o que ele quisesse, eu estava ali só pra obedecer....

-So vai devagar João, eu nunca ... É... Bom, nunca tive nenhum pau em mim, e o seu é grande...

João me puxa pra um beijo quente e forte, que me faz amolecer em seus braços “nNao se preocupa Luquinhas, esse AGR é meu brinquedinho, não vou machucar muito ele na primeira vez, antes da minha rola entrar, vc vai estar implorando”

Entao, João me vira e me joga na cama, com a bunda pra cima e puxa meu cuzinho. E nesse momento, eu fui aos céus.... João passou a linha no meu cuzinho e cada nervo do meu corpo parece que entrou em combustão, e a cada chupada, a cada línguada, eu parecia explodir por dentro, querendo mais e mais. “Rebola putinha rebola, joga esse cuzao na minha cara” ele falava quando parava de chupar a me dava uma série de tapas, e eu obviamente, rebolava e piscava o cuzinho que procurava por aquela rola. Entre as línguadas, João colocou 2 dedos de uma vez, me fazendo delirar de prazer, apesar de um pequeno desconforto, começou um vai em vem com eles e dando alguns tapas “Rebola pra mim Luquinhas, pisca esse cuzao vai, rebola putinha” e enquanto eu rebolava e jogava a bunda querendo mais e mais, João colocou 3 dedos, me deixando ainda mais louco de tesão “Agora pede rola Luquinhas, já tá pronta?”

-Por favor João, me come, enfia esse pau em mim, come esse cuzinho João. Tentei falar firme, mas minha voz oarecia um miado, um gemido fino... “Isso putinha, pede pica com essa voz de vagabunda pede”

-Me come Jao, por favor, fode sua putinha, come esse cuzinho com força.

João tirou seus dedos, deu uma cuspida certeira, e começou a sarrar com a rola sobre meu cuzinho, passando a cabecinha, sarrando, empurrando novamente só a cabecinha e tirando, me deixando louco de tesão, eu rebolava e empurrava a bunda, “por favor João, me come, coloca logo essa rola, eu preciso de você dentro de mim”. Então João começou a empurrar aquela rola enorme pra dentro, e mesmo louco de tesão, sentia cada prega do meu cuzinho sendo rasgada, com ele piscando, tentando empurrar o invasor monstruoso

-Aaaaah que dlc, que cuzinho apertadinho Luquinhas, que delícia, tão quentinhooo aaaaaaaah

Eu gemia de dor,m e prazer, tentando colocar aquela rola interminável dentro, então João puxa meu pescoço e começa a beijar minha orelha, meu pescoço, me fazendo arrepiar e relaxar “Calma Luquinhas, não precisa de pressa, vou curtir esse cuzinho centímetro por centímetro” com seus toques e carinhos, fiquei mais relaxado e finalmente senti sua virilha encostar na minha bunda, seguida por um tapa “Porraa Luquinhas, que cuzao gostoso da porra, pqp” João gemia no meu ouvido, enquanto o mordia e lambia, me derretendo...

Sentir aquela rola enorme pulsar em mim, foi me acordando da dor e acendendo novamente aquele fogo, enquanto comecei a movimentar a bunda “Mas já putinha, mal entrou e já quer rola? Esses viadinhos são umas putas mesmo” e deu mais um tapa “Aaaaai João” . Então ele me empurra me deixando de quatro denovo, e comeca a tirar aquele monumento e colocar novamente, me fazendo terapia espasmos de dor e prazer por todo o corpo.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 11 estrelas.
Incentive Rouxinol a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Parabens! De continuidade com mais detalhes em um quarto conto som o primo Joao. Muito bom!

0 0