O vigilante e o entregador 3

Um conto erótico de Mrpr2
Categoria: Gay
Contém 901 palavras
Data: 09/06/2024 12:15:00

E ai pessoal aqui é o vigilante Jeremias.

Dessa vez vim contar o que aconteceu alguns dias depois da minha transa com o Daniel, o entregador.

Como eu disse anteriormente, sou vigilante em uma instituição pública trabalhando 12×36 e o prédio depois do horário comercial ficava praticamente vazio no período da pandemia então aquilo virava um deserto sem uma alma viva a não ser nós os vigilantes.

Lembro que também relatei que os ânimos dos vigilantes estavam alterados, pois antes tirando algumas exceções de vigilantes casados fiéis a se contar nos dedos os demais vigilantes casados e solteiros eram bem “transantes” e em sua maioria heteros.

Mas com a orientação “fica em casa” nossos encontros sexuais tinham se reduzido ou zerado. Os héteros convictos solteiros estavam cada dia mais irritados, os casados infiéis em escala menor, mas também irritados e inquietos.

Os que estavam um pouco melhor eram os homossexuais e logo descobrimos o porquê.

Geralmente discretos e se “resolvendo” com caras de fora da profissão a falta de opção e o tesão começou a deixar a discrição bem menos discreta.

Imagine você no maior tesão vendo homens másculos, malhados, atraentes se despindo no vestiário, tomando banho completamente nus, vestindo aquele uniforme cinza geralmente justas deixando o tórax mais largos, os braços mais fortes, o volume tanto na frente quanto atrás mais atraentes.

Óbvio que os olhares e as bocas salivando de tesão não eram tão fáceis de esconder.

Logo começaram os boatos de gemidos no banheiro e cada vez a coisa ficava mais evidente.

Enfim eu seguia firme na minha heteronormatividade até ser traído por meus hormônios. Depois de doze horas de trabalho testosterona la no topo e o saco ate dolorido louco para jorrar me chega um novinho entregador de pizza com aquele cheirinho gostoso que vinha de seu cabelo liso ate o ombro castanho claro, sua boca rosada, aquele jeitinho meigo, educado de bem criado não resisti como já contei a vocês. No outro dia foi minha folga e fiquei o dia todo pensando no entregador principalmente pela forma como ele deixou meu apartamento mal olhando para mim. Apesar de me sentir um pouco mal pela vergonha do jovem rapaz eu não me arrependia do que tinha feito, muito pelo contrário, me sentia ridículo pelo tempo que perdi em não ter comido todos os cu's que já tinham me oferecido.

Enfim quando voltei ao meu trabalho minha mente estava diferente, meu olhar estava diferente e percebi mais nitidamente os olhares de desejo, as línguas sendo passadas nos lábios, as apertadas nos sacos, os tapinhas discretos nas bundas, nossa quase gozei ali mesmo no vestiário e claro que eu me sentindo o provocador dei minha contribuição. Me despi completamente ficando apenas com uma box preta que eu ajeitei na bunda e ainda dei uma bela pegada ajeitando meu pau nitidamente meia bomba dentro da cueca. Dei uma espreguiçada tirei meu uniforme da mochila guardei despretensiosamente minha roupa civil e lentamente vesti meu uniforme o que foi contemplado por alguns olhares que fingi não perceber.

Fui para meu posto. Após o horário comercial, momento em que o local ficava deserto fui ao banheiro e logo na porta ouço um cochicho entre tentando não fazer nenhum barulho o que consigo pois pego no flagra Augusto e Gil um pegando na rola do outro na frente dos mijadores de parede. Quando perceberam minha presenta soltaram rapidamente e ficaram um tanto sem graça. Eu não disse nada apenas me aproximei do vaso na parede mas não tão proximo ainda um pouco longe da louça e saquei meu membro para fora, detalhe os dois estavam um do lado do outro e tinha mais dois vasos geralmente eu pularia um e escolheria o último vaso oposto a eles ou iria ao reservado, mas não o fiz escolhi o vaso ao lado do deles para provocar mesmo e acho que eles entenderam a mensagem.

Gil não perdeu tempo e logo manjou minha rola seguido de Augusto. Ja com meu membro exposto e sendo observado o que era o objetivo me aproximei da louça e soltei a urina que jorrou forte.

_ Haaaa!

Soltei enquanto terminava de mijar e sacudia meu membro que endurecia a cada movimento.

Gil ja estava com sua mão direita masturbando o membro de Augusto vagarosamente. Dei um passo para trás deixando novamente meu pau mais visível aos meus companheiros de trabalho quando me surpreendo com a ousadia de Gil ao se emborcar e abocanhar o cacete de Augusto que sorri para mim com ar malicioso. Augusto faz um movimento com a mão indicando para que eu me aproximasse e ao chegar mais perto Gil segura com sua mão esquerda meu pau se vira e abocanha meu membro enquanto continua a masturbar Augusto com sua mão direita. Estava muito bom sentir a boca quente de meu companheiro de trabalho, mas escuto barulho de conversa aproximando da porta do banheiro. Rapidamente coloco meu pau para dentro da cueca e vou para o lavatório, os outros dois se afastam um di outro deixando dois vasos de distância entre eles. Lavo minha mão e saio do banheiro acenando com a cabeça cumprimentando os vigilantes que entram no banheiro enquanto os que ja estavam dentro vão lavar as mãos.

Passam por mim Gil e Augusto ja fora do banheiro acenam com a cabeça demonstrando cumplicidade e cada um volta para seu posto.

Continua...

Autor: Mrpr2

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 12 estrelas.
Incentive mrpr a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Tito JC

Fiquei curioso com o que pode vir a acontecer nesse ambiente de trabalho tão erotizado...

1 0