Colegas de faculdade - Parte 2

Da série Taras e gozadas
Um conto erótico de rabinhoquente
Categoria: Gay
Contém 758 palavras
Data: 09/06/2024 12:06:18

Eu conversava com a Flavinha entre um gole e outro de caipirinha em seu apê. Eu comentava sobre a dificuldade para estudar em casa aos finais de semana e ela deixou a cópia da chave do apê para mim. Ali, eu teria a paz que precisava para ler, fazer trabalhos e realmente estudar. Nesta altura, Flavinha já havia conhecido meus pais e também notou que a convivência não era das melhores na minha casa.

Entrando a semana, eu paguei uma pepeta para o Fabrício no banheiro da faculdade. Corremos riscos, é verdade, o cara ficou punhetando no banheiro, eu entrei, ficou de olho na minha bunda enquanto mijava e não deu outra: entramos no box e já viu! Rotacionando o pau duro e mamando até meio pau, melando, extraí mamando o leite que eu queria tomar! Encheu a minha boca e o restante gozou na minha cara deixando melada e queixo babando! Delícia! Só não comeu minha bunda ali porque ficamos com medo de alguém aparecer!

Amigo de classe, Fabrício, 34 anos, moreno e pele escura, estatura mediana, rosto redondo, mostrou uma safadeza incomum. Ele era noivo duma aluna da faculdade, mina bem nojenta que se achava maior que os demais porque fazia faculdade na área de Saúde. Eu, 21 anos, branco e magro, 1.69 de altura, olhos castanhos, rosto comprido e cabelos pretos, ofertei meu telefone e ele disse que ligaria para comer o meu rabinho! No dia, a azarada noiva não foi na aula.

Montei esquema com a Flavinha no apê e deu certo! Sabadão pela manhã, a noiva dele tinha aula e ele foi ao apê da Flavinha. Esta, uma morena de pele clara, magra, 27 anos, rosto redondo, cabelos curtos estilo picotado, abriu a porta quando cheguei, só abriu e mandou entra depressa! Já cheguei vendo putaria: Fabrício faturava a xota da Flavinha ao lado da porta em pé! Uau! Fechei a porta e caí de boca no pau comprido e moreno dele que estava marmitando a xana da Flavinha! Melei aquele cacete e já fiquei m pé querendo a Flavinha, ela não queria alegando que eu era amigo dela rindo de forma safada, aleguei que ela era amiga só vestida! Nua, era outro papo! Dei uma enterrada na xota já quente e arregaçada, gostei! Carnuda, quente, raspadinha e gostosa de foder! Tesão!

Fabrício estava sentado no sofá alisando a pica e falou para que eu viesse sentar nele! Humm! Levei um beijo grego da Flavinha melando todo meu rabinho e jogando minha excitação lá para cima! Danada! Levei um tapa na bunda dela e sentei para cavalgar no Fabrício! Encaixou fácil e fiquei quicando, sorrindo de olhos fechados, ele foi controlando meu sobe e desce, mãos no peito dele, uma delícia! Sabendo que eu queria virar putinha, só cruzou os braços na altura da minha bunda e fodeu rápido! Eu gaguejei, gemi, fiz caretas, coisa de viado safado quando dá! Fodeu gostos, foram uns dez minutos que eu fiquei sentado nele, rebolando, dando, engolindo todo o pau com meu cu! Neste tempo, eu e a Flavinha trocamos beijos de língua! Deu um tapa na minha bunda e avisou que daria leitinho!

Ajoelhamos, ele botou a mão na testa da Flavinha, mostramos a língua! Meu cu arrombado piscava forte e latejava além de quente, nossa! Ficou punhetando forte, assim que ele gemeu baixo, mirou dentro da boquinha da Flavinha e jorrou um pouco de leite! A partir daí, ele foi jogando na minha cara e na dela, ficamos com esperma na cara e Flavinha veio beijar-me passando porra entre nossas línguas! Humm! Putaria quente do caralho! Delícia! Sorrimos para o Fabrício, agradecemos, a Flavinha deu um beijo na cabeça do pau e ele pediu para tomar um banho pois precisava pegar a noivinha nojenta na faculdade! Tomou a ducha, agradeceu e foi embora.

Eu e Flavinha nos banhamos e ficamos conversando da safadeza do Fabrício. Cara puteiro e safado! Rimos. Ela nem contava que ele viesse para fodê-la, diz ela que o cara "fez a mente" e rolou. Ri demais. Na Segunda, antes da aula, eu e a Flavinha tomávamos um café e ele veio com a noiva nos cumprimentar. A mina dele nem chegou perto e cumprimentou distante e foi pegar um suco. Nossa, mina nojenta do caralho! Deu um "tchau" por obrigação assim que ele conversou comigo. A vida é assim mesmo! Ela não sabia que o noivo dela fez a festa em nós. Nunca vazou nada do ocorrido ali. Teria mais? Aguarde os próximos contos. Tesão demais! Acompanhe a série!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive rabinhoquente a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários