Modelo de nu artístico

Um conto erótico de Eduardo
Categoria: Heterossexual
Contém 1147 palavras
Data: 08/06/2024 22:48:12

Eu moro com a minha namorada Sophia. A gente tem o nosso próprio apartamento e poderíamos ficar nus o tempo todo em casa, mas Sophia conseguia ficar ainda mais sexy vestida do que pelada. Ela tinha diversas camisolinhas curtas e transparentes que ela usava quando estávamos só nos dois em casa e só eu via, quer dizer, teoricamente, pois a gente tinha uma grande janela na sala e ela já havia ido pegar pizza do entregador só de camisolinha transparente que deixava ver claramente a rachinha lisa e os peitões dela.

Mas o melhor era quando ela se vestia da maneira "errada", como por exemplo usar só uma blusa de lã que mal lhe cobria a bunda como "vestido" ou então uma regata masculina que não só ficava decotada, mas também deixava os seios dela expostos dos lados, quando eles não simplesmente pulavam para fora, o que era particularmente interessante quando acontecia no supermercado. Claro que sair para compras era sempre interessante, pois além dela ir com os peitos praticamente para fora, ela sempre usava minissaias e sempre se abaixava para pegar os itens nas prateleiras de baixo sem se preocupar se havia mais alguém no corredor. Se a saia era justa, ela ficava de cócoras, o que mostrava a boceta dela inteira, se a saia era solta e rodada, ela se inclinava para frente com os pés afastados, mostrando a bunda e a bocetinha.

Ela também tinha alguns vestidos que pareciam normais, mas que eram tão finos que ficavam praticamente transparentes, principalmente nos peitos dela, mas se ela ficava contra a luz dava para ver claramente os contornos dos lábios da boceta. E essas eram as roupas "comportadas" que ela usava quando iam amigos em casa. Eles já estavam acostumados com Sophia e ninguém reagia de ver que a putinha da minha namorada estava o tempo todo praticamente pelada. O lado positivo é que as nossas amigas e namoradas dos nossos amigos se sentiam à vontade para irem mais putinhas no nosso apartamento, meu amigos acabavam vendo a boceta da minha namorada, mas mais de uma vez eu acabei vendo a boceta das namoradas deles pois calcinhas se tornam um item raro na nossa casa. Isso até vira uma piada e eu coloco uma placa na sala:

<br/>"Homens: Traje completo mandatório

Mulheres: Calcinhas opcionais"

Um dia uma amiga de Sophia, Betty, que era estudante de arquitetura. Moça chic, magra, gostava se usar blusa justa sem sutiã mostrando os peitinhos pequenos mas empinados, mas em baixo calças largas ou saias longas. A gente estava jantando, Sophia havia feito coq-au-vin e junto com a comida a gente bebia mais vinho. Lá pelas tantas, Sophia derruba o saca-rolhas e fica de quatro para procura-lo, mostrando a bunda e a boceta inteiras para a mim e para a amiga, que fala:

-- Edu, você não se incomoda da sua namorada ser uma putinha safada que está sempre com a bunda de fora?

-- Nem um pouco -- Eu digo e dou um tapa na bunda da minha namorada na frente da amiga dela.

-- Hmm, para, se não você vai ter que me comer na frente da Betty.

-- Eu sei que você faria isso, mas eu não desejo tanta intimidade com a minha amiga. Mas, já que voc6e é mesmo uma despudorada, você não quer ser modelo para a atividade de desenho da faculdade?

-- Que tipo de modelo? -- Pergunta Sophia que já havia sentado na cadeira, mas estava com as pernas abertas e boceta arreganhada na frente da amiga.

-- Modelo de nu artístico. Os alunos fazem isso todo os anos, normalmente a gente contrata uma puta para servir de modelo, mas você... é definitivamente mais bonita do que as putas que a gente contrata e certamente mais safada.

Sophia havia dobrado uma das pernas e esticado a outra e agora colocava um dedo na boceta melada enquanto dizia fazendo cara de puta: -- Eu vou ter que ficar peladinha na frente de uma monte de desconhecidos?

-- Sim, eu sei que você vai adorar, sua putinha.

Sophia enfia o dedo na propria boceta e gemendo ela diz: -- Vou siiim!!! Você quer me comer?

-- Só se Edu meter o pau mim.

Nós então terminamos na cama com Betty de quatro chupando a minha namorada enquanto eu a como por trás.

Dez dias depois a gente vai para a festa na faculdade de arquitetura. Sophia vai vestindo somente um quimono, meias 7/8 arrastão e sapatos de salto. A gente fica na festa normalmente, bebe e dança até que chega a hora do dela virar modelo. Havia um canto onde eles haviam colocado um sofá cercado por cadeiras. Os alunos de arquitetura já estavam lá com os lápis e as pranchetas para fazer os rascunhos. Além de Sophia, haviam duas outras mulheres, essas putas contratadas, bem na verdade Sophia também estava sendo paga e para todos lá ela era somente mais uma prostituta, não uma aluna da universidade.

Primeiro as três ficam em pé na frente de dois desenhistas cada, cada um tentando captar os detalhes do corpo feminino de cada uma das modelos. Não só os desenhistas, mas um monte de gente em volta admirando o corpo da minha namorada e das duas outras putas. Depois as três são posicionadas no sofá, primeiro só uma das putas, deitada de bunda para cima. Sophia e a outra garota só ficam de lado esperando, a puta coloca o vestido de volta, mas a safada da minha namorada fila lá em pé peladinha.

Depois as duas sentam no sofá lado-a-lado, a puta fica com os joelhos fechados, mas Sophia fica com as pernas levemente abertas e curvada para frente, mostrando a bocetinha inteira e os peitos de uma maneira largada e sexy, como se ela estivesse ali sem se importar por estar nua. Por fim as três sobem nos sofá. Sophia fica de joelhos no meio do sofá e as duas putas ficam do lado dela com uma perna dobrada e a outra esticada cada uma com uma mão em um dos peitos da minha namorada.

Essa é a última cena. As putas se vestem, mas Sophia fica peladinha até o último minuto, olhando para os desenhos e comentando. Alguns até tentam uma mão boba, eu penso em intervir, mas ela se livra da mão de maneira elegante e sorrindo ainda. Finalmente ela se veste, mas coloca o quimono um pouco errado e a bocetinha dela fica aparecendo. A gente ainda fica na festa mais um pouco, dançando e bebendo com ela mostrando a boceta. Até que eu não aguento mais e a levo para trás do prédio, eu lhe tiro de novo o quimono e a coloco só de meias contra a parede do prédio e a fodo. A gente não está no meio do caminho, mas também não completamente escondidos, por isso vários que estavam também saindo da festa nos veem.

 

 

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive Bocage.Amato a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Maravilhoso seu conto, sou fotógrafo onde já fiz vários book e gostaria ver fotos desta linda mulher caso não veja problema: euamoavida2020@gmail.com

0 0