Capítulo 13 - Primeira decisão

Um conto erótico de Cigana CD
Categoria: Crossdresser
Contém 1627 palavras
Data: 13/05/2024 19:48:19

Não adiantou, comecei a jogar e me sentindo mal de como falei com mamãe e Sofi. Na hora do almoço, desci e logo no inicio do almoço comecei a falar.

- Bom mamãe, Sophia, desculpe como lhes tratei hoje, é que tá muito estranho para mim as coisas. Era para ser uma brincadeira nossa e veja aonde acabamos, eu beijando meninas e meninos na festa.

- Meninas e menino você quer dizer, falou Sofi frisando o singular do Menino.

- Então, é isso, eu acabei por beijar mais um piralho lá. o Gustavo, seu amigo, ele trombou comigo e ao me segurar me beijou, foi isso.

- Nossa, tá saindo uma biscate essa Karina, disse Sophia.

- Olha a boca menina, eu disse!

- Vocês parem, Sophia peça desculpas, na festa era inevitável algumas coisas, não nos programamos para os acontecimentos, não foi e nem é culpa da Karina, nem do Francisco e muito menos de você Sophia. Bom agora temos que ver como fazer Karina sumir, viajar pro exterior, sei lá, só temos que combinar bem certo isso.

- Então mamãe, eu não sei se quero isso, falei baixinho. Eu me interessei pela Julia, e por mais que não consiga ainda entender direito, a atenção e a forma como ocorreu com o João, eu me interessei pelo João também.

- Hum, fale mais, o que você está sentindo e pensando. Disse mamãe numa voz tranquila e suave, lançando um olhar de silêncio para minha irmã.

- Olha mãe, nestes 4 últimos dias, eu vivi o que não vivi nos quase 18 anos, Fiz amizades diferentes, descobri beijos e desejos das meninas por mim, me senti atraída pela delicadeza e sensualidade das roupas, pelas coisas que elas fizeram eu pensar e sentir, sonhar e a ida no no salão, foi mágico, me vi transformada em algo que jamais imaginei chegar a ser. Me vi feliz com você e Sofi felizes, há muito tempo não via estes brilho nos olhos de vocês, mas mais que tudo isso, me senti feliz por mim, digo por Karina, não sei ao certo quando ou quantas vezes, mas acho que Karina ainda irá aparecer algumas vezes, tudo bem para vocês?

- Ai que fofo , disse Sofi vindo me abraçar.

- Tá, mas você disse atraída por João, é isso mesmo, você gosta de meninos.

- Então, agora não, Francisco creio que nunca, mas Karina, é carente, sentiu-se protegida, desejada, creio que ela gosta sim, é mamãe acho que sou sei lá um bissexual? Sei que vestida como estava na festa, me senti apaixonada pelo João.

- É pode ser, não vamos nos prender a rótulos, bom, vamos combinar então, se for sair com João, acho bom você falar a verdade para ele, se ele tinha só tesão, vai fugir, mas ai seu segredo esta nas mãos dele. Se ele aceitar, ai é com vocês se irão contar a verdade para todos, e olha, experiência diz, a verdade aparece, mais dia menos dia e cobra o preço do tempo.

- Ai mãe, como falar com ele, ele irá me bater, se bem que ele corre o risco de ficar mal falado por beijar um homem né, isso é a única coisa que me dá segurança em ele não ser violento?

- Homem? Ele beijou uma mulher, neste caso uma mulher trans, acostume-se, se você se vestir de Karina, você esta se assumindo mulher, neste caso uma transexual, é isso que você quer Filho ou Filha? É isso que te atrai no João ou nos meninos?

Eu ouvi aquilo, me deu um choque a forma direta e simplificada que mamãe definiu o que aconteceu, já com os olhos cheios de lágrimas e morrendo de vergonha, subi chorando pro quarto, tranquei a porta e fiquei assim por o que imaginei horas. Não atendi as 2 vezes que mamãe apareceu na porta batendo.

Ao fim da tarde, praticamente no entardecer, já tinha chorado tudo, bati na porta de mamãe e pedi licença.

- Oi mãe, posso entrar?

- Pode filho, entre, antes de mais nada desculpe a forma que falei lá no almoço, mas eu precisava te dizer como o mundo irá te ver, mas desculpe fui rude, nem eu entendo tudo o que está acontecendo, imagino você, puxa, desculpe-me meu amor, acima de tudo te amo muito filho.

- Não mãe, não é isso que me perturbou, é que, bem houve mais coisas, deixa te falar algumas delas. Não dá pra eu ficar nesse troca de identidades, hoje no futebol, com os meninos, não era mais eu, o goleador, todo moleque, me senti estranho lá também. o mesmo aconteceu outro dia ao jogar vídeo game de vestido, mesmo quando olhei as fotos lá do inicio. explicando melhor. Depois do que você me falou eu revi todas as fotos tanto da festa como de antes, revivi todas as memórias, bom, o que quero dizer mãe.

Nisso parei, abracei ela e chorei um bom tempo.

- Bom, mamãe, você poderia me ajudar a ser Karina, 24 horas por dia, acho que sou mais feliz sendo ela, não creio mais ter espaço para o seu FIHO, nada do que tentei fazer como menino tem mais sentido ou prazer, diferente do que tento ser como Karina.

- Tudo bem Filho, digo filha.

- Entendo mãe eu aqui de moleque confunde, espere um pouco.

Fui, lá tirei a roupa, coloquei um sutiã, calcinha, um shorts, um top, passei um batom leve, uma sandalinha, troquei os brincos, um rimel leve nos olhos, pulseiras, colar e voltei.

- Mãe, você me ajuda a ser Karina?

- Sim filha, eu ajudo, mas vamos chamar sua irmã antes.

Mamãe gritou o nome de Sofi e ela subiu pouco tempo depois, me viu ali vestida, sentou na cama e disse:

- O que foi Mãe, o que tá acontecendo?

- Bom Karina tem algo a te dizer?

- Sofi, eu decidi ser Karina, não de vez em quando, quero ser 24hs por dia Karina, quero que você e mamãe me ajudem. Vou chamar o João aqui amanhã de tarde, quero que fique por perto, aos demais, e principalmente quanto a Julia vamos ver depois, não fale nada para ela, nem nr de telefone nem nada.

- Tudo bem! Mas tem certeza? falou Sophia meio assustada.

- Sim, beijar a Julia foi maravilhoso, mas beijar o João me fez sentir completa, creio que estou apaixonada por ele, ou nem sei direito, mas estou grata em ele me fazer descobrir mulher.

Com isso fomos no meu quarto e esvaziei por completo o armário do Francisco, mamãe colocou tudo em caixas os brinquedos e as roupas em sacolas para doar.

Sofi trouxe algumas roupas, sapatos e uma outra quantidade de bijus e tipos de batons e me deu, mamãe fez novamente outras doações, demaquilantes e cremes basicamente.

Com isso tinha algo suficiente até o inicio das aulas.

- Bom mamãe, temos que escolher um colégio agora, creio não ser seguro aonde estava estudando, afinal era o combinado eu mudar né, assim já mudamos tudo.

- Na verdade filha, acho que a primeira coisa é visitarmos uma psicóloga, para você, para mim e para sua irmã, creio que teremos fases boas e ruins pela frente e é essencial nós três estamos preparadas e nada melhor que uma psicóloga para nos dar esta segurança e principalmente os caminhos a tomarmos, visitaremos também seu médico, que pedirei que indique uma médica especialista em transição de gênero, devemos este respeito a ele, se for o caso você também pode visitar nossa ginecologista, que já cuida de sua irmã.

- Tudo bem, muito obrigada mamãe podemos marcar para amanhã, já ando meio nervosa, acho mais importante que as aulas, mas temos que pensar nelas também né?

- Certo filha, terminando nossa conversa já marco uma emergência, na questão colégio temos 3 opções, vou marcar visitas na semana, mas teremos que ser diretos e sinceros nas entrevistas tá.

- Como assim mãe?

- Conforme laudos e exames, demonstrar aos coordenadores pedagógicos, mesmo que no terceirão, de sua condição e cuidados, mas lembra que falei de mentira ter perna curta, temos que também você ser sincera com João e as amigas de sua irmã.

- Tá bem. Vou lá falar, ou melhor, Sofi, entre em contato com o João e diga que Karina quer ver ele aqui em casa, ele sabe que estou posando aqui, ai vamos ver o que vai acontecer. mas não fale nada do que falamos aqui, eu irei contar para ele pessoalmente.

Mamãe já viu consultas pelo aplicativo e tudo mais pra segunda cedinho, e Sofi marcou com João na segunda a tarde, e eu fui pro quarto, agora de Karina e fiquei vendo as fotos, sentei no computador e abri um perfil para Karina no Insta e no Face e fui postando as fotos da festa. Não postei a do beijo, mas as outras todas, inclusive aonde só estavam as meninas, e e é claro eu a MENINA TRANS. Tempo depois Sofi entrou no quarto e deu a ideia de experimentarmos todas as roupas, assim já teríamos uma ideia do que seriam meus looks eu e Sofi experimentamos todas as roupas, umas 4 foram descartadas, e escolhi por final aquele outro tubinho mais simples para ficar esperando João no dia seguinte, arrumei minha mesa até que tivesse uma penteadeira, ideia da Sofi.

Fomos pra consulta no dia seguinte, que foi reveladora, mas em outro momento irei falar, minha preocupação era a conversa com João, revi as fotos, para dar segurança, deixei algumas ali no computador, passando no descanso de tela, revi a make que ia usar agora a tarde, não tão básica, brincos, pulseiras, repeti o perfume e as 14hs a campainha tocou, combinei de Sofi abrir, eu ficaria na sala.

Ouvi ele vindo, mas outra voz junto de menina, um breve susto, mas era a irmã dele, que assim que João entrou na sala minha irmã subiu com ela pro quarto.

- Vem João, sente-se.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 21 estrelas.
Incentive Cigana_cd a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaCigana_cdContos: 127Seguidores: 98Seguindo: 58Mensagem Sou crossdresser, amo tudo!

Comentários

Foto de perfil de Tito JC

Achei tudo muito rápido. Um menino que no dia anterior estava achando que tinha ido longe demais numa brincadeira, acorda e, depois de ir ao campinho de futebol, resolve trocar de sexo? Me parece mais um jovem perdido dentro de um universo em que foi jogado por acaso...Mas confio no seu talento de escritora, sei que coisas boas virão pela frente... Estou curioso... Abraços!

1 0
Foto de perfil genérica

Pode parecer rápido, mas quando se tem quase 18 anos, nenhuma decisão tem racionalidade, são impulsos pelo prazer alcançado, estou andando nesta linha irracional juvenil.

Prazeres,alguns inconsequentes.

0 0
Foto de perfil de Oculto

Aiaiaiii, que medinho do que pode acontecer tô aflita aqui

1 0