Enrabei a professora japinha que todo mundo queria comer

Um conto erótico de prazr_total
Categoria: Heterossexual
Contém 2574 palavras
Data: 01/04/2024 17:07:55

Todo mundo já teve aquela professora pela qual se apaixonou ou que todos os colegas queriam comer também. Pra mim e meus colegas foi a Rúbia. Rúbia era baixinha, no máximo 1,55 de altura, magrinha, com certeza não passava dos 50kg. Seus cabelos muito pretos e lisos, os olhos pretos, puxados, de oriental, a boca carnuda. Tudo nela era pequeno, os seios, a bunda, os pés, calçava 33. Mesmo assim tudo nela era perfeito, tanto os seios quanto a bunda bem redondos e empinados.

Os pés da Rúbia eram pequenos, com os dedos bem curtos e as unhas sempre bem feitas, quando ela ia de sandália aberta eu não conseguia ouvir nada que ela dizia e passava a aula inteira adimirando seus belos pezinhos, principalmente a mania que ela tinha de, ao nos mandar fazer as atividades, tirar as sandálias e cruzar um pezinho em cima do outro por baixo da mesa, exibindo as solas.

O rosto dela, assim como seu corpo era lindo e, embora já estivesse chegando próximo aos 50, a genética oriental a favorecia magicamente deixando aparecer poucas e minúsculas rugas quase imperceptíveis de perto e impossíveis de ver de longe. Isso e o seu tamanho fariam ela poder se passar por aluna se quisesse, e atiçava todos os caras a quererem comê-la.

A Rúbia era viúva, tinha perdido o marido dois anos antes, e parte das rugas começaram a aparecer depois disso. Seu ar mais divertido e jovial e seu jeito brincalhão também desapareceu quase por completo, mas agora estava voltando. Eu sempre fui próximo dela e éramos quase confidentes, frequentava sua casa como amigo e respeitei seu luto o máximo que consegui. Apenas uma vez, enquanto a consolava alguns meses após o funeral do seu esposo, nos deixamos levar e acabamos nos beijando.

Somente depois de completar um ano desse incidente, voltamos a ter a nossa velha intimidade e, todos os sábados eu ia à sua casa, fazia um almoço pra ela, ajudava com qualquer coisa relacionada a tecnologia e depois íamos pra sala, assistir um filme ou série no sofá enquanto eu massageava seus pés.

A Rúbia conhecia meu desejo por pés e especialmente pelos dela, pois quando contei que gostava de pés ela perguntou o que eu achava deles e eu disse que eram os mais lindos que eu já tinha visto. Ela ficou meio sem graça, mas desde então sempre me pedia massagens neles e eu sempre finalizava elas dando beijinhos em seus pezinhos.

Naquele sábado, porém, quando beijei seus pés ela comentou:

"Você gosta mesmo deles. Até fica de pau duro quando os massageia e eu vejo seu pau pular na calça quando os beija. Que bom que pelo menos eles ainda deixam alguém com tesão..."

Não pude acreditar que aquela mulher incrível e deliciosa estava se achando feia e prontamente retruquei dizendo que todo o corpo dela era lindo e ela era muito gostosa e que todos os homens e até algumas mulheres que eu sabia que a conheciam a desejavam.

"Você só diz isso por ser meu amigo..."

Percebi no seu olhar alguma safadeza ao dizer isso, então entendi o que ela estava tentando fazer. Tirei seus pés do meu colo, cheguei mais perto dela, olhando em seus olhos, passei a mão por trás da sua nuca e a puxei levemente em minha direção. Ela veio sem resisti e eu fui ao seu encontro. Nossos lábios se tocaram e nossas línguas se encontraram.

O beijo foi ficando mais intenso, agora eu acariciava todo o seu corpo e ela retribuía as carícias no meu. Ela levantou a minha camisa e só aí paramos o beijo, quando ela terminou de tirá-la. Aproveitei pra tirar sua blusa e ela ficou com o dorso nu. Seus seios perfeitos com os mamilos apontando pra mim. Voltei a beijar sua boca, mas não me demorei a descer beijando seu pescoço. E desci mais, sem desgrudar a boca do seu corpo até chegar aos mamilos.

Os gemidos da rúbia davam tanto tesão quanto o corpo dela em si. Era delicioso ouvir o prazer na sua voz, Saber que eu estava agora chupando os peitos da mulher com quem eu sonhava há anos dava muito prazer.

Depois de chupar os peitos dela e abocanhar os mamilos por muito tempo, desci chupando sua barriga lisinha e fui abaixando seus shorts e sua calcinha juntos. Ela deitou no sofá, me ajudando a tirar sua roupa e assim que ficou completamente nua, abriu as pernas.

Sua buceta lisinha e perfeita, pequena e apertadinha, já escorria seu melzinho e tinha alguns fios já fazendo pontes entre sua bucetinha e suas coxas. Enquanto tirava a minha próía calça e cueca, já fui me dirigindo com a boca às coxas e lambi seu melzinho delicioso da coxa esquerda e depois da direita. Lambi lodo o melzinho em volta daquela xaninha e enfim segui ao prato principal.

A bucetinha da Rúbia estava encharcada. Passei a língua quase do cuzinho dela até seu grelo, também pequeno, passando por entre os lábios e ela urrou de tesão. Abri os lábios vaginais com as mãos e enfiei a língua lá no fundo da sua grutinha encharcada, lambendo-a por dentro por alguns segundos, antes de tirar a língua e passar até seu grelo novamente e recebendo mais um urro de prazer em agradecimento.

Caí de boca com vontade naquela xana e a chupei como se fosse a última vez que chuparia uma buceta na vida. Ela se contorcia e berrava de prazer, me puxando pelos cabelos contra seu corpo e empurrando seu corpo contra a minha cara como se quisesse fazer minha cabeça entrar em sua xotinha. Senti seu corpo todo estremecer e suas coxas pressionarem a lateral da minha cabeça em um gozo gostoso e intenso. UMa enxurrada do seu líquido precioso veio até a minha boca e eu bebi cada gotinha e continuei chupando. Só parei de chupar depois de beber por completo seu gozo pela terceira vez.

Limpei sua bucetinha inteira com a língua e engoli tudo o que ela me deu pra beber. Voltei a subir chupando sua barriga, seus peitos e seu pescoço, até alcançar sua boca novamente. Voltei a beijá-la enquanto encaixava meu corpo entre as suas coxas e posicionava o meu pau na entrada da sua caverna.

Meu pau não era tãão grande nem tão grosso, mas a bucetinha dela era realmente muito pequena e apertada. Empurrei devagar e, quando a cabeça passou pela entrada senti ela dando um suspiro. Fui enfiando devagar, abrindo suas carnes e a penetrando, até que meu pau entrou por completo e senti a cabeça encostar lá no fundo. A buceta dela era do tamanho exato do meu pau, éramos feitos pra transar um com o outro.

Iniciei a penetração carinhosamente e devagar. Seus gemidos preenchiam o ambiente, reverberando nas paredes e suas mãos acariciavam minhas costas e então, ela levantou as pernas e as entrelaçou em volta da minha cintura e suas unhas se cravaram na minhas costas. Eu comecei a meter com mais força e novamente senti seu corpo todo tremer e suas pernas me apertarem contra ela, então fiquei imóvel, com meu pau dentro dela e senti sua bucetinha o mastigando descontrolada em mais um orgasmo intenso. Como era prazeroso dar prazer àquela mulher, como eu era sortudo.

Assim que senti que ela soltou as pernas e terminou de gozar, beijei sua boca, levantei meu corpo e levantei seus pés segurando-a pelos tornozelos. Comecei a meter com mais força, e coloquei seus pés na minha boca, lambendo completamente suas solinhas. Ela começou a se contorcer em baixo de mim e a apertar o sofá e os seios, jogando a cabeça para trás. Eu lambi seus pés inteiramente, chupando cada dedinho individualmente e tomando o cuidado de lamber entre os dedos enquando socava com firmeza na bucetinha já inchada da Rúbia.

Eu estava com dois dedos do pé dela na boca passando a língua entre eles quando senti ela contrair os dedinhos, prendendo minha língua no meio e sua buceta começar a mastigar meu pau de novo. Ela estava gozando novamente e aquli me deu tanto tesão que não consegui segurar e inundei sua bucetinha com a minha porra.

Quando terminamos de gozar, abaixei suas pernas e ainda entre as suas coxas e com o pau enfiado dentro dela, voltei a deitar meu corpo sobre o dela e a beijei novamente. Tirei o pau lentamente e deitei ao seu lado.

Descansamos um pouco e nos beijamos algumas vezes, então levantei e peguei-a no colo. A levei ao banheiro e tomamos banho juntos. Não conseguíamos ficar muito tempo com as bocas afastadas. Enfiei dois dedos dentro da sua buceta, enquanto a beijava pra fazer meu gozo sair. Ela começou a rebolar e a gemer e então senti ela gozando de novo e, por fim, emu gozo saiu, junto com o dela.

Terminamos o banho, eu sequei nós dois, a peguei no colo de novo e dessa vez fomos pro quarto. Coloquei ela na cama e deitei ao seu lado, então ela deitou, por cima de mim e voltamos a nos beijar. Meu pau ficou duro de novo, então ela o pegou com uma das mãos e o guiou até a bucetinha, sentando sobre ele até nossos corpos se encostarem novamente.

A Rúbia sabia cavalgar como ninguém, eu a segurava pela cintura ou pela bunda e ela rebolava gostoso. Em pouco tempo nós dois gozamos juntos e eu novamente despejei meu gozo dentro dela. Ela saiu de cima de mim e deitou de costas olhando pra mim.

Beijei sua boca de novo e depois segui beijando sua nuca, levantei um pouco e comecei a beijar suas costas, montei em cima dela e ela dava leves gemidinhos. Meu pau roçava em sua bunda e em pouco tempo estava duro de novo. Desci beijando suas costas até chegar na bunda pequena mas redondinha e empinada da Rúbia, abri suas nádegas e adimirei seu cuzinho. pequeno como tudo nela, fechadinho, com todas as pregas intactas e desejei penetrá-lo.

Sem trocar uma única palava a Rúbia sentiu minhas intenções e empinou a bunda, me dando a permissão que eu desejava. Enfiei a língua naquele cuzinho e ela deu um gemido gostoso. Lambi seu buraquinho por dentro e depois chupei em volta do anelzinho. Enfiei um dedo na buceta dela enquanto chupava o cuzinho e depois vim com o dedo para o seu buraquinho. Enfiei o dedo devagar e fui brincando com ele, até entrar inteiro.

Sem tirar o dedo, me virei na cama, até o meu corpo ficar perto do rosto da Rúbia. Não precisei explicar nada, ela segurou meu pau e o levou até a boca. Suas mãos e sua boca eram tão pequenas que faziam meu pau parecer enorme. Ela me chupava gostoso, com a boca experiente, engolia o meu cacete e as vezes tirava ele da boca pra laber toda a sua extensão, enquanto eu brincava com o dedo dentro do seu cuzinho.

Senti que o pau já estava bem molhado e não queria afrouxar demais o cu da Rúbia, queria sentir ele sendo alargado pelo meu pau. Tirei a pica da boca dela e o dedo do seu cu, mandei ficar de quatro e ela oobedeceu prontamente. Fui pra trás dela e meti algumas vezes em sua buceta que estava encharcada novamente. Chupei novamente seu cu e, com a cabeça da rola, peguei um pouco do melzinho da bucetinha dela e passei na entrada do cuzinho.

Empurrei a cabeça do pau e o anelzinho se abriu pra me receber com certa dificuldade, mas eu fui enfiando e tirando bem devagar e aos poucos foi entrando. Quando a cabeça entrou por completo, a Rúbia eu um gritinho. Parei com ele lá dentro e esperei para continuar. Ela relaxou novamente e prossegui enfiando bem devagar, até que todo o meu pau estava dentro do cuzinho dela. Somente aí ela me disse:

"Que bom que foi você que me tirou essa virgindade!"

Eu quase gozei ao ouvir isso numa frase entrecortada entre seus gemidos. Meu pau inchou dentro do cu da Rúbia e ela soltou mais um gritinho. Agora eu estava enrabando a professora que todo mundo queria comer e era eu quem estava tirando a virgindade do cuzinho dela.

Iniciei a penetração devagar, parando sempre que ela pedia ou gritava muito, mas como uma mulher experiente que sabia o que queria, a Rúbia se acostumou logo em tem meu pau a empalando por trás e logo os gemidos eram só de prazer. Ela enfiou dois dedos na buceta e começou a rebolar no meu pau.

Eu acelerei um pouco o rítmo e agora comia a bunda da Rúbia com alguma força. Ela gemia alto e enfiava os dedos com força na buceta enquanto eu a sodomizava. Tive que me segurar muito pra não gozar quando ela enrijeceu o corpo e gozou, fazendo o cuzinho, já apertado, apertar ainda mais o meu pau.

Tirei meu cacete do rabo dela e olhei. O que antes era um cuzinho apertado e virgem, enrugadinho e totalmente fechado agora era um buraco grande e escuro no meio das ancas da professora com quem eu sonhava fazer essas coisas há tantos anos.

Coloquei a Rúbia deitada de frente na cama e me posicionei de joelhos na frente dela. Levantei suas pernas e encaixei seu quadril no meu, então mirei o pau no seu cuzinho já aberto e empurrei. Ela deu um gritinho mas a expressão no seu rosto era de prazer. Meu cacete entrou todo, de uma vez, até o final e senti minhas coxas baterem na bunda dela. Segurei seus tornozelos e novamente coloquei sesu pezinhos na boca.

Segui metendo na bunda da Rúbia enquanto chupava seus pezinhos e ela voltou a meter dois dedos na buceta agora inchadinha de tanto gozar. Ver ela se contorcendo de prazer ao mesmo tempo que seus pés estavam na minha boca e meu pau invadia seu cuzinho, ovindo aqueles gemidos deliciosos era demais pra mim. Me segurei ao máximo até ela gozar de novo e felizmente aconteceu rápido.

Eu sentia que o gozo dela estava chegando e agora dava estocadas frentéticas no seu rabinho. O som do meu corpo batendo na sua bunda se espalhava pelo quarto, reverberando nas paredes junto com seus gemidos e gritos de prazer. Senti ela gozar e seu cuzinho agora mastigava o meu pau com força. Soquei forte dentro dela e também gozei.

Meu pau pulsava com força e meu gozo jorrava em jatos fortes pra dentro do cuzinho da Rúbia. Fiquei quase um minuto com o pau dentro dela e seus pezinhos na boca até finalizar e, ainda segurando seus pés no alto, tirei o pau e adimirei seu rabo agora completamente aberto, sem nenhum sinal das preguinhas, vermelho, piscando e com um pouco do meu gozo já escorrendo dele, tive a certeza que aquele cuzinho agora me pertencia. O cu da Rúbia era meu.

Peguei-a no colo e fomos novamente pro banheiro. Voltamos a nos beijar no banho e ela subiu no meu colo, enrolando as pernas na cintura, direcionei sua buceta ao meu pau que já estava duro mais uma vez e a segurando pela bunda transamos novamente. Não pude perder a oportunidade de enfiar dois dedos em seu cuzinho enquanto isso e gozamos juntos. Ela me pertencia e eu a ela.

Começamos a namorar e aprontamos muitas outras loucuras sexuais. Talvez eu conte alguma outra algum dia... Saudades da Rúbia...

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 16 estrelas.
Incentive prazr_total a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários