Paty - a aposta, o passeio

Um conto erótico de Cacau CD
Categoria: Crossdresser
Contém 1250 palavras
Data: 01/04/2024 15:14:31
Assuntos: crossdresser

Olá queridinhos e queridinhas, desculpem a demora na continuidade.

Mas vamos continuar a história de Maurício que por um tempo precisa ser Paty, que perdeu uma aposta mas por fim está amando ter que pagar, e aprender a ser uma menina.

Agora veremos como foi o passeio que elas deram no domingo a noite. Espero que gostem!!

Quando chegaram, Paty estava muito insegura, segurava o braço de Lu como quem quisesse se esconder. Lu a chama, e diz em seu ouvido que ela precisa agir com naturalidade, assim ninguém irá reparar nelas, mas se ela ficar toda encolhida, querendo se esconder, fatalmente, atrairá todos os olhares para elas. Nisso, Paty entende, respira fundo e começam a caminhar em direção à entrada do Pub. Elas haviam combinado de deixarem os pedidos e toda a comunicação com terceiros por conta de Lu, afinal, elas temiam que a voz de Paty as entregasse. Paty não tinha uma voz muito forte e máscula, mas estava longe da suavidade de uma voz feminina, por isso acharam melhor apenas Lu falar.

Entraram, e foram encaminhadas a uma mesa em um canto, bem discreto, pediram um peixe, e um vinho para acompanhar. Paty se sentia nervosa, mas disfarçava bem, enquanto Lu tentava acalmá-la. O tempo foi passando, e depois de algumas taças de vinho Paty conseguiu ficar mais tranqüila e se sentia bem, começou a ficar confortável, enquanto às vezes Lu precisava lhe orientar quanto a se sentar, cuidado com as pernas, que por sinal estavam lindas, depiladinhas, bronzeadas, hidratadas, dando inveja a qualquer mulher que a visse. Isso sem falar na marquinha de biquíni, que se destacava entre as alcinhas do seu vestidinho florido. Aceitou até mesmo ir ao banheiro feminino com Lu para retocarem suas maquiagens, ao que Paty morria de rir:

- Nunca imaginei uma coisa dessas, estar de mulher, em público e ainda usar o banheiro! Quando via as mulheres irem juntas ao banheiro retocarem suas maquiagens nunca imaginei que um dia faria isso!! E riam bastante da situação.

Voltaram para a mesa, pediram a conta pagaram e iam embora quando receberam duas flores de cortesia do Pub. Por onde passavam, aquelas duas lindas mulheres atraiam os olhares de mulheres que as admiravam e as olhavam de cima abaixo, e de homens que as desejavam e nem se davam ao trabalho de disfarçar. Por fim, agradeceram pelas flores, e iam em direção ao carro quando um cara se aproximou de Lu e a cumprimentou, não vendo que Paty estava dentro do carro, o cara disse que viu as duas no Pub e gostou muito delas, principalmente da “amiga” dela. Enquanto Paty tentava se esconder Lu riu e disse:

-Ela não é minha amiga, é minha namorada! Ao que o cara ficou todo sem graça e disse:

-Mas me desculpe por te incomodar, mas vocês duas são muito bonitas!

-Obrigada! Disse Lu entrando no carro e sentindo uma mistura de ciúmes, inveja e ao mesmo tempo achando graça.

-O que foi isso? Pergunta Paty atônita. Ao eu Lu finalmente ri e diz a ela:

-Não disse que você estava uma mulher perfeita? Mas ó, sem dar conversinha para esses carinhas heim!! Apesar que esse até que Ra bonitão heim!!

Agora era vez de Paty sentir uma pontinha de ciúmes. Neste meio tempo se dirigiram para casa, e aquele passeio, que parecia um tormento para Party estava terminando melhor do que ela imaginava!

A viagem de volta para casa foi maravilhosa, Paty, um pouco sob efeito do vinho, já estava bem soltinha e relaxada, pouco se importava se havia alguém olhando, se alguém a reconheceria, não pensava em absolutamente nada. Quando saíram de casa, ela estava morrendo de medo de ser vista por alguém, fechou os vidros escuros do carro, e pediu para Lu que dirigia, que se afastassem de casa o mais rápido possível. Mas agora, no retorno, parece que havia se libertado, já estava tarde, mas ela fazia questão que as poucas pessoas nas ruas a vissem. Ao ver isso Lu não conseguia segurar os risos, e as duas davam gargalhadas ao voltar para casa. Lu quase não havia bebido, pois voltaria dirigindo, mas Paty exagerou no vinho, por isso voltou tão corajosa e risonha.

Mas, estava na hora de falarem de algo inevitável. Nunca gostaram de levar serviço para casa, mas ao chegarem em casa Paty teve que falar de trabalho, afinal, logo já seria segunda feira, e como fariam para ir ao escritório? Como Paty iria ao escritório e encontrar com seus funcionários? Então Lu disse a ela que se acalmasse, que ela já havia pensado nisso.

Então elas se trocaram, vestiram cada uma seu baby doll preferido, retiraram suas maquiagens, cuidaram de suas peles e foram dormir. Enquanto estava deitada e não dormia, Paty pensava em tudo o que estava acontecendo. Mil coisas passavam pela sua cabeça. Não entendia como podia estar fazendo aquilo, e o pior - como podia estar gostando! Passou boa parte da noite pensando no seu fim de semana, em todas as peças que tinha experimentado no sábado, na experiência de ser vista pelo entregador de pizza, na tarde de domingo à beira da piscina, em seu biquíni, no passeio, no cara a procurando. Como todas aquelas sensações haviam sido prazerosas, e como ela queria mais. Mas o que mais Poderia vir? E de manhã no serviço como seria? Esta história de home Office, funcionaria? Neste momento, Paty tinha mais perguntas que respostas.

Enquanto pensava e se deliciava ao lembrar de tudo que havia acontecido no final de semana Paty acabou por pegar em um pesado sono, que só foi despertado quando o dia já tinha amanhecido. Ella se levantou foi ao banheiro fazer sua higiene e viu que Lu já havia saído. Em um cabide, viu um conjuntinho verde claro, composto por uma blusa branca e uma calça social, e um blazer que combinava com a calça, formando assim um elegante terninho, acompanhado de um sapato com salto baixo e extremamente confortável, para que ela conseguisse usar durante todo o dia. Junto ao cabide havia um bilhete que dizia:

“ Bom dia for do dia! Não pense que por trabalhar em casa deverá vestir qualquer coisa. Uma mulher elegante precisa estar bem vestida em todas as ocasiões. Esta é a sua roupas de trabalho para hoje. Não se esqueça de caprichar bem na maquiagem e no penteado. Pode usar um brinco meu, procure um que combine com sua roupa. E não exagere na maquiagem. Seu notebook de trabalho está no porta malas de seu carro, pode descer até a garagem e pegá-lo, assim poderá trabalhar normalmente de casa. No escritório direi que você não está se sentindo bem e por enquanto trabalhará de casa. Quando estiver pronta, tire uma foto e me mande! Beijos!!”

Paty sorriu, e foi se arrumar, vestiu a calça e lhe caiu muito bem, assim como a blusinha eu era bem recatada, uma roupa própria para um ambiente de trabalho, mas muito elegante, principalmente com o blazer por cima. Foi ao espelho, deu uma voltinha e viu que a calça destacava sua bundinha, e a marca da calcinha se destacava naquele tecido. Ficou maravilhada se observando no espelho. Fez uma maquiagem mais básica, conforme já havia aprendido, um penteado que destacava muita feminilidade em seu rosto, e para completar escolheu um par de brinco prateado de Lu, aproveitou e pegou também uma gargantilha que combinava com os brincos, calçou o sapato e estava pronta para seu dia de trabalho – seu primeiro como Paty.

Continua...

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 18 estrelas.
Incentive Cacau_Cd a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários