Esconde-esconde gostoso

Um conto erótico de Branquinh121
Categoria: Gay
Contém 982 palavras
Data: 02/04/2024 22:26:04

Oi pessoal, estou de volta.

Obrigado pelo feedback sobre meu primeiro conto. Continuarei a dar o meu melhor e lhes proporcionar boas histórias sobre minhas experiências sexuais.

Antes, deixa eu falar um pouco sobre mim. Tenho 26 anos, 1,78cm, 83Kg, branquinho, cabelos castanhos em corte social. Tenho medo de falar meu nome e me expor demais kkkkkkk... Vamos para o caso.

Como viram no título, vou falar sobre uma das melhores brincadeiras já inventadas: O esconde-esconde. Só quem já brincou e praticou putaria sabe do que estou falando: Das oportunidades que a brincadeira te proporciona para sarrar e se aproveitar dos amigos kkkk

O dia do acontecido era um sábado a noite, lembro disso pois estavam todos os meus amigos reunidos, até os que vinham passar uns dias aqui, vindos do interior. Somados, tinham uns 9. A rua da minha casa é larga e no tempo, haviam duas casas abandonadas, um terreno e uma casa em construção. O "Conta" (Quem ia procurar os outros) era o mais novo e mais lento de todos, então era a hora de aproveitar. Fui me esconder em uma das casas abandonadas com o Lucas, aquele mesmo do primeiro conto, que me botou pra chupar na rua. A casa era grande e tinha espaços nas duas laterais da casa para ir para a frente e para trás da casa, uma cisterna e paredes em construção, então sempre tinha aonde se esconder.

Depois de uns minutos escondidos, pensei em chamar Lucas pra perto para satisfazer minha vontade de putaria. Ele estava na lateral direita da casa, deitado, bem no escuro, eu quase não conseguia ver ele. Eu estava na parte de trás da casa, por trás da cisterna. Me aproximei um pouco dele e falei: "Lucas, deixa eu comer seu cú?"

Lucas: "Vem pra cá"

Eu: "Aqui tem mais espaço, vem pra cá".

Lá vem ele pra perto. Quando ele chegou, me perguntou como seria. A cisterna é daquelas altas, passando quase 1 metro do chão. Eu falei: "Apoia as mãos na cisterna e empina a bunda".

Aí eu encoxei ele, nós dois de roupa. Era ele parado quietinho e eu roçando o pau duro na bunda dele. Roçava de um lado pro outro, dava umas estocadas e seguia o ritmo, até que:

Lucas: "Deixa eu te comer também?"

Eu: "Tá bom, deixa eu ia para aí ".

Trocamos de lugar e ele começou a me encoxar. Eu sempre tive a bunda grande, redondinha, branquinha e lisinha. Nunca fui de ter pelos na bunda. Ele encaixou perfeitamente o pau na minha bunda e começou a forçar o pau contra mim, e eu gostando demais. Deixei ele roçar por mais um tempo e pedi para trocar. Trocamos de lugar.

Falei: "Tira o calção e cueca, deve ser melhor".

Lucas: "Melhor não, podem me ver sem roupa".

Aceitei e encoxei ele. Com mais ritmo e mas mira. Tava com a cabeça do pau latejando exatamente no cuzinho dele e sei que ele sentia tudo, porque ele usava aqueles calções de jogador, finos. Pouco tempo depois, ele pediu para trocar. Trocamos de lugar.

Lucas: "Tira seu calção e cueca".

Eu: "Você não quis, então também não quero".

Lucas: "Vai, tira logo, depois eu tiro.

Eu, com vergonha, ainda cheguei a dizer não, mas depois cedi. Eu tava com muito tesão e queria experimentar coisas novas, e nada melhor do que ser com ele.

Baixei o calção e cueca até a metade das coxas. Inclinei pra frente e empinei a bunda pra ele. Ele alisou minha bunda, como se estivesse satisfeito em ver aquele rabo na frente dele. Não sabia se ele já tinha comido um cu, mas sabia que ele ia tentar me comer. Estava um pouco nervoso com a idéia, pois nunca tinha feito isso.

Primeiro, ele encostou em mim com o pau apontado pra cima, bem no meio do meu rabo. Nem precisou abrir minha bunda, como o pau dele era fino, encaixou perfeitamente. E começou a pressionar o pau na minha bunda.

Até que...

Ouvimos um barulho lá fora, e era o conta. Rápido como uma flecha vesti a roupa e nos escondemos atrás dos muros atrás da casa.

Ele vinha entrando e a cada passo, eu ficava mais nervoso. Já próximo a gente, ouço algumas pessoas passeando em frente a casa correndo. Era os outros amigos que correram pra se salvarem. Ele saiu correndo para ver quem era.

Passou um bom tempo, e nada de barulho. Continuavamos ali, escondidos. De propósito, me inclino pra frente e empino o rabo pra Lucas, que entende imediatamente. Sinto as mãos dele pegando meu calção e cueca e descendo as duas ao mesmo tempo. Puts. Ali era o pau dele de frente ao meu cu. Tava só esperando a pirocada. Até que senti algo quente encostando no meu buraquinho. Pensei: É AGORA, FUDEU.

Ele colocou as mãos na minha cintura e começou a pressionar o pau contra meu cuzinho. No tempo, o pau dele era pequeno (AINDA) e eu tinha a bunda grande, então ele não conseguia me penetrar. Mas ficou ali tentando meter por um bom tempo. E tava gostoso, nossa como tava gostoso.

QUEM NUNCA SE PERMITIU DEIXAR ALGUÉM FAZER O QUE QUISER DE SI, NÃO SABE A DELÍCIA QUE É.

Lucas: "Tá entrando?"

Eu: "Tá não"

Ele pega o lado direito da minha bunda e abre minha bunda, expondo meu cu. Feito isso, ele pôs mais força e tava quase penetrando, só não entrou porque não tinha lubrificação. Ele inexperiente, não cuspiu e por isso, o pau não entrou. Mas seguiu tentando até que o conta entrou de novo lá. Vesti a roupa e quando ele se aproximou, saímos correndo.

Passamos pela porta primeiro que o conta e conseguimos nos salvar.

Brinquem de esconde-esconde e se aproveitem das pessoas ou deixem que se aproveitem de vocês

Vivam, experimentem, a vida é curta.

Se curtirem, lanço mais um.

Abraço.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 19 estrelas.
Incentive Branquin121 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Jota_

Cara, tesão demais a sua escrita!!

0 0