Dominador e princesinha, duas personalidades em um corpo 15

Um conto erótico de DomPrincesa
Categoria: Trans
Contém 1136 palavras
Data: 02/04/2024 16:47:05

A rotina nós engoliu naquele fim de ano, demos nossa escapada, namoramos, mas nada além do normal, porém nos momentos que éramos só nos duas me sentia nas nuvens, amava ser a princesa dela, explorávamos cada cm de nossos corpos.

Com o fim daquele ano e aprovadas sem muitas surpresas, os campeonatos de bike chegando no fim também, começaram as questões de o que faríamos já de faculdade, pois no ano seguinte já poderíamos começar os cursinhos, de verdade eu tinha muitas dúvidas, sabia que não queria ser advogado como papai, também não gostaria de ser atleta profissional, pois naquele momento já imaginava que não seria exatamente um homem pra sempre, olhava mamar sendo médica e isso realmente me inspirava, principalmente a parte estética, mas também gostava da área de fisioterapia e nutrição. Alice por sua vez já estava decidida que seria nutri, mas eu é claro estava na dúvida, se minha identidade de gênero já era uma questão que me tirava o sono, imagina a minha futura profissão rsrs.

Passado o Natal e ano novo, decidimos que precisávamos viajar, só nós duas, queríamos ir pra Salvador a alguns meses e pedimos ao nossos pais de presente, fiz minha mala, literalmente n levando nada do meu lado menino, pra embarcamos, eu estava com uma camiseta oversized “unissex” estilo destroid do nirvana, ela era cinza com algumas manchas de cinza mais claro e a logo com detalhes em roxo, uma calça de moletom creme, bem largadinha, no pé eu esteva com um dunk branco com detalhes em roxinho claro que combinavam com a camisa, eu estava sem sutiã, porem com uma calcinha de renda que nesse momento usava sempre, tinha definitivamente desistido das fios dentais, renda não deixa de ser sexy, porém é confortável, meu cabelo estava bem longo, pois nesse momento todos os cortes que tinha feito no ultimo ano, nenhum era para tirar comprimento mais, mas sim pra trabalhar mais o volume, estava usando uma franja na altura da sobrancelha em v, que ao mesmo tempo era fofa e pratica, nesse dia já tinha finalizado pra dar um volume nos cachos e manter o movimento e quando papai perguntou falei que tinha errado a finalização e estava esperando secar pra prender se não mamãe me batia rsrs. Eu tinha cada dia mais dificuldade de esconder meu lado feminino, esse dia mesmo sem maquiagem quando precisava interagir com pessoas elas já me tratavam no feminino. Ao passarmos a parte do check-in, estávamos no lounge já esperando para embarcar depois das vistorias, só nós duas, dei um pulo no banheiro rapidinho, coloquei um sutiã com um bojo, que já dava uma marcadinha na camisa, passei uma maquiagem rápida, com meu bom e velho delineado de gatinho, resolvi ousar um pouco, passei um batom vermelho, que com meu cabelinho loiro e minha pele clara destacava horrores. Eu chegar no saguão de novo, Alice me olhou com cara de feliz, sentei ao lado dela, mexendo no celular e conversando normalmente, ela brinca que eu estava muito saidinha, quando perguntei porque, ela simplesmente me responde que nem disfarçava mais meu lado menina, se não estava na hora de assumir logo, eu fiquei envergonhada e pedi desculpa, ela falou que estava tudo bem, por ela não tinha problema, mas se não seria até pra mim mesmo, mais simples me assumir, contar ao menos aos meus pais que eu tinha esse lado feminino, falei que pensava nisso, mas que ainda tinha receio de algo, ela com cara de deboche solta “garota, olha o cabelo teu como esta, tua roupa, tua unha esta grande e bem cuidada apesar de não estar pintada, já está até maior que a minha, se teus pais não desconfiam de algo, eles são cegos” eu dei risada e falei que não tinha notado, mas que realmente era difícil esconder esse meu lado mais feminino mesmo e que na volta pensaria, depois disso logo embarcamos, Alice desmaiou dormindo antes mesmo do avião decolar, eu fiquei sozinha ali na janela olhando pra fora, resolvi mexer no celular e procurar mais sobre mim, foi a primeira vez que achei o termo “pessoa de gênero fluido” onde algumas vezes era masculino e outras feminino, normalmente essas pessoas tinha um gênero mais sobressalente, mas não somente um, as vezes até mais de dois, isso me vi muito, pois eu apesar de muitas vezes ficar desconfortável como homem, gostava de ser homem algumas vezes, então era algo que mexia comigo, mas ver ali pessoas que fluíam entre os dois gêneros me deixou mais leve, até mesmo a questão sexual, pois não gostava de ser passivO, havia ficado desconfortável as vezes que testamos e Alice também notou, por isso tínhamos parado.

Assim que o avião pousou em salvador, ainda era dia, saímos direto para o hotel, deixar as coisas para passearmos um pouco antes de anoitecer e comer algo, pois Alice nem por lanche tinha acordado, deixamos as coisas no hotel e quando estava terminando de arrumar minha mala, resolvi trocar de roupa, coloquei no lugar do moletom, um shorts jeans com a barra desfiada, que ficava bem justinho, destacando minha bunda, a hora que estava terminando de subir, sinto a mão de Alice apertando minha bunda com força, aquilo quase virou minha chave, mas antes que isso acontecesse virei pra ela falando que precisávamos sair, que se começássemos ali íamos longe, ela até concordou, mas me segurou pelo pescoço, me deu um beijo daqueles de me tirar o folego, mas a sacana depois do beijo saiu andando me deixando mole, fui atras dela já reclamando que ela não podia fazer essas coisas, pois eu não pensava excitada, ela olha pra mim e me pergunta se eu realizaria um desejo dela, falei que realizaria todos, pois éramos namoradas, era eu por ela e ela por mim sempre, ela então fala que eu era toda menininha, toda patricinha, mas que faltava algo, ela queria que eu ficasse com homens também nessa viagem, falou para abrirmos nosso relacionamento, eu fiquei tonta com aquela fala, falei que não a via com outros homens, ela rapidamente me corrige, o combinado seria: eu ficaria com homens apenas, pois ela não conseguia me imaginar com outras mulheres e ela poderia ficar com mulheres, pois de homem ela falou que eu já bastava pra ela, fiquei pensativa, pois eu teria que entender, porem ela sempre me entendeu, eu olhei pra ela no fundo da alma e falei que tudo bem, poderíamos fazer isso, desde que caso em algum momento uma de nós ficasse desconfortável a gente pararia na hora. Ao sair na rua, olhava o mundo diferente, pensava na minha cabeça sempre que via um homem, “pode ser esse”, mas mais uma coisa não saia da minha cabeça que era “será que ficarei só nos beijos? Ou vou conhecer algo a mais?”

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 18 estrelas.
Incentive DomPrincesa a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de DomPrincesaDomPrincesaContos: 21Seguidores: 25Seguindo: 1Mensagem uma pessoa hoje sem genero, estou terminando medicina e resolvi contar a minha vida e como cheguei aqui, me tornei que sou depois de minhas experiencias, um ser simplismente inrrotulavel

Comentários

Foto de perfil genérica

Amando seus contos! Me identifico muito com você, me sinto exatamente como você e meu relacionamento é muito parecido com o seu.

0 0
Foto de perfil de Veronica keylane

Olhaaaaa interessanteee!

0 0