Mamãe tirando minha virgindade

Um conto erótico de Miguel
Categoria: Heterossexual
Contém 2753 palavras
Data: 11/02/2024 22:55:37

Eu havia me mudado fazia cerca de 3 anos para a cidade grande, morava sozinho em meu apartamento e deis que havia me mudado não tinha mais visto minha mãe. O maior motivo da minha mudança havia sido exatamente ela e sua forma de ser, ela sempre me tratou como homem e nunca como seu filho e deis da morte do meu pai ela havia demonstrado sentimentos estranhos por mim e eu também comecei a sentir o mesmo e por isso decidi me mudar antes que algo acontece.

Porém quando estava me acostumando a viver sozinho na cidade grande, recebo uma mensagem dela, dizendo:

Mãe: - “Minha antiga professora está abrindo uma exposição da capital e me pediu ajudo, irei ficar no seu apartamento alguns dias”

Depois disso ela apenas me mandou o dia que viria e aonde devia busca-la. A busquei quando ela chegou e fomos para meu humilde apartamento enquanto conversávamos coisa básicas. Ela não havia mudado nada nesses três anos, na minha cabeça não parava de pensar em como mina mãe era gostosa... nos últimos dias que morava com ela, eu já não tinha problemas em me masturbar pensando nela...

Chegamos em casa e ela já começou a reclamar de como eu era desorganizado, até que dei um basta nas reclamações dela e aconselhei ela a tomar um banho, foi então que ela disse:

Mãe: - Claro, mas isso me pareceu meio sugestivo, quer tomar banho com a mamãe...

Eu: - Não, não é isso...

Ela apenas deu risada e saiu andando para o banheiro, ela ficou um bom tempo lá e quando saiu estava completamente nua e apenas enrolada na toalha e já veio perto de mim dizendo:

Mãe: - Eu tenho ganhado um pouco de peso recentemente... Mas ainda estou bonitinha, não é?

Eu: - Não fica andando só de toalha na minha frente.

Mãe: - E qual o problema?

Eu: - Há esquece, vou ir tomar banho para me acalmar.

Fui para o banheiro, eu havia ficado completamente duro apenas vendo minha mãe de toalha e demorou um bom tempo para meu pau baixar. Quando sai do banho e cheguei no meu quarto, minha mãe estava deitada na minha cama bebendo vinho, ela perde completamente a noção quando bebe e não demorou muito para ela começar a fazer certas perguntas:

Mãe: - Você ainda é virgem... por quê não tem uma namorada? Eu tinha a sua idade quando eu tive você...

Eu: - N-não fale sobre isso.

Mesmo eu advertindo-a, ela continuou:

Mãe: - Você não para de olhar para meus seios... sabe mulheres sabem dizer quando alguém a está olhando.

Fiquei surpreso com o comentário dela e tentei disfarçar.

Mãe: - Meu deus! Se apresse e perca logo essa virgindade... mulheres no fim são iguais homens, elas só querem transar também... É simples...

Eu: - Se é tão simples então... mãe... vamos fazer sexo.

Mãe: - O que? Não... não? Pera, que?? Que... besteira você ta falando?? E-Eu entendo mas... eu não posso ser a primeira vez do meu filho... você bebeu também né?... nos dois bebemos muitos... p-por que você só não vai no banheiro e alivia isso?

Eu: - Por que eu não quero fazer isso comigo mesmo, eu sinto desejo por você a muito tempo e esse foi o motivo de eu me mudar, mas agora que você está aqui ainda tenho o mesmo sentimento.

Mãe: - Meus quadris estão tremendo... p-por que eu me sinto assim... você ta falando sério? Sério mesmo?

Eu: - Muito sério.

Mãe: - É... não sei...

Eu: - Me deixa tocar apenas seus peitos, assim eu vou conseguir me aliviar mais rápido e talvez diminua meu desejo.

Mãe: - Você... acha que isso vai ajudar?... mas... se isso é tudo, então pode vir...

Fui até ela e comecei a massagear seus peitos por cima da blusa, ela estava sem sutiã, então conseguia senti-los completamente. Seus seios eram gigantes e muito macios, e enquanto eu apalpava, ela dizia:

Mãe: - Eu não vim passar uns dias contigo para fazer essas coisas... eu juro por deus... esse meu filho... desde que você era criança você não parava de encarar meus peitos... você sempre estava olhando... ah... mmmn... a-ahh

Arrisquei usar minha boca e comecei a mama-los por cima da blusa, e ela apenas disse:

Mãe: - F-filho... minhas roupas vão ficar amassadas e molhadas... e-espera um pouco... aggh...! a-ahh... e-eu acho que não tenho escolha mesmo então...

Ela então tirou minha boca e levantou a blusa revelando seus peitos para mim. Eles eram mais perfeitos do que imaginei que era possível, grandes, firmes e com aréolas gigantes e moreninhas, além dos bicos grandes.

Mãe: - ... aqui!

Voltei a cair de boca neles imediatamente, chupava, mordia os bicos e os apertava, enquanto ela gemia.

Mãe: - I-Isso é o suficiente, certo?

Eu: - S-será que você não poderia bater uma com as suas mãos?

Mãe: - Que? Sério? Você...

Eu: - Por favor...

Mãe: - Eu juro que você... me faltam palavras...

Eu: - Não mandei você sempre me seduzir... por isso fiquei assim e você não pode negar....

Mãe: - ... deita ai vai...

Tirei minha roupa e me deitei com a cabeça no colo dela e enquanto mamava seus seios ela começou a me punhetar.

Mãe: - Era tão fofo quando você era pequeno... e agora... tão grande...

Eu: - I-isso é tão bom!! N-Não para não... A-ahhh!!

Mãe: - Isso... goza logo, seja rápido.

Eu: - Ahhh... Meu deus!! A-Ahh!!

A porra começou a sair e gozei para todo lado, a maior parte caiu no corpo da minha mãe, em seus peitos e até um pouco no seu rosto e cabelo e não demorou para ela reclamar:

Mãe: - Caramba você gozou tanto... me sujou toda e eu acabei de tomar banho... esse cheiro de porra... e o tanto também.

Eu: - Desculpa... e-eu fiquei muito animado, e deu nisso...

Mãe: - Homens realmente gozam muito quando são jovens. Se sente aliviado agora, né? Vamos parar por aqui...

A verdade é que eu queria muito mais, mas sabia que não ia adiantar nada pedir naquele momento, então apenas concordei e enquanto ela foi tomar outro banho eu dormi.

No outro dia minha mãe me obrigou a ir com ela na exposição e eu passei o dia toda ajudando-a e sua antiga professora. No caminho de volta eu estava em silencio, até que ela começou a dizer:

Mãe: - Você ficou o dia todo encarando meus peitos, você sabe disso, né?

Eu: - Sim...

Mãe: - Ontem quando você começou a dizer aquilo e eu cedi achei que iriamos transar...

Ficou um silencio por alguns segundos, até que eu disse:

Eu: - É o que eu sempre quis.

Mãe: - Então por que não me pressionou mais ontem?

Eu: - Achei que não iria adiantar.

Mãe: - Então você vai continuar virgem para sempre?

Eu: - Não... por favor, mamãe... eu quero tanto você.

Mãe: - Você é mesmo um pervertido pedindo isso para sua mãe... e eu também não sou já que aceitei ontem e também to pensando em aceitar hoje... então, o que acha?

Eu: - Q-que?? Você ta falando sério?... s-se esse for o caso, então sim! Claro que quero!

Mãe: - Seu pedido é tão fofo... para em alguma farmácia no caminho e compre algumas camisinhas.

Assim que entramos no apartamento eu já a agarrei por trás e comecei a apalpar seus peitos:

Mãe: - A gente acabou de chegar, me solta vai.... me deixa tomar um banho primeiro... filho...

Eu: - Não... é melhor assim...

Enfiei minhas mãos por debaixo de sua blusa e agarrei novamente seus seios.

Mãe: - Eii... seu cacete ta esfregando em mim... se acalme... eu não vou fugir...

Eu: - Eu quero te comer...

Mãe: - Você é muito impaciente sabia... mas eu imaginei que seria assim, até por que é sua primeira vez, vem me comer então.

Fomos para o quarto e mamãe deitou na cama com a barriga para cima e com as penras abertas, ela já estava sem roupas e era possível ver sua buceta exposta. A buceta dela era grande e estava com alguns pelinhos em volta.

Mãe: - Você colocou uma caminha certo?... não tira ela até acabarmos... eu não faço isso tem um tempo, e-então vai com calma, ta bom?

A minha experiencia era zero, então eu não sabia bem o que era ir devagar, então apenas segui meus instintos, meti todo meu pau dentro da buceta dela e comecei a meter.

Mãe: - A-ahh!! Meu deus!! É tão grande!!! D-Devagar! Deixa-me acostumar... AGGH...! NNGH!!! NNNH! A-AHHH... AH!

Não aguentei muito tempo e logo senti que iria gozar. Senti a porra vindo e enchendo a camisinha e enquanto eu gozava abracei e mordi minha mãe. Depois ficamos um tempo conversando e assim que me recuperei fomos para o segundo round. Dessa vez ficamos sentados e mamãe sentou no meu colo. Amei essa posição, pois enquanto metiamos era perfeito para eu brincar com os seios dela e me aproveitei ao máximo, enquanto ela pulava no meu pau eu mamava seus seios como se não se ouve amanhã.

Eu: - Sua buceta é tão boa... Aah eu não consigo me conter...

Mãe: - Eu não consigo me controlar também...

Eu: - Mãe... me da tanto tesão você gemendo assim, você geme tão alto... M-Mãe, eu te amo!

Esse segundo round eu consegui durar mais, porém mantivemos apenas essa posição já que estava perfeita e no fim eu e ela gozamos juntos.

No outro dia mamãe foi embora, ela havia voltado a ser minha mãe e antes de ir me tratou apenas como seu filho. Durante o tempo que ficamos longe um do outro eu mandava mensagem sugestivas para ela e sempre perguntava quando ela iria vim me visitar, no começo ela dava uma certa ignorada, mas aos poucos ela começou a me responder como uma mulher em poucos dias me avisou que iria vir me visitar.

Assim que ela chegou fui busca-la e no caminho ela começou a falar:

Mãe: - Sério... você deveria parar com aquelas mensagens estranhas... enfim o que vamos fazer hoje?

Eu: - Fica tranquila que já tenho tudo planejado.

Primeiro a levei em um restaurante decente, almoçamos e conversamos e eu fiz de tudo para que parecesse mais um encontro do que um almoço entre mãe e filho. Quando acabamos de comer eu a levei para um motel, queria algo mais privativo que meu apartamento e um lugar que ela não lembra-se que era minha mãe, no caminho até o motel fomos em silencio, acho que ela já esperava por isso, fizemos o check-in e fomos para o quarto e quando chegamos lá, ela apenas entrou e se sentou na cama. Não querendo ser apressado dessa vez, apenas fui atrás dela e me sentei do seu lado, ela então deu uma fungada e pegando na minha mão começou a dizer:

Mãe: - V-você sabe o tesão que eu tô sentindo agora... sendo sincera, quando você pediu meu corpo pela primeira vez eu senti algo fervendo dentro de mim... fazer sexo com alguém mais jovem despertou a mulher dentro de mim... foi uma experiência incrível... enquanto nos víamos para cá eu já imagina o que iria acontecer e então senti minhas bochechas ficando vermelhas, e eu comecei a ficar animada, tensa, minha buceta começou a “suar”, eu sinto minha calcinha ficando molhada, minhas calças também, sinto escorrendo pelas minhas pernas... Essa é a primeira vez que me sinto assim antes de chegar no sexo... eu estou completamente pronta para aceitar você, independente se isso é errado ou não.

Eu: - Eu quero seu corpo, mamãe!

Tiramos nossas roupas e então eu pude ver o tanto que ela estava molhada:

Eu: - M-Mãe... você ta tão molhada...

Mãe: - Você também está no limite... se apresse e mete logo.

Eu: - Não quero ser apressado dessa vez... quero sentir seu gosto antes.

Senti os olhos dela brilhar ouvindo isso, então ela se deitou na cama e eu fui chupa-la. No começo fiquei perdido, mas com as orientações dela fui melhorando e no fim consegui faze-la gozar na minha boca, sentir ela se tremendo toda com minha boca e apertando minha cabeça com suas pernas foi incrível. Então coloquei ela de quatro e começamos a fuder, ver ela de quatro era uma visão incrível e sem pensar eu já meti tudo de uma vez:

Mãe: - MMMMM... E-Entrou com tudo...

Eu: - Aah! Mãe... dentro de você é tão quente...

Dessa vez metiamos sem camisinha, ela havia permitido deis de que eu gozasse fora. E no pelo a sensação era completamente diferente, conseguia sentir ela por completo e meu pau em cada canto de sua buceta.

Eu: - Geme mamãe, aqui você pode gemer o quão alto quiser.

E ela realmente gemeu, urrava de prazer e eu não parava de meter nela. Então senti que iria gozar e pedi para ela se não poderia gozar com uma espanhola e ela aceitou sem problemas. Ela se deitou na cama virada para cima e eu subi encima dela, colocando meu pau entre seus peitos, ele encaixou perfeitamente no meio dos peitos dela e comecei a comer eles com meu pau. Ela cuspia no meu pau para ele deslizar mais facilmente e também utilizava a língua para lamber a cabeça durante o vai e vem, então eu gozei. A maior parte da porra caiu em seu rosto e um pouco em seu pescoço e peitos.

Mãe: - Ahhh! Sua porra é tão grossa! Parece que só pelo cheiro ela vai me engravidar...

Depois que ela se limpou, sentamos na cama e ficamos conversando:

Mãe: - Nossa... você goza tanto com sua mãe como parceira, o que tem de tão especial em uma velha como eu?

Eu: - Você é perfeita e sempre fui fissurado em seu corpo.

Mãe: - Bem... se você gosta tanto assim, eu não tenho do que reclamar. No fim somos tão compatíveis... eu amo isso. Ahh estou tão feliz por você ter nascido. Hum... por quê a gente não se diverte mais? Sua mãe está esperando... Eu vou sentir muita saudade de você quando for embora.

Fazer sexo com a minha mãe virou parte da minha rotina. Nós nos encontrávamos todo final de semana, eu a buscava na rodoviária e saiamos para comer, conversávamos um pouco e sempre acabava comigo metendo nela várias vezes.

Sempre transávamos com camisinha, até que um dia ela mesmo propôs:

Mãe: - Você quer fazer sem proteção? Você nunca tentou isso sem camisinha, né? É muito bom... mas você não pode gozar dentro... ter filhos com sua própria mãe seria ruim.

E transar sem camisinha era realmente algo magnifico, eu conseguia sentir mamãe por inteira, sua temperatura, meu pau batendo no fundo da sua buceta, como ela estava molhada.

Quando estava perto de gozar, ela pediu para vim por cima. Ela sentou encima de mim, com a bunda virada para minha cara e começou a rebolar, sentia meu pau batendo em seu útero e a vontade de gozar foi aumentando cada vez mais, ainda mais com ela gemendo feito louca:

Mãe: - I-isso... isso é tão bom... Ahn Ahhh aaaa....

Sentiu que iria gozar e queria de qualquer jeito terminar dentro dela, então a segurei encima de mim e comecei a ajudá-la a rebolar:

Mãe: - N-nãooo!! A-ah Você vai gozar agora não é? Me solta! Ah...! E-espera você não.... ficar gravida... não...

Gozei dentro e foi a melhor gozada da minha vida, enchi a boceta de porra. Ela reclamou por uns 5 minutos depois, mas quando começamos o segundo round ela se acalmou:

Mãe: - Eu te disse para não gozar dentro... Você é muito safado... e pensar que gozou dentro da sua própria mãe... eu vou deixar, só hoje...

Continuamos metendo e o segundo round terminei dentro novamente, porém dessa vez com ela pedindo:

Mãe: - Goza dentro da sua mão vai... MEU FILHO TA SOLTANDO PORRA DENTRO DE MIM... goza, goza, goza dentro da sua mãe!

Depois desse dia eu e minha mãe só fazíamos sem camisinha. De primeira, minha mãe brigou muito por eu ter gozado dentro, mas sempre que eu pedia, ela deixava facilmente. Ela se viciou em mim, me visitando mais e mais... sempre quando tínhamos tempo livre, nos transávamos, e toda vez que nos transávamos, meu desejo crescia ainda mais.

Nós sempre almoçávamos juntos e transávamos depois... e transávamos... de novo e de novo... Sem me cansar, eu sempre a comia e sempre gozava em sua buceta e na sua cara, marcando-a com a minha porra e dizendo “essa mulher é minha”.

Eu: - Mão, eu te amo!

Mãe: - Você nem precisa dizer, eu já sabia... Você vai estar livre nesse final de semana? Eu quero mudar a mobília de casa, pode me ajudar? E quando nós acabarmos... eu vou te chupar e fazer você gozar em meu rosto até suas bolas estarem secas... o que acha?

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 70 estrelas.
Incentive MiguelCapetinha a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Conto otimo que mais gostosa em fazer amor assim e bom manda foto danieloliveirabarcelos@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Amei o seu conto e gostaria de saber mais sobre sua mãe e as transas dela. E queria receber fotos dela se possível. Meu e-mail é adriano_sp_pv8@hotmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Show de bola, continue a contar mais aventuras suas

1 0

Listas em que este conto está presente