Tentando perder o cabaço: Só as garotas

Um conto erótico de Gabi
Categoria: Lésbicas
Contém 1197 palavras
Data: 10/02/2024 23:41:21

Eu tinha acabado de gozar me masturbando no banco de traz do taxi com o motorista me assistindo. Ele então para o carro e diz para eu sentar no banco de passageiro. Eu saio e carro e entro de novo do lado do motorista. Ele imediatamente passa a mão nos meus peitos e depois desce para a minha boceta. Eu sinto um novo dedo no meu grelo, um que não é meu, e apesar de já ter gozado, eu fico toda molhada de novo. Mas isso não era o suficiente, eu queria pica.

-- Moço, você pode me comer? -- Eu pergunto para o motorista.

-- Desculpa, mas você é do Capeta e eu não quero encrenca. Mas posso de fazer sentir bem.

Ele continua me masturbando e eu gozo de novo, mas fico mal de ver o volume na calça do motorista, eu então abro a braguilha dele, pego o pau para fora e o masturbo. É a primeira vez que eu pego em uma pica, mas ele estava bem duro e mesmo com pouca experiência eu consigo faze-lo gozar. Ele mela toda a minha mão.

-- Tem lenço no porta-luvas -- Ele diz. Eu me limpo e ele continua dirigindo até me deixar em casa.

Mais uma vez eu termino o dia sem ter perdido o cabaço.

Desisto de tentar de novo, juro que nunca mais ia procurar o Capeta. Mas depois de alguns dias aparece uma mulher na minha casa. Era uma morena gostosona, bem mais peituda do que eu. Ela estava usando um vestidinho bege sem alças que prendia no peito só com o elástico e descia todo soltinha até um pouco abaixo da bunda dela.

-- Oi amiga, o Capeta me mandou pois vai ter uma festa hoje de noite e ele disse que é para a gente ir comprar umas roupas novas, vem comigo eu estou com o dinheiro dele.

Eu não resisto ao convite e vou com Danielle em um taxi. Eu fico feliz de estar de shortinhos jeans e top, e portanto dessa vez eu não mostro a boceta para o motorista. Mas o mesmo não pode ser dito para Dani, quando ela entra no carro eu vejo que ela estava sem calcinha e ela se expõe inteira para o motorista, da mesma maneira que havia acontecido comigo anteriormente. Ela parece não se importar e desse vez o motorista só olha.

Elas chegam em uma loja de roupas para raves e clubs. Eu olho para araras de roupas e vejo diversos vestidos com cortes ou então transparentes, shorts coloridos e muitos também transparentes, tops, etc. Na verdade eu rio um pouco só de imaginar vestindo algo assim. Dani pega algumas peças de roupa e fala para nós duas entrarmos no provador. Ela tira o vestido e já está completamente nua, então fala para eu tirar a roupa. Eu tiro o top e o shorts, ficando só de calcinha.

-- Não querida, tira tudo.

Hesito um pouco mas também tiro a calcinha. Estamos as duas garotas completamente nuas no espaço apertado do provador e eu fico um aflita com isso, ela se move e os peitões dela roçam em mim.

-- Veste isso -- Ela diz e me dá um body preto.

Eu me visto e olho no espelho, o body era transparente, meus mamilos estavam completamente visíveis. Além disso era extremamente cavado, com um V profundo que começava na minha cintura e ia afinando até no final mal cobrir somente os lábios da minha boceta. Atrás ele ficava todo enfiadinho na minha bunda. Mas não acaba nisso, ela me dá um sutiã aberto, somente dois triângulos de faixas finas que ficavam em volta dos meus peitos e uma "calcinha" que também era aberta, um pentágono de faixas presos por 3 alças de cada lado. Me olho de novo no espelho, o body e a "lingerie" juntas não faziam eu estar vestida, pelo contrário, era mais indecente do que Dani, que estava completamente nua do meu lado.

-- Você está tão gostosa que dá vontade de te comer -- Ela diz antes de me beijar.

Fico boba de ter sido beijada por uma mulher, mas ela beijava bem. Ela nem se abala, coloca a roupa que havia escolhido. Era um vestido de couro falso, curto, justo, coladíssimo no corpo dela, só que nos lados ele era aberto, com um cordão que ia de cima abaixo prendendo a frente com a parte de traz. Dava para ver perfeitamente que ela não usava nada por baixo.

Nós nos vestimos com as nossas roupas. Ela paga pelas compras e nós vamos embora para a casa do Capeta. Não havia mais ninguém lá, ficamos só nós duas. Dani prepara um caipirinha para a gente, depois coloca música para tocar e começa a dançar toda sexy. Eu beberico o meu drink, que estava bem forte e logo eu estou bebinha. Dani me puxa para dançar com ela e eu vou na onda. Eu me solto e começo a curtir, Dani dançava muito bem, mas ela assume o papel de homem e me conduz, e mesmo não sendo sapata eu sinto um tesãosinho e junto com o álcool eu a beijo. Dani responde ao beijo e ainda pega na minha bunda,

Desde o começo eu estava obcecada com os peitões de Dani, bem diferente de mim, eu então tiro os meus lábios, abaixo o vestido dela e enfio a cara no meio dos peitos. Talvez no fundo isso era algo que eu sempre quis fazer com garotas mais peitudas. Dani tira o meu shorts e passa a mão na minha boceta por cima da calcinha. Eu sinto o meu grelinho pulsando. Ela então me pega pela mão e me puxa até o quarto do Capeta.

Pela primeira vez eu estou no quarto do carinha que eu queria que me comesse, mas ele não estava lá, em vez de uma pica, eu estava lá com outra boceta. Ela me deita na cama, tira o vestido, o que a deixa completamente pelada. Dani então vem para cima de mim, que estou deitada de costas, e puxa a minha calcinha até o meu tornozelo. Nesse momento eu sinto vergonha e tento cobrir a minha xoxota com a mão, mas Dani tira as minha mãos e faz algo que eu não esperava, ela coloca o rosto entre as minha pernas e lambe o meu grelo. Eu fico toda vermelha e penso: "EU NÃO GOSTO DE MULHER!!!!", mas o meu corpo me trai e eu gemo. Dani interpreta isso como um sim e começa a chupar a minha boceta e meu deus, é muito bom e eu tenho o melhor orgasmo da minha vida.

Não tinha acabado, Dani levanta e coloca as pernas entre as minhas e a boceta raspada dela toca na minha boceta raspada, pele na pele, grelo no grelo e ela começa a se esfregar em mim. Eu sei que não era assim entre homem e mulher, mas era o mais próximo que eu havia tido de ter a minha boceta fodida e eu gozo de novo junto com ela.

Ofegante ela sai de cima de mim e deita do meu lado e nós duas dormimos e eu ainda com a boceta virgem de pica.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 7 estrelas.
Incentive Bocage.Amato a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários