DEI O CU PARA MEUS DOIS IRMÃOS E MEU PRIMO NOS FUNDOS DE MINHA CASA

Um conto erótico de lauro VIADO
Categoria: Gay
Contém 1571 palavras
Data: 09/02/2024 08:55:32
Assuntos: casa, Gay, irmãos, piroca, Porra, Primo

Esta história aconteceu na minha juventude QUANDO EU TINHA 19 ANOS e quem me comeu foram os meus irmãos mais velhos, Fred (de 25 anos) e Igor (de 23 anos), que já me comiam regularmente, e meu primo Léo (de 18 anos), que não só me comia pela primeira vez, como também era a sua primeira relação sexual.

Olá a todos, meu nome é lauro, moro no RJ, sou casado, branco, tenho 57 anos, 1,90m, 105kg, corpo normal, cabelos e olhos castanhos, um pouco calvo, um pouco grisalho, bunda grande, com pelos nas pernas, na bunda e no peito. Na época eu já era alto, mas era magro, bundudo e tinha cabelos compridos.

Na ocasião meus pais eram separados e eu morava só com a minha mãe. Meus irmãos moravam com meu pai não muito longe de onde eu morava. Meu primo Léo era de outro estado, mas tinha vindo passar o carnaval na casa de meu pai, tendo chegado no RJ há 2 dias atrás.

Era a noite do primeiro dia de carnaval e nós 4 tínhamos ido participar de um baile num clube próximo ao bairro onde morávamos.

Já no baile, Fred e Igor, assíduos frequentadores da minha boca e do meu cu, sabendo que meu primo era virgem, ficaram tentando convencer Léo a comer, juntamente com eles. Como Léo estava com dificuldade pra acreditar que eu era (e ainda sou) viado, Fred me chamou para a conversa e, depois de me explicar o que estava acontecendo e a dúvida de meu primo, eu disse a ele:

- É, eu sou viado mesmo. Se você quiser pode me comer também!

- Sério? – Me perguntou Léo.

- Sim, eu sempre dou para o Fred e o Igor... Daqui há pouco eu vou dar pra eles nos fundos lá de casa e, se você quiser, pode ir também! – Confirmei a história e me afastei, sorrindo, indo participar do baile.

Os 3, então, continuaram conversando e meus irmãos acabaram convencendo meu primo a participar da brincadeira.

Já passava da meia-noite quando resolvemos deixar o baile para começar a nossa festinha particular. Pouco tempo depois chegamos em frente ao portão de minha casa, entramos no quintal sem fazer barulho, ladeamos a casa pelo lado esquerdo e paramos na parte de trás também no canto esquerdo. Minha mãe dormia cedo, tinha sono pesado e seu quarto ficava na parte da frente da casa, no lado oposto de onde a gente estava.

- Aí, senta ali no chão, encostado na parede! – Sussurrou Fred ao meu ouvi, me indicando o local.

Fiz o que ele mandou e sentei-me no piso de cimento do chão, encostado na parede externa da cozinha. Nisso Fred e Igor se posicionaram cada um ao meu lado, tiraram as rolas pra fora de suas bermudas e eu segurei cada uma em minhas mãos, punhetando-as.

Ao ver a cena Léo ficou cheio de tesão e começou a punhetar a pica, já fora do short.

- Calma, senão você goza rápido. O segredo é demorar o máximo que puder! – Sussurrou Igor para ele.

- Tá bom! – Respondeu Léo, parando de se masturbar.

- Bota o piru na boca dele! – Sugeriu Fred ao meu primo.

Nessa hora, apesar do tesão, Léo teve um momento de indecisão, pela novidade da coisa e um pouco embaraçado pelo fato de ser na boca do primo dele que ele iria enfiar a pica. Vendo o seu embaraço Fred foi logo o socorrendo...

- É assim, ó! – Falou ele, ao mesmo tempo que se libertava da minha mão, se posicionava na minha frente e botava o pau na minha boca.

- Caralho...! – Exclamou Léo, baixinho.

Fred então segurou minha cabeça, encostou-a na parede da casa e manteve-a assim presa, enquanto metia na minha boca.

- Tá vendo como é? – Perguntou ele a Léo, já saindo da minha frente.

Apenas acenando afirmativamente com a cabeça, meu primo ocupou a posição em que antes estava meu irmão e ficou punhetando a rola na frente da minha cara. Percebendo que ele ainda estava um pouco indeciso resolvi tomar a iniciativa e abocanhei a cabecinha da piroca dele.

- Aaah, caralho...! – Gemeu Léo, elevando um pouco a voz.

- Fala baixo! – Sussurrou Fred pra ele.

De fato, por conta da hora e do local onde estávamos era mais prudente não fazermos barulho, pra não correr o risco, ainda mais que a residência dos vizinhos não era muito distante da nossa.

Já com o piru entre meus lábios, Léo imitou Fred e, segurando minha cabeça junto da parede, meteu piroca na minha boca.

- Aaaaah, caralho, que gostoso... Puta-que-pariu...! – Gemeu Léo na minha boca, bem baixinho.

Ele já estava ficando bem animado quando Igor o interrompeu, dizendo:

- Vai devagar, senão você goza rápido. Vamos nos revezar, assim a gente demora mais!

- Tá legal! – Respondeu Léo.

Nisso os 3 passaram a se revezar na minha boca, sendo que os 2 que não estavam sendo chupados nem sequer tocavam nas rolas pra poderem se controlar melhor. Já eu, submisso, me limitava a receber as pirocas na boca, gemendo baixinho (adoro gemer com uma pica na boca):

- Mmmmmmm... Mmmmmmmm... Mmmmmmmmmm... Sluuuuuuuuuuup... Mmmmmmmmmmmmm...!

Um bom tempo depois Fred interrompeu o revezamento de piroca na minha boca para começar um novo revezamento: O REVEZAMENTO DE PIROCA NO MEU CU...

- Agora você vai comer o cu dele! – Informou meu irmão ao meu primo.

- Caralho! – Se limitou a responder ele, excitado.

Já sabendo por experiência como meus irmãos gostavam de me pegar naquele local, me levantei, tirei o short e a cueca, me afastei um pouco da parede da cozinha, fiquei de frente para ela, me debrucei para frente apoiando as mãos na parede com o corpo na horizontal, paralelo ao chão, braços esticados, joelhos levemente dobrados, burrão arrebitado, e fiz o convite a Léo:

- Vem!

Não precisou de novo convite para que meu primo se colocasse atrás de mim, entre minhas pernas, tentando enfiar o pau no meu cu. Percebendo que, pelo nervosismo causado pela excitação, ele não estava conseguindo fazer o encaixe correto, resolvi ajudá-lo pegando seu pau com minha mão direita e levando a cabecinha até a entrada do meu DEPÓSITO-DE-PIROCAS. Assim que percebeu que estava no lugar certo Léo deu uma forte carcada e sua pica deslizou toda pra dentro do meu ALOJAMENTO-DE-ROLAS.

- Aaaah, caralho...! – Gemeu ele.

Já com todo o pau enfiado em mim, meu primo me segurou pela cintura e começou a socar forte no meu cu.

- Assim você gozar rápido, porra... Tem que ser mais devagar... Deixa eu te mostrar...! – Falou Fred, interrompendo a pirocada de meu primo e ocupando o seu lugar atrás de mim, entre minhas pernas.

Depois da demonstração de Fred os 3 começaram a se revezar no meu cu e eu, como um bom anfitrião, recebi com alegria as 3 varas, deixando os hóspedes bem à vontade para usufruírem de toda a minha hospitalidade.

Fiquei ali, submisso, por um bom tempo, sentindo o entra-e-sai de pirocas de dentro do meu cu, até que Léo não aguentou mais de tesão e gozou, enchendo meu cu de porra.

- Aaaaah, caralho... Aaaaaaaah... Aaaaaaaaaaaah... Aaaaaaaaaaaaaaaah... Aaaaaaaaaaaaaaaaaaah...! – Gemeu ele, baixinho, enquanto enchia o meu COFRINHO-DE-LEITE com o produto do seu prazer.

Depois de gozar tudo sua rola escapuliu de dentro de mim e ele, cansado, foi sentar-se próximo, junto ao muro dos fundos. Nisso eu me ajoelhei no chão e Fred e Igor passaram a meter novamente na minha boca, já com a intensão de gozar.

Igor gozou primeiro e logo depois Fred. Assim que eu bebi a porra dos 2, Fred falou para Léo, que ainda estava sentado junto ao muro, tendo assistido de camarote meus irmãos gozarem na minha boca:

- Vem cá pro lauro limpar sua pica!

- O que? – Perguntou Léo, um pouco embaraçado com o convite.

- Depois de gozar você tem que botar o viado pra limpar o seu pau. Assim, ó...! – Explicou Fred, ao mesmo tempo que me oferecia a sua rola.

Não perdi tempo e caí de boca na cabecinha, começando por ali uma limpeza completa no pau do meu irmão mais velho.

- Pronto, tá limpinho... Já pode guardar no ninho novamente...! – Falei para Fred, sorrindo e olhando para Léo.

Vendo a cena meu primo se animou e veio até a mim, me oferecendo sua rola melada. Com carinho e cuidado coloquei o piru mole na boca e limpei ele todinho. Assim que terminei dei um beijinho na cabecinha e disse para Léo, sorrindo:

- Esse também já pode ser guardado no ninho!

Em sequência limpei o pau de Igor e, depois de cagar a porra de Léo num canto do quintal, recoloquei a cueca e o short. Após isso, também silêncio, meus irmãos e primos foram embora e eu entrei em casa. Lá dentro eu tomei um gostoso banho e fui me deitar.

Já deviam ser quase 3 horas da madrugada quando eu, cansado, com gosto de piru e porra na boca e com o cu ardendo e molhadinho de leite de homem, fui dormir feliz, não só por ter dado prazer a 3 machos, mas principalmente por ter sido a primeira foda do meu primo, proporcionando a ele uma experiência de gozar bem gostoso dentro de um cu.

Nos outros dias de carnaval a gente repetiu a brincadeira e, na quarta-feira, Léo viajou de volta para a sua casa.

Se você gostou do conto, é ativo do RJ, e ficou com vontade de me comer também, me escreva: lchrl@outlook.com

Eu sou bem fácil de se comer.

Um abraço a todos.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 24 estrelas.
Incentive lauroVIADO a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

CONTO FOI BOM, MAS NÃO CURTO SURUBAS. SEM CONTAR QUE SÓ OS SEUS IRMÃOS E SEU PRIMO FORAM ATIVOS.

0 0