Fui levar o amigo do meu filho na casa dele e...😈

Um conto erótico de Contos de Daniel
Categoria: Homossexual
Contém 1256 palavras
Data: 30/01/2024 15:50:05
Última revisão: 27/02/2024 15:39:38
Assuntos: Heterossexual

Sou Heitor, tenho 45 anos, sou engenheiro, tenho 1.80 de altura, pardo, corpudo, tatuagem no braço esquerdo e corpo normal, pratico pedalada todos os finais de smsam e já participei de algumas competições.

Sou casado com Juliana que é médica e temos um filho que é o Bruno; garotão gente boa, eu sempre digo que ele puxou o pai, tanto na malandragem quando no raciocínio rápido.

Juliana vive trabalhando, uma mulher focada mas super dedicada a família, nisto não posso reclamar.

Em relação a sexo, é a vida de casado, como vocês sabem, mas quando transamos é daquele jeito, ela me dá um chá de buceta.

Nosso filho tem vários amigos e um deles que se destaca e o Ricardo, sempre está em casa jogando vídeo game ou tomando banho de piscina, sempre muito sorridente e cheio de energia.

Ricardo é baixinho e magro, olhos claros e estiloso, roupas daquele jeito que na minha idade acha fico horrível kkkkkk.

Era uma noite de sexta feira, eu somente de bermuda e chinelos ouvindo o barulho do quarto dos guri e vendo um porno enquanto minha patroa trabalhava, ao ir na cozinha meu filho estava só de bermuda pegando água.

- Pai leva o Ricardo na casa dele, a coroa dele não vai poder vir.

- Só vou vestir uma regata e levo sim!

Logo vem o carinha todo falante, diferente do meu filho ele era bastante comunicativo.

- Vamos lá?. Não quis dormir aqui hoje?

- Não seu Heitor, amanhã tenho prova cedo.

Entramos no carro e fomos conversando, ele mora do outro lado da cidade e estava bastante prosa, passamos perto de uma morena .

- Olha isso aí, potência. Gosta Ricardo?

Ele balançou a cabeça e falou um sim animado.

- Eu só de ver já fico estigado. ( mostrando o volume no short de tactel)

- Etah seu Heitor aí sim!!! (Ele olhava fixamente no volumão que se formava)

- Que manjada foi essa Ricardo!?

- Seu Heitor que nada, é que sabe né.

- Sei sim, tô sabendo... Gostou do que viu é?

- Não seu Heitor... Não, não.

Eu como não bobo nem nada já soltei o grosso pra fora, já estava estigado com toda aquela situação, na hora ali mesmo soltei do shots

- Olha como ele tá Ricardo, olhaaaa. Vejaaaa!!

Enquanto eu dirigia meu pau explodia pra fora, ele não conseguia disfarçar,eu cacete não e grande, mas grosso, extremamente grosso, cabeçudo e veludo e enchia os olhos do amigo do meu filho.

- Seu Heitor que trem é esse?! Nossa deve fazer sucesso.

- Grosso né?

Num movimento rápido já pequei a mão dele e coloquei em cima pra sentir a pulsação.

- Relaxa e sente ele, fica sussa é todo seu.

Ele muito tímido mas com certeza doido pra pegar sentia pulsando firme na mão dele.

- Cai de boca Ricardo!

- Massss....

- Anda macho, sei que tá com água na boca, vai aí logo.

Não resistindo ele só abaixou e caiu de boca feito uma fêmea com sede de pica, quando senti os lábios dele tocando no meu pau eu estremeci, que mamada gostosa , ele só passava a língua por toda extensão do meu cacete, ao mesmo tempo que fazia ele desaparecer na tua garganta.

Eu sentia as o fundo, cê e doido, melhor mamada da vida, era profissa.

- Que isso Ricardo, não sabia que tu...

Mal conseguia falar e dirigir do tanto que ele se afogava no meu pau, movimento brusco de sobe e descer, eu em momentos acariciava seu cabelo, e o afogava com vontade.

- Dessa jeito vou querer gozar, mas antes tenho que comer teu cu.

Minha mão foi descendo rumo a sua bunda magrinha e já em tempo o dedava, ele engasgado no meu pau enquanto meu dedão sumia no seu cu.

- Relaxa, relaxa, isso...

Sentia ele mordeu meu dedo.

Na minha mente buscava um canto sucegado pra poder comer aquele cu.

Entrei numa rua totalmente escura, desliguei o motor.

- Que foi seu Heitor?

- Parei, é mais seguro e assim aproveito melhor esse cu.

Ele tentava sair da mamada pra conversar mas...

- Faz seu trabalho aí putinha, mama.

Fui afundando na garganta dele enquanto fazia um movimento de ir e vir no seu rabo com meu dedo.

Não demorou muito pra jogar a real.

- Posso te comer?

Achei que ele ia relutar, mas não.

Ele sabia o que queria.

Naquele momento foi tirando a roupa, abri a porta do passageiro e ia comer ele ali.

- Empina essa bunda! Fica de quatro.

Ele ficou ali ainda tenso.

- Relaxa que vou lubrificar bem.

Nem mesmo terminando a frase cai de boca naquele cuzinho liso, magro, delicioso...

- Nossa seu Heitor que......

Suspirava fundo ao ser linguado no cuzinho, piscava gostoso tendo uma língua abrindo suas pregas.

- Isso Ricardo, mostra o que você sabe fazer. Isooooooooo puto.

Dei um tapão na sua bunda o fazendo gemer alto.

Na minha frente um campo escuro, lua minguante, um pasto nas laterais, e um cu guloso pra comer.

Dei uma dedada e uma cuspida, e fui forçando e que visão maravilhosa, forçando e ele as vezes tentando escapar...

- Aí ai ai tá doendo...

- Ralaxa Ricardo, relaxa esse cuzinho... Vou abrir bem ele.

Fui afundando devagar até aquele cu acostumar, fundo, profundo e seus gemidos, seu corpo respondia ao prazer daquela sexo.

Bunda pra cima e cabeça apoiada no banco, porta do carro aberta e com meu cacete atolado até o fundo.

Ele piscava seu cu enquanto sentia a grossura que já estava até o último centímetro dentro dele.

- Vou comecar a bombar, relaxa...

Segurei nas ancas dele e pau, comecei devagar e fui acelerando... E cada força que eu botava o grito misturava a gemidos, ele sabia que estava dando o cuzinho, que seria colorido mas aguentava firme.

- Que cu gostoso!!

Falei alto já dando umas espalmadas na bunda dele enquanto forçada, pau e mais pau naquele cu.

Bombando forte e devagar, tirando o pau de dentro via o regaço que ficava, um buraco fundo, um cu lindo e magro virando um oco.

- Tá gostando Ricardo?

- Sim, soca mais seu Heitor, fode meu cu... Fode igual seu filho, fodeeeeeeee.

Ele gritava, sem medo, sem dó.

Ele se entregava que era uma puta do filho e queria ser do pai também, e isso me fazia judiar mais e mais, socar forte, fazendo barulho no meio do nada.

Gemidos altos, pau comendo e o gozo querendo vir, por vezes tirava meu pau e colocava pra segurar e continuar sentindo a delícia que era aqueles cuzinho.

- Toma! Pahhhh

Tapas e fincadas, eles se apoiava no banco enquanto eu socava, ao ritmo de anunciar meu gozo.

- Abre esse cu, abre que vou meter leite. Empina!!!

Ele forçava pra cima e segurava meu pau judiar, até aos gritos meu gozo sair fortão dentro dele.... Gota por gota!!!

- Que delícia Ricardo, que cu gostoso!!!!! Puta que pariu!!!!!!

Soltei ele enquanto ele relaxava depois de tomar no cu.

- Seu Heitor....

- Gostou é.

- Demais....

Respondendo a isso ele já sabia o que fazer, limpava meu pau todo melacado enquanto eu já estava no volante.

- Nada de falar pro meu filho.

Ele não conseguia responder, já estava engasgado de novo.

Até chegar na casa dele foi me chupando, me fazendo feliz no carro e eu acariciando seu cabelo e seu rosto lindo de puta obediente.

Voltando pra casa relaxado, deixei o carro na garagem já via meu filho me esperando.

- Demorou pai.

- Bem que você disse em filho.

- O que pai.

- Ricardo é um baita amigo.

- Te falei pai, aquilo suga um pau como ninguém.

Caímos na risada. Fim!!!!!

Autor Daniel

◀️▶️

Siga nas redes

@contosdedaniel

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 28 estrelas.
Incentive Contos de Daniel a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

RSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS. ESTAVA TUDO COMBINADO ENTÃO ENTRE PAI E FILHO?

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Kratos116

A história é boa só está na categoria errada.

0 0
Este comentário não está disponível

Listas em que este conto está presente