Sobre minha irmã #08 - um novo jogo

Um conto erótico de Robson
Categoria: Heterossexual
Contém 1632 palavras
Data: 03/11/2023 12:18:03

Tinha sido muito legal ver minha irmã provando os biquínis que ela iria usar na praia e, principalmente, a encoxada que rolou entre a gente. No entanto, ainda ia demorar mais de uma semana para ver ela usando eles na praia, pois no fim de semana seguinte ela iria para uma festa de aniversário de uma amiga.

Na tarde de um dos dias seguintes, Paulo, Rodrigo e eu ficamos jogando dominó lá em casa, mas sem ser aquele jogo que tinha striptease que rolou nas férias. Conversa vai, conversa vem, eles começaram a me perguntar sobre minha irmã. Falei que ela estava no quarto dela estudando. Perguntaram então se ela tinha dormido novamente de calcinha no sofá da sala e se ela ainda estava chateada com o jogo de dominó que rolou striptease. Falei que ela não tocava no assunto, mas já estava menos chateada. Sobre ficar de calcinha, falei que não tinha mais rolado e que ela estava animada com os biquínis novos que havia comprado.

Na hora, achei que tinha feito bobagem em falar dos biquínis, pois ficaram fazendo um monte de perguntas e se tinha como eles verem ela com eles. Falei logo que de jeito nenhum.

Depois de um tempo, minha irmã apareceu na sala de casa, onde a gente estava jogando dominó. Estava de top e shortinho. Cumprimentou eles dois e ficou procurando um livro na estante. Foi quando Rodrigo falou com ela: - Seu irmão disse que você comprou dois biquínis muito bonitos. Teria como você nos mostrar? Estou pensando em comprar um biquíni de presente para uma prima.

Minha irmã perguntou se o presente era para prima dele que tinha vindo nas férias e participado do jogo em que rolou o striptease. Ele disse que não, que era para outra.

Então ela falou: - Se fosse pra ela, de jeito nenhum, mas como é para outra, acho que não tem problema. Era sinal que ela ainda estava chateada com a prima dele.

Fiquei na bronca com Rodrigo por ter me passado a perna, mas depois pensei que poderia ser uma nova chance de rolar alguma coisa depois que eles fossem embora.

Minha irmã foi então no quarto dela, demorou um pouco e voltou para a sala com o biquíni verde claro. Tinha também passado uma escova no cabelo. Paulo e Rodrigo fizeram fiu fiu e pediram para ela desfilar pela sala e depois para ela se virar para ver como ficava atrás. Fizeram então altos elogios, dizendo que ela tava linda, que o biquíni valorizava o corpo dela, etc. Eram quase os mesmos elogios que eu havia feito anteriormente, mesmo assim ela ficou toda tímida com os elogios deles.

Falei então que achava o outro biquíni que ela havia comprado ainda mais bonito. Eles então pediram pra ver e ela foi novamente no quarto se trocar. Voltou com o biquíni vermelho-claro de lacinho. Estava ainda mais gata. Deu uma volta pela sala e ficou de costas algumas vezes que nem desfile de modelo. Novos elogios, os do Rodrigo eram mais tranquilos, mas os do Paulo eram mais ousados do tipo: "você fica muito gostosa com esse biquíni" e "sua bunda nesse biquíni está irresistível". Ela então estava ficando quase que da cor do biquíni.

Aí Rodrigo teve uma ideia que a gente poderia jogar aquele jogo de dominó com striptease, mas sem precisar ficar pelado. A gente pararia quando tivesse só de cueca e minha irmã poderia jogar usando um biquíni por baixo e ficar só de biquíni quando perdesse. Ele perguntou se ela topava jogar, ela disse que sim.

Resolvemos então fazer um lanche. Minha irmã continuou só de biquíni enquanto a gente lanchava, ou seja, estava comendo ao mesmo tempo em que era comida com os olhos. Depois ela colocou um top e um short por cima e jogamos algumas vezes a ideia do Rodrigo. Para facilitar, quem ganhava escolhia o perdedor que tinha que tirar a roupa e pagar uma prenda que era fazer os polichinelos e jogava a rodada seguinte sem a roupa.

Paulo ganhou o primeiro jogo e escolheu minha irmã, que teve que ficar só de biquíni e fazer os polichinelos. No segundo jogo, ela jogou de biquíni e acabou ganhando. Escolheu Rodrigo, que teve que ficar só de cueca e fazer os polichinelos. Deu pra perceber que ele estava excitado, mas não tinha como não estar. No terceiro jogo, ele teve que jogar de cueca, ganhou e deu o troco. Minha irmã teve que ficar novamente só de biquíni e fazer os polichinelos.

O quarto jogo quem ganhou foi Paulo, que escolheu novamente minha irmã. Ela continuou de biquíni e teve que fazer mais polichinelos. No último jogo, minha irmã continuou de biquíni, e Paulo ganhou de novo. Então ele me escolheu e eu tive que ficar só de cueca e fazer os polichinelos. Dava pra perceber que eu estava bastante excitado.

Depois do jogo, minha irmã ainda tava de biquíni e eu tava ainda de cueca, recolhendo as peças do dominó para guardar. Paulo então aproveitou que eu tava distraído, chegou por trás e puxou minha cueca para baixo, deixando meu pinto de fora. Aí me zoando falou que eu não perdoava nem minha própria irmã. Nesse momento, eu tava de frente para minha irmã e olhei pra ela. Vi que ela tinha visto meu pinto, mas quando olhei para ela, ela desviou o olhar. Subi então minha cueca de volta.

Rodrigo e Paulo então foram embora. Ficamos então eu, só de cueca, e minha irmã, só de biquíni. Disse pra ela não ligar para a bobagem que o Paulo falou. Minha irmã disse que precisava ir no quarto dela, se trocar e eu fui atrás. Perguntei se ela tinha gostado da opinião deles sobre os biquínis. Ela falou que sim.

Aí ela começou a ficar se olhando no espelho como no dia que havia experimentados os biquínis para mim. Ficou falando que tava se achando ainda um pouco fora do peso. Eu em pé atrás dela fiquei dizendo que não achava, ao tempo em que eu comecei a alisar as nádegas dela. Perguntei o que ela havia achado do jogo de dominó com Rodrigo e Paulo. Ela falou que tinha gostado, mas que como eram três contra uma, ficava difícil ela não perder. Falei que ela tinha razão, mas disse que a prenda devia ser algo diferente pra não ficar só nos polichinelos. Ela concordou. Então falei que, por exemplo, a prenda para ela podia ser ter que levar dez tapas no bumbum.

Então ela riu e disse que se fosse a minha regra ela teria levado trinta tapas. Disse pra eu não dar essa ideia não porque ia ser complicado. Disse que não daria a ideia, mas ela tinha que deixar eu dar dez para ver se o bumbum dela ia ficar da mesma cor do biquíni. Então ela disse: - Ok, mas só dez, hein?! Cinco em cada lado. Ela então fechou a porta do quarto, pois pela hora nossos pais já estavam próximos de chegar em casa.

Ficou de 4 em cima da cama e disse que eu podia começar. O jeito como ela falou me deixou ainda mais excitado. Comecei a dar os tapas e ela a dar os gritinhos. Quando terminei, ela foi olhar no espelho. Estava bastante vermelho. Perguntei de tava doendo, ela disse que não e que só estava ardendo um pouco. Fiquei do lado dela em frente ao espelho alisando as nádegas dela. Meu pinto estava super duro e dava pra ver que minha cueca já estava até molhada.

Aí eu falei que além da bunda dela, meu pinto devia estar todo vermelho. Ela me perguntou por que. Falei que ele já estava há bastante tempo duro que nem pedra. Ela falou que olhando minha cueca dava pra perceber que eu tava animado. Então resolvi mostrar para ela como estava. Ela falou que eu não precisava mostrar, mas eu insisti e fiquei totalmente pelado na frente dela. Fiquei nu com meu pinto na mão em frente ao espelho e ela do meu lado ficou conferindo pelo espelho. Perguntei se ela queria pegar. Ela respondeu que não. Depois, disse que eu podia agarrar ela, mas eu tinha que colocar minha cueca de volta e não podia demorar muito, pois nossos pais estavam para chegar.

Vesti rapidamente a minha cueca, sentei na cama e pedi para ela sentar no meu colo em frente ao espelho. A gente ficou se olhando pelo espelho. Então fui alisando ela por cima do biquíni na xota e nos seios. Depois coloquei minhas mãos por baixo do sutiã do biquíni dela e fiquei beliscando forte os mamilos. Ela falou pra eu ir com calma. Com as mãos por dentro do sutiã, fomos nos deslocando para o meio da cama dela e ficamos deitados de lado.

Puxei então o laço e tirei o sutiã dela. Deitados, à medida que ficava apertando os seios dela, ela dava gritinhos e eu a encoxava no bumbum. Fomos no vai e vem como se a gente estivesse transando mesmo sem penetração. A coisa foi evoluindo até que gozei na cueca.

Quando sossegamos, ela disse que ia logo se trocar. Deitado, brinquei que a gente tinha testado novamente a resistência desse biquíni e que outra hora a gente precisava testar ainda a do outro. Ela então se levantou e ficou de pé segurando os seios, depois ficou de costas no canto do quarto. Primeiro vestiu o sutiã, depois desceu a parte de baixo do biquíni, deixando a bundinha de fora, e vestiu o top, a calcinha e por último o shortinho. Ver novamente a bundinha dela foi um prêmio.

Então ela abriu a porta do quarto dela e falou para eu ir logo tomar um banho e me trocar antes que nossos pais chegassem.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 72 estrelas.
Incentive user0505 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Que delícia de conto, toco uma siririca em todos os contos que leio.

0 0
Foto de perfil genérica

Ótimo relato mais uma vez, mais e aí quando vc vai chegar nos finalmente com ela em

1 0
Foto de perfil de Leon

A cada nova parte avança um pouco mais e isso é muito bom. Parabéns. Está bem realista e bastante excitante por criar a expectativa gradual.

1 0
Foto de perfil genérica

Está história esta muuuito excitante, não vejo à hora de os irmãos chegarem logo aos finalmente ou até um 69 ...rs...👁

1 0