Minha mãe gosta! 4 Para de ser mole e come logo essa novinha!

Um conto erótico de Krauser10
Categoria: Heterossexual
Contém 1700 palavras
Data: 16/11/2023 10:34:46

Minha mãe é uma mulher linda de nome Rita. Uma mulher linda de 38 anos, 1,70 de puro tesão, morena de cabelo liso, os seios não são nem grande e nem pequeno, bunda grande e toda malhada da academia. E eu com meus 22 anos, 1,75, moreno de cavanhaque bem feito sou apaixonado por ela. Depois que eu mostrei o vídeo que o fdp estava a traindo ela só não arrancou as cuecas dele pq não queria, olha que foi uma boa grana, uma chácara que eu não sei onde é que ele colocava pra alugar. A filha do meu ex-padrasto preferiu ficar conosco, na rua ou na frente de todos os conhecidos somos família e dentro de casa é outra coisa. Ela acabou de fazer 18 anos e minha mãe falou que desde que ela começou a escutar funk em casa ela virou uma verdadeira putinha. Saindo a noite, bebendo e arrumando seus namoradinhos. Ela só parou quando eu fiquei com ela, depois da primeira vez ela falou que vai ficar só comigo. Ela e minha mãe fala que se eu ficar morando com elas eu vou ter tudo e elas não vão procurar rola na rua. Estou a cada dia mais apaixonado pelas minhas duas mulheres que eu tenho em casa e na rua eu só olho e mais nada. Minha mãe me obrigou a largar o serviço que eu tinha na madrugada em uma logística pq não gostava de ficar sozinha a noite. Me fez começar uma faculdade no mesmo lugar que a Tata e falou que era pra eu ajudar ela no que precisasse na academia dela.

A vida seguia maravilhosamente bem. Chegou o carnaval e as coisas voltaram a esquentar mais.

Mãe: Amor nos vamos passar os 4 dias de carnaval na casa de uma amiga de infância. Lembra da Marisa? Ela me falou que vai ficar na casa da praia do marido com a filha, vai ficar as duas lá e pra não ficar sozinha ela me perguntou se eu quero ir?

Eu: Mãe não é aquela amiga sua que você falou que teve um rolo?

Mãe: Sim meu amor! É ela mesma!

Eu: Agora eu me lembro... hummm... Aquela pestinha atentada deve ser um pouco mais nova que a Tata.

Mãe: Ela mesma! Você vai comigo? Por favor amor!?

Eu: Eu faço o que você quiser mãe!

A última vez que fomos lá, a pestinha da filha da Marisa ficava no meu pé me atentando por falando que ia namorar comigo, pedindo colo e adorava que eu a carregasse nos ombros pra todo canto. Por ser uma amiga de infância que ela beijava quando era nova já imaginava pq a filha dela me arrastava pra longe delas.

Chegamos na casa da praia, por sinal que casa de praia bonita, 3 quartos grandes, piscina e churrasqueira. Marisa era branca de 1.70, cabelo preto cacheado, 37 anos magra, peito siliconado redondinho, bunda redondinha e parecia que fazia academia. Minha mãe a abraçou dando um selinho e fiz o mesmo. Ela ficou sem entender olhando para a minha mãe. Quando a abracei eu vi 3 estrelas atrás da orelha.

Eu: Marisa você não mudou nada! Continua linda, nossaa!!!

Mãe: Ela sempre foi é gostosa meu amor! Temos muito que conversar Má!

Minha mãe foi para o quarto da Marisa e ficaram lá. Chegando a noite coloquei a minha fantasia de irmãos metralha com o número 171 nas costas, Short, camiseta listrada de preto e branco com a camiseta aberta com o peitoral a mostra.

Eu: Vamos para o desfile? Pelo que eu vi na internet é duas ruas aqui pra baixo.

Mãe: Tudo bem amor, já vamos!

Marisa: A Julia está na casa da amiga e nos encontra lá.

As duas não se fantasiaram e só colocaram as orelhinhas de gato da filha. Chegamos no desfile, tudo muito cheio, compramos as bebidas e escolhemos um canto estratégico pra assistir de boa. Uma hora depois chega a Julia meio que assustada e quando me vê dá um sorrisão. Julia é menor que a mãe, branquinha do cabelo liso grande, olhos pretos, boca vermelha e carnuda, magrinha, peito redondinho bicudo e a bundinha empinada. Ela estava com uma amiguinha dela e estavam sem folego. A abracei a acalmando e perguntei a amiga o que tinha acontecido.

Amiga: Moço... quando estávamos passando lá no final do desfile um mlk que ela fica segurou ela, passou a mão na minha bunda e na dela. Ficou atrás dela a segurando q parece que estava tentando meter nela. Ai consegui puxar ela e saímos correndo.

Eu: Tudo bem, pode deixar que eu cuido dela.

A Julia ficou abraçada comigo, a minha mãe e a Marisa olharam e deram risada. Como a casa ficava a 2 ruas e a menos de 5 minutos da onde elas estavam eu avisei que ia em casa e já voltava.

Eu: Julia vamos em casa pra você colocar um short pelo menos por baixo dessa fantasia de fada. Como você pode sair assim sem calcinha!?

Julia: É carnaval Nego! Nunca ia imaginar que o trouxa daquele moleque ia passar a mão debaixo da minha saia. Eu sai correndo com medo de alguém me ver! Minha amiga e eu estamos de saia e sem calcinha.

Eu: Vamos pra casa e você coloca alguma coisa. Na minha época de mlk eu aprontava muito mais. Se você fica sem calcinha até eu como você menina, o que você tem na cabeça.

Julia: Nego deixa eu ficar assim!? Não fala pra minha mãe não! Prometo que não saio do seu lado! Por favorzinho!!!?!?!?

Eu: Tudo bem sua pestinha... vamos voltar e aproveitar.

Quando eu voltei a minha mãe abraçou e levantou a Julia que mostrou toda a bunda sem calcinha pra mim. A mãe dela não percebeu ou não se importou. Continuamos a assistir o desfile com a Julia na minha frente encostada em mim. Já de pau duro com ela dançando na minha frente eu estava doido pra levantar aquela saia e comer ela ali mesmo. Abracei a minha mãe e falei em seu ouvido que a Julia quase foi estuprada na multidão e estava sem calcinha.

Mãe: Eu e a Marisa fazíamos a mesma coisa rsrs... eu quero que você coma o cú dela do nosso lado. Arromba o cú dela amor, faz ela gozar na sua pica e faz dela a sua putinha!

Eu: Ela é mais nova que a Tata e a mãe dela está aqui. Você está doida?

Mãe: Aqui não dá pra passar quase ninguém e estamos encostados na parede. A Marisa está bebendo que nem doida, o som está alto, eu vi ela se esfregando em você. Para de ser mole!

O que minha mãe tem na cabeça!? Comprei bastante bebida e quando percebi que a Marisa estava alta e falando mole eu ataquei. Puxei a Julia e a abracei mais forte que ela se derreteu nos meus braços. Coloquei a mão de baixo da saia e senti seus pelos da bucetinha molhada. Apertei sua bunda gostosa que ela abriu as pernas e empinou a bunda. Ela começou a gemer baixinho com a mão na boca olhando para a mãe.

Julia: Você está doido! Minha mãe está na minha frente.

Eu: Ela está bêbada conversando com a minha mãe. Não vai perceber nada com esse barulho.

Julia: Ai... Minhas pernas estão mole nego.

Eu: Você é virgem!? Caralhooooo!

Julia: Sim, sou virgem seu besta! Não gostou?

Eu: Logico que eu gostei! Se você continuar me provocando assim aqui vou comer só a sua bundinha! A virgindade tem que ser na cama.

Julia: Não quero perder a virgindade ainda. Se você quiser eu dou meu cuzinho pra você.

Eu: Não provoca!?

Julia: Sempre gostei de você nego. Posso ser nova pra você e se você tiver paciência... pode colocar com carinho que eu aguento.

Fiz carinho na sua buceta molhada e tentei colocar o dedo no seu cuzinho. Foi difícil que ela não relaxava. Depois de 5 minutos tentando já entrava dois dedos e ela gemia conforme a música ficava mais alta. Cuspi na mão, dei aquela lubrificada na rola e encostei meu pau no seu cuzinho. Ela mesma forçou pra traz fazendo caretas e rebolando conforme a música. Entrou a cabeça e eu fiquei apertando seu grelo molhado. Minha mãe olhou pra traz e viu a Julia de boca aberta e gemendo baixinho. Nesse momento estava tocando um funk do MC Catra “Senta, senta, A pretinha ta que tá! Senta, senta, Ta que ta que tá.”, minha mãe veio dançando e rebolando na frente da Julia e forçou a bunda para traz.

Mãe: Vai Julia! A Pretinha ta que tá!

Na hora que ela deu uma bundada na Julia entrou até o talo. A minha mãe deu risada e abraçou a Marisa por traz e ficaram conversando. A Julia cantou e rebolou dando risada. Ela queria mesmo era gritar que eu estava com meu pau duro no seu cú. Ela teve que rebolar pra disfarçar e que rebolada gostosa. Eu estava dando risada. Fiquei parado acariciando sua bucetinha virgem e socando em seu cú. A Saia ajudou a esconder, o medo de ser pego só deu mais tesão, com a ajuda da minha mãe eu estourei o cú da pestinha que era mais nova que a Tata. A Julia ficou de perna mole e olhou minha mãe. Segurei em sua cintura, olhei para os lados e meti com força até gozar no seu cú. Quando ela se recuperou abriu um sorriso lindo e me deu um beijão na boca de frente pra mim.

Mãe: Vamos pra casa Amor!?

Fomos pra casa depois que minha mãe percebeu que eu tinha gozado. A Marisa estava bêbada, minha mãe sorridente, Julia pulando alegre da vida e eu querendo mais! Chegamos não sei a hora eu levei a Marisa para a cama dela. Voltei para a sala e minha mãe estava abraçada conversando com e Julia. Ela passou a mão no meio da bunda dela que a mão veio melada de porra e colocou na boca.

Mãe: Aproveita a noite com a Julia que eu vou dormir com a Marisa.

Eu: Eu te amo mãe!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 82 estrelas.
Incentive Krauser10 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaKrauser10Contos: 65Seguidores: 112Seguindo: 1Mensagem Eu gosto de escrever, a sua história é Boa?

Comentários

Foto de perfil genérica

Adorei o seu conto e gostaria de saber mais sobre sua mãe e as transas dela. E queria receber fotos dela. Meu e-mail é adriano_sp_pv8@hotmail.com

0 0