Eu e minha mãe flagramos os vizinhos

Um conto erótico de Bom_Filho
Categoria: Heterossexual
Contém 1958 palavras
Data: 15/11/2023 10:30:56

A minha historia começou de um jeito estranho. Eu moro em uma cidade pequena, apenas eu, minha mãe e minha irmã. Meu pai é separado dela e já tem até sua outra família. Eu apenas estudo e faço curso para a faculdade, mas estava chegando naquela idade que tudo era excitante para mim e eu acabei despertando um desejo muito forte pela minha própria mãe.

Era algo que eu não conseguia controlar, pois eu sempre a via com roupas leves e pequenas dentro de casa e as vezes sem calcinha, ela é uma baixinha, de cabelos longos e um bundão, não é uma beldade, mas para mim ela é linda, ainda mais quando ela coloca óculos.

Bem, mas a minha historia começa um dia em que eu estava na laje da minha casa ajeitando umas coisas, pois nós iríamos construir mais um quarto para mim e deixar o antigo para minha irmã. Era cerca de 7h da manhã e eu estava engromando e mexendo no celular, quando eu escuto uns sussurros e risos que eu deduzi ser da casa de algum vizinho, mas logo em seguida eu escutei um barulho estranho de coisa arrastando seguido de um gemido.

Na hora eu fiquei em alerta e fui devagar para espiar nas casas do lado, olhei e não vi nada nas casas laterais e na casa que dava nos fundos, mas minha curiosidade não parou, pois eu ainda estava escutando uns sons de corpos se chocando e fui espiando e olhando.

Fui seguindo o som e minha intuição e eu fui para uma parte que ainda estava em construção, então a parede ainda não estavam levantadas e me erguendo um pouco e olhando para baixo dava para ver melhor o quintal da uma das casas que fazia fundo com a minha e o que eu vi não acreditei.

Eu conhecia o pessoal do condomínio que morava, então a primeira vista quando vi achei que era a minha vizinha fazendo sexo com seu marido, mas eu me deparo com a minha vizinha, uma mulher branca, malhada de cabelos loiros e corpo tatuado, fazendo sexo perto da piscina com seu filho.

EU fiquei estático vendo ele comendo ela em cima da mesa em um vai e vem gostoso, e na mesma hora me deu um tesão tremendo, fiquei imaginando fazer aquilo com a minha mãe e então eu tive uma ideia. Desci as escadas correndo rápido, fui para cozinha e minha mãe já estava acordada fazendo o café quando eu disse.

- Mãe vem cá que eu preciso de mostrar um negocio – Peguei na mão dela e a puxei.

- Ta louco filho? – Ela respondeu tirando a minha mão – Vou tomar meu café da manhã primeiro.

- Não mãe, tem que ser agora, rápido – Eu a segurei novamente e a convenci.

Ela veio correndo comigo e subiu na frente, na pressa que ela estava nem se tocou, mas estava de babydoll soltinho e sem nada por debaixo e eu pude ver sua bunda e sua buceta, mas na hora eu só queria que ela visse.

- O que foi garoto doido? – Disse ela chegando na parte de cima e olhando em volta e não vendo nada demais.

- É aqui mãe – Eu disse baixinho e fazendo gesto para ela vir devagar e em silêncio.

Ela se aproximou de mim e subiu em cima de uma plataforma de madeira da obra para ver e eu apontei para ela, e para minha sorte eles ainda estavam lá, mas agora em outra posição. Minha mãe na hora botou a mão na boca em espanto ao ver o filho da vizinha comendo ela de quatro perto da piscina e dava para ouvir os sons de ploc ploc as vezes.

- Que horror? – Ela disse assustada.

- Era isso que eu queria mostrar para a senhora – Disse para ela.

- Que horror , isso é muito errado – Disse ela sem parar de ver.

Eu estava ali respirando fundo e olhando com ela, criando coragem para falar algo, mas a coragem não vinha e ficamos apenas ali olhando tudo e se passou uns dois minutos e o menino parou de meter nela e na mesma hora ela se virou e começou a chupar ele, era nítido que ele estava gozando na boca dela e pelo que pareceu ela chupou e engoliu tudo. E quando ela estava se levantando minha mãe se abaixou com medo de ser vista.

- Ficou falando que horror, mas viu até o final – Disse para ela com um riso meio nervoso.

- Não consegui parar de ver – Ela me respondeu ainda espantada.

Eu estava morrendo de tesão, meu coração a mil e sentia que aquele era o momento para eu falar algo, então respirei fundo e falei.

- Sabe mãe, eu te chamei para você ver e quem sabe a gente poderia fazer também? – Perguntou meio gaguejando de nervoso.

- Ficou louco, aquilo foi muito errado – Ela me respondeu com espanto.

- Mas errado por quê? Eles pareciam estar felizes fazendo e eu não vi nada de errado ali – Retruquei.

- Pais e filhos não podem transar – Ela me respondeu tentando pensar em uma resposta.

- Mãe, eu sempre tive desejos por você, te acho, bonita, sexy e gostosa e eu te amo muito mesmo – Disse para ela tentando convencê-la. – E como a gente viu tem outras famílias que também fazem isso.

- Isso foi uma pouca vergonha – Ela me respondeu.

- Mas vai me dizer que você não gostou de ver? – Indaguei a ela – Ficou ali olhando a todo momento e as vezes até dava uma remexida de vontade.

- Me respeita garoto, eu sou sua mãe – Ela me repreendeu – Minha intimidade não te diz respeito.

- Mas no fundo você gostou – Eu disse para ela criando coragem e me aproximando um pouco dela.

Nos dois estávamos em cima de uma pequena plataforma de madeira usada na obra eu me levantei um pouco e olhei novamente, minha mãe na curiosidade também se levantou e olhou e vimos apenas ela deitada na cadeira de praia pegando sol totalmente pelada.

Minha mãe estava olhando vidrada, naquele momento eu percebi o quanto aquilo mexeu com ela. Ela devia estar a bastante tempo sem fazer e aquilo foi um gatilho. Na hora eu criei coragem e decidi ir para o tudo ou nada e a abracei por trás e deixei o seu pescoço. Ela deu uma respirada funda se arrepiou e me empurrou.

- O que você pensa que esta fazendo – Ela me empurrou demonstrando irritação.

- Vamos fazer igual a eles? – Perguntei no ouvidinho dela enquanto a segurava novamente.

- Não pode, é errado – Ela relutava, tentando me empurrar, mas dava para perceber que ela estava com vontade.

Eu a segurei pela cintura com força, tirei a poeira da mão e passei na bucetinha dela que estava molhada já. Ela deu um suspiro forte e relaxou o corpo e eu comecei a alisar a bucetinha dela. Ela relutava, mas aos poucos ia cedendo.

- Você quer né? – Perguntei para ela.

- Cala boca e vamos logo – Ela sussurrou com uma cara de safada.

Eu não esperei mais. Abaixei meu short e revelei meu pau que já estava duro feito pedra, levantei seu babydoll dei umas leves pinceladas na bucetinha dela e penetrei sentindo todo o quentinho da minha mãe.

Foi indescritível, ele deslizou fácil e rápido, ela estava muito molhada e quente, era apertadinha e suas contrações me apertavam, eu estava nas nuvens naquele momento, estava explodindo de prazer.

Ela segurou o gemido e se apoiou na parede e começamos o nosso vai e vem gostoso. Eu estava delirando, e ela não falava nada, só gemia baixinho. Aos poucos estávamos mais enérgicos e firmes, minha mãe se chocava contra mim e eu a segurava pela cintura dando fortes e firmes estocadas, eu não conseguia mais segurar, estava explodindo.

- Vou gozar – Gemi baixo para ela.

- Agora não – Ela respondeu para mim aproveitando – Segura mais.

Eu sabia que não iria conseguir, então retirei meu pau de dentro dela, antes que fizesse alguma besteira e comecei a me masturbar, minha mãe se virou sem eu pedir e começou a me chupar o que me fez gozar na mesma hora dentro de sua boca.

Minhas pernas fraquejaram, nunca gozei tão gostoso na minha vida e minha mãe me chupava e engolia toda minha porra até eu parar de gozar. Eu gemia de prazer e segurava sua cabeça até eu respirar ofegante.

Quando eu terminei ela parou de me chupar, engoliu o resto que tinha sobrado e limpou o rosto.

- Foi maravilhoso, a melhor transa da minha vida mãe – Eu disse ofegante.

- É, mas você gozou antes do tempo – Ela respondeu um pouco brava comigo – Vai ter que terminar o serviço.

Eu não entendi direito se ela queria que eu continuasse metendo ou algo do tipo, mas ela me pegou e me abaixou, se sentou em cima da plataforma e colocou minha cabeça na bucetinha dela. Na hora eu entendi e comecei a chupar.

Seu gosto era forte e estava toda ensopada, mas eu a lambia toda enquanto ela me guiava para eu fazer correto do jeito que ela gostava. Foi nesse dia que eu descobri mais sobre o clitóris e estimulei ali com minha língua deixando minha mãe doida.

Fiquei alguns minutos lambendo e chupando ela, até que finalmente ela gozou na minha boca e acabou gemendo alto, fiquei preocupado de alguém escutar e ver, mas continuei até ela finalmente relaxar.

- Agora sim – Ela respondeu aliviada.

- Ainda acha que foi errado? – Perguntei para ela ofegante.

- Sim, mas bom – Ela respondeu com um leve sorriso – A gente não devia ter feito isso e isso vai ser o nosso segredo, não é para você contar para ninguém.

- Tudo bem, mas só se acontecer de novo? – Respondi na esperança.

- Se isso for uma chantagem eu arrebento seus dentes – Ela me respondeu.

- Não, só que eu queria te satisfazer mais – Tentei aliviar a situação.

- Não achei certo, mas foi bom – Ela repetiu e ficou pensativa – Eu me entreguei a vontade agora, mas se não for nada forçado talvez.

Eu abri um sorriso e a abracei dando um beijo no seu pescoço que fez cócegas nela. Fiquei algum tempinho abraço e logo eu já estava duro de novo. Minha mãe viu e riu de mim falando que eu estava tarado.

- É você que é muito gostosa mãe – Respondi pegando no meu pau – Ai eu não resisto a senhora.

- Sou gostosa mesmo? – Ela perguntou com cara de safada.

- Sim, muito, você é a mais gostosa de todo o condomínio – Respondi para ela.

- Já que já estamos aqui vamos aproveitar mais essa ereção, pois daqui a pouco sua irmã deve acordar – Ele pegou no meu pau e me masturbou – Já que já estamos assim.

Não perdi tempo e abri suas pernas, ela estava sentada em cima da plataforma e eu de joelhos na frente dela. Eu a penetrei e começamos a fazer amor de novo. Eu metia com vontade e beijava seu pescoço enquanto ela me abraçava e gemia no meu ouvido.

Ficamos ali alguns minutos, um sentindo o calor do outro enquanto eu admitia todo meu desejo e amor para minha mãe e ela só sorrindo e gostando. Não demorou muito e eu anunciei que iria gozar e ela pediu para eu não ir dentro.

Fiquei com o pau dentro dela até o ultimo segundo e então tirei, na hora ela agarrou e me masturbou me fazendo gozar em cima de sua bucetinha. Eu gemia então melava toda a bucetinha dela por cima, e ela me masturbava até sair a ultima gota.

Naquele momento eu estava esgotado, então ela se limpou rápido com a mão e falou que iria se lavar e que era para eu fazer o mesmo.

- E esta tudo bem entre a gente? – Perguntei a ela antes dela descer.

- Esta sim, e esse vai ser o nosso segredinho.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 49 estrelas.
Incentive Bom_Moço a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Deve esta semprw comendo agora chupa ela toda gozar dentro manda foto danieloliveirabarcelos@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Gostei se quiser conversar lokonamae2000@outlook.com

0 0