SEDUZINDO UMA PROFESSORA SEM PENSAR NAS CONSEQUENCIAS PT3 FINAL

Um conto erótico de Gabriel Silva
Categoria: Grupal
Contém 6784 palavras
Data: 09/11/2023 20:26:03

desculpe pelos erros de portugues estou sem tempo de revisar

Durante os dias seguintes, fiquei constantemente preocupado com a ameaça do S.r. Silva. Minha mente estava tumultuada; parte de mim estava com medo de que minha mãe descobrisse a verdade sobre minha professora e eu, mas, embora eu tentasse suprimi-la, na verdade me senti excitado com a ideia de ver o que o S.r. silva poderia fazer. Mas apesar dos meus pensamentos torturantes, eu ainda comia todos os dias sua esposa e filha na escola.

Com o passar dos dias comecei a pensar que o S.r. Silva ou melhor Professor Matheus estavam apenas me ameaçando sem poder fazer nada, pois dei uma pesquisa rápida e vi que antes de ser professor ele tinha um passado no crime e seu irmão era um dos traficantes mais famosos da região. Isso me deixou assustado, mas não acreditava que ele faria algo pois se fosse fazer já teria o feito. Chegou o fim de semana do casamento do meu primo e minha mãe, minha irmã e eu vestimos nossas roupas novas antes de partir para as comemorações em uma limusine alugada.

Achei que tanto minha mãe Irene quanto minha irmã Aurélia estavam fabulosas em seus caros vestidos de noite de seda azul. Ambos os vestidos se ajustavam perfeitamente ao corpo, fluindo elegantemente até os tornozelos. Cada vestido tinha uma blusa sem mangas com alças estreitas e decotes modestamente profundos, mostrando um vislumbre tentador dos decotes da minha mãe e de Aurélia.

As comemorações duraram até tarde da noite, mas depois de nos despedirmos de parentes e amigos, nós três logo estávamos no carro e voltando para casa.

Tudo parecia normal. quando chegamos fora de casa. Nós três estávamos relaxados quando caminhamos até a porta da frente e entramos em casa.

Minha mãe sugeriu uma bebida antes de irmos para a cama e então nós três fomos para a sala. A sala estava mal iluminada. Como fui o último a entrar, acendi as luzes da sala principal.

Quando a luz inundou o Comodo, minha mãe e minha irmã gritaram quando senti meu braço sendo agarrado e a porta sendo fechado. Levei mais ou menos um segundo para perceber que dois marmanjos haviam entrado na sala.

O maior dos dois segurava o braço de minha mãe e de minha enquanto ambas lutavam.

Enquanto o grandalhão segurava as duas, o outro olhou maliciosamente para elas antes de dizer: "Vocês duas são tão lindas."

O grandalhão soltou-se e virou-se para mim dizendo: "Eu disse o que iria me vingar rapaz você tem uma dívida comigo Carlos e o pagamento vai ser com juros".

Eu queria que o chão se abrisse e me engolisse enquanto minha mãe olhava para mim e dizia: "Carlos do que esse homem está falando?"

Antes que eu pudesse responder, o grandalhão disse: “Seu garotinho aqui está comendo minha esposa e filha”.

Minha mãe o interrompeu e disse rapidamente: "por favor não machuque a gente, eu pago o que vocês quiserem para nos deixar em paz".

Os dois homens riram alto quando o grandalhão disse: "Você vai pagar. por que acha que estamos aqui?"

A mãe parecia confusa ao dizer: "Então por que você está aqui agora?"

Tanto minha mãe quanto eu o vimos olhando abertamente para Aurelia de cima a baixo, como se estivesse avaliando seu corpo esguio, mas curvilíneo, enquanto dizia: "Estamos aqui para cobrar o que seu filho fez.

“Vou te dar dinheiro agora”, disse ela. "Por favor, deixe-nos em paz."

Ele desviou o olhar para minha mãe, deixando bem óbvio que estava olhando diretamente para o decote dela enquanto dizia: "Acho que você não entende qual será esse pagamento de juros. Deixe-me explicar para você.

Pude ver o pânico começando a se espalhar nos rostos de Aurélia e de minha mãe quando elas perceberam o que aqueles homens queriam e, caso ainda estivessem em dúvida, o grandalhão continuou: "Quais são os seus nomes?"

Os dois permaneceram em silêncio até que ele gritou novamente: "quais são os seus malditos nomes!"

"Irene", minha mãe sussurrou.

"Aurélia", disse minha irmã.

"OK, Irene e Aurélia, adivinhem? Esta noite vocês serão nossas prostitutas e seu querido Carlos vai observar como as prostitutas são tratadas para ensiná-lo o valor da dignidade e como que se fode uma mulher de verdade. "

Tanto Aurélia quanto minha mãe começaram a implorar ao grandalhão para deixá-las em paz e pegar o que quisessem, mas ele não estava ouvindo. Ele apenas sorriu enquanto olhava para mim do outro lado da sala e disse: "OK, seu idiota, tire a roupa." Disse Matheus.

Agora foi minha vez de implorar e entrar em pânico, mas obedeci relutantemente quando o outro cara disse: "tire-se agora ou vou arrancar todas as suas roupas do seu corpo".

Olhei nervosamente para minha mãe e minha irmã enquanto começava a me despir. Fiquei muito constrangido ao tirar a roupa até ficar só de cueca.

"Todas as suas roupas, seu idiota."

"Vou contar até três!" disse o cara mais próximo de mim: "Um, dois...

Agarrei minha cueca e rapidamente empurrei-a pelas minhas pernas e chutei-a.

Apesar da situação, vi Aurélia olhando para meus órgãos genitais, mas depois desviei o olhar abruptamente quando o grandalhão disse a ela: "vamos mostrar a você exemplos muito maiores de pau do que o pau do seu irmão magrelo comparado a um pau negro experiente quando começarmos essa festinha?

Agora vocês dois tirem a roupa e vamos ver o que temos sob esses vestidos elegantes."

Minha mãe e irmã ficaram paralisadas no lugar e então minha mãe tentou escapar de Matheus quando ele de repente agarrou o decote do vestido dela e disse: "Ou você tira ou eu simplesmente arranco seu vestido caro do seu corpo. A escolha é sua."

"Por favor, não rasgue!" ela implorou. Então tire isso agora e pare de ser estúpido!"

Aurélia parecia horrorizada, sabendo que seria a próxima vez dela enquanto observava minha mãe estender a mão e abrir o zíper do vestido longo. Pude ver uma lágrima em seus olhos quando, com os dois homens a observando atentamente, ela tirou as alças dos ombros e deixou o vestido cair no chão. Ela se abaixou e pegou-o, dobrando-o cuidadosamente antes de colocá-lo em uma cadeira próxima.

Não pude deixar de olhar para minha mãe enquanto ela permanecia constrangida apenas com sutiã de renda preta, calcinha e meias.

Os dois caras a olharam de cima a baixo comentando: "Nada mal para uma senhora idosa deve malhar muito", antes de se virarem para Aurélia e dizerem: "agora é a sua vez".

Aurélia olhou para os dois homens e depois olhou para mim. Eu podia ver o constrangimento em seu rosto, bem como a teimosia que ela sempre teve desde a infância.

Ela apenas ficou lá desafiadoramente até que o professor de repente agarrou as alças do vestido dela e puxou-as para baixo de seus ombros. "A escolha é sua, sua putinha, tire o vestido voluntariamente ou eu simplesmente o arrancarei para você."

Senti seu desespero, mas admirei brevemente seu desafio quando ela se recusou a ceder. Então ouvi o som de um rasgo e depois um suspiro de horror quando o cara literalmente arrancou o vestido do corpo de Aurélia. Os restos esfarrapados de seu outrora elegante vestido de noite eram agora apenas um monte de trapos no chão, deixando Aurélia parada ali, parecendo chocada e envergonhada usando apenas um sutiã de renda preto, calcinha combinando com o de sua mãe.

Pensei em fugir quando o cara que estava comigo se juntou ao grandalhão para ver mais de perto minha mãe e Aurélia. Percebi muito rapidamente que seria inútil, pois eles certamente me pegariam e isso provavelmente tornaria as coisas piores do que já estavam.

Fiquei ali parado, nu, tentando suprimir a minha própria excitação ao ver as duas nua, apenas de roupa interior. Minha mente estava acelerada e pensando no que aconteceria a seguir.

Meus pensamentos pararam quando ouvi o grandalhão dizer: "OK, Irene, vire-se devagar e mostre-nos o que você tem a oferecer". Observei enquanto, com uma expressão de vergonha, minha mãe se virava lentamente enquanto os rapazes avaliavam rudemente seu corpo.

Ouvi o grandalhão colocar a mão na barriga dela, fazendo-a engasgar-se, enquanto ele dizia: "a barriga dela está boa, nada mal para uma puta velha".

Enquanto ela se afastava deles, o grandalhão deu um tapa em suas nádegas, dizendo: "a bunda dela avermelhou um pouco".

Enquanto ela continuava sua vez, o outro cara disse: "Seios de tamanho bonito, não caídos sem sutiã."

Quando minha mãe completou seu turno humilhante e encarou os homens, o grandalhão disse: "Vocês podem muito bem ceder agora. Quanto mais cedo você e Aurélia nos satisfizerem, mais cedo sairemos daqui."

"Por favor, não machuque Aurélia", implorou minha mãe.

"Não vamos machucá-la, Irene; só pretendemos transar com ela!"

Eu vi e ouvi Aurélia ofegar quando a compreensão de seu destino encheu seus sentidos.

O professor ignorou Aurélia ao dizer: "OK, Irene, é hora de você nos mostrar seus seios. Tire o sutiã e vamos ver o que você tem."

Minha mãe olhou para mim antes de estender a mão pelas costas. Observei enquanto os bojos de seu sutiã afrouxaram de repente e tentei esconder minha excitação enquanto ela tirava o sutiã e ficava ali com os seios expostos.

“Aí está uma grande teta”, disse Matheus enquanto estendia a mão e agarrava um dos seios da minha mãe, “eu gosto dos seus mamilos enormes.

Ela olhou para seus pés com vergonha e estremeceu audivelmente quando ele beliscou um de seus mamilos entre o indicador e o polegar. Enquanto o professor continuava a tocar e apalpar minha mãe, o cara que tinha acabado de arrancar o vestido de Aurélia o interrompeu dizendo: "podemos voltar para a mãe em um minuto. Vamos dar uma olhada mais de perto na sexy Aurélia aqui."

Senti seu constrangimento agudo quando os dois caras ficaram perto dela; um na frente e outro atrás dela.

Eu a vi estremecer quando o cara atrás dela agarrou uma de suas nádegas e disse: "ela tem um traseiro lindo e fofo, tão firme e perfeito. Agora vire-se lentamente e deixe-nos ver o que você tem."

Com muita relutância, Aurélia começou a se virar lentamente, com as bochechas coradas e envergonhadas enquanto os rapazes comentavam sobre sua figura.

"Belos peitos firmes", disse o grandalhão, "vamos tirá-los a seguir e dar uma boa olhada e sentir.

Observei enquanto eles passavam as mãos por todo o corpo dela, acariciando suas coxas e acariciando sua barriga firme e lisa. Aurélia estremeceu a cada toque enquanto eles a inspecionavam como fariam com um pedaço de carne fresca.

Quando ela completou algumas voltas, o grandalhão disse: "OK, Aurélia, é hora de nos mostrar seus seios. Tire o sutiã e vamos dar uma boa olhada".

"Por favor, não me obrigue a fazer isso", ela implorou. Os dois homens riram quando o grandalhão disse: "Seu irmão ali deveria ter percebido que poderiam ter sido as consequências quando começou a mexer comigo. Ele não se importou. Sua única preocupação era ter comido uma professora. Agora ele deve observar e aprenda quais são as consequências do comportamento dele vendo você e sua mãe serem fodidas.

Agora tire o sutiã antes que sejamos obrigados a arrancá-lo."

Fiquei envergonhado enquanto esperava ansiosamente um vislumbre dos seios de Aurélia. Envergonhado por causa de meus crescentes 19 centímetros de excitação e da incapacidade de escondê-los.

Aurélia olhou timidamente para os dois caras enquanto dizia: "OK, mas não me machuque", enquanto alcançava atrás dela e desabotoava o sutiã. Ela hesitou quando as xícaras se afrouxaram, segurando-as para manter os seios cobertos. O grandalhão então apenas agarrou uma das alças e puxou-a violentamente do corpo dela. A reação natural dela foi tentar se cobrir com as mãos, mas o outro cara rapidamente agarrou seus braços e os segurou atrás das costas.

Meus olhos foram atraídos pelos seios perfeitos, firmes e empinados de Aurélia, que se moviam de uma maneira muito sexy enquanto ela lutava com o cara que segurava seus braços.

Observei enquanto o cara que segurava os braços dela rapidamente se soltou e depois estendeu a mão para segurar cada um dos seios dela com suas mãos grandes. Observei-a contorcer-se e lutar enquanto ele apalpava e apertava os seus seios, beliscando e provocando os seus mamilos enquanto o professor observava.

Naquele momento, os dois homens estavam muito preocupados com Aurélia para perceber minha situação, mas para meu constrangimento, meu pênis totalmente ereto não passou despercebido por minha mãe. Pude ver o olhar de desgosto no seu rosto enquanto o seu olhar se fixava na minha rola ereta.

A atenção da minha mãe foi subitamente distraída quando o grandalhão enfiou a mão na frente da calcinha de Aurélia, fazendo-a gritar e soluçar de vergonha enquanto exclamava: "bem, o que você sabe, a boceta da putinha está encharcada! "

Naquele exato momento, minha mãe gritou: "Por favor, deixe minha filha em paz. Farei o que vocês dois homens imundos quiserem, mas, por favor, deixem Aurélia em paz".

Os caras olharam para minha mãe e depois um para o outro. "Então você fará o que quisermos?" disse o grandalhão.

"Sim", ela respondeu, parecendo derrotada, "mas, por favor, deixe Aurélia em paz."

O professor não atendeu ao apelo da minha mãe para deixar Aurélia em paz. Eles simplesmente soltaram Aurélia e então, olhando para minha mãe, Mateus disse: "Vá para aquela poltrona."

A poltrona ficava em frente à onde eu estava e observei minha mãe obedecer e ficar na frente dela.

Os dois homens estavam sorrindo quando o grandalhão disse: "Agora, Irene, é hora de você nos mostrar sua buceta velha. Tire a calcinha e sente-se na cadeira."

Com os dois homens agora concentrados em minha mãe, Aurélia correu até mim como se procurasse proteção de seu irmão mais velho.

Observei o balanço sensual de seus seios firmes e empinados enquanto ela vinha em minha direção. Eu vi seu olhar de repente mudar para minha ereção, mas ela não disse nada enquanto eu colocava meu braço protetoramente em volta dela enquanto nós dois esperávamos para ver o destino de minha mãe.

Vimos minha mãe tirar a calcinha revelando seu púbis pouco peludo. Ela então se sentou na cadeira com os joelhos juntos e pareceu completamente chocada quando o professor disse: "Vamos assistir agora enquanto você mostra a sua boceta para nós.

Enquanto observávamos, o professor avançou e agarrou um dos pés da minha mãe. Ele então levantou-o até que a perna dela estivesse pendurada sobre um braço da cadeira. Eu já podia ver vislumbres de seus lábios quando o seu amigo fez o mesmo com a outra perna. Então, como se quisesse humilhá-la completamente, ele disse: "agora mova sua bunda gorda para a frente até que ela fique na ponta da cadeira".

Ela olhou para Aurélia e para mim, sua expressão cheia de vergonha e então fez o que lhe foi dito. Senti que não devia olhar, mas o meu olhar foi atraído para os lábios totalmente expostos da minha mãe. Com as pernas abertas de forma tão obscena e apoiadas em cada braço da cadeira, era difícil evitar seus lábios rosas e suculentos que estavam abertos e claramente visíveis era o muco lubrificante que escorria de seus lábios brilhantes. Fiquei chocado porque, apesar de sua situação difícil, minha mãe estava obviamente excitada!

Observei enquanto os dois homens olhavam maliciosamente para a genitália da minha mãe enquanto ambos abriam o zíper das calças.

Eu ainda estava tentando esconder minha ereção enquanto segurava Aurélia protetoramente.

Quando o professor soltou seu enorme pênis, Aurélia engasgou e se virou, me empurrando para longe enquanto minha ereção roçava nela.

Então me senti incrivelmente tímido e envergonhado quando os dois caras viram minha ereção.

"Ora, ora", disse o professor, "o pequeno Carlos aqui ficou todo emocionado ao ver a mãe e a irmã sem roupa. Venha aqui e mostre para sua mãe."

Eu me senti congelado, mas o outro cara agarrou meu braço e me puxou para ficar perto de minha mãe.

Eu me senti tão tímido e estranho enquanto os caras acariciavam rudemente suas enormes ereções, fazendo as minhas parecerem um brinquedo de criança e olha que eu me considero um cara cima da média peniana do brasil.

"Agora, seu idiota, você pode dar uma boa olhada em sua mãe sendo fodida com um pau de verdade."

Enquanto falava, ele se abaixou e enfiou a mão entre as coxas estendidas de minha mãe. Apesar da situação, senti minha ereção se contrair quando ele empurrou rudemente dois dedos gordos na vagina molhada de minha mãe.

Ela engasgou quando ele os empurrou dentro dela e então pareceu envergonhada quando ele se virou para mim e disse: "sua mãe prostituta está molhada. Sua velha boceta está escorrendo e ansiosa para ser fodida".

Ele então puxou os dedos e os limpou nos seios dela antes de se mover diretamente na frente dela. Ele olhou de soslaio para mim e disse: "agora observe sua mãe sendo fodida e cheia de minha porra".

Eu estava de lado e observei enquanto ele posicionava a cabeça de sua enorme rola entre seus lábios abertos. Eu o ouvi grunhir alto e minha mãe exclamar: "Arghhh!" quando ele de repente mergulhou toda a extensão de sua protuberância dentro dela.

Tentei desviar o olhar, mas falhei miseravelmente enquanto observava o professor empurrando com urgência entre as coxas da minha mãe. Ele segurava os seios dela com as mãos, apertando-os dolorosamente enquanto gritava repetidamente: "pegue isso, sua velha puta!"

A sala estava cheia de sons de carne batendo contra carne e dos ruídos molhados do pênis do professor batendo no buraco molhado da minha mãe. Observei seu impulso aumentar de ritmo ele metia com muita força nela. Nem parecia aquele homem que mal comia a esposa ele permaneceu por 20 minutos até que ele atingiu um clímax e uivou como um animal selvagem. Suas investidas pararam e eu sabia, pela pouca experiência que tinha, que ele a estava enchendo com seu sêmen.

Observei enquanto ele se retirava dela, o seu pénis ainda bastante duro, mas escorregadio com os sucos da minha mãe e o seu sémen.

Ao se levantar com o pênis pingando, ele disse: "Venha aqui, Aurélia, e limpe a bagunça da sua mãe no meu pau.

Aurélia parecia chocada e protestava quando o outro cara a puxou e a forçou a ficar de joelhos.

"Lamba para limpar, sua putinha", disse o grandalhão enquanto agarrava um punhado de seus longos cabelos e puxava seu rosto em direção ao seu pênis.

Observei impotente enquanto ele se abaixava e fechava o nariz dela. Ela tentou o seu melhor para não respirar, mas eventualmente, quando ela abriu a boca para respirar, ele empurrou seu pênis bagunçado direto em sua boca. Ela lutou e tentou se afastar, engasgando-se algumas vezes enquanto o pênis dele enchia sua boca, mas ele apenas riu quando ela finalmente se submeteu.

Observei quando ele o puxou de sua boca e depois passou a cabeça em seu rosto.

Ele então olhou para mim e disse: "deite-se no chão e deite-se de costas".

Fiquei nervoso, imaginando o que seria forçado a fazer.

A essa altura eu sabia que era inútil desobedecer e então fiz humildemente o que ele pediu, sentindo uma vergonha aguda quando minha ereção se recusou a diminuir.

"Ele então ajudou minha mãe a se levantar da cadeira e disse a ela:" Agora é sua vez de limpar a sujeira daquela sua boceta velha e flácida. Fique montado no rosto do seu filho e depois agache-se sobre ele, de frente para seu rosto."

Ele a puxou para onde eu estava deitada e a fez se agachar sobre meu rosto enquanto dizia: "Agora coloque a mão entre as pernas, abra sua boceta pingando e depois abaixe-a na boca do seu garoto para que ele possa lambê-la e limpá-la. "

Olhei para cima entre as coxas da minha mãe enquanto ela fazia o que lhe foi dito. Senti uma mistura aguda de vergonha e excitação enquanto a observava usar os dedos para se abrir e depois descer até à minha boca. À medida que os seus lábios abertos se aproximavam da minha boca, senti algumas gotas do sémen do professor cair na minha cara quando começou a escorrer dela.

"Agora lamba sua mãe para limpar seu idiota."

Enquanto os seus lábios ingurgitados pressionavam a minha boca, empurrei a minha língua para fora e lambi entre eles. Eu não tinha certeza do que esperar quando o lodo salgado do sêmen do grandalhão atingiu minha língua junto com o cheiro levemente almiscarado e o sabor dos sucos da minha mãe.

Enquanto lambia e lambia, tomei consciência dos quadris da minha mãe começando a se mover para frente e para trás. O movimento foi muito sutil, mas, a menos que eu estivesse enganado, ela estava começando a gostar da sensação da minha boca. Fiquei chocado; mesmo depois de vê-la sendo penetrada pelo enorme pau do professor, eu não estava preparado e não estava disposto a aceitar que minha mãe era sexual.

Seus movimentos ficaram mais óbvios até que os homens perceberam o que ela estava fazendo.

"Isso não é fofo!" disse o amigo do professor sarcasticamente, a velha puta está gostando de ter a boceta lambida pelo filho!

Talvez ela devesse retribuir o favor e chupar sua pequena rola"

Senti movimento acima de mim, mas não consegui ver nada, exceto o traseiro nu de minha mãe em meu rosto.

Senti que ela estava abaixando a parte superior do corpo e então, ao sentir seu hálito quente perto da minha pika, o professor disse: "Chupe o pau dele, sua velha puta." Quando ele terminou de falar, senti o calor úmido da boca de minha mãe envolver a cabeça do meu pênis.

"Vamos vadia", disse o grandalhão, "leva tudo dentro da boca, não é muito grande."

Senti então todo o meu pénis a ser engolido pela boca da minha mãe enquanto ele forçava a sua cabeça para baixo até que pude sentir os seus lábios a serem esmagados contra os meus pelos púbicos.

Parte de mim queria resistir; ignorar os sentimentos incríveis que começam a surgir pelo meu corpo.

Enquanto isso, os movimentos do quadril da minha mãe tornaram-se impulsos desavergonhados enquanto ela apertava seus lábios molhados contra minha boca com minha língua ainda lambendo dentro dela.

Qualquer ideia de eu resistir foi logo esquecida quando comecei a empurrar para dentro da boca da minha mãe. Com o meu rosto enterrado no calor das coxas macias da minha mãe, tornei-me alheio à situação, pois todo o meu foco estava agora nas sensações crescentes na minha virilha. Acho que o grandalhão estava forçando a cabeça da minha mãe para cima e para baixo no meu pau. Eu estava ciente dela ofegante e se engasgando um pouco. Eu também estava tendo dificuldade para respirar, pois as estocadas de minha mãe pareciam cada vez mais urgentes.

Finalmente, quando senti suas coxas começarem a tremer, senti e ouvi seus gritos de prazer abafados pelo meu pau quando ela atingiu o orgasmo. Eu sabia que estava prestes a ejacular na boca da minha mãe. Parecia errado. Parte de mim queria afastar-se, mas poucos segundos depois o meu pénis entrou em erupção na boca da minha mãe e para meu total surpresa senti-a engolir tudo.

A sala ficou em silêncio por um tempo até que senti minha mãe sendo puxada de cima de mim.

O grandalhão me puxou e troquei um olhar constrangedor com minha mãe que lambia os lábios.

Pude ver o medo nos olhos de Aurélia quando os dois caras se viraram e olharam para ela. Até agora ela tinha sido mais ou menos uma espectadora, mas tanto ela como eu sentíamos que o seu papel estava prestes a tornar-se mais ativo.

Um deles agarrou-a e puxou-a para onde eu estava dizendo: "sua mãe deixou algumas gotas de sêmen no pau do seu irmão. Como você já mostrou como você é bom em lamber paus limpos, ajoelhe-se na frente dele e limpe-o corretamente.

O meu pénis já estava a amolecer quando os rapazes a forçaram a ajoelhar-se aos meus pés.

Ela olhou nos meus olhos suplicantes, mas não havia nada que eu pudesse fazer para ajudar. Além disso, apesar da culpa e da situação, a ideia de Aurélia colocar meu pênis na boca me excitou.

Enquanto ela relutantemente aproximava a cabeça, o grandalhão disse: "Segure-o na mão, Aurélia, e depois coloque-o na boca.

Embora eu comesse várias mulheres tanto novas como coroas se ao menos ela soubesse que isso era algo com que eu sempre fantasiava quando estava sozinho em meu quarto. Os pensamentos sempre me enchiam de culpa e vergonha, mas agora estava prestes a acontecer de verdade.

Ela olhou nos meus olhos mais uma vez e então estendeu a mão e pegou meu pênis molhado e grudado em sua mão. Eu ainda estava parcialmente ereto, o que era comum para mim. Normalmente, depois de ejacular, meu pênis se recupera completamente e demoro pra gozar por algumas horas.

Agora, enquanto a minha irmã segurava o meu pénis na mão, fiquei surpreendido por ele ter começado a tremer.

"Lamba, sua putinha", disse o amigo do professor, "coloque na boca e chupe até ficar limpo."

Ao olhar para ela, observei e senti os seus lindos lábios separarem-se e depois lentamente levar o meu pénis para a sua boca. Senti-a chupar enquanto olhava para os seus seios nus perfeitos e, para minha surpresa, já senti o meu pénis começar a crescer novamente. Aurélia manteve os lábios presos ao meu eixo, mas olhou nos meus olhos algumas vezes com alarme enquanto ele continuava a crescer completamente ereto em sua boca.

Eu tinha quase certeza de que, embora estivesse ereto novamente, não seria capaz de ejacular novamente; ainda não, de qualquer maneira.

Para minha decepção, o grandalhão puxou Aurélia de volta, fazendo com que meu pênis recém-ereto saísse de sua boca.

Ela protestou quando os dois caras começaram a apalpá-la. Minha mãe implorou: “Achei que você a deixaria em paz se eu fizesse o que você queria”.

"Isso foi ideia sua, sua velha puta, na verdade nunca concordamos com isso", disse o grandalhão enquanto agarrava Aurélia pela cintura, levantando-a do chão e fazendo-a gritar enquanto dizia ao outro cara, " tire a calcinha e depois vamos dar uma olhada em sua jovem boceta.

Eu assisti impotente enquanto Aurélia chutava e lutava em vão enquanto o professor a segurava com firmeza e o outro cara agarrava o cós de sua calcinha e a puxava para baixo. Ela ainda estava chutando as pernas quando seus pelos pubianos foram revelados, mas o cara simplesmente agarrou sua calcinha com mais força e depois arrancou-a dela, deixando-a completamente nua.

Eles então a carregaram para a mesma poltrona onde minha mãe tinha sido tão indecentemente exibida e fodida. Eles colocaram Aurélia na cadeira e então, pegando uma perna cada, abriram as pernas dela da mesma forma que fizeram com minha mãe. As pernas de Aurélia foram agora forçadas a abrir e recuar enquanto as posicionavam sobre cada braço da cadeira.

Eu me peguei olhando com culpa para a genitália exposta da minha irmã. Pude ver imediatamente que os seus lábios pareciam tão limpos e arrumados em comparação com os da minha mãe e, tal como a minha mãe, ela também exsudava muco da sua buceta de aspecto encantador. Eu também me senti envergonhado por ela, vendo seu pequeno ânus apertado, bem como seus lábios tão rudemente expostos aos dois caras e aos meus olhos curiosos.

Olhei para minha mãe e pude ver que ela havia perdido qualquer luta que estivesse dentro dela. Ela parecia ter aceitado o destino de Aurélia e de si mesma.

Aurélia tinha parado de lutar, e com suas pernas sendo seguradas de forma tão obscena para expor as partes mais íntimas de seu corpo, senti que ela também havia perdido a vontade de lutar mais.

Eu estava me perguntando o que aconteceria a seguir quando o professor se virou para minha mãe e disse: "Venha aqui e chupe o pauzinho do seu filho de novo".

Senti uma pontada de excitação muito culpada quando ela obedeceu e se ajoelhou na minha frente.

Pude ver Aurélia observando minha mãe estender a mão, abrir a boca, agarrar meu pênis ereto e depois colocá-lo em sua boca quente. Eu sabia que era errado quando a senti passar a língua sobre a cabeça sensível da minha ereção.

Ao contrário das minhas experiências anteriores de masturbação, de não conseguir ter uma nova ereção durante muitas horas após a ejaculação, não só me sentia muito ereto na boca da minha mãe, como também podia sentir que também seria capaz de ejacular em breve.

Tentei esconder qualquer sinal de decepção quando o grandalhão disse: "OK, Irene, já chega."

Minha mãe soltou meu pênis da boca, mas permaneceu ajoelhada na minha frente. Agora tive que fingir que estava chocado quando o grandalhão disse: "Agora, Carlos, você vai foder sua irmã!"

O grandalhão então mudou de posição e segurou ambas as pernas de Aurélia, deixando o outro cara livre para ir até onde minha mãe e eu estávamos.

Ele então me empurrou em direção à minha irmã até que eu estava na frente e muito perto de seus lábios expostos e brilhantes.

"Vá em frente, Carlos", disse ele, "enfie alguns dedos dentro da boceta apertada da sua irmã."

Fingi protestar, dizendo: “Não, por favor, não me obrigue a fazer isso”.

Aurélia também estava protestando e começando a lutar novamente quando o cara disse, "faça o que eu mandei, Carlos, ou vou enfiar meu grande pau dolorosamente em seu pequeno cu!"

"Por favor, não deixe ele fazer isso, Carlos", implorou minha irmã, "apenas faça o que ele diz."

Tentar fingir que estava prestes a tocar a vagina de Aurélia contra a minha vontade foi muito difícil. Eu apenas tentei manter uma expressão triste no rosto enquanto me abaixei com entusiasmo e toquei os lábios expostos da vagina de Aurélia com a ponta de um dedo. Quando a toquei, vi seu corpo se contorcer.

Mantendo minha pretensão, abri seus lábios com as pontas dos dedos e, em seguida, empurrei dois dedos muito lentamente para cima, em sua umidade quente. Ela estava molhada, muito molhada, quando deslizei meus dois dedos o mais fundo possível em seu buraco quente e úmido como seda.

Meus olhos percorreram o lindo corpo nu de Aurélia. Eu ansiava por sentir seus seios firmes e empinados, mas mais do que isso, ansiava por sentir sua vagina quente e sedosa engolindo meu pênis ereto.

"Agora foda-se ela, Carlos igual fodeu minha filha", disse o professor, "abaixe-se sobre sua irmã mais nova e enfie sua rola patética em sua doce boceta.

Fiz o que ele me disse e abaixei meu corpo até sentir a cabeça do meu pênis roçar nos lábios molhados de Aurélia. Eu vi o olhar de vergonha e desespero quando olhei em seus olhos e me atrapalhei entre nós para posicionar a cabeça da minha pika em seu buraco molhado.

Pude sentir os meus desejos lascivos bloqueando qualquer vergonha ou culpa, pois o desejo avassalador de afundar a minha pika dura na vagina da minha irmã encheu completamente os meus sentidos.

Olhei brevemente nos seus olhos, murmurando: "Desculpa", e depois senti pura felicidade sexual enquanto empurrava a minha ereção para dentro da sua vagina apertada e sedosa.

Eu estava perdido em meus próprios desejos cheios de luxúria enquanto empurrava rápida e forte em Aurélia. Os únicos sons na sala eram os gemidos da minha irmã e os sons esmagadores enquanto a minha rola entrava e saía dela como um pistão.

Pude sentir que, pela segunda vez naquela noite, estava prestes a ejacular. Não considerei se Aurélia estava ou não tomando algum tipo de controle de natalidade. O meu único desejo era satisfazer a minha luxúria e inundar o seu interior com o meu sémen.

À medida que me aproximava do meu orgasmo, bombeando com mais força e rapidez na vagina de Aurélia, estendi a mão e agarrei seus seios firmes. Apertando-os com força e batendo nela, meu pênis latejava e pulsava enquanto eu explodia dentro dela.

Quase assim que ejaculei, o professor soltou as pernas da minha irmã e rapidamente contornou a cadeira para a frente. Ele então ordenou que ela se levantasse, dizendo: "Levante-se, sua putinha, e incline-se para a frente."

Aurélia se levantou, mas hesitou, talvez sem saber o que Matheus queria.

Os dois caras então a curvaram para frente na cintura enquanto o grandalhão dizia: "Agora você vai pegar dois paus de tamanho adequado ao mesmo tempo."

O grandalhão então agarrou a cabeça dela e puxou-a em direção ao pênis recém-ereto, dizendo: "chupe isso, sua putinha".

Fiquei impotente com minha mãe, pois apesar dos protestos de Aurélia ela logo tinha seu grande pênis duro em sua boca e fazia barulhos sufocados enquanto ele agarrava sua cabeça com força e forçava todo o comprimento de seu pênis em sua boca.

O outro cara então foi atrás dela. Observei quando ele chutou cada um dos pés dela e depois se aproximou. Ele pressionou a parte inferior das costas com uma mão enquanto usava a outra para guiar sua grande ereção entre as pernas dela. Eu a ouvi soltar um suspiro abafado quando ele agarrou seus quadris brutalmente com as mãos e depois empurrou sua enorme ereção nela por trás.

Minha mãe ainda implorava: “por favor, deixe-a em paz, farei o que você quiser se você a deixar em paz”.

Os dois apenas riram quando começaram a bater na minha irmã pelos dois buracos. O grandalhão estava a usar as orelhas dela para manter a cabeça no lugar enquanto fodia a boca dela, enquanto o outro homem ainda agarrava firmemente as coxas dela enquanto a fodia por trás.

Observei impotente enquanto ambos usavam Aurélia para seu prazer. Eu a ouvi engasgando-se e ofegando.

O grandalhão foi o primeiro a atingir o clímax. Eu pude ver cada músculo de seu corpo tenso e então ouvi Aurélia começar a engasgar quando seu jato inicial de sêmen inundou sua garganta. Ele retirou-se quase imediatamente, espalhando o resto no rosto e no cabelo dela.

Com a boca agora livre, ouvi enquanto ela ofegava, mas então os suspiros começaram a se transformar em suspiros regulares de ar até que finalmente, enquanto observava o outro cara atingir seu clímax e liberar seu sêmen quente profundamente dentro dela, os suspiros de Aurélia se tornaram gritos de prazer. Quando ele empurrou sua ereção em erupção tão profundamente quanto podia, ela ofegou e depois gritou ao experimentar seu próprio orgasmo. O professor olhou para minha irmã e disse. “agoira e a hora do cu prepare-se pois vai sentir a vara de um homem em seu orifício anal. Minha mãe relutou e implorou para comer o cu dela e deixar o da minha irmã em paz.

"Vou dar essa colher de chá para essa vagabunda branca! Veja a vadia adorar pegar esse pau preto!" ele sorriu enquanto empurrava seu pênis lentamente dentro da boceta acolhedora de minha mãe.

Irene soltou um longo e lento gemido, enquanto o pênis esticava sua boceta apertada. Observei enquanto a vagina dela se esticava à volta da mamba negra deslizando para dentro dela e testemunhei a carne a agarrar a sua pika na sua retirada. Ele fodeu mamãe lentamente, deixando-a se acostumar com seu comprimento e circunferência. Seu dedo ainda estava fodendo sua bunda quando ela começou a desfrutar de seu orgasmo com o pau preto dentro dela.

Matheus soltou seus seios, permitindo que seus seios grandes balançassem enquanto ele montava em sua boceta. Seus mamilos se destacavam como prendedores de chapéu de capela que encantaram a todos ali presente, quando ele começou a torcer e virar suavemente a carne endurecida do mamilo. Irene estava no paraíso sexual quando levantou a cabeça e beijou Matheus, sua língua explorando seus grandes lábios negros e boca faminta. Matheus retirou seu pau e sentou-se, com sua vara dura projetando-se para cima. Seu amigo guiou minha mãe até o pênis de Matheus novamente e a posicionou diretamente sobre a cabeça de seu pênis. Seus seios estavam no rosto dele quando ele começou a lamber e mastigar seus mamilos enrijecidos. mamãe estava sussurrando baixinho quando percebi que ela já estava entregue ao meu professor.

"Foda-me, pessoal. Preciso desses dois paus pretos dentro de mim!"

Matheus segurou a cintura de mamãe enquanto ela mantinha sua boceta aberta, sentindo a ponta de seu pau quente em sua abertura, ela deslizou lentamente por sua vara, até que sua boceta ficou totalmente empalada. Ela gemeu roucamente enquanto o pau do professor proporcionava tanto prazer. Sua bunda agora estava disponível enquanto ela lentamente pressionava sua boceta no pau de Matheus. Eu podia ver claramente sua boceta esticada segurando o enorme pau preto enquanto ela gemia em êxtase. A cada estocada, seu cu abria e fechava, provando ser uma visão muito erótica. o amigo do professor piscou para mim segurando seu pau, que era tão grande, largo e preto quanto o pau de Matheus. Segurando a haste, ele cuspiu na mão e esfregou a saliva espessa ao redor de seu pênis, deixando o pênis de ébano brilhante e lubrificado. Ele caminhou atrás de minha mãe, cuja bunda se movia lentamente para frente e para trás. Ele tocou seu traseiro suavemente e depois tirou a mão. Ele cuspiu na mão e depois esfregou a saliva no cu de mamãe. "Oh, porra, sim!" ela rosnou "Foda-me!" ela rosnou, exigindo que o homem colocasse seu pau em sua bunda.

ele não precisou de mais nenhum incentivo enquanto empurrava lentamente seu pênis para dentro de seu anel enrugado. Observei enquanto o cu apertado da minha mãe se enrolava na cabeça do enorme pau. Não havia nenhuma maneira que ela fosse capaz de aguentar tanto em sua bunda. o homem deslizou a cobra preta na bunda da minha mãe enquanto ela ofegava de desejo. Centímetro por centímetro, o pau negro deslizou mais e mais profundamente em sua bunda esticada. Nunca ouvi minha mãe gemer tão apaixonadamente enquanto os dois paus pretos enchiam seus buracos. O gemido soou de puro prazer, enquanto ela balançava os quadris enquanto os dois paus a fodiam. Ela ofegou com desejo que estava gozando.

"Pegue esses paus, puta branca!" o professor disse sorrindo enquanto fodia a bunda dela.

Matheus empurrou para cima, forçando-a a respirar fundo enquanto seu pênis batia em seu colo do útero.

"Foda-me!" Ela ofegou "Atire suas porras dentro de mim. Dê-me sua semente!" Ela implorou.

eles trocaram de posição e foderam ela alucinadamente por mais de uma hora, era incrível o vigor daqueles dois homens negros, depois disso os caras então agarraram minha mãe e Aurélia e os forçaram a se ajoelhar lado a lado no sofá.

O professor me agarrou e me puxou para o sofá, dizendo: "agora você pode dar uma boa olhada nas duas prostitutas. Minha mãe choramingou em um leve protesto enquanto o outro cara forçou sua cabeça para baixo, fazendo seu traseiro se levantar.

Ele então forçou os joelhos dela a se separarem colocou seus rostos pra cima e despejaram uma enorme carga de esperma no rosto das duas".

Passado se alguns minutos fui advertido que se chegasse perto da esposa e filha do professor ele voltaria quantas vezes fosse necessária.

os dois homens já tinham ido embora e eu estava sozinha com minha mãe Irene e minha irmã Aurélia.

Ajudei-as a se levantarem do sofá, pedindo desculpas profundamente enquanto ambos tentavam cobrir a nudez.

Eu sabia que nada que eu pudesse dizer ou fazer teria alguma utilidade. Eu também sabia que os acontecimentos daquela noite haviam mudado para sempre meu relacionamento com minha mãe e minha irmã.

Eu esperava que um dia eles me perdoassem pela provação que os fiz passar.

Foi algumas semanas depois, ainda me sentindo culpado, deitado de costas no meu quarto, com os olhos fechados, nu e me masturbando, que senti que havia outra pessoa lá.

Abri os olhos e fiquei chocado ao ver minha irmã. Ela estava nua e quando eu comecei a falar ela colocou o dedo na boca dizendo: "Shhh."

Ela então subiu na minha cama montada na minha cabeça. Eu olhei para cima e observei sua linda boceta brilhante enquanto ela se abaixava em meu rosto e ao mesmo tempo se inclinava para frente. Instintivamente comecei a lambê-la quando a sua buceta entrou em contacto com a minha boca, o seu aroma almiscarado enchendo os meus sentidos enquanto a sua boca suave e sensual engolia o meu pénis ereto.

Em pouco tempo, estávamos ambos empurrando um contra o outro como um só e, com um longo e satisfeito gemido de prazer, ejaculei em sua boca enquanto ela tremia e ofegava acima de mim. E pedia pra comer a mulher do professor de novo só pra ele voltar.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 30 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 71Seguidores: 171Seguindo: 22Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil genérica

É uma pena ter chegado ao final,

Espero ansioso por outros, vc tem muito talento,

Sensacional 🌟🌟🌟

0 0