SEDUZINDO UMA PROFESSORA SEM PENSAR NAS CONSEQUENCIAS PT2

Um conto erótico de Gabriel Silva
Categoria: Grupal
Contém 17361 palavras
Data: 07/11/2023 20:36:59
Assuntos: Corno, Grupal, Professora

Katia ficou sentada em seu quarto, furiosa. Ela não sabia o que mais sua mãe poderia esperar. Afinal, ela tirava boas notas, não bebia nem usava drogas e não dormia com ninguém. Na verdade, ela só tinha sido fodida por um garoto depois de sair com ele por mais de um ano, embora ela brincasse de vez em quando.

A briga com a mãe começou no momento em que Katia entrou pela porta.

"Oi, mãe. Acabei de encontrar Carlos , que disse que estava deixando alguns deveres de casa. Ele me convidou para sair amanhã à noite. Ele é meio solitário, mas fofo. Eu disse que sim."

Na verdade Carlos não perguntou, foi mais como uma declaração. Quando ela começou a se fazer de difícil, ele apertou o braço dela e olhou para ela com seus olhos penetrantes e um tanto assustadores. Ele disse a ela que iria buscá-la às oito. Ela assentiu com a cabeça e sentiu um formigamento na barriga. Nenhum garoto jamais esteve tão seguro de si com ela.

"Não, Katia. Aquele garoto, Carlos , é um problema. Como professora dele, sei coisas sobre ele que não posso te contar, mas não quero que você o veja. Estamos claros sobre isso?"

"Não, mãe, não temos certeza", respondeu Katia, "Pretendo sair com ele, não me casar com ele. Sou uma menina crescida. Posso cuidar de mim mesma. Não preciso que você escolha minhas datas ."

"Isso não está aberto a discussão. Eu proíbo você de sair com ele. Isso é definitivo."

"Veremos o que o papai tem a dizer", gritou Katia enquanto corria para o quarto e batia a porta.

Katia sabia que seu pai a apoiaria, e ele o fez. Na noite seguinte, Carlos chegou cedo. O professor Silva atendeu a porta e foi em busca da filha que ainda estava se vestindo. Karen entrou na sala vindo da cozinha.

"Você coloca uma mão nela e eu farei você se arrepender de maneiras que você nem pode imaginar."

Carlos se aproximou, mas ela se manteve firme olhando para ele com veneno nos olhos. De repente, sua mão disparou e agarrou seu pescoço. Ele a empurrou pela porta da cozinha e a jogou contra a parede. A outra mão dele deslizou para dentro da calcinha dela. Os seus dedos pressionaram contra as dobras da sua buceta e esfregaram lhe o clitóris.

"Acho que não, Sra. Silva . Você estará na cama pensando no que poderia ter comido enquanto meu pau está batendo na boceta de Katia e bombeando esperma em seu corpo."

Carlos a empurrou na ponta dos pés e enterrou dois dedos em sua boceta. Ele podia sentir seus sucos fluindo. Ele os moveu para dentro e para fora em movimentos rápidos. Ela lutou para tirar as próximas palavras de sua boca.

"Tudo bem... você venceu. Vou conseguir um quarto de motel e você pode me receber o dia todo amanhã... como quiser. Deixe Katia em paz."

Ele puxou os dedos de sua boceta pingando e os enfiou em sua boca. Quando ouviram movimento no outro cômodo, ele a soltou, mas não antes de agarrar seu mamilo através da blusa e apertar com força.

“Você deveria ter pensado nisso ontem, Sra. Silva . Você acha que Katia gosta de sexo violento e exagerado? te aviso amanhã."

Karen ainda estava tremendo. Parte disso era raiva, mas parte era porque Carlos havia atingido um ponto sensível. Apesar de suas tentativas de resistir, seu corpo respondeu ao toque. Karen podia sentir o quanto sua boceta ansiava por mais de seu jovem pênis. Quando ela saiu para se juntar a eles, Karen ficou chocada ao ver sua filha vestida com uma saia curta de couro e uma blusa branca justa com os mamilos aparecendo.

Katia se vestiu assim para se vingar da mãe. Ela queria que ela soubesse que iria se divertir. Não que ela fosse transar com ele, mas sua mãe nunca saberia. Se o encontro corresse muito bem.

Na escola, Katia estava sempre no controle das situações. Foi sua maneira de superar sua falta de confiança. Carlos era diferente dos outros garotos com quem ela namorou. A maneira como ele assumiu o comando quando eles saíram pela porta a excitou.

Katia avisou Carlos imediatamente que ela estava interessada. Ela conhecia todos os truques... um toque no braço, morder o lábio, uma risada feminina ocasional, contato visual frequente, apoiar a cabeça no ombro dele e uma mão inocente na coxa na hora certa. Carlos disse muito pouco. Katia achou sua confiança tranquila um pouco intimidante. Na verdade, ela estava animada por estar na presença dele. Ela estava cansada de estar sempre no controle.

Por volta da meia-noite, a maioria dos casais havia desaparecido da festa. Katia sugeriu que fossem dar um passeio à beira do lago. Era privado, mas bem iluminado e seguro. Eles subiram no banco de trás para se beijarem. Katia deixou que ele sentisse seus seios através da blusa. Ela até deixou que ele levantasse a blusa e o sutiã para que ele pudesse sentir a carne macia de seus seios nus.

Katia não queria parecer muito fácil e também queria que ele soubesse que ela ainda estava no controle da situação. Quando Carlos deslizou a mão entre suas pernas e esfregou sua boceta através da calcinha, ela se afastou.

"Não... por favor. Não deveríamos, Carlos . Este é o nosso primeiro encontro."

"Katia, não seja uma provocadora. Eu não gosto de jogos."

Carlos puxou a cabeça dela para trás e esmagou a boca sobre os lábios dela. A mão dele passou entre as pernas dela empurrando a calcinha para o lado. Ele esfregou dois dedos em seu corte e em seu clitóris. Katia foi pega de surpresa. Ela sentiu uma curiosa pontada de excitação por ter sido maltratada. Seu corpo respondeu de maneiras que ela não conseguia explicar. Ela abriu as pernas para lhe dar melhor acesso à sua boceta.

Carlos mergulhou dois dedos em sua boceta quente. Ele a empurrou no banco até que sua cabeça encostou na porta lateral. Ele beijou sua orelha e depois seu pescoço. Katia se contorceu contra seus dedos cavando dentro de sua boceta quente e molhada. Seus lábios deslizaram sobre o mamilo e o sugaram em sua boca. Ele empurrou os dedos mais fundo em sua boceta.

"Não... não Carlos ... não deveríamos... oh Deus... Carlos ..."

Katia sabia que estava perdendo o controle da situação. Ela tentou debilmente afastá-lo, mas Carlos não se mexeu. Ele mordeu o mamilo dela e puxou-o com os dentes. Os dedos de Carlos cavaram mais fundo em sua boceta. Seu polegar esfregou seu clitóris. Ele mordeu com mais força. Katia gritou de dor. Seu corpo endureceu pouco antes de sua boceta explodir.

O orgasmo surpreendeu Katia. Carlos tinha acabado de dar a ela o primeiro orgasmo que ela teve com outra pessoa. Quando ela se recuperou, Carlos estava com a cabeça entre as pernas dela. Ela sentiu a língua dele atacar e lamber sua boceta sensível. Ter sua boceta lambida foi outra novidade para Katia.

"Carlos , temos que parar... por favor... oooohhhh... Carlos , não..."

Ele empurrou dois dedos para trás em sua boceta e mordiscou agressivamente seu clitóris. Seus dedos encontraram aquele lugar especial dentro de sua boceta, fazendo Katia se contorcer em uma agonia de prazer. Quando ele mordeu seu clitóris e puxou-o com os dentes, Katia explodiu com seu segundo orgasmo em menos de dois minutos.

Carlos sugou o suco de sua boceta jorrando e depois subiu por seu corpo e beijou-a nos lábios, enfiando a língua em sua boca. Pela primeira vez Katia provou sua própria boceta. Ela deveria ter se afastado, mas não o fez, achando isso estranhamente erótico. Mais do que isso, seu domínio total da situação era inebriante e inexplicável.

Carlos sentou-se e baixou as calças. Seu pau duro e considerável se soltou. Katia olhou para ele com apreensão, perguntando-se o que ele tinha em mente. Carlos guiou a mão dela até a carne marcada pelas veias. Ela sentou-se e envolveu os dedos em torno de sua circunferência.

"Carlos , estou sendo uma garota muito má", ela sussurrou, "não acho que minha mãe aprovaria."

Katia pressionou seus lábios nos dele e o beijou com a língua. Ela o alimentou cada vez mais rápido. Carlos colocou a mão na nuca dela e empurrou sua cabeça. Ela tentou resistir, mas ele era muito forte. Katia decidiu que iria acabar com ele com a boca.

"Tudo bem... mas depois disso temos que ir. Não acredito que vou realmente fazer isso."

Os lábios de Katia deslizaram ao redor da grande protuberância de seu pênis. Ela só tinha chupado alguns outros paus em sua vida. Nenhum deles chegava perto do comprimento e circunferência de Carlos . A sensação de sua carne dura enchendo sua boca e deslizando por sua língua era inebriante. Chupar um pau nunca a afetou assim. A sua buceta estava a escorrer e os seus mamilos pareciam que iam explodir.

A inexperiência de Katia em comparação com a mãe era bastante evidente. Carlos beliscou seus mamilos sensíveis e passou as mãos pelos cabelos dela enquanto a deixava se deliciar com seu pênis em seu próprio ritmo. Katia ronronou e se mexeu para que ele pudesse alcançar sua boceta. Carlos mergulhou dois dedos em sua boceta pingando.

Katia nunca ficou tão excitada na presença de outra pessoa. Ela ainda estava determinada a não deixá-lo fodê-la, mas queria outro orgasmo antes de fazê-lo gozar. Katia até decidiu que iria deixá-lo gozar em sua boca, algo que ela nunca havia deixado ninguém fazer.

Katia se contorceu contra seus dedos tentando enfiá-los mais fundo. Ela podia senti-los cavando dentro de seu buraco fumegante. Com a mão livre ela alcançou entre as pernas e esfregou o clitóris. Demorou vários minutos, mas finalmente funcionou. A pressão crescente em sua barriga foi liberada. Sucos jorraram de sua boceta. O pau de Carlos caiu de sua boca. Katia gritou enquanto seu corpo tremia com o terceiro orgasmo.

Carlos esfregou os dedos molhados nos lábios dela. Katia abriu a boca para que ele pudesse empurrá-los para dentro. Mais uma vez ela ficou hipnotizada pelo sabor de sua própria boceta. Ela chupou os dedos dele e riu enquanto olhava para Carlos .

"Estou realmente sendo desagradável esta noite. Não sei o que deu em mim. Vou acabar com você com a minha boca. Depois temos que ir para casa."

Assim que os lábios dela envolveram seu monstro inchado, Carlos colocou as mãos na cabeça dela e forçou seu pênis na abertura de sua garganta. Katia engasgou e lutou para se levantar, mas Carlos manteve a pressão na parte de trás de sua cabeça tentando forçá-la mais fundo. Katia não teve escolha senão encontrar uma maneira de deixar isso entrar em sua garganta.

"Se eu quisesse um boquete de menina, teria saído com uma de suas amigas. Agora me mostre que tipo de mulher você é."

Os sons de engasgo e a luta tornaram-se mais intensas. Finalmente Carlos teve piedade e deixou que ela puxasse parte de seu pênis para que ela pudesse respirar. Cuspe e baba escorriam de sua boca por toda a carne dura e bolas. Segurando o cabelo dela com força entre os dedos, Carlos bateu a cabeça dela para trás até que seu pênis ficou preso em sua garganta.

Katia estava confusa demais para pensar. Ela pensou que ia desmaiar. Seu pênis era grande demais para caber em sua garganta. Apesar de suas lutas, isso continuou se aprofundando. A dor dos dedos dele quase arrancando os cabelos castanhos da cabeça dela não ajudou. E ainda assim, apesar de tudo isso, ela queria isso. Ela queria que ele a levasse assim. Ela sempre quis isso.

Era uma fantasia recorrente. Um homem vestido de preto e com máscara de esqui entrou na casa. Katia estava sozinha. Ela tentou correr, mas ele era muito rápido. Ele bateu o rosto dela na parede. Sua saia e calcinha foram arrancadas de seu corpo. Um grande pau deslizou em sua boceta. Suas mãos rasgaram a blusa dela e esmagaram seus seios. Ele puxou o cabelo dela e puxou sua cabeça para trás, mordendo seu pescoço até tirar sangue. Mais ou menos então, o suco de boceta esguichava de sua boceta enquanto ela imaginava o esperma dele enchendo sua boceta. A fantasia sempre lhe proporcionou um orgasmo intenso.

O pau de Carlos estava quase completamente enterrado dentro de sua boca e garganta. Ela engasgou alto enquanto ele a segurava ali, ainda lutando por ar precioso. Ele a deixou respirar brevemente antes de enfiar seu pênis de volta em sua garganta, mantendo sua cabeça baixa até que ela se engasgasse. Ele agarrou o cabelo dela e fodeu seu rosto balançando a cabeça para cima e para baixo. Ele bateu na boca dela, enfiando seu pau na garganta dela a cada estocada ela estava chupando melhor mas nem se comparava a experiencia de sua mãe.

"Muito melhor. Agora vou te foder, Katia."

Ela ainda estava atordoada quando ele a bateu com as costas contra a porta e subiu entre suas pernas. Em vez de tirar a calcinha, ele puxou-a para o lado. Seus dedos abriram sua boceta. Carlos se preparou para enfiar seu pau em sua boceta quente. Quando Katia percebeu o que estava para acontecer, ela entrou em pânico.

"Não. Pare. Não podemos. Por favor..."

Katia tentou afastá-lo, mas Carlos não se mexeu. Ela podia sentir a ponta de seu pênis roçando sua boceta. Katia percebeu que perderia a batalha. Ela também percebeu que queria perder a batalha. Assim como em sua fantasia, ela queria ser fodida. Ela queria ser levada à força. Houve apenas um problema.

"Eu... não estou usando nada. Você tem camisinha?"

A mão de Carlos foi até seu pescoço e bateu sua cabeça contra a janela. Ela sentiu seu pênis deslizar em seu corpo. Ele começou a transar com ela. A sua vagina nunca tinha sido preenchida assim. Ele soltou o pescoço dela e empurrou as pernas para trás, na altura dos ombros. Suas mãos esmagaram seus seios. Seu pênis bateu nela de novo e de novo. Katia não queria mais que ele parasse.

"Oh Deus... oh Jesus... uh... uh... oh Deus, sim... foda-me..."

Deixar ir e ser imprudente era como um afrodisíaco. Ela podia sentir a pressão de outro orgasmo crescendo em sua barriga. Seu grande pau a encheu repetidas vezes. Carlos beliscou seus mamilos com tanta força que a dor foi insuportável. Prazer e dor se misturaram em um redemoinho de sensações que tomou conta de seu corpo. Ela jogou a cabeça para trás e gritou. Suco de buceta jorrou de sua boceta.

O pênis de Carlos inchou dentro de sua passagem apertada. Ele empurrou profundamente em sua boceta e grunhiu. O esperma quente irrompeu em sua boceta fumegante. Carlos puxou para fora e bateu de volta enchendo sua suculenta câmara com jato após jato de sua espessa semente. Katia, sentindo o calor de sua liberação se espalhando por sua barriga, gritou com mais um orgasmo.

Carlos tirou seu pau de sua boceta cheia de esperma e puxou a virilha de sua calcinha de volta no lugar para absorver o suco que escorria de seu corpo. Ele subiu pelo corpo dela e enfiou o pau pingando entre os lábios dela. O sabor forte dos sucos combinados encheu a boca de Katia.

"Limpe e chupe até ficar duro de novo. Nem pense em não fazer isso. Não quero ter que machucar você."

Katia olhou para ele com seu pênis entre os lábios e acenou com a cabeça. Ela havia se tornado sua escrava, seu brinquedo sexual. Ela queria que ele a dominasse, que a possuísse de uma forma que ela nunca havia sido tomada. Ela estava viciada em seu poder. Todos os sinais de resistência desapareceram. Katia o chupou ansiosamente em sua boca e lambeu os sucos grossos de seu pênis

Carlos podia sentir a mudança em Katia. Ela agora era dele para fazer o que quisesse. Carlos agarrou seu cabelo e enfiou seu pênis profundamente em sua garganta até que ela engasgou. Ele fez isso de novo e de novo antes de puxá-la e puxar sua cabeça para trás pelos cabelos até que ela olhasse para ele. Cuspe pingava de seu queixo e ela respirava ofegantemente.

"Sente-se no meu colo olhando para frente, Katia. Vou comer o seu cu."

"Não... por favor. Aí não. Qualquer outra coisa, mas não isso... por favor..."

"Eu disse FAÇA ISSO."

Carlos puxou-a para cima e bateu-a contra o banco da frente com a mão na nuca dela, pressionando a cabeça dela no encosto do banco. Ele enfiou seu pau na bagunça pegajosa dentro da virilha de sua calcinha e depois subiu pela fenda de sua bunda. Quando estava bom e pegajoso, ele pressionou a ponta contra seu cu apertado e empurrou.

Katia gritou quando sentiu a enorme protuberância de seu pênis perfurar seu nó apertado e entrar em seu corpo. Ele empurrou mais fundo. Ela pensou que suas entranhas iriam explodir com a pressão insuportável e a dor em sua barriga. Lágrimas escorriam por seu rosto enquanto ele empurrava ainda mais fundo. Ele começou a transar com ela. Katia mal conseguia respirar.

Lenta e gradualmente, Katia sentiu a pressão insuportável dar lugar a uma sensação de realização. Os seus dedos empurraram para dentro da buceta dela. O prazer voltou ao seu corpo. Ela sentou-se em seu pênis e o levou ainda mais fundo do que antes. Ela girou sua bunda contra ele. Carlos colocou os dedos na boca dela. Katia os chupou entre os lábios. Ela moveu seus próprios dedos para seu clitóris.

Carlos inclinou-a sobre o encosto do banco da frente e bateu em sua bunda. Ele agarrou o cabelo dela e puxou sua cabeça para trás. A sua pika batia dentro e fora do seu rabo esticado, indo cada vez mais forte e mais depressa a cada impulso. Sua mão se moveu para sua garganta e apertou. Enquanto ela lutava por ar, outro orgasmo percorreu o corpo de Katia. Segundos depois, ela sentiu esperma quente escorrendo em suas entranhas.

Carlos tirou seu pau da bunda bem fodida de Katia e puxou a calcinha de volta no lugar para que pudessem absorver o creme que babava. Ele abotoou as calças e voltou para o banco do motorista. Katia estava colocando o sutiã e puxando a blusa para baixo sobre os seios.

"Pare. Eu disse que você poderia se vestir? Não me lembro de ter dito isso. Deixe-os fora. Entendeu?"

Katia deveria ter ficado chateada com a maneira como ele falou com ela, mas sua necessidade de agradá-lo era mais poderosa. Era como um vício. Ela sabia que faria qualquer coisa por ele. Isso a assustou e a excitou ao mesmo tempo. Katia olhou para Carlos e tirou a blusa e o sutiã.

"Hum... me desculpe. Eu não estava pensando. Você... você vai me machucar?"

Carlos agarrou o queixo dela e virou a cabeça dela na direção dele. Ele moveu o rosto para poucos centímetros do rosto dela. Ele apertou.

"Por que eu iria querer machucar você, Katia? Eu gosto de você. Vamos nos ver muito. No caminho para casa, quero que você chupe meu pau. Quero que você continue chupando mesmo depois de chegarmos.

Katia assentiu e fez o que lhe foi dito. Ela sabia que sua mãe estaria acordada e observando. A luz da varanda permitiria que ela visse dentro do carro. Na verdade, lhe daria satisfação deixar a mãe observar enquanto ela chupava Carlos . Ela deslizou os lábios de volta sobre seu pênis e garganta abaixo.

Eles pararam na garagem. Carlos desligou o motor e agarrou a cabeça de Katia. Ele bateu para cima e para baixo em seu pênis, fazendo-a ir mais rápido e mais fundo em cada estocada. Ela mal conseguia acompanhar. Carlos enfiou seu pênis profundamente em sua garganta e o segurou lá até Katia lutar por ar. Ele agarrou o cabelo dela e puxou seu rosto para a luz da varanda. Ele viu as cortinas da sala de jantar se moverem e sabia que a Sra. Silva estava observando.

"Ok Katia, já chega. Agora quero que você saia do carro, fique na frente e tire a calcinha. Traga-a para mim."

Sabendo que sua mãe estava olhando, Katia caminhou de topless até a frente do carro, levantou a saia e tirou a calcinha encharcada de esperma. Os faróis quase a cegaram. Ela os entregou a Carlos . Ele apertou seus seios e beliscou cada mamilo, depois devolveu a blusa. Katia puxou-o sobre os seios nus e desapareceu pela porta dos fundos.

Carlos saiu do carro, encostou-se no capô e esperou. Com certeza, alguns minutos depois a porta dos fundos se abriu. A Sra. Silva saiu com uma faca de cozinha na mão e veneno nos olhos. Carlos sorriu e balançou a calcinha encharcada de porra de Katia em seu dedo indicador.

"Olá, Sra. Silva . Katia deixou algo no carro."

Karen ficou furiosa. Carlos não tinha acabado de foder a filha dela. Ele a transformou em uma escrava sexual. Seu ódio se transformou em raiva quando ela o viu balançando a calcinha de Katia no dedo. Karen pegou uma faca e saiu pela porta. Ela não tinha ideia do que iria fazer com isso. Ela estava com tanta raiva que não conseguia pensar direito.

Tudo aconteceu tão rápido que Karen não teve tempo de reagir. Carlos torceu o braço dela atrás das costas tirando a faca da mão dela. Então ele bateu o rosto dela contra o capô do carro. Ele puxou a outra mão para trás das costas e amarrou-as com o cinto.

"Isso é jeito de cumprimentar alguém que mostrou a sua filha o melhor momento de sua vida? Você deveria me agradecer, Sra. Silva . Sabe, eu não acho que Katia alguma vez tenha sido fodida adequadamente, e tenho certeza ela nunca teve um pau na bunda antes desta noite."

Carlos puxou a cabeça dela pelos cabelos. Ele esfregou a calcinha manchada de esperma no rosto da professora e enfiou-a na boca dela. Com a faca ele cortou a blusa de algodão e amarrou-a em volta da boca como uma mordaça para segurar a calcinha no lugar. A Sra. Silva lutou, mas não tinha para onde ir e não podia pedir ajuda.

"Você provavelmente pode sentir o gosto do suco de boceta da sua filha misturado com esperma. Katia jorra como uma fonte. Acho que ela herdou isso da mãe."

Karen parou de lutar para poder controlar a respiração pelo nariz. O sabor forte de esperma e suco de boceta encheu sua boca, confirmando o que Carlos havia lhe contado. Ela podia sentir seu short sendo cortado com a faca. Ele iria transar com ela ali mesmo na garagem e não havia nada que ela pudesse fazer para impedi-lo.

Assim que tirou o short do corpo dela, Carlos arrancou a calcinha dela. Ele enfiou dois dedos em sua boceta quente e já suculenta e os cavou dentro de sua boceta. Então ele empurrou o polegar na bunda dela.

"Sra. Silva , você é uma senhora muito desagradável. Você veio aqui para eu te foder. Por que outro motivo sua boceta estaria pingando como uma cadela no cio?"

Ela sabia que ele estava certo. A maior parte de sua raiva não era por causa de Katia... era porque sua boceta queria tanto o pau dele que ela passou a noite pensando nisso. Seus dedos deixaram seu corpo e ela sentiu a enorme protuberância de seu pênis em sua entrada. Ele empurrou e rapidamente preencheu o vazio em sua barriga. Ela queria odiá-lo, mas era uma batalha perdida. Ela ansiava por seu pênis. Ela queria ser fodida.

Carlos cortou o sutiã dela com a faca e agarrou seus seios. A sua pika bateu-lhe na buceta com força e rapidez. Ele poderia dizer que ela adorou quando inclinou a bunda para trás para levá-lo mais fundo em sua boceta. Ele beliscou seus mamilos com força, puxando-os e puxando-os até saber que ela estava sentindo dor. Ela soltou um gemido abafado através da calcinha em sua boca.

Karen estava pegando fogo. Ela empurrou seu pênis cada vez que ele o empurrou em seu corpo, conduzindo-o cada vez mais fundo em sua boceta. Quando ele puxou e beliscou seus mamilos, foi como um afrodisíaco. A pressão em sua barriga era insuportável. Karen sabia que a explosão aconteceria em breve.

Carlos sentiu seu corpo tenso. Ele empurrou forte e profundamente em sua boceta. Ele puxou a cabeça dela pelos cabelos e apertou seu mamilo com a outra mão. Sucos jorraram de seu corpo por todo seu pênis e bolas. A Sra. Silva gemeu e engasgou com a calcinha em sua boca. Carlos continuou a martelar sua boceta. Ela mal conseguia respirar. Ele puxou o outro mamilo. Outro orgasmo rasgou seu corpo.

Carlos notou uma cortina se movendo no segundo andar. Katia estava parada na janela. Ela sabia que tudo isso estava errado, sabia que deveria chamar o pai ou chamar a polícia, mas estava congelada. Katia viu Carlos olhando para ela enquanto o observava foder sua mãe. Ela sabia como a sua mãe se sentia com a pika de Carlos na sua vagina, e queria sentir a mesma coisa. Ela moveu uma mão para o mamilo e outra entre as pernas. .

Carlos puxou seu pau da boceta contorcida da Sra. Silva e pressionou-o contra o nó duro de seu cu. A Sra. Silva enrijeceu quando ele enfiou em sua bunda com um impulso forte. Três golpes depois ele estava completamente enterrado em sua passagem escura. Carlos agarrou seus quadris e fodeu implacavelmente seu buraco apertado.

Karen estremeceu de dor. Ele não fez nada para prepará-la para a invasão da porta dos fundos. Ela lutou, mas com as mãos amarradas nas costas não havia nada que pudesse fazer enquanto o pênis dele rasgava seu cu de novo e de novo. Lágrimas escorreram por seu rosto até que finalmente a dor começou a diminuir.

Katia deslizou a mão por trás dela e deslizou-a entre suas bochechas até que a ponta do dedo tocou seu traseiro dolorido. Ela esfregou em círculos e empurrou a ponta pela abertura. Lentamente, o dedo empurrou todo o caminho em seu túnel escuro. Ela moveu a outra mão para sua boceta. Carlos ainda estava olhando para ela.

"Você tem uma bunda apertada, Sra. Silva ... assim como a de Katia. Ela também não gostou no começo, mas depois gozou com tanta força que espirrou suco de xoxota por toda parte."

Ela se sentiu tão suja e desagradável sendo fodida na bunda. Não só isso, mas havia algo especialmente desagradável em ser fodida pela mesma pika que estava no rabo da sua filha mais cedo naquela noite. Ao pensar nisso, Karen sentiu-se afrouxar e sua boceta começou a fluir.

Carlos bateu seu pau na abertura apertada da Sra. Silva com mais força e rapidez. Ele arrancou a mordaça da boca dela até envolvê-la no pescoço. Ele olhou para Katia enquanto puxava com força e levantava a cabeça dela do carro. Katia observou sua mãe tirar a calcinha encharcada de esperma da boca. Katia ficou excitada ao saber que sua mãe podia provar sua boceta junto com o esperma de Carlos que havia vazado de seu corpo.

Karen foi puxada do capô do carro pelo pescoço até Carlos foder a bunda dela em pé. Ele levantou a faca e passou a ponta afiada em seus mamilos duros. Karen sentiu ondas de dor e prazer percorrerem seu corpo. Carlos empurrou a ponta em suas pontas sensíveis, tomando cuidado para não romper a pele. Ele viu Katia observando atentamente.

"Acho que você está prestes a gozar, Sra. Silva . Talvez eu deva esfregar seu clitóris."

Karen sentiu a lâmina fria percorrer seu estômago. Carlos empurrou o cabo da faca em sua boceta e a fodeu com ela. Ela estava tão perto. Ela queria desesperadamente terminar. Quando ele puxou-o e pressionou a ponta afiada em seu clitóris sensível, ela perdeu o controle. Suas pernas ficaram bambas. O suco de boceta esguichou de sua boceta e escorreu pela lâmina. Ela tentou gritar, mas ele a estava sufocando com muita força para que qualquer barulho escapasse.

Katia pegou a tesoura de unha da mesinha de cabeceira e passou a ponta afiada pelos mamilos duros enquanto observava. Ela agora tinha dois dedos cavando dentro de sua bunda. Seu corpo estava em chamas enquanto ela observava o que Carlos estava fazendo com sua mãe. Ela moveu a ponta da tesoura para o clitóris. Ela assistiu sua mãe gozar. Momentos depois, Katia engasgou. O sumo de buceta jorrou da sua vagina e escorreu pelas suas coxas.

Carlos puxou sua professora de joelhos, agarrou seu cabelo e enfiou seu pau entre seus lábios. A cabeça inchada de sua carne pressionou contra o fundo de sua garganta. Ele segurou a cabeça dela no lugar e continuou a empurrar até senti-la deslizar mais fundo. Finalmente os seus tomates pousaram no queixo dela. Ele segurou seu pênis profundamente em sua garganta.

Karen não conseguia respirar e não conseguia fazer muita coisa com as mãos amarradas nas costas. Ela engasgou com seu pênis e lutou desesperadamente por ar até que ele finalmente saiu. Ele enfiou-o de volta e fodeu-lhe a cara com força e rapidez, empurrando-o ocasionalmente pela garganta abaixo e segurando-o ali. Cuspe babou livremente de seus lábios e desceu por suas bolas.

Carlos cortou o dedo com a faca e pingou sangue em seu pênis enquanto ele entrava e saía da boca dela. O gosto do sangue era estimulante. Karen podia sentir isso em sua boceta. Ela queria desesperadamente tocar seu clitóris, mas estava indefesa com as mãos atrás das costas. Mais sangue escorreu em seus lábios e em sua boca. De repente, o corpo de Karen ficou tenso e a sua vagina tremeu. Os sucos começaram a escorrer por sua coxa.

Katia assistiu pela janela, chupando dois dedos enquanto esfregava o clitóris. Ela cortou o dedo com a ponta da tesoura e chupou o sangue. Ela queria o pau de Carlos em sua boca, queria que Carlos fizesse com ela o que estava fazendo com sua mãe. Ela esfregou a dor de garganta para ajudar a lembrar como foi antes, quando Carlos forçou seu pênis nela.

Carlos puxou seu pênis da boca da Sra. Silva e apontou-o para o rosto dela. Ele olhou para Katia. Karen sentiu o primeiro respingo atingir seus lábios e nariz. Outra explosão atingiu seu olho e sua bochecha. Mais creme quente respingou em sua testa. Quando ele finalmente terminou, o rosto de Karen estava pingando. Carlos entrou no carro e a deixou ajoelhada na calçada com as mãos amarradas atrás dela.

"Obrigado por ter vindo me ver, Sra. Silva . É bom quando uma mãe se interessa tanto pelos assuntos da filha. Verei vocês duas em breve."

Carlos estava olhando para Katia quando borrifou esperma em todo o rosto de sua mãe, quase como se estivesse injetando esperma em seu rosto. Katia teve outro orgasmo. Ela observou Carlos ir embora, deixando a mãe de joelhos com creme espesso escorrendo do queixo. A Sra. Silva tentou se levantar, mas caiu na calçada. Depois de vários minutos se contorcendo, ela finalmente libertou as mãos.

Karen lentamente juntou suas roupas rasgadas e entrou nua pela porta dos fundos. Seus joelhos foram arranhados pela calçada e sua garganta estava dolorida por ter sido sufocada pelo pau de Carlos . Apesar de tudo isso, seu corpo estava satisfeito. Ela formigou toda. Ela tinha ido lá para ser fodida. A faca era apenas uma desculpa.

Katia deslizou entre os lençóis sabendo que nada mais seria como antes. Em uma noite, todo o seu mundo virou de cabeça para baixo. Katia havia se tornado escrava sexual de um garoto que ela mal conhecia. Ela se masturbou vendo o mesmo garoto foder sua mãe enquanto sua mãe tinha um orgasmo após o outro enquanto ele fazia isso com ela. Katia estava com medo e animada com o futuro.

No dia seguinte, Karen teve uma conversa séria entre mãe e filha com Katia. Katia admitiu tudo o que Carlos havia feito com ela e chorou no ombro da mãe. Karen ficou surpresa com a facilidade com que Katia concordou em ficar longe dele no futuro.

Katia ouviu a mãe e, em muitos aspectos, concordou com ela. Seu choro era genuíno. Ela estava assustada. Mas agora que ela sabia que a mãe era uma prostituta, isso não importava. Ela faria o que quisesse. Concordar com ela para ficar longe de Carlos foi fácil, mas ela não tinha intenção de cumprir sua promessa.

Depois da conversa, Karen foi ver Carlos . Ela esperou a mãe e irmã dele sair e bateu na porta. Ela entrou e lhe ofereceu uma proposta. Fique longe de Katia e ele poderia tê-la sempre que quisesse e da maneira que quisesse. Para provar, ela abriu a blusa e mostrou os peitos para ele.

No fundo, Karen estava animada para fazer a oferta. Ela queria manter Carlos longe de Katia, mas ela realmente veio lá para ser fodida. Carlos se divertiu e exibiu seu sorriso presunçoso enquanto ela falava. Ele não tinha intenção de ficar longe de Katia, mas decidiu primeiro se divertir um pouco com a Sra. Silva .

"Isso é muito generoso da sua parte, Sra. Silva . Podemos muito bem começar. Acho que gostaria de ter você... vamos ver... desta forma."

Carlos agarrou o braço dela e bateu o rosto dela contra a parede, torcendo-o nas costas até que ela fez uma careta de dor. Ele enfiou a mão por baixo da saia e arrancou a calcinha de seu corpo. Momentos depois, ele puxou seu pau duro de suas calças e o colocou na abertura de seu buraco de foda. Ele empurrou com força.

Karen sentiu seu grande pau penetrar profundamente em sua barriga. Ele não precisava tomá-la assim, mas ela estava feliz por ele ter feito isso. Ela gostava de algo difícil. Seu braço estava doendo quando ele o torceu ainda mais em suas costas. Ela inclinou a bunda para receber seu pênis empurrado, tentando enfiá-lo cada vez mais fundo em sua boceta. A outra mão dele beliscou seu mamilo com tanta força que a dor percorreu sua cabeça. O orgasmo de Karen ocorreu apenas alguns segundos depois.

Carlos a jogou no chão, agarrou seus cabelos e enfiou seu pau em sua garganta. Ele fodeu sua boca implacavelmente. Ela mal conseguia acompanhá-lo. Cuspe e baba escorriam pelo seu pau e pelo pescoço e seios dela. A cabeça dela estava inclinada totalmente para trás enquanto ele fodia a sua pika diretamente para dentro da boca dela. Ela engasgava cada vez que ele enfiava a carne em sua garganta.

Carlos podia sentir suas bolas encolherem e seu pau inchar. Ele puxou-o da boca dela e bombeou-o com a mão. A primeira explosão de esperma espirrou entre os olhos e na testa. O segundo encheu sua boca e espirrou em seus lábios. Mais esperma caiu sobre seu rosto e cabelo antes que ele terminasse. Ele empurrou seu pênis de volta para sua boca e garganta abaixo para drenar as últimas gotas.

"Não se mova, Sra. Silva , e não se limpe."

Carlos estendeu a mão e pegou uma câmera digital na mesa do corredor. Ele começou a clicar nas fotos. Karen não sabia por que o deixou fazer isso. Foi humilhante. Ele poderia usá-los contra ela. E ainda assim... havia algo viciante nisso, algo ao mesmo tempo estimulante, mas desagradável e degradante.

Carlos a fez chupar seu pau com esperma ainda escorrendo de seu rosto. Ele clicou. Ele a fez ficar de quatro, inclinar a bunda no ar e olhar para ele enquanto ele clicava em fotos de sua boceta e bunda. Ele a fez enfiar um dedo na bunda e clicou em mais fotos. Ele colocou a sua pika na buceta dela e depois no cu dela. Mais fotos.

Carlos colocou a câmera sobre a mesa e ajustou-a para disparar a cada cinco segundos. Ele puxou uma cadeira para o corredor e sentou-se nela. Ele fez com que ela se sentasse lentamente em seu pau enquanto olhava para a câmera enquanto a guiava pelo seu cu. Então ele a fez esfregar o clitóris e tocar sua boceta enquanto ela cavalgava sua carne dura. Ele estendeu a mão e apertou seus mamilos com força, torcendo-os até que ela gritou. A câmera continuou clicando.

Karen poderia conter a explosão. Ela esfregou o clitóris cada vez mais rápido até que sua boceta esguichou com um orgasmo. Segundos depois, Carlos grunhiu e esguichou esperma no cu da Sra. Silva . A câmara disparou enquanto ele a empurrava lentamente para cima dele, e continuou a clicar enquanto o esperma jorrava do seu esfíncter aberto para a sua pika e bolas.

"Olhe a bagunça que você fez, Sra. Silva . Agora lamba e olhe para a câmera enquanto faz isso."

Ele a jogou no chão e puxou seu rosto para a bagunça pegajosa. Karen mostrou a língua e lambeu seu pau enquanto fazia amor com a câmera com os olhos. Foi a coisa mais nojenta e humilhante que ela já fez, mas ela adorou. Ela se tornou Katia. Ela era sua escrava sexual. Ele poderia fazer o que quisesse e ela deixaria. Se ao menos ele ficasse longe de Katia.

"Olha, eu fiz tudo que você pediu. Você vai ficar longe de Katia, certo?"

"E por isso eu posso ter você do jeito que eu quiser? Bem, nesse caso eu quero te foder na frente do seu marido. Quero que ele veja o quanto você ama meu pau."

Ele contou a ela seu plano. Ela não gostou, mas que escolha ela tinha. Pelo menos Katia teria ido embora quando isso acontecesse. Ela estava passando o dia com uma namorada. Por isso ela estava grata.

Conforme planejado, a porta dos fundos estava aberta quando Carlos chegou usando uma máscara de esqui. Ele encontrou o professor Silva no escritório.

"Olá professor. Você não me conhece, mas eu conheço você. Não se mova."

A arma que ele colocou na cabeça não estava carregada, mas o Professor não sabia disso. Carlos amarrou suas mãos e o amordaçou. Juntos eles foram em busca da Sra. Silva . Carlos já sabia que ela estava no quarto. Ele jogou o professor em uma cadeira e amarrou seus pés.

"Olá, Sra. Silva . Você já sonhou em ser fodida na frente do seu marido? Aposto que ele teve essa fantasia. Vamos torná-la realidade. Tire a roupa."

Como ele havia instruído no dia anterior, ela tentou correr. Carlos agarrou o braço dela e praticamente arrancou-o do lugar enquanto a jogava na cama. Ele arrancou a blusa do corpo dela e depois o sutiã. Em seguida foi a calcinha. Ele deixou a saia curta. O professor lutou para sair da cadeira, mas mal conseguia se mover.

Karen não conseguia acreditar nas emoções que percorriam seu corpo. Ela deveria ter se sentido humilhada e com raiva. Em vez disso, a sua buceta estava a pingar como uma torneira. Ela podia sentir seus mamilos incharem nas pontas dos seios nus. Ela adorava o que ele estava fazendo com ela. Fazer isso na frente do marido só aumentava a excitação.

"Vou lhe contar uma vez, Sra. Silva , e é melhor que você acerte. Faça tudo o que eu disser e não colocarei uma bala na cabeça do seu marido. Um erro e BANG. Tenho isto?"

Carlos colocou a arma vazia na cabeça do professor e engatilhou-a. A Sra. Silva balançou a cabeça afirmativamente. Carlos agarrou-a pelo braço e jogou-a no chão.

"Bom. Primeiro você pode ficar de joelhos e chupar meu pau. Espero, pelo bem do seu marido, que você saiba chupar pau."

Karen ficou de joelhos e desabotoou as calças dele. Ela mal podia esperar para deleitar os olhos com seu grande pau e senti-lo deslizando entre seus lábios. Ela abaixou as calças e olhou para a carne saborosa pendurada na frente de seu rosto. Sua boca estava salivando. Ela olhou para o marido. Ele fez uma careta e acenou com a cabeça em consentimento. Ela tentou não sorrir.

Karen fingiu que não sabia o que fazer. Ela estendeu a língua e tocou-a, depois colocou os lábios nela. Ela observou enquanto lentamente ganhava vida. Ela finalmente colocou na boca e sentiu que continuava a se expandir. Quando ele estava totalmente ereto, ela deslizou os lábios pela carne dura e girou a língua sobre a protuberância inchada no topo.

"Pensei ter dito para você chupar meu pau, não brincar com ele. Seu marido nunca lhe ensinou nada, Sra. Silva ? Bem, então você está prestes a receber uma lição."

Carlos agarrou o cabelo dela e puxou a cabeça dela em direção a ele enquanto enfiava seu pau duro em sua boca. Ela não teve escolha a não ser abrir a garganta. Ele manteve os lábios dela pressionados firmemente contra seu púbis até que pôde sentir sua luta por ar. Ele puxou a cabeça dela enquanto ela engasgava e babava. Ele empurrou seu pênis de volta pela garganta dela.

"É mais assim. Agora abra bem para que eu possa foder sua boca."

Ele bateu repetidamente dentro e fora de sua boca, empurrando sua cabeça para frente cada vez que ele enfiava sua carne dura entre seus lábios e enfiava-a no fundo de sua garganta. Ela estava fazendo sons altos de sucção e sorvendo e babando por toda parte. Ocasionalmente, ele enfiava-o completamente e segurava-o ali até que ela ficasse desesperada por ar.

Karen estava delirando de luxúria. Quanto mais ele fodia a boca dela, mais sua boceta vazava. Ela adorou quando ele enfiou em sua garganta e a fez engasgar. Ela não se cansava e adorava que seu marido estivesse sendo forçado a assistir.

"Por que não mostramos ao seu marido como é uma puta chupadora de pau."

Carlos arrancou a cabeça de seu pau e virou o rosto para o marido, segurando-a pelos cabelos para que ela não pudesse se mover. Cuspe e baba estavam espalhados por seus lábios e queixo. Sua boca estava aberta. Ela não conseguia esconder a luxúria ou o desespero em seus olhos.

"Acho que ela gosta, professor. Olhe nos olhos dela. Diga a ele, Sra. Silva . Diga a ele o quanto você gosta de chupar meu pau."

Karen não conseguia acreditar que ele a estava obrigando a fazer isso. Ela murmurou alguns 'uh' e nada mais. Ela tinha um pressentimento sobre o que estava por vir e mal podia esperar.

"Oh... talvez você tenha esquecido, Sra. Silva . Bem, deixe-me lembrá-la."

Num rápido estalar de cabeça, ele enfiou o pau de volta na garganta dela. Ele a segurou ali até que ela lutasse desesperadamente por ar. Desta vez ele não a deixou ir.

"Você se lembra agora, Sra. Silva ? Você acha que pode dizer ao professor o quanto gosta de ter meu pau em sua boca?"

Ela balançou a cabeça. Seus pulmões estavam queimando. Ela iria desmaiar se ele não a deixasse respirar logo. Ele finalmente saiu. Ela tossiu e babou uma enorme quantidade de saliva no peito. Ele deu um tapa no rosto dela com seu pau duro enquanto ela recuperava os sentidos. Então ele agarrou o cabelo dela e virou o rosto dela para olhar para o marido.

"Professor, acho que sua esposa tem algo que quer lhe dizer."

"Eu... eu adoro chupar o pau dele."

Ele torceu o cabelo dela até que ela pensou que ele iria arrancá-lo da cabeça dela.

"É isso? Você não adora? Você não deseja a sensação do meu pau deslizando pela sua língua e fodendo sua boca e descendo pela sua garganta? Diga ao seu marido."

"Sim... sim, eu amo seu pau na minha boca e na minha garganta. Eu amo a sensação de carne dura deslizando pelos meus lábios. Eu amo o jeito que ele fode meu rosto. Eu amo tudo isso."

Ela olhou para o marido enquanto falava. Ele pareceu um pouco surpreso com a expressão de luxúria no rosto dela quando ela disse isso. O que ele não sabia era que a boceta de Karen estava vazando tanto que ela podia senti-la escorrendo pela coxa. Ela amava o que Carlos estava fazendo com ela. Ela queria mais.

"Veja Professor... ela adora. Aposto que você também adora. Ver sua esposa chupar meu pau e adorar deixa seu pau duro, não é? Por que você não tira para todos nós ver, Sra. Silva ?"

Carlos jogou a Sra. Silva no colo do marido. Ela abaixou o zíper e ficou surpresa quando extraiu um pau muito duro. A porra do marido dela era um pervertido e um voyeur. Isso apenas a excitou mais. Carlos admirou o Pau do marido de Karem ele ate se assustou com um pau negro de 23 centímetros.

"Oh meu Deus, professore senhor tem um pau colossal, não sei por que não anda fodendo esta puta, mas você é um menino mau. Sra. Silva , por que não dá ao seu marido uma amostra de suas novas habilidades? Quem sabe ele pode me agradecer."

Ele empurrou o rosto dela no colo do professor. Uma vez que seu pênis estava entre os lábios dela, Carlos bateu o rosto dela em seu colo e segurou-o ali. Ele ergueu ligeiramente a cabeça dela e bateu-a novamente e novamente. A Sra. Silva teve alguns problemas em acomodá-lo mas ja estava acostumada .

"Você sabe o que eu acho que vou fazer, professor? Vou foder sua esposa enquanto ela chupa seu pau. Espero que você não se importe. Eu sei que ela não vai."

Carlos segurou a cabeça da Sra. Silva no lugar com o pênis do marido na boca enquanto levantava a saia curta com a outra mão. Ele dobrou os joelhos e guiou a cabeça do seu pênis até sua boceta pingando. Rapidamente entrou na abertura e desapareceu lá dentro. Ele começou a fodê-la com golpes rápidos e poderosos.

Karen tentou lutar com toda a sua força de vontade, mas não adiantou. O orgasmo iria acontecer. Ela puxou a boca do pau do marido e mordeu o lábio. A carne dura de Carlos esfaqueou sua boceta trêmula repetidas vezes. Uma explosão rasgou sua barriga e jorrou de sua boceta. Ela ofegou. Seu corpo tremeu. Sucos escorriam por suas coxas.

"Eu disse que ela iria gostar, professor. Estou feliz que você teve um orgasmo, Sra. Silva , mas você está negligenciando seu marido. Seja uma boa prostituta e coloque o pau dele de volta na boca."

O corpo de Karen tremia e suas pernas tremiam. O pau de Carlos continuou a martelar sua boceta. Ela sabia que outra explosão iria acontecer em breve. Ela chupou o pau do marido de volta para a garganta e tentou se concentrar nele, mas não ajudou muito. Um grito abafado escapou de sua garganta enquanto outro orgasmo a consumia.

"Professor, sua esposa bagunçou meu pau. Há suco de buceta por toda parte. Receio que, como punição, terei que transar com ela na bunda."

Karen sabia que isso aconteceria e se preparou bem. Quando ela sentiu sua grande pressão contra seu cu, ela inclinou a bunda no ar para recebê-lo. Carlos facilmente perfurou sua borda em sua câmara escura. Sua carne inchada desapareceu rapidamente em sua bunda até ficar completamente enterrada.

"Eu não acho que este seja o primeiro pau que sua esposa tem na bunda, professor. Seu demônio. Você também tem tido uma pequena ação na porta dos fundos, não é?"

Carlos bateu com seu pau dentro e fora da bunda da Sra. Silva enquanto batia a cabeça para cima e para baixo no pau de seu marido. Ele percebeu pela expressão em seu rosto que o Professor estava prestes a estourar seus biscoitos. Ele puxou a cabeça dela pelos cabelos até que ela olhasse para o marido. Ele continuou a martelar sua bunda.

"Use sua mão, Sra. Silva . Faça-o gozar em todo o seu rosto. E olhe para sua esposa... olhe para o rosto dela. Ela adora ter meu pau na bunda dela. Diga a ele, Sra. Silva . "

Karen envolveu o pau latejante do marido com a mão e acariciou-o com firmeza a centímetros de seu rosto. Ela mostrou a língua e lambeu a ponta enquanto olhava em seus olhos desesperados.

"Sim, querido... ele está certo. Eu adoro ter o pau dele na minha bunda. É tão difícil quando ele desliza para dentro e para fora do meu cu apertado. Oh porra, querido... acho que vou gozar de novo, mas primeiro quero sentir seu esperma escorrer por todo meu rosto."

O pênis do professora Silva entrou em erupção com um fluxo de esperma grosso que espirrou na lateral de seu rosto e explodiu um metro no ar antes de pousar em seu cabelo. Uma segunda explosão atingiu seu nariz e testa. O creme quente continuou a bombear de seu pênis em riachos que cobriam seu rosto de cima a baixo até que pingasse de seu queixo.

Carlos saiu da bunda dela e jogou a Sra. Silva de costas no chão. Ele ficou sobre ela acariciando sua carne até que um rio de esperma jorrou de seu pênis e espirrou em seus seios, pescoço e lábios. Mais esperma bombeou de seu pênis para seu rosto e cabelo, aumentando a bagunça que seu marido fez.

Os dedos de Karen esfregaram seu clitóris para frente e para trás em movimentos rápidos. Quando o esperma de Carlos espirrou em seus seios e rosto, ela arqueou as costas e se contorceu contra os dedos. O sumo de buceta jorrou da sua vagina e escorreu pelo seu rabo enquanto um orgasmo rasgava o seu corpo. Ela enxugou o esperma dos olhos e olhou para o marido, que a encarava com descrença. Ela tinha algumas explicações a dar, mas isso seria para mais tarde.

O pau do Professor ficou totalmente ereto novamente ao ver sua esposa sendo humilhada e coberta de esperma por esse estranho. Carlos sorriu para ele.

"Professor, você é um menino mau. Mas você está com sorte. Vou deixar você foder a bunda da Sra. Silva enquanto ela chupa meu pau. Então vou foder a buceta dela."

Carlos puxou a Sra. Silva do chão e a fez sentar no pau do marido enquanto ela o guiava para dentro do cu. Carlos enfiou sua carne em seu rosto coberto de esperma e agarrou seu cabelo para poder foder sua boca. Uma vez bom e duro, empurrou-lhe as pernas para trás e deslizou a sua pika para dentro da buceta dela enquanto o Professor ainda tinha a sua pika no cu dela.

"Vamos dar a ela a dupla penetração da sua vida, professor."

Karen nunca sentiu nada assim. A sua buceta e o seu cu estavam ambos cheios de pika. Carlos estava beliscando seus mamilos com tanta força que doíam. Ela olhou para ele com luxúria nos olhos. Ela ia gozar. Karen colocou um dedo no clitóris. Carlos apertou seus mamilos com mais força. Ela gritou. Um orgasmo rasgou seu corpo.

"Vamos enchê-la de esperma, professor. Aperte o pau dele com sua bunda, Sra. Silva."

Ela tinha um pouco mais de dificuldade de adaptar o pau de seu marido em sua bunda pois era 4 centímetros maior que o de Carlos. Mas o foco dela era na rola de Carlos

Ela sabia exatamente como fazer isso enquanto subia e descia o pau inchado do marido com o cu. Ao mesmo tempo, Carlos bateu em sua boceta com força e rapidez. Ele colocou as mãos em volta do pescoço dela e apertou. Karen podia sentir outro orgasmo prestes a explodir em sua boceta.

O Professor foi o primeiro a gozar. Ele grunhiu e vomitou sua semente cremosa no cu apertado de sua esposa. A Sra. Silva foi a próxima. Ela estava prestes a perder a consciência quando sua boceta explodiu e esguichou sucos em Carlos . Carlos bateu nela mais algumas vezes e grunhiu, enchendo sua boceta com creme quente.

"Vocês dois, pombinhos, fiquem aí enquanto eu saio. E nem pensem em chamar a polícia. Afinal, como vocês vão explicar sua gozada na bunda da sua esposa e em todo o rosto dela. Foi divertido. Tchau."

A Sra. Silva esperou até ouvir a porta dos fundos fechar antes de tirar a bunda do pau do marido. Ela o desamarrou e tirou sua mordaça.

"Querido, você está bem. Deus, foi difícil fingir aqueles orgasmos, mas acho que foi a única coisa que nos salvou. E ele estava certo, querido. Não podemos contar a ninguém o que aconteceu."

Alguns minutos depois Katia olhou para a poça de esperma no chão entre as pernas. Mais estava escorrendo por suas coxas. Ela estava feliz por Carlos tê-la resgatado da casa da namorada e deixado ela assistir tudo no closet dos pais. Ele prometeu transar com ela amanhã. Ela mal podia esperar.

Gritos vinham da casa. Karen Silva soube imediatamente o que eram. A filha dela estava sendo espancada pelo pau de Carlos . Afinal, era o carro dele na garagem. O filho da puta mentiu. Ele prometeu ficar longe da filha dela enquanto Karen o fodesse sempre que ele exigisse. Esse era o acordo deles e ela cumpriu sua parte no acordo.

A Sra. Silva subiu as escadas e abriu a porta. Seu queixo caiu. Katia estava curvada sobre a mesa com as pernas abertas. Em vez de Carlos , um enorme garoto negro que ela nunca tinha visto estava enfiando seu pau na boceta de Katia por trás. Outro estava sentado na mesa, forçando o pedaço de carne inchada na boca da filha. Nu e esperando sua vez estava um terceiro garanhão com um pau do tamanho do pau do marido.

"Katia, o que você pensa que está fazendo? Quero esses meninos fora daqui AGORA MESMO."

Ninguém fez nenhum esforço para se mover. Katia olhou para a Sra. Silva através do espelho e bateu seu pau na boceta de sua filha com mais força e mais rápido. Momentos depois, seu rosto ficou tenso. Ele grunhiu. Katia começou a tremer quando sentiu os primeiros jatos de esperma explodirem em sua barriga. Ela lutou para gritar, mas apenas um gargarejo abafado escapou pela boca cheia de pau.

O garoto que fodeu Katia saiu. O esperma pingou no chão e escorreu pelas coxas. Katia engasgou quando o pau em sua boca desapareceu em sua garganta. Foi quando Carlos se aproximou de Karen e torceu o braço dela nas costas. A outra mão esmagou o seio dela com os dedos.

"Olá, Sra. Silva . Katia não é linda quando goza? Olha, ela mal consegue ficar de pé. Acho que ela gosta."

Karen lutou para se livrar das mãos de Carlos . Ele puxou o braço dela. Ele rasgou a blusa dela e esmagou seu mamilo entre o polegar e o indicador até que ela gritou de dor e lágrimas escorreram por seu rosto.

"Eu mantive minha promessa, Sra. Silva . Apesar do quanto ela implorou pelo meu pau, eu disse a Katia que um acordo era um acordo. Ela parecia muito desesperada, então liguei para Wiliam, Paulo e Abner para ajudá-la. Parece estar funcionando bem."

Katia finalmente teve permissão para respirar. Cuspe babou de seus lábios. Ela tossiu e ofegou por ar. A sua boca foi batida de volta ao longo do pau palpitante à frente do seu rosto. Ele fodeu entre os lábios dela várias vezes antes de puxar sua cabeça pelos cabelos. Mais saliva babava de seus lábios.

O Paulo desceu da mesa e jogou Katia no chão. O rosto de Katia bateu na lateral da cama e partiu seu lábio. Paulo levantou-a pelos quadris e deslizou seu monstro negro entre as nádegas dela. Rapidamente desapareceu profundamente em sua boceta pegajosa. As suas mãos esmagaram lhe as mamas enquanto ele batia na buceta dela. Ela gritou quando outro orgasmo percorreu seu corpo.

"Katia realmente não queria fazer isso, pelo menos não no começo. Ela estava prestes a me desobedecer, então eu tive que espancá-la... com muita força. Quer saber, Sra. Silva ? Katia pode chorar e gozar ao mesmo tempo. Acho que ela gosta de ser espancada.

A mão dele deslizou por baixo da saia da Sra. Silva e deslizou entre suas pernas. Dois dedos deslizaram sob sua calcinha e desapareceram em sua boceta fumegante. Karen podia sentir seu corpo traí-la enquanto os dedos dele cavavam dentro de sua boceta quente. Ela engasgou quando ele encontrou seu lugar especial. Apesar de todos os seus esforços para resistir, Karen estremeceu de prazer.

"Então eu estava pensando, Sra. Silva , Abner está esperando sua vez com Katia, mas talvez você gostaria de ajudá-lo a se preparar. Quero dizer, a boceta dela estará pronta depois que Wiliam e Paulo a esticarem, mas olhe para aquele pau pendurado entre as pernas de Abner. Alguém vai ter que deixá-lo duro.

Carlos a jogou para dentro do quarto. Karen caiu no chão aos pés de Abner. Ela tentou se levantar e correr, mas Carlos prendeu um cinto em seu pescoço e a sufocou até que ela caísse de joelhos. Mantendo o cinto apertado em volta do pescoço, ele puxou seu cabelo até que ela olhasse para o monstro negro pendurado entre as pernas de Abner.

"Abra, Sra. Silva . Você provavelmente nunca terá outra oportunidade de chupar um pau como este."

Karen ficou confusa e chateada ao ver sua filha sendo abusada e adorando isso. O pau grosso pendurado em seu rosto parecia ter vinte e dois centímetros de comprimento e nem era duro. Ela tinha que fazer algo para impedir que isso fosse adiante. Abner agarrou a cabeça dela e guiou a boca em direção ao pau dele.

"Chupe, puta."

Num ato de desafio, ela balançou a cabeça negativamente. O tapa em seu rosto foi diferente de tudo que ela já havia sentido. Estrelas passaram por sua cabeça. Ela ficou atordoada por vários segundos e apenas vagamente consciente de sua boca sendo aberta e um enorme pedaço de carne sendo enfiado entre seus lábios.

Karen lentamente recobrou o juízo e percebeu que o enorme pau estava crescendo dentro de sua boca. Seus lábios se esticaram ao redor do eixo grosso cheio de veias logo abaixo da enorme ponta em forma de cogumelo. Ela olhou com espanto para o pedaço restante de carne preta e dura subindo entre suas pernas.

Do outro lado da sala, Paulo virou Katia de costas e colocou os joelhos dela sobre os ombros. Ele subiu em cima e bateu com a pika na buceta dela, enfiando-a profundamente na barriga dela. Katia estava fora de controle e gritando de prazer. Ela sentiu os dedos dele apertarem seu pescoço e gozou com força.

"Oh... oh... oh... oh... oh Deus... EEEEEEIIIIIIIII... UUUNNNNGGGHHH..."

Os gritos de Katia se transformaram em suspiros sufocados enquanto os dedos de paulo continuavam a apertar seu pescoço. Pouco antes de ela perder a consciência, ele a soltou e agarrou seus mamilos. A dor percorreu seu corpo quando ele os torceu e beliscou com toda a força que pôde. Katia jogou a cabeça para trás e gritou com um orgasmo ainda mais intenso. Sua boceta explodiu jorrando sucos por toda parte.

A Sra. Silva mal conseguia respirar. Abner segurava com força a sua cabeça e tentava enfiar-lhe a pika pela garganta abaixo enquanto lhe fodia a boca. Cuspe estava babando de seus lábios e queixo enquanto ela tentava acompanhá-lo.

"Olhe só, Sra. Silva . A boceta de Katia acabou de fazer uma bagunça no chão. Ela goza exatamente como sua mãe."

Karen mal ouviu o que ele estava dizendo. Abner conseguiu enfiar o enorme volume em sua garganta e estava fazendo tudo que podia para não sufocar. Sua boca estava bem esticada e sua língua estendida ao longo da parte inferior de seu pênis marcado pelas veias. Ainda restavam mais um pouco.

Lágrimas escorriam pelos lados de seu rosto enquanto ele empurrava mais um centímetro em sua garganta. Justamente quando ela pensou que iria desmaiar, ele puxou a carne de sua boca. Ela tossiu um rio de saliva que escorreu pela frente da blusa. Abner deu um tapa nas laterais do rosto com seu pau monstruoso.

Do outro lado da sala, Wiliam montou na cabeça de Katia e colocou seu pau em sua boca enquanto Paulo continuava a bater em sua boceta. Ela lutou para respirar enquanto ele fodia seu rosto de forma imprudente. O corte em seu lábio se abriu. Sangue misturado com saliva babava de sua boca.

Paulo puxou seu pau da boceta pingando de Katia e o posicionou na entrada de seu cu. Ele empurrou até que seu nó apertado se abriu e a cabeça de sua cobra negra desapareceu em seu corpo. Katia ofegou enquanto seu enorme pênis deslizava cada vez mais fundo até desaparecer completamente em sua passagem escura.

"Olha, Sra. Silva , Katia está sendo fodida na bunda. Acho que ela gosta desses 3 rapazes negros. Você sabe o que dizem... tal mãe, tal filha."

Abner agarrou o cabelo de Karen e puxou com força, enfiando o pênis de volta em sua boca até que ela estivesse lutando para respirar mais uma vez. Ele saiu e foi atrás dela. Seu pênis gigante separou as dobras suculentas de sua boceta. A enorme maçaneta encontrou sua abertura. Ela engasgou quando ele empurrou e separou sua boceta. A pressão era incrível enquanto ele ia cada vez mais fundo.

Karen tentou se conter, tentou resistir ao incrível prazer que percorria seu corpo, mas era impossível. Ela gritou com um orgasmo que explodiu de sua boceta. Uma segunda e terceira ondas de explosões rasgaram seu corpo devido à pressão do enorme pênis batendo em sua boceta. Quando ela pensou que não aguentava mais o prazer que Abner lhe proporcionava. Carlos agarrou seu cabelo e a colocou de pé.

"Acho que Katia está pronta para Abner. Vamos todos subir na cama."

A Sra. Silva lutou para que eles não amarrassem suas mãos na cabeceira da cama e segurassem suas pernas para baixo. Abner levantou Katia como uma pena e a deixou cair na cama com as mãos e os joelhos, de modo que sua boceta ficasse diretamente acima do rosto de sua mãe. Paulo separou as pernas de sua mãe para que Katia olhasse para a boceta de sua mãe. Katia olhou para Carlos e começou a protestar.

"Carlos, eu... eu não acho que deveríamos fazer isso. Não assim com minha mãe."

Carlos agarrou seu queixo e apertou, fazendo-a olhar para ele. Ele beliscou o lábio dela e puxou com força, fazendo com que o corte reabrisse e o sangue escorresse pelo queixo.

"Não me lembro de ter perguntado sua opinião, vagabunda. Só por isso você vai levar outra surra enquanto lambe o esperma da sua mãe no pau de Abner."

Abner agarrou seu cabelo e enfiou seu pau na boca de Katia. Ela se engasgou e babou na boceta de sua mãe enquanto ele fodia seu rosto com força e violência. Carlos bateu com um cinto de couro na bunda dela, fazendo seu corpo estremecer. Ele bateu nela de novo e de novo usando mais força em cada chicotada. A Sra. Silva estava gritando e jurando que iria matar todos eles. Wilian a calou dando um soco na parede perto de seu rosto.

Depois de várias rachaduras no cinto, lágrimas escorriam pelo seu rosto. O enorme pau de Abner ainda estava enfiado em sua boca. Carlos esfregou o polegar em seu clitóris e enfiou dois dedos em sua boceta. Katia enrijeceu. Carlos tirou os dedos do corpo dela e bateu na bunda dela com o cinto. Suas pernas começaram a tremer. O suco de buceta escorreu de sua boceta e caiu no rosto de sua mãe.

"Ela está pronta, Abner. Venha e pegue."

Abner subiu atrás de Katia e guiou seu monstro até o corte gotejante de sua boceta. Karen não pôde deixar de observar as dobras brilhantes da filha se abrirem e a enorme rola encontrar sua abertura. Ela sabia exatamente o que sua filha estava prestes a vivenciar porque havia vivenciado isso apenas alguns minutos antes.

A grande protuberância preta do pênis de Abner abriu caminho na câmara fumegante de Katia, esticando sua boceta ao redor da enorme circunferência de sua masculinidade. Karen observou a haste cheia de veias desaparecer lentamente no corpo da filha. Katia gemeu enquanto ele se aprofundava enchendo e esticando sua jovem boceta. Ele chegou ao fundo de sua boceta com vários centímetros ainda restantes.

Karen olhou para o pistão preto brilhando com os sucos de Katia. Os lábios cor-de-rosa da buceta da sua filha foram esticados firmemente à volta da carne escura enquanto esta era puxada para fora da sua vagina fumegante até que apenas o botão inchado permaneceu preso na sua abertura. Ela ouviu Katia gritar quando ele empurrou de volta em seu corpo. Suas pernas começaram a tremer. Seus gritos se transformaram em gritos. Suco de buceta pingou de sua boceta no rosto de Karen.

Paulo deslizou para frente de joelhos e guiou seu pênis na boceta inchada da Sra. Silva . Ele agarrou a nuca de Katia e empurrou seu rosto para baixo enquanto se inclinava para trás, de modo que sua boca pressionasse contra a boceta de sua mãe exatamente onde seu pau deslizava para dentro e para fora da boceta quente da Sra. Silva .

Apesar de seu desgosto, Karen pôde sentir seu próprio nível de excitação aumentar enquanto observava o enorme eixo preto entrando e saindo da boceta de sua filha. O sabor dos sucos de Katia pingando em seus lábios só aumentou o prazer proibido, mas erótico. Ela engasgou quando sentiu sua boceta penetrada pelo pau duro de Paulo. Ela não queria sentir esse tipo de prazer, mas não conseguiu evitar.

De repente, os lábios e a língua de Katia estavam contra sua boceta e clitóris enquanto ela era fodida por Paulo. Ela se levantou com força e gritou. Suas mãos lutaram para se libertar enquanto seu corpo se sacudia de prazer. Suco de boceta espirrou na boca de Katia. Paulo enfiou seu pênis nela de novo e de novo, enviando-a a níveis ainda mais altos de excitação.

Paulo puxou seu pênis da Sra. Silva e o enfiou na boca de Katia, abafando seus próprios gritos contínuos de prazer. O sabor da vagina da sua mãe encheu-lhe a boca como um afrodisíaco. A cabeça de Katia girava de tanto prazer que ela estava entrando em outro mundo. Ela podia sentir o enorme eixo grosso de Abner empurrando cada vez mais fundo em seu corpo até parecer que estava em seu ventre.

Tendo recuperado alguma aparência de compostura, Karen olhou para o monstro negro destruindo a boceta de sua filha. Estava batendo nela com mais força, mais rápido e mais profundo. As veias de seu pênis se destacavam da carne negra em longas cristas irregulares. Karen viu a carne dura de sua filha inchar ainda mais e sabia que Katia estava prestes a ser preenchida com seu esperma quente.

Abner grunhiu e empurrou ainda mais fundo. Ele puxou e empurrou com força em Katia novamente e novamente bombeando jato após jato de creme quente em sua boceta trêmula. Gotas de esperma e suco de buceta caíram de seu pau. A Sra. Silva abriu a boca e provou os frutos proibidos de sua paixão enquanto pingavam em seus lábios e língua.

Abner empurrou uma última vez enfiando seu pau profundamente no corpo de Katia e segurando-o lá. Quando ele finalmente retirou, foi seguido por uma inundação de esperma e suco de boceta que derramou no rosto da Sra. Silva e encheu sua boca. Abner alimentou seu pênis entre os lábios. Sucos de esperma e boceta da boceta de Katia continuam pingando em seu queixo e lábios, onde estavam enrolados no eixo de Abner.

Katia mal estava consciente quando Paulo puxou seu pau de sua boca e o enfiou de volta na boceta de sua mãe. Várias estocadas depois ele grunhiu. A enorme carga que tinha sido armazenada em suas bolas pulverizou como um gêiser na boceta suculenta da Sra. Silva . Quando ele puxou, Paulo empurrou o rosto de Katia para baixo, de modo que sua boca ficou presa em torno da boceta cheia de esperma de sua mãe. Ela começou a lamber a boceta trêmula de sua mãe.

Carlos guiou a boceta cheia de esperma de Katia até a boca de sua mãe. Karen sabia que ela queria isso e já fazia algum tempo, mas suas fantasias de estar com outras mulheres nunca incluíam a filha. Ela estava confusa, mas indefesa e perdida na paixão do momento. Sua língua serpenteou para fora e empurrou a boceta gotejante de Katia enquanto ela apertava a boca ao redor do sexo inchado de sua filha. Ao mesmo tempo ela sentiu os lábios macios da filha se movendo contra sua boceta e sugando o creme de Paulo de dentro dela.

"Sra. Silva, tenho quase certeza de que nosso pequeno acordo sobre Katia não incluía transar com ela na bunda. Como você pode ver, estou com muito tesão e nós dois sabemos que Katia adora um bom pau na bunda, então vou cuidar do meu probleminha enquanto você continua comendo a buceta dela."

Carlos subiu na cama, dobrou os joelhos, abriu as nádegas de Katia e guiou a ponta de seu pau até o esfíncter tenso de Katia, que já estava viscoso de esperma e suco de boceta. Ele pressionou até senti-la começar a se abrir. A ponta em forma de cunha do seu pénis empurrou lentamente para dentro do buraco apertado até que todo o botão na ponta do seu pénis apareceu através da abertura. O reflexo involuntário de seu cu apertou firmemente em torno de seu eixo.

Katia sentiu a invasão de sua passagem proibida e ergueu o rosto do pote de mel cheio de esperma de sua mãe. Ela olhou para trás com seus olhos vidrados e ficou tranquila porque era Carlos . Ela deu-lhe um sorriso fraco enquanto uma gota de esperma escorria de seus lábios. Ela fechou os olhos e sentiu o pênis de Carlos penetrar mais fundo em suas entranhas. Ela moveu a boca de volta para a boceta de sua mãe.

Depois que Carlos enterrou todo o seu pau profundamente na bunda de Katia, ele fodeu lentamente. A Sra. Silva olhou para a haste familiar deslizando para dentro e para fora do orifício apertado de sua filha. Tudo parecia tão surreal. Era como se ela estivesse drogada. Como se fosse a coisa mais normal que ela poderia fazer no momento, a Sra. Silva moveu a língua de volta para o clitóris de Katia e passou a ponta para frente e para trás nele.

Os gemidos de Katia eram intensos. A pressão do pau de Carlos enchendo sua bunda e a língua de sua mãe em seu clitóris finalmente a colocou em órbita. A sua mãe apertou os lábios à volta da buceta inchada de Katia e foi recompensada com um fio quente de sumo de vagina. Segundos depois, Carlos puxou seu pênis da bunda apertada de Katia, apontou-o para o rosto da Sra. Silva e grunhiu.

Um poderoso jato de esperma quente espirrou entre os olhos de Karen e desceu por seu nariz. Carlos apontou seu pau para o cu e a boceta de Katia. Fluxo após fluxo de creme quente derramado em seu orifício aberto e pingando de sua boceta. Karen podia senti-lo babando em seus lábios e rosto.

Carlos agarrou Katia pelos cabelos e puxou-a até que ela sentasse no rosto da mãe. A Sra. Silva sentiu seu nariz pressionar contra o traseiro pingando de Katia. Tudo estava tão fora de controle. O que aconteceu a seguir pareceu que foi outra pessoa que a obrigou a fazer isso. A Sra. Silva pressionou os lábios ao redor do esfíncter da filha e enfiou a língua no orifício ainda aberto.

Abner subiu na cama e ficou de pé ao lado da Sra. Silva . Ele colocou seu enorme pau mole na boca ansiosa de Katia. Katia se contorceu contra a língua sondadora de sua mãe enquanto ela enrolava os lábios em torno do enorme pedaço de carne. Ela podia senti-lo crescer duro dentro de sua boca a ponto de esticar seus lábios.

O pau de Abner estava totalmente ereto. Ele estava tentando enfiar isso na garganta de Katia. Ela se engasgou e lutou por ar, mas ele não desistiu e continuou forçando cada vez mais fundo com as mãos em volta de sua cabeça para que ela não pudesse se afastar. Lágrimas escorriam pelos seus olhos. Seu corpo começou a tremer e seu rosto ficou azul. Pouco antes de ela desmaiar, ele puxou seu pênis de sua boca. Ela tossiu e se engasgou. Cuspe e baba escorriam de seus lábios. Antes que ela pudesse recuperar a compostura, ele enfiou seu pênis de volta em sua garganta.

Abner havia enfiado metade do comprimento de seu monstro na garganta de Katia. Sua cabeça estava girando. Ela sabia que estava sufocando e sentiu-se desaparecer na escuridão. Quando ele finalmente puxou Katia caiu na cama, atordoada, puxando seu cu para longe da boca e da língua de sua mãe.

Carlos agarrou-a pelos cabelos e deu-lhe um tapa no rosto até que seus olhos entrassem em foco. Karen observou sua filha reviver lentamente. Quando Carlos beijou Katia nos lábios, Karen lutou para se libertar, mas foi inútil. Karen viu a filha retribuir o beijo e ficou enojada. Como ela poderia deixá-lo controlá-la daquele jeito?

"Eu te amo Carlos . Farei qualquer coisa por você. O que você quer que eu faça?"

"Eu sei que você vai. Eu quero que você beije sua mãe nos lábios e enfie sua língua em sua boca enquanto Wiliam e Paulo fodem a bunda dela. Você pode fazer isso por mim, querida?"

Katia assentiu com a cabeça. Ela saiu da cama e se inclinou até que seus lábios a pressionaram contra a boca da mãe. Os lábios de sua filha eram tão macios e gentis. Karen estava confusa. Ela adorava beijá-la, mesmo sendo sua filha. Enquanto eles continuavam a se beijar, Karen percebeu algo duro e quente pressionando entre seus lábios e percebeu que era o pau de Carlos .

Ela observou os contornos familiares do pênis de Carlos deslizar entre os lábios de Katia e empurrar para dentro de sua boca. Ele fodeu várias vezes e puxou-o para fora. A Sra. Silva deixou-o deslizar entre os lábios. Algo havia mudado. Ela queria sentir seu pênis em sua boca. Ela queria vivenciar o que sua filha estava vivenciando e compartilhar com ela. Ela sentiu sua língua lambendo seu eixo enquanto deslizava para dentro e para fora de sua boca. Ele puxou para fora e os dois se beijaram e lamberam um ao outro.

Abner deslizou atrás de Katia e olhou para sua boceta que estava pendurada entre suas nádegas. Ele guiou seu monstro até seu corte pingando e deslizou-o em sua boceta apertada. Katia gemeu, mas não levantou a cabeça da tarefa de compartilhar o pau de Carlos com sua mãe. Ela gostava de compartilhá-lo com sua mãe e alimentava o pau de Carlos entre os lábios de sua mãe enquanto sorria para ela com olhos brilhantes.

"Eu te amo mamãe."

Karen sorriu de volta para Katia com o pau de Carlos enfiado em sua boca. Ela sentiu pressão contra seu cu e percebeu que wilian estava prestes a transar com ela lá atrás. Wilian empurrou as pernas para trás e empurrou seu pênis com força até que foi enterrado profundamente em suas entranhas. Karen ficou tensa, mas rapidamente se ajustou ao seu grande eixo enquanto a incrível pressão se transformava em ondas de prazer enchendo seu corpo. Ela relaxou e se moveu contra ele, puxando as pernas ainda mais para trás, para que ele pudesse penetrar mais fundo em sua bunda.

Ele estava batendo e batendo sua carne nela com força e rapidez. Karen estava gritando de prazer. Um orgasmo percorreu seu corpo e depois outro. Wilian grunhiu e borrifou-a com esperma, enviando-a a níveis ainda maiores de prazer. Ele saiu e foi rapidamente substituído por Paulo, mas Karen mal percebeu. A sujeira vomitou de sua boca.

"Ooooohhhhhhh. Foda-me... foda-se minha bunda... aaaahhhhh. Enfie seu grande pau preto na minha bunda.... Mais forte... oh sim... ahhh... ahhh.... Unnnnggghhhhhhh... "

A Sra. Silva estava perdida em luxúria. Ela podia sentir os sucos esguichando de sua boceta cada vez que um orgasmo percorria seu corpo. O grande pau preto de Paulo bateu repetidamente em seu cu apertado. O prazer foi quase demais. Ela nunca queria que isso acabasse. Ela havia se tornado alguém que ela nem reconhecia. Ela era uma vagabunda completa e adorava isso.

Logo acima do rosto dela, Carlos enfiou e tirou seu pau da boca de Katia. Cuspe pingou no rosto de Karen. Momentos depois, Carlos puxou com força o cabelo de Katia, enfiou seu pênis profundamente e grunhiu. Ela podia ver as veias familiares de seu pênis se expandindo enquanto ele enchia a boca de sua filha de esperma.

"Compartilhe com sua mãe Katia."

Karen abriu a boca. O esperma de Carlos escorreu dos lábios de Katia e pingou na boca de sua mãe. Katia beijou a mãe e enfiou a língua entre os lábios. Eles ainda estavam se beijando e compartilhando o esperma de Carlos quando Karen sentiu o creme quente de Paulo esguichar em seu cu. Katia afastou os lábios pegajosos e observou os olhos desesperados de sua mãe enquanto ela ofegava e tremia com um orgasmo intenso.

Carlos desamarrou as mãos da Sra. Silva e ajudou-a a ficar de quatro. Abner subiu na cama atrás dela. Ela sabia o que estava por vir e acolheu bem. Ela havia se tornado uma vagabunda completa. Ela não poderia ter ido embora, embora agora estivesse livre para fazê-lo. Ela sentiu o monstro dele deslizar entre suas bochechas e encontrar seu esfíncter gotejante. Ela tentou relaxar, mas foi difícil. Ele empurrou.

De repente, seu botão bulboso estava dentro dela. A pressão era maior do que qualquer coisa que ela já havia sentido. Ela sabia que resistir doeria ainda mais, mas achava quase impossível relaxar. O enorme Pauempurrou cada vez mais fundo. Ela sentiu que isso iria matá-la, mas ela estava impotente para impedir. Ela estava prestes a desmaiar quando ele parou de se mover. Karen percebeu que ele agora estava completamente enterrado na bunda dela.

Ele a fodeu lentamente no início até que a pressão se transformou em prazer. Karen alcançou entre as pernas e esfregou o clitóris. Um orgasmo rapidamente sacudiu seu corpo. Ele fodeu-a com mais força e mais depressa, inclinando-se para lhe apertar as mamas com as suas mãos enormes. Outro orgasmo balançou seu corpo.

"Oh merda... oh Deus... sim... foda-me... foda-se... ooooooooohhhhhh..."

Karen virou a cabeça e viu a filha imprensada entre Wilian e Paulo. Wiliam estava com o pau na bunda dela enquanto paulo fodia sua boceta. Ela estava suspensa no ar entre eles e gritando com um orgasmo após o outro. Ela não estava mais chateada e vendo sua filha sendo agredida por uma gangue. Tudo o que ela conseguia pensar era no enorme pau em sua bunda e em como era bom.

As coxas da Sra. Silva estavam manchadas com suco de boceta quando Abner puxou seu monstro negro de seu cu esticado. Ele se moveu para o outro lado e enfiou-o entre os lábios dela. Ela o viu sufocar a filha com sua grande cobra preta e sabia o que estava por vir, mas não se importou. O sabor do seu rabo era forte na sua boca. Ela sentiu o enorme Pau empurrar sua garganta e abri-la.

Seus pulmões estavam queimando enquanto ele ia cada vez mais fundo, mas ela não se importava. Ela queria que ele a machucasse e abusasse dela. Ela era viciada e sabia que não conseguia parar. Ela podia sentir a escuridão capturando sua consciência enquanto a cobra negra gigante empurrava mais fundo em sua garganta. Então ele puxou para fora. Ela ofegou por ar enquanto saliva babava de seus lábios.

Abner sentou-se na cama com as costas apoiadas na parede. Ele ergueu a Sra. Silva e a colocou em seu grande poste preto. Ela engasgou quando deslizou em sua bunda até ficar completamente enterrado em suas entranhas. Ela podia ver Katia no chão montando Paulo enquanto Wiliam fodia sua bunda por trás. Carlos entrou na frente dela.

"Sra. Silva , eu sei o quão sensíveis seus mamilos são, então pensei em lhe dar algo extra enquanto Abner fode sua bunda. Então vou foder a boca de Katia para que você possa ver sua filha fazer três paus em o mesmo tempo."

Carlos agarrou Katia pelos cabelos e enfiou seu pau em sua boca. Ele continuou empurrando até que desapareceu em sua garganta. Com as mãos ainda puxando com força o cabelo dela, ele martelou seu rosto, puxando sua carne dura de seus lábios e enfiando-a profundamente em sua garganta a cada estocada. estava babando em fios de seus lábios e de seu pênis. Ao mesmo tempo, Wilian e Paulo tentavam destruir lhe o rabo e a buceta com as batidas repetidas e poderosas dos seus paus no seu corpo.

Carlos olhou para a Sra. Silva , que tinha três dedos enfiados em sua boceta e estava ofegante por causa da série de orgasmos que rasgavam seu corpo. Seus joelhos estavam no ar e seus pés se agitavam de forma imprudente. As pinças dos mamilos ainda estavam no lugar.

"Wiliam, suba aí e foda a professora. Ela precisa de algo em sua boceta. E enquanto você está nisso, sufoque-a um pouco. Ela gosta desse jeito."

A Sra. Silva sentiu Wiliam se mover entre suas pernas e enterrar sua carne preta em sua boceta jorrando. Ele puxou as pinças dos mamilos, provocando um grito alto antes de mover as mãos para a garganta dela. Ela estava assustada e animada ao mesmo tempo. Carlos estava certo. Ela sentiu prazer em ser sufocada. Ela encontrou prazer em quase todas as formas de sexo proibido e violento.

O corpo dela respondeu rapidamente quando os dedos dele apertaram sua garganta. A pressão em sua boceta e bunda causou uma explosão entre suas pernas, mas o único barulho que ela conseguia fazer eram sons desesperados de sufocamento. Quando ela sentiu que estava mergulhando na escuridão, as mãos dele se soltaram de sua garganta. Ela foi capaz de respirar algumas vezes antes que ele subisse na cama e enfiasse seu pênis pingando em sua garganta.

Todos ouviram a porta da frente se abrir. O marido de Karen Chegou em casa. Wilian, Paulo e Abner trocaram olhares, pegaram suas roupas e foram até a janela. Eles não conseguiram sair rápido o suficiente. Carlos tinha outras ideias. Ele arrancou a Sra. Silva da cama, prendeu suas mãos e pés com fita adesiva e amarrou uma mordaça em volta de sua boca. Ele a jogou no armário. O Sr. Silva gritava seus nomes, mas ainda não havia subido as escadas.

"Katia, deite-se na cama e mexa em sua boceta. Quero que seu pai pegue você fazendo isso. Então quero que você o atraia para o quarto e faça com que ele te foda enquanto gravamos do armário. Você pode fazer isso? isso para mim, amor?"

Ela sorriu para ele e acenou com a cabeça. Carlos beijou-a nos lábios. Ele se certificou de que a porta estivesse aberta o suficiente para que o pai dela pudesse ver quando ele passasse pela sala. A Sra. Silva estava no armário se debatendo, chutando e fazendo muito barulho. Carlos puxou o cabelo dela e sussurrou em seu ouvido.

"Podemos fazer isso da maneira mais fácil ou mais difícil, Sra. Silva . Você vai se comportar bem ou terei que machucá-la?"

Ela realmente não tinha escolha. Pelo menos foi o que ela disse a si mesma. No fundo, ela sabia que estava se tornando escrava sexual de Carlos , assim como sua filha. Ela estava enojada consigo mesma por querer agradá-lo. Ela ficou viciada no abuso dele e estava disposta a fazer qualquer coisa que ele pedisse, inclusive ver sua filha ser fodida pelo marido. Ela assentiu com a cabeça. Carlos desamarrou as mãos e os pés e tirou a mordaça.

"Veja, posso ser razoável, Sra. Silva . Fique quieta. Aí vem ele."

Carlos tinha uma visão perfeita através da fresta entre as duas portas com venezianas. Ele apontou a câmera de vídeo e clicou nela. Katia estava jogando perfeitamente. Ela estava de joelhos com a bunda voltada para a porta. Sua cabeça estava na cama e ela esfregava sua boceta com dois dedos e gemia muito alto enquanto vomitava suavemente sujeira de sua boca.

"Ah, sim... é isso... foda-me... mais fundo... oh papai, eu amo seu pau... ooohhhhh..."

Bem na hora, ele silenciosamente empurrou a porta. Ele ficou observando a filha sem dizer uma palavra. Ela estava dando um show que tinha o pau dele prestes a rachar a frente da calça. O Sr. Silva não sabia o que fazer, mas também não estava disposto a ir embora. Katia levou a mão aos seios e beliscou um dos mamilos.

"Oh papai, isso é tão bom quando você belisca meu mamilo com seu pau tão fundo na minha boceta. Foda-me papai... foda-me com mais força... ooooohhhhhh..."

O Sr. Silva estava prestes a baixar as calças. Ele sabia que não deveria estar assistindo. Esta era sua filha e ela estava estritamente fora dos limites. Ela realmente tinha fantasias sexuais com ele? Ele nunca tinha pensado nela dessa forma até agora. Vou assistir só mais um pouco, ele pensou consigo mesmo. Ele entrou na sala para ver melhor. Esse foi o exato momento em que Katia escolheu virar de costas. Ela fingiu surpresa e choque ao vê-lo.

Papai... o que... o que você está fazendo aqui. Di... você me viu..."

Katia estava brincando com ele como uma marionete. Ela estava deitada de costas com os joelhos dobrados e as pernas abertas. O seu pai tinha uma visão perfeita da sua bucetae das suas mamas. Ela olhou para o armário em busca da aprovação de Carlos . Ele estendeu a mão com o polegar levantado. Katia sorriu.

"É melhor eu ir, Katia. Sinto muito por ter invadido você assim."

"Não... não, papai. Não vá. Eu não quero que você vá. Venha aqui. Quero te mostrar uma coisa. Por favor, papai."

Katia sentou-se e colocou as pernas no chão. Seu pai se aproximou da cama. Ela olhou para ele com seus olhos suplicantes. A mão dela se moveu para a frente da calça dele. Ela esfregou a protuberância de seu pau duro.

"Querido, não acho que isso seja uma boa ideia. Eu... é melhor eu ir."

Katia baixou o zíper, enfiou a mão nas calças e tirou seu pau duro. Apesar de seu bom senso, seu pai não tentou se mover. Katia se inclinou para frente e chupou-o entre os lábios. Ele gemeu. Ela chupou facilmente até a boca até que seus lábios foram pressionados contra o púbis dele. Katia alcançou entre as pernas e esfregou sua boceta.

Karen espiou pela fresta da porta do armário. Ela não conseguia acreditar que o marido estava deixando a própria filha fazer um boquete nele. Ela queria ficar enojada, mas em vez disso sentiu seu corpo responder. Carlos deslizou a mão entre as pernas dela e esfregou sua boceta molhada.

"E você pensou que conhecia seu marido, Sra. Silva . Acho que ele vai foder sua filha, mas acho que isso não é tão ruim, não é? Afinal, você lambeu a boceta dela. Vou deixar você lamber isto novamente depois que ele gozar dentro dela."

Katia percebeu que seu pai estava animado. Ela havia prometido a Carlos que o faria transar com ela, então ela puxou a boca de seu pau. Ela desabotoou o cinto e baixou as calças. Então ela se levantou e o ajudou a tirar a camisa até que ele estivesse completamente nu.

"Papai, eu quero você há tanto tempo. Não é justo que a mamãe tenha você só para ela. Estou tão feliz que você esteja aqui. Beije-me, papai."

Katia jogou os braços em volta do pescoço dele e pressionou os lábios nos dele. Ela enfiou a língua na boca dele e guiou a mão entre as pernas. O Sr. Silva a beijou de volta e enfiou dois dedos em sua boceta. Katia balançou para frente e para trás contra eles.

"Você me deixa tão molhado. Vamos para a cama, papai. Eu quero que você me foda."

"Eu... eu não acho que seja uma boa ideia, Katia."

Sua voz não era nada convincente e ele não fez nada para resistir quando sua filha o puxou para a cama. Ela o empurrou de costas e subiu em cima. Ela sentou-se de joelhos, montando em seu pau e esfregando seus seios. Ela o provocou esfregando sua boceta ao longo de seu comprimento e sobre a ponta sensível.

"Eu não posso acreditar que isso finalmente está acontecendo, papai. Eu sonhei com seu enorme pau na minha buceta tantas vezes. Eu te amo, papai."

Com isso Katia colocou a cabeça do pênis de seu pai contra sua abertura fumegante. Ela afundou-se e gemeu de prazer. Ela o segurou profundamente em sua boceta e moveu os quadris para frente e para trás. A mão dela moveu-se para o clitóris e esfregou-o em círculos.

"Oh papai... eu vou gozar... ooohhhh... oooohhhhh... oh papai... sim... oh Deus... UUUUUNNNNNGGGGGHHHHHH... OOOOHHHHHHH..."

Katia caiu para frente e beijou-o nos lábios. Sua bunda subia e descia enquanto ela fodia seu pau forte e rápido. Karen teve uma visão perfeita do pau do marido coberto com o suco da buceta da filha. Ela lambeu os lábios involuntariamente e percebeu o quanto desejava provar sua filha novamente.

"Eu quero você em cima de mim, papai. Quero sentir seu pau entrando fundo na minha boceta e depois atirando suas coisas em mim."

Katia desceu e virou de costas. O Sr. Silva não precisou de encorajamento desta vez. Ele rapidamente rastejou entre as pernas de sua filha e enfiou seu pau com força em sua boceta ele começou a fuder forte como nunca tinha fodido sua esposa. Ele a fodeu como um louco. Katia jogou os braços e as pernas ao redor dele e bateu sua boceta com força contra seu pênis.

"Foda-me papai... foda-me forte... oh papai... estou gozando... aaaaaahhhhhhhh."

Carlos abriu a porta do armário.

"Prepare-se, Sra. Silva . Acho que sua filha está prestes a encher sua boceta deliciosa com o esperma do seu marido. Não quero que você perca uma gota."

Eles se esgueiraram atrás de Katia e seu pai. A sua pika bateu-lhe na buceta com força e rapidez. As suas bolas bateram repetidamente no seu rabo molhado. Katia estava gritando com um orgasmo após o outro. O Sr. Silva empurrou com força e grunhiu. Seu pau borrifou jatos e jatos de esperma na boceta de sua filha ele gozou mais do que carlos e de que os rapazes que a comera antes. Ele não conseguia parar. Ele nunca tinha gozado tanto em sua vida. Por fim, ele saiu de cima dela, esgotado e esgotado. E foi tomar banho em seguida.

Ao sair Karen não resistiu quando Carlos guiou o rosto dela entre as pernas da filha. Ela apertou a boca sobre a boceta de Katia e lambeu o esperma do marido em sua boceta. Houve muito disso. Quando sua boca ficou cheia, Carlos foi até ela e sussurrou em seu ouvido.

"Não seja gananciosa, Sra. Silva . Compartilhe isso com Katia."

O Sr. Silva ao voltar do banho lentamente. Ele abriu os a porta e viu sua esposa beijando sua filha. Então ele viu Carlos rastejar atrás de sua esposa e deslizar seu pau entre as nádegas dela.

"Quem é você? O que está acontecendo?"

"Olá, Sr. Silva . Sua esposa é minha professora. Tenho transado com ela nas últimas semanas. Também tenho transado com sua filha. Você não se lembra de mim? Fiz uma visita em sua casa e sua esposa outro dia."

"Seu filho da puta. Vou ligar para a polícia agora mesmo."

"Claro que você é livre para fazer isso, Sr. Silva , mas serei forçado a entregar esta fita como prova. Imagino que eles vão querer saber por que você estava transando com sua filha. Claro que eles vão querer ver sinais de alguém invadindo a casa e fazer um inventário do que está faltando, mas isso também é um problema, não é? E depois há a questão da sua esposa e filha que podem não vir em sua defesa. Eles pertencem a mim agora."

Carlos bateu seu pau na Sra. Silva com força, enfiando-o profundamente em sua bunda. Ao mesmo tempo, ele puxou o mamilo, fazendo-a gritar. Ele a agarrou pelos cabelos e puxou sua cabeça para trás, colocando a boca perto de sua orelha.

"Quem é seu chefe, Sra. Silva ? Diga ao seu marido cujo pau você tanto deseja que fará qualquer coisa que ele mandar. Vá em frente, Sra. Silva , diga a ele."

Lágrimas escorriam por seu rosto. Ela sabia que era verdade, mas não queria que fosse. Ela se tornou sua escrava sexual, assim como sua filha. Ela precisava do que ele lhe deu. Ela precisava ser tomada do jeito que ele a tomou... forte e áspero. Ela adorava a dor. Ela era viciada, mas não conseguia dizer isso.

"Eu não sei... eu..."

Carlos puxou a cabeça dela para trás com força e deslizou os dedos em volta do pescoço dela, apertando até que ela começou a engasgar.

"Resposta errada, Sra. Silva . Katia agarrou o mamilo de sua mãe e puxou-as com força. Bom. Agora mais uma vez, Sra. Silva , quem é seu mestre."

"EEEEEEEIIIIII... pare com isso... você é... você é... você é meu... oh... oh... oh Deus... uuuunnnggghhhhh..."

Ela não pôde evitar quando perdeu o controle, girando em um forte orgasmo. Entre o pau dele na bunda dela, a dor de seus mamilos sendo esmagados e a humilhação na frente de seu marido Karen estavam ligadas. O seu marido olhou incrédulo enquanto a observava contorcer-se e ofegar numa série de orgasmos fortes.

"Katia, rasteje para baixo e mostre ao papai o quanto você gosta de comer a boceta da sua mãe. Sr. Silva , você pode transar com ela enquanto ela faz isso, se quiser."

"Por favor, papai... por favor, me foda. Eu quero sentir seu pau na minha boceta. Por favor, papai."

Katia chupou o pau dele em sua boca até que ele ficasse alto, então deslizou sob a mãe e apertou a boca sobre sua boceta inchada pendurada entre as pernas, logo abaixo de onde o pau de Carlos estava batendo em sua bunda. Katia abriu as pernas e levantou os joelhos, dando ao pai uma visão perfeita de seu jovem pêssego maduro. O Sr. Silva olhou para baixo e depois para os olhos de sua esposa.

"Diga a ele, Sra. Silva . Diga a ele o que você quer que ele faça. Vá em frente."

Ela se odiava, mas as palavras saíram de sua boca de qualquer maneira.

"Foda ela, querido. Foda-se a filhinha enquanto ela come minha boceta."

Toda a resistência foi drenada. O Sr. Silva moveu-se entre as pernas da filha. Ele estava se posicionando quando Carlos o deteve.

"Espere, Sr. Silva . Quero que sua esposa coloque seu pau em Katia."

Ela envolveu os dedos em volta do pau do marido e o guiou até a abertura da filha. Ela olhou para ele e viu a luxúria em seus olhos. Ela o soltou e o ouviu gemer enquanto afundava profundamente na boceta de Katia. Ela olhou para baixo e viu o pau do marido deslizar para dentro e para fora da boceta da filha. Ela podia sentir outro orgasmo crescendo e manteve os olhos fixos no ato proibido até que a língua de Katia a empurrou para o limite. Ela gritou e resistiu contra o pau em sua bunda. O pau do pai de Katia embora era ainda maior que o de Abner ela começou a gemer como uma louca de excitação ao ser penetrada com mais força.

"oh... ah merda... aaaaaahhhhhhh... uuuunnnnggghhhh..."

Carlos puxou seu pau da bunda da Sra. Silva e colocou-o na boca de Katia. Ela engasgou quando ele enfiou-o em sua garganta e segurou-o ali. Cuspe babou de sua boca quando ele finalmente puxou-o e enfiou-o de volta na bunda de sua mãe. A boca de Katia voltou para sua boceta e clitóris. As bolas de Carlos batiam em seu rosto a cada estocada.

"Sr. Silva , eu realmente acho que Katia gostaria que você transasse com ela na bunda. Eu sei por experiência própria o quanto ela gosta desse jeito, embora ela tenha gritado e chorado na primeira vez. A Sra. Silva vai ajudar você, não é?"

Carlos agarrou o cabelo dela e puxou com força. Ela balançou a cabeça para cima e para baixo, reconhecendo sua ordem. O Sr. Silva estava muito atordoado para fazer qualquer coisa além de ir em frente. Seus olhos mostraram que ele estava aguardando ansiosamente a experiência. Karen se abaixou e puxou seu pau da boceta pingando de Katia. Ela colocou-o na boca e lambeu os sucos de seu eixo antes de enchê-lo com saliva.

Katia puxou as pernas totalmente para trás, expondo seu cuzinho apertado para o pau grande de seu pai. Ela sentiu a mãe guiar a ponta inchada até o ponta. Dado a lubrificação dos outros paus que lhe tinham subido anteriormente, o seu pai quase não sentiu resistência e escorregou profundamente nas entranhas da sua filha. Ele lentamente fodeu dentro e fora.

Karen olhou para a boceta brilhante de sua filha, inclinou-se para frente e apertou a boca em volta do monte inchado de Katia. A sua língua serpenteava para cima e para baixo na fenda da sua filha e sobre o seu clitóris duro. Katia gemeu na boceta de sua mãe com as sensações percorrendo seu corpo. Carlos estava certo... ela adorava um pau na bunda. Ela rapidamente caiu em um orgasmo jorrando que encheu a boca de sua mãe com suco de boceta.

Carlos percebeu que o Sr. Silva estava prestes a gozar. Carlos estava chegando perto. Ele podia sentir Katia lambendo suas bolas enquanto a idiota da Sra. Silva empurrava seu pau. Ele acelerou o passo batendo forte e profundamente com seu pau inchado na bunda de sua filha. Katia começou a gostar mais e mais do pau do seu pai na sua bunda era grande, maior até que o de Abner ela começou a urrar em cima do pau dele.

Carlos puxou para fora quando sentiu suas bolas apertarem e seu pau inchar. Ele empurrou sua carne latejante entre os lábios de Katia pouco antes de o esperma explodir da ponta e espirrar em sua língua. A sua pika pulsava uma e outra vez esguichando cada vez mais esperma até que escorria pelos cantos da boca dela.

"Sua vez, Sr. Silva . Goze na boca de sua esposa para que as meninas possam compartilhar. Ajude-o, Sra. Silva ."

Karen obedeceu à ordem de seu mestre e puxou o pau do marido do cu de Katia. Ela rapidamente apertou os lábios ao redor de seu eixo latejante, trabalhando-o com os lábios e a língua como a prostituta que ela havia se tornado. O Sr. Silva não teve chance de se conter. Ele agarrou o cabelo dela e grunhiu. Fluxo após fluxo de esperma tão grande quente encheu a boca de sua esposa até que ele ficou completamente drenado. Carlos puxou-a pelos cabelos.

"Sra. Silva , acho que Katia gostaria de provar o esperma de seu pai."

Karen não resistiu. Ela queria sentir os lábios macios da filha e compartilhar esperma com ela. Ela queria isso porque Carlos lhe disse para fazer isso, mas ela também queria para si mesma. Ela queria se tornar amante de sua filha e experimentar coisas novas e emocionantes com ela. Karen pressionou os lábios nos de Katia e abriu a boca. O esperma do marido escorria dos lábios e da língua para a boca da filha, misturando-se com o esperma de Carlos . Sua língua mergulhou na mistura e girou dentro da boca de Katia.

Karen estava tão ocupada com a filha que não ouviu o marido e Carlos saírem da sala. Carlos voltou sozinho. Elas olharam para ele com esperma espalhado nos lábios e babando no queixo.

"Venha comigo... Papai está esperando por você na outra sala."

"Sim, mamãe. Por favor. Quero que você me foda do jeito que papai me fodeu."

Ela caminhou até sua mãe e beijou-a nos lábios. A Sra. Silva alcançou entre as pernas de Katia e esfregou os dedos em sua boceta e clitóris. Katia se abaixou e envolveu o pênis de plástico com os dedos. Ela caiu de joelhos e chupou em sua boca, agarrando as bochechas da bunda de sua mãe. Finalmente ela se levantou e colocou as mãos nos ombros do pai e olhou dentro de seus olhos assustados.

"Papai, mamãe vai me foder. Estou tão feliz que você vai assistir."

Karen se aproximou da filha e guiou o pau de plástico entre as nádegas. Demorou alguns segundos para encontrar a abertura da sua buceta com a ponta de plástico. Karen dobrou as pernas e empurrou. Katia soltou um gemido quando o grande eixo deslizou profundamente em sua boceta. Karen estendeu a mão e apertou os seios da filha enquanto ela empurrava o pau de plástico para dentro e para fora de sua boceta.

"Oh Deus... oh papai... mamãe está me fodendo... foda-me mamãe... mais forte... oh Deus... estou gozando... oh.... Uuuuunnnggghhhhhhh... oooohhhhhhhhhh. .."

O sumo de buceta corria pelas suas pernas devido aos múltiplos orgasmos que abanavam o seu corpo. A vagina de Karen também formigava devido à pressão da pika de plástico contra a sua buceta e à excitação de foder a sua filha. Ela puxou e limpou o eixo com os dedos, levando-os à boca para poder provar o suco da boceta da filha.

"Na bunda mamãe... eu quero na bunda..."

Katia se abaixou e inclinou a bunda no ar. Ao mesmo tempo, ela deslizou o pênis crescente de seu pai entre os lábios. Karen ajustou as tiras de modo que a extremidade da haste de plástico pressionasse seu clitóris. Ela guiou a ponta até o pedaço rosado da filha e empurrou. Houve pouca resistência quando o pau de plástico deslizou profundamente nas entranhas de Katia.

Carlos deu um passo atrás da Sra. Silva e apertou seus seios enquanto deslizava seu pau para cima e para baixo entre as bochechas de sua bunda. Ele colocou a língua no ouvido dela.

"Eu vou foder sua bunda, Sra. Silva , enquanto você fode a bunda de Katia, mas primeiro você tem que me pedir com educação. Você fará isso, Sra. Silva ?"

"Sim... por favor, foda minha bunda."

"Por favor, foda minha bunda O QUE? Quem sou eu, Sra. Silva ?"

"Por favor, foda-me... mestre."

"Muito bem. Apenas lembre-se disso, Sra. Silva , e não terei que puni-la. Agora você pode receber sua recompensa."

Carlos babou saliva entre suas bochechas e dobrou os joelhos. A cabeça inchada de seu pênis rapidamente encontrou seu cu. Ele sentiu que cedeu lentamente até aparecer dentro. Sua professora gemeu enquanto se aprofundava. Ela adorava ter um pau na bunda. Carlos a transformou em escrava e prostituta. A pressão em sua bunda e a sensação do pau de plástico esfregando em seu clitóris enquanto ela fodia sua filha a levaram a um orgasmo jorrando.

"Oh... oh... oh Deus... uuuunnnggghhhhhhh... aaaaaahhhhhhhhh..."

Os dedos de Katia trabalharam furiosamente em seu clitóris. A sensação da carne dura do seu pai entre os seus lábios e a penetração profunda do pau de plástico batendo repetidamente no seu rabo foram suficientes para fazer a sua buceta explodir ao mesmo tempo que a sua mãe se estava a ejacular. O suco de buceta escorreu por suas coxas e pingou no chão. Seu grito foi sufocado pelo pau em sua garganta.

"Sua filha tem algo para compartilhar com você, Sr. Silva . Vá em frente, Katia. Você sabe o que fazer."

Katia deu um passo à frente e pressionou os lábios nos do pai. Seus olhos pareciam drogados. Ele não fez nada para resistir quando sua filha enfiou a língua entre seus lábios. Sua boca se abriu. Carlos pegou suas roupas e foi até a porta.

"Eu tenho que ir. Vou deixar todos vocês para continuarem unidos. É tão bom ver uma família que compartilha tudo. Vejo você na escola amanhã, Sra. Silva . Você também, Katia."

Antes de Carlos sair o Sr. silva olhou para Carlos e disse.

“Isso terá volta meu filho e eu já até sei o que fazer me aguarde.”

Carlos não aparentou medo algum.

Continua.......

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 31 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 71Seguidores: 171Seguindo: 22Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil genérica

Seus contos são muito bem escritos...muito talento na narrativa

0 0
Foto de perfil genérica

Como sempre, suuuuuper excitante esta história...rs...😋😋😋

0 0
Foto de perfil de Kratos116

Esse seu conta estava bom até o capítulo anterior,mas esse ficou uma bagunça generalizada. Se contae que entre o ato em que o Carlos invade a casa se passando por um assaltante e a Sr Silva chegar em casa não tem um parágrafo sinalizando que essa entrada na casa aconteceu um tempo depois dos gatos mencionados anteriormente. Muitos personagens ao mesmo tempo,só sexo forçado para lá e para casa etc..

1 0
Foto de perfil genérica

Quando decide escrever um conto tão longo assim acaba perdendo a mão, longo e repetitivo ficou chato desisti no meio

1 0
Foto de perfil de Kratos116

Além de tudo onque você disse ,ficou cansativo. Uma verdadeira salada de frutas e até agora não entendi a motivação do rapaz para com essa professora.

0 0