Sobre minha irmã #10 - Dia com os amigos

Um conto erótico de Robson
Categoria: Heterossexual
Contém 1147 palavras
Data: 07/11/2023 11:40:30
Última revisão: 01/04/2024 11:49:42

Ainda era difícil de acreditar que naquele dia minha irmã tinha me visto gozar pela primeira vez e que isso já tinha acontecido duas vezes. O dia seguinte então prometia. Logo cedo, Rodrigo me ligando perguntando se já podia ir tomar café lá em casa conforme a gente tinha combinado. Ele perguntou se tinha algum problema do Paulo ir também. Falei que não tinha.

Fui então no quarto da minha irmã avisar ela, pois naquela vez que o Rodrigo veio, ela reclamou que eu não a tinha avisado e por isso ela se ajeitou. Ela estava dormindo normal de camisola e shortinho curto. Acordei ela e avisei que Rodrigo já estava vindo, mas não mencionei o Paulo, pois achei que ela podia não gostar. Depois fui na cozinha arrumar algumas coisas enquanto esperava eles. Quando eles chegaram, chamei minha irmã, mas ela não veio na cozinha. Fomos então no quarto dela. Para minha surpresa, ela estava fazendo de conta que estava dormindo. Ela tinha penteado o cabelo e até passado um pouco de maquiagem kkkk.

Além disso, ela havia trocado de roupa. Estava agora muito mais sensual, vestindo apenas top branco, sem sutiã, e calcinha amarela. Ficou deitada de bruços, sem lençol por cima, com olhos fechados e rosto voltado para a parede. Bateu um ciúme na hora porque eu sabia que tudo aquilo era por causa do Rodrigo.

Ficamos observando por uns momentos. Perguntei para eles se deveria acordar ela. Rodrigo falou baixinho que não. Paulo então com muito cuidado foi pegando a calcinha da minha irmã e puxando para baixo. Ela ficou então toda arrepiada, principalmente no bumbum. Era sinal que não estava dormindo coisa nenhuma. Não dava para a calcinha descer muito, mas dava para ver bastante enquanto Paulo segurava. Resolvi então colaborar e descemos a calcinha dela com cuidado até um pouco abaixo do bumbum.

Ficamos mais um tempo observando, admirando a bundinha dela. Esperei para ver se ela acordava, embora eu soubesse que ela tava fingindo, e nada. Falei então que iria acordar ela. Ela então primeiro foi se virando e depois ficou sentada na cama, antes de ajeitar a calcinha e se levantar. Enquanto isso, Rodrigo e Paulo perguntaram se ela queria continuar dormindo e elogiaram dizendo que ela tava gata vestida daquele jeito. Ela agradeceu, mas vestiu um shortinho e fomos na cozinha comer.

Depois do café, ficamos conversando por um tempo e veio a ideia de jogar dominó. Mudamos o jogo um pouco para não ficar repetitivo, pois ela era quase sempre a escolhida e tinha que pagar uma prenda vestida só de biquíni. Dessa vez, pedimos para ela pagar as prendas de top e calcinha, já que ela já estava de top e estava de calcinha por baixo do shortinho. Rodrigo a convenceu que era praticamente o mesmo dela estar de biquíni. Ela topou, mas com certeza não era a mesma coisa. De top e calcinha, ela ficava com certeza muito mais sexy.

Além disso, a gente jogaria e só pagaria as prendas no final do jogo. Resultado, eu não tive que pagar nenhuma prenda, Paulo e Rodrigo tiveram que pagar uma e minha irmã mais de dez.

Na hora de pagar as prendas, ela ficou enrolada, pois estávamos sendo criativos nos pedidos. Ela parecia estar curtindo e não reclamou das prendas, mesmo que algumas fossem mais ousadas ou cansativas. Relembrando que as prendas duravam cinco minutos e ela tinha que pagar vestindo apenas top e calcinha.

Algumas prendas foram tranquilas tipo ela jogar videogame ou lavar louça. As que ela precisava imitar animais eram ao mesmo tempo engraçadas e sensuais, pois ela teve que ficar de 4 para imitar gato e cachorro ou de cócoras e ficar pulando para imitar um sapo. Além disso, em pouco tempo a calcinha ficava enfiada no bumbum dela. Ela ficava puxando e estava levando tudo na esportiva.

O tempo foi passando e pedimos o almoço para nós quatro. Minha irmã continuava vestida de top e calcinha e ainda tinha que pagar oito prendas. Ficamos vendo tv enquanto esperávamos o almoço. Quando o entregador chegou, disse que uma das prendas era ela ter que atender ele. Ela foi na porta de top e calcinha receber a comida, mas sem o dinheiro. Rodrigo, Paulo e eu ficamos só observando. O entregador ficou esperando minha irmã pegar o dinheiro em cima da mesa. Ela ficou de costas para ele contando o dinheiro. Claro que ele ficou de olho na bunda dela. Depois ela entregou o dinheiro para ele e ele deu o troco e foi embora.

Paulo foi logo dizendo que o cara tinha ficado o tempo todo de olho na bunda dela. Minha irmã riu mas ficou vermelha de vergonha.

Almoçamos e voltamos a ver tv.

Então lembramos que minha irmã ainda tinha que pagar algumas prendas. Rodrigo deu a ideia de algo fora de casa, tipo na academia. Minha irmã disse que por ela tudo certo. Fiquei surpreso como ela estava corajosa kkkk. A gente disse que avisava se viesse alguém. Claro que, fora de casa, ela teria que vestir um short e tirar somente lá.

Logo que saímos do apartamento, uma prenda foi ela subir e descer as escadas dos andares próximos ao que a gente morava só de top e calcinha. Ela cumpriu.

Depois, na academia, a prenda foi fazer alguns exercícios. Ela fez, mas recusou o de abrir e fechar pernas, pois ela ficava muito exposta.

Em seguida, foi fazer esteira. Descalça, em pouco tempo ela começou a correr pra valer e foi ficando bastante suada.

A calcinha então já estava dentro do bumbum. Nessa hora, Paulo, ao invés de olhar a porta, ficou olhando para ela e chegou um vizinho para utilizar a academia.

Minha irmã então, ao ver o vizinho, se distraiu e caiu. Machucou o tornozelo.

Rodrigo e eu ajudamos ela a se levantar e a carregamos cada um segurando ela por um lado até uma cadeira. Paulo me disse depois que nessa hora que a carregamos, ela ficou toda arreganhada, a calcinha ficou um pouco de lado e acabou mostrando parte da xota, pois a gente segurou ela cada um em uma coxa.

O vizinho perguntou o que estava acontecendo e explicamos que não era nada demais. Ela estava apenas pagando uma prenda por um jogo que ela tinha perdido.

Ele perguntou pra ela se ela estava se sentindo melhor da queda e ela envergonhada disse que sim.

Perguntamos se dava pra ela se levantar. Ela, aos poucos, foi se levantando e ficou alisando a perna que estava com dor.

Nesse momento, ela ainda estava de calcinha e estava de costas pro vizinho.

Depois de alguns minutos, ajudamos ela a vestir o short e voltamos para casa. Ela colocou gelo em cima do tornozelo para passar a dor e agradeceu pela ajuda. Rodrigo e Paulo então foram embora.

Foi um dia bastante diferente do normal.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 63 estrelas.
Incentive user0505 a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

A história tá legal, mas toda vez que tem os "amigos" fica bem chata

3 0
Foto de perfil genérica

Porra,sacanagem hein,sua irmã seminua no quarto e você deixa seus amigos entrarem no quarto e ainda tirar a calcinha dela.

Em vez de só você curtir com ela,vai deixar os supostos amigos se aproveitar,se continuar assim vai ter uma suruba,fica esperto cara não deixa não.

2 0
Foto de perfil genérica

É que ele quer ser enrabado pelos amigos. Fala tanto deles, não é a toa.

0 0
Foto de perfil de Leon-Medrado

Boa parte. Muito boa, numa sequência muito natural e gradual, que retrata mesmo essa fase das descobertas e das brincadeiras mais safadinhas. Excelente. Gostei muito.

1 0

Listas em que este conto está presente

Fantasias fetiche
Muito excitante