SEDUZINDO UMA PROFESSORA SEM PENSAR NAS CONSEQUENCIAS PT1

Um conto erótico de Gabriel Silva
Categoria: Heterossexual
Contém 7681 palavras
Data: 06/11/2023 18:32:43

Havia algo em sua professora que Carlos os achava irresistível. Ele tinha uma queda por mulheres mais velhas, especialmente aquelas que eram solitárias e sexualmente frustradas. Carlos sempre sabia quem não estava recebendo pau suficiente. A Sra. Silva definitivamente tinha aquela expressão nos olhos.

A Sra. Silva devia estar na casa dos quarenta porque sua filha de dezoito anos, Katia, estava na classe dele. No entanto, ela se manteve em excelente forma e poderia facilmente ter passado por alguém na casa dos trinta anos. ela loira natural de corpo curvilineo e sarado. Exteriormente ela tentava manter uma aparência reservada e adequada, mas havia um toque sutil de paixão abaixo da superfície.

Karen Silva achou Carlos um aluno atraente, como os professores às vezes acham. E porque não? Afinal, ela tinha permissão para ter suas fantasias. Carlos era muito bonito e tinha um corpo bem condicionado que gostava de exibir sob suas camisetas justas e jeans.

Karen frequentemente se masturbava pensando nas coisas que gostaria que Carlos fizesse com ela. Era praticamente a única saída sexual que ela ainda tinha. Seu marido quase nunca a tocava. É claro que ela nunca permitiria que Carlos se aproximasse o suficiente para realizar qualquer uma de suas fantasias. Ela tinha uma filha e um marido. Ela era um membro respeitado da comunidade. Ela se sentia culpada o suficiente por se masturbar com a mesma frequência.

O Sr. Silva era pelo menos cinco anos mais velho que sua esposa. Ele era professor de física na faculdade local ele era negro e alto com um corpo malhado tambem. Carlos tinha certeza de que a Sra. Silva não era fodida há muito tempo e provavelmente nunca havia sido fodida adequadamente. Carlos percebeu que era seu dever mudar tudo isso. Ele só precisava ficar sozinho com ela.

Certa tarde, Carlos esperou até que a Sra. Silva saísse para o carro depois da escola. Ela estava colocando papéis no banco de trás. Se ele jogasse bem as cartas, poderia pegar uma carona e ficar sozinho com ela. Depois disso ele teria que jogar um xaveco.

"Olá, Sra. O. Fui abandonado e não tenho como voltar para casa. Não é muito fora do seu caminho. Você se importaria de me dar uma carona?"

Ela sorriu para ele e concordou sem hesitação. Depois de algumas gentilezas, Carlos direcionou a conversa para um assunto mais íntimo.

"Sra. Silva , preciso conversar com você sobre algo pessoal. Não posso falar com meus pais, mas preciso do conselho de um adulto. É... bem, Sra. Silva , estou um pouco envergonhado, mas... é sobre uma mulher."

"Não precisa ficar envergonhado, Carlos . Em que posso ajudá-lo?"

Karen sorriu e ficou secretamente satisfeita por ele querer conversar com ela sobre os problemas das meninas. Na verdade, ela estava até um pouco animada com o fato de a conversa ter caminhado nessa direção e podia sentir seus mamilos incharem.

"Bem, você vê, Sra. Silva , eu... droga, não sei como dizer isso... mas tem uma mulher casada morando na casa ao lado e... bem, acho que ela gosta de mim. "

"Bem, não há nada com que se preocupar, Carlos . Quero dizer, você é um jovem bonito. Tenho certeza de que ela está apenas sendo amigável e não significa nada. Há algo que ela faz que deixa você desconfortável?"

Karen estava ficando mais animada à medida que a conversa avançava. Aparentemente ela não foi a única que se masturbou por causa de Carlos .

"Bem, não é realmente desconfortável, Sra. Silva . Ela me convida para limpar sua piscina quando o marido não está em casa e usa o menor biquíni que eu já vi. Quer dizer, é difícil não olhar e ela tem um corpo fantástico."

"Bem, não há nada de errado em olhar, Carlos . Tenho certeza que ela aprecia isso."

"Sim, mas às vezes ela me pede para colocar protetor solar nas costas dela. Ela desabotoa a blusa e ronrona quando minhas mãos cravam em sua carne. Bem, Sra. Silva , eu sou um cara e você pode imaginar o efeito disso tudo. tem sobre mim."

A boceta de Karen estava vazando enquanto ela imaginava seu pau ficando duro. A conversa estava ficando um pouco desconfortável.

"Talvez você devesse conversar com ela sobre isso e dizer que isso te deixa desconfortável."

"Oh, eu não disse que isso me deixava desconfortável, Sra. Silva . Estou sempre ansioso para limpar a piscina dela. Só não tenho certeza se o que estou fazendo é certo... você sabe, ela sendo casada e tudo."

"Você realmente não fez nada de errado, Carlos . Não se preocupe com isso."

"Bem, talvez não, mas e quando ela se vira de costas enquanto eu passo loção nela, e ela não está com a blusa e coloca minhas mãos em seus seios. Isso está errado, Sra. Silva ?"

Karen ficou momentaneamente sem palavras e procurando uma resposta. Carlos continuou.

“Ou quando ela coloca a mão no meu maiô, ou quando ela puxa meu calção para baixo e me coloca em sua boca, ou quando ela me puxa para cima dela e envolve suas pernas em volta de mim e nós transamos. , Sra.

Karen ficou confusa e tentou controlar a respiração. A buceta dela estava a pingar como uma louca. Seus lábios tremiam e suas pernas tremiam. Ela estava procurando por palavras, mas elas simplesmente não vinham.

"Vire na próxima à esquerda e siga até o fim."

Carlos apontou para uma estrada que ele sabia que acabaria terminando em um campo vazio. A Sra. Silva se virou, mas sua mente ainda estava confusa enquanto imagens eróticas de Carlos transando com sua vizinha giravam em sua cabeça. Ela precisava recuperar o controle, mas era inútil.

"Carlos , eu... hum... não é culpa sua, mas..."

"A questão é, Sra. Silva , é o melhor sexo que já tive. Nada como as garotas do ensino médio. Ela fica tão louca e simplesmente não se cansa. Não acho que o marido dela a mantenha satisfeita. Parece-me que ela merece o que eu lhe dou. Quero dizer, só porque ela é casada não significa que ela tenha que parar de aproveitar a vida, não é? Você acha que isso é errado, Sra. Silva ?

Eles chegaram ao beco sem saída. Karen parou o carro confusa sobre o que fazer ou dizer a seguir. Carlos estendeu a mão, desligou o motor e colocou a mão na coxa dela.

"Seu marido a mantém satisfeita, Sra. Silva ? Há algo que você precisa de mim?"

A mão de Carlos deslizou por sua perna e por baixo da saia. Karen sabia que tudo isso estava errado. Ela sabia que tinha que impedir que isso ficasse fora de controle. Isso era o que sua cabeça lhe dizia, mas seu corpo estava congelado. Os dedos de Carlos pressionaram a virilha de sua calcinha úmida. As pontas dos dedos dele esfregaram ao longo de sua fenda e pressionaram contra seu clitóris. Karen podia sentir ondas de prazer percorrendo seu corpo. Karen dizia a si mesma que tudo isso estava errado, mas sentia as pernas se afastando quase como se tivessem vontade própria.

Os dedos de Carlos moveram-se sob a virilha úmida e nas dobras de sua boceta formigante. Ela engasgou quando dois dedos empurraram seu corpo. Seu polegar esfregou seu clitóris enquanto ele fodia sua boceta com o dedo. A respiração de Karen ficou instável. Isso iria acontecer. Ela iria ter um orgasmo.

Antes que ela pudesse gozar, Carlos tirou os dedos de sua boceta. A cabeça de Karen estava girando. Ela não conseguia descobrir o que estava acontecendo. Ela precisava terminar. Por que ele parou? Ela estava tão perto.

De repente, uma mão estava sob sua blusa brincando com seus seios. Ao mesmo tempo ele guiou a mão dela para seu colo. Ela sentiu a carne nua de seu pau duro. Ela estava mais confusa do que nunca. Seus dedos envolveram o eixo inchado. Karen acariciou-o lentamente. Um fio de líquido pegajoso pingou em sua mão.

Carlos tinha certeza de que o resto seria fácil. A Sra. Silva não fez nada para detê-lo. Na verdade, ela cooperou em cada passo do caminho. Ele empurrou o sutiã dela sobre os seios e beliscou seus mamilos duros. Ele se inclinou e colocou os lábios no pescoço dela, mordendo e lambendo levemente a pele sensível. Um suspiro escapou de seus lábios.

Carlos sentou-se e levou a mão à nuca da Sra. Silva . Ele puxou a cabeça dela para baixo em direção ao seu pau. Pela primeira vez ela mostrou alguma resistência. Carlos aplicou mais pressão até que a cabeça dela começou a se mover. Karen percebeu que havia deixado as coisas irem longe demais. Tinha que parar. Ela tentou resistir à pressão da mão dele, mas Carlos era forte demais.

"Não... não... por favor... deixe-me ir..."

Então seus olhos viram o pênis magnífico que sua mão estava acariciando um penis joven de 19 centimetros ceio de veias. Quantas vezes ela se masturbou enquanto chupava os dedos e fingia que era o pau de Carlos ? Aqui estava na frente de seu rosto, ainda mais magnífico do que ela imaginava.

Karen lutou para se afastar, mas Carlos era forte demais. Ela olhou para a pele lisa da ponta em forma de cogumelo enquanto ela se aproximava cada vez mais. A tentação era muito grande e o formigamento em suas entranhas era muito poderoso.

Karen abriu os lábios e deixou-o deslizar para dentro da boca. A sensação de sua carne dura contra sua língua era tudo o que ela havia imaginado. Ela girou a língua sobre a ponta inchada. Ela explorou as cristas e veias salientes de sua carne dura. Quando ela o sentiu empurrar contra o fundo de sua boca, Karen usou as habilidades que aprendeu com seu marido e deixou o pênis dele deslizar por sua garganta.

Carlos diminuiu a pressão que vinha aplicando na nuca da Sra. Silva . Ela continuou a lamber e chupar agressivamente seu pau. Ficou claro que ela amava o que fazia e era boa nisso. Ele recostou-se e deixou acontecer.

Karen sentiu a pressão na nuca desaparecer. Ela sabia que esta era a hora de escapar. Só mais alguns segundos, ela disse a si mesma. Sua boceta estava pingando loucamente e exigia atenção. Karen enfiou dois dedos sob a calcinha e esfregou-os com força no clitóris viscoso.

Suas habilidades de chupar pau eram tão boas que que pela primeira vez carlos teve seu pau totalmente dentro da garganta de uma mulher. a habilidade de Karem era unica que Carlos podia sentir suas bolas se enchendo rapidamente de esperma. Sua cabeça balançou agressivamente para cima e para baixo ao longo de seu pênis. Ela o levou profundamente em sua boca e massageou-o com a garganta. Ele viu a Sra. Silva tocando furiosamente sua boceta ao mesmo tempo. Ela estava pegando fogo.

Não ia demorar muito. A pressão na barriga de Karen atingiu o pico. A sensação da carne dura de Carlos na boca e na garganta, juntamente com as sensações dos dedos no clitóris e na buceta, fizeram-lhe girar a cabeça. Quando ela estava prestes a explodir, Carlos colocou a mão de volta no pescoço dela e enfiou fundo em sua boca. Karen sentiu o pau dele inchar entre os lábios e sabia o que estava prestes a acontecer.

Seu corpo enrijeceu. Karen apertou as coxas contra os dedos. Um grito tentou escapar de sua garganta. O esperma quente explodiu em sua boca. O suco de buceta inundou sua calcinha e escorreu por sua bunda. Mais esperma explodiu em sua boca. Ela podia sentir isso babando de seus lábios.

Carlos puxou-a de seu pau e bombeou um jato de esperma entre seus olhos. Outra explosão subiu pela lateral de seu nariz e atingiu seu cabelo. Carlos observou o esperma escorrer da boca da Sra. Silva enquanto ela engasgava e gemia de orgasmo. Este foi o melhor boquete que ele já teve.

À medida que o seu orgasmo diminuía, Karen percebeu o que tinha feito. Sexo com um estudante em qualquer circunstância era estritamente proibido. Ela poderia perder o emprego. Pior ainda, ela poderia ir para a cadeia, embora soubesse que Carlos tinha dezoito anos. E se a filha ou o marido dela descobrisse? Isso destruiria sua família. Ela tinha que sair de lá.

"Oh meu Deus... oh merda... obrigado, Sra. Silva . Isso foi o melhor de todos. Olha, me dê alguns minutos e então eu irei satisfazê-la do jeito que você me satisfez."

Ela havia recuperado os sentidos e sabia que precisava agir rápido. Ela era a adulta aqui e iria assumir o comando.

"Carlos , o que aconteceu foi um erro", respondeu a Sra. Silva enquanto limpava o esperma do rosto. "Se você disser alguma coisa, eu negarei, e tenho certeza de que minha palavra será mais acreditada do que a sua. Agora saia do carro."

Carlos não conseguia acreditar no que estava ouvindo. Ela gostou de chupar seu pau tanto quanto ele gostou que ela fizesse isso com ele. Ela até teve um orgasmo usando os próprios dedos. E agora ela estava chamando isso de um erro. Algo estava errado.

"Olha, Sra. Silva , eu sei que você gostou de ter meus dedos em sua boceta e chupar meu pau. Você acha que isso foi um erro? Você está tentando me dizer que seu marido faz você sentir essas coisas? Bem, eu não acredito. Não acho que você realmente queira que eu vá embora.

Karen gostava dessas coisas e era verdade, o marido parou de satisfazer ela a algum tempo, mesmo quando trepavam,Ela sabia que Carlos poderia lhe dar a satisfação que ela tanto desejava, mas também sabia que isso estava completamente fora de questão. Ela voltaria aos dedos e vibradores.

"Saia, Carlos . Não vou perguntar de novo. Vamos fingir que isso nunca aconteceu."

Karen se inclinou e abriu a porta do passageiro. Carlos não se mexeu. Karen colocou as mãos no ombro dele e empurrou.

"Vá. Não faça cena."

Carlos estava furioso. A Sra. Silva não poderia simplesmente expulsá-lo como um cachorro. Não depois do que ele fez por ela. Ele agarrou a mão dela e dobrou os dedos para trás até que ela fez uma careta de dor. Com a outra mão ele agarrou o cabelo dela e puxou sua cabeça para trás. Seu rosto estava a centímetros do dela.

"Não faça isso consigo mesma, Sra. Silva . Não temos que jogar. Você sabe que quer meu pau em sua boceta. Isso vai acontecer de uma forma ou de outra, então você também pode aproveitar."

Agora Karen estava com medo. Ela não esperava esse tipo de reação de Carlos . Ela percebeu que precisava fugir rapidamente antes que ele a machucasse. Ela soltou a cabeça e mordeu-lhe o braço até que ele a soltou. Karen encontrou a maçaneta da porta e tentou sair do carro. Carlos agarrou a saia dela. Ela o sentiu se libertar de seu corpo quando caiu no chão ao lado do carro.

Karen começou a correr, mas só deu alguns passos antes que Carlos agarrasse seu braço e a puxasse para trás. Ele a jogou com força contra o carro. Karen estendeu os braços para amortecer o impacto. Carlos bateu atrás dela, torceu o braço dela atrás das costas, colocou a outra mão na nuca dela e bateu o rosto dela no capô.

"Sra. Silva , você está tornando isso difícil. Você não precisa ter vergonha de seus sentimentos. Você sabe que quer meu pau. Agora pare de lutar contra isso."

Karen mal conseguia se mover. Carlos desabotoou as calças e as deixou cair no chão. Ele arrancou-lhe as cuecas do corpo e pressionou a sua pila na fenda entre as nádegas dela. Já foi difícil. Karen sabia que estava prestes a ser fodida.

"Não, Carlos ... por favor. Eu tenho um marido. Não posso fazer isso. Por favor, pare. Não direi nada. Vamos apenas ir embora e esquecer que tudo isso aconteceu."

Carlos não respondeu ao apelo dela. Ele afastou os pés dela e posicionou a cabeça de seu pênis na entrada suculenta de sua boceta. Incapaz de se mover, Karen fechou os olhos e esperou que isso acontecesse. Carlos empurrou com força. A sua buceta ainda estava molhada do seu orgasmo e abriu-se facilmente para a sua carne dura até que foi completamente enterrada na sua vagina.

Karen tentou fingir que nada estava acontecendo. Ele poderia transar com ela, mas ela estava determinada a não responder. Seu corpo a traiu. Quando ela sentiu seu grande pau penetrar profundamente em sua boceta, Karen percebeu que ela tranzava assim há muito tempo... . Ele puxou para fora e bateu de volta em sua boceta. Um pequeno suspiro escapou de sua garganta. Sem pensar, ela inclinou a bunda no ar para que ele pudesse ir ainda mais fundo.

Carlos tirou a mão do pescoço dela, mas manteve o braço torcido atrás das costas enquanto continuava a enfiar seu pau em sua boceta quente. Ele olhou para baixo e viu o seu eixo duro, pingando sucos da sua buceta, deslizar para dentro e para fora entre as bochechas do seu rabo. Quando ela inclinou a bunda e empurrou seu pênis, ele começou a bater nela com mais força e mais rápido.

Karen podia sentir a pressão aumentando em sua barriga. Ela ia gozar. O pau batendo em sua boceta a estava deixando louca. Ela podia sentir suas bolas batendo contra seu clitóris. Sua respiração tornou-se cada vez mais irregular. Ela moveu sua bunda enquanto ele a fodia tentando puxar seu pau cada vez mais fundo. As palavras começaram a sair de sua boca.

"Foda-me... sim... foda-me com mais força... Deus, eu amo seu pau... ooooohhhhhh... foda-me..."

"Sim, querida... sua boceta é tão quente... vou te foder até você não aguentar."

Carlos soltou o braço dela e agarrou seu cabelo, jogando sua cabeça para trás. Ele bateu com a sua pika na buceta dela com tanta força que praticamente a levantou do chão. Ela estava gritando uma obscenidade após a outra. Ele agarrou seu peito e apertou seu mamilo com força. O corpo de Karen enrijeceu. Ela gritou. A buecat dela apertou-lhe a pika e jorrou uma inundação de sumo pelo seu pau e sobre os seus ovos.

Carlos girou seu corpo drenado para que ela ficasse de frente para ele e enfiou seu pau de volta em sua boceta pingando. Ele olhou para ela com os olhos vidrados e viu sua cabeça balançar cada vez que ele batia em seu corpo.

Karen estava possuída. Era como se uma mulher estranha e imprudente tivesse assumido o controle de seu corpo. Ela havia se tornado um animal. Ela não se cansava do pau desse jovem. A professora, a esposa e a mãe haviam desaparecido em segundo plano. Ela era sua prostituta, seu brinquedo.

Karen moveu um dedo até o clitóris. Ela podia sentir seu pênis deslizando para dentro e para fora de sua boceta. Ela olhou para ele com uma expressão selvagem nos olhos.

"Foda-me... faça-me gozar... ah, sim... com mais força... foda-me com mais força... enfie seu pau na minha boceta... aaaaaaahhhhhhh... oh porra... vvaaaaaiiiiii... "

Ela mordeu o lábio enquanto seus dedos esfregavam furiosamente seu clitóris. Ela envolveu uma perna em volta da coxa dele. Outra explosão estava a crescer na sua buceta. Ela enfiou dois dedos na boca e os chupou. Seus olhos nunca deixaram os de Carlos .

"Oh Deus, Sra. Silva ... sua boceta é tão quente... aaahhhhh sim... Deus, eu amo foder você..."

Carlos podia sentir o esperma se agitando em suas bolas. Suas mãos deslizaram até as bochechas de sua bunda e a levantaram do chão. Karen envolveu as coxas dele com as duas pernas e recostou-se no carro. Carlos deslizou o dedo médio entre suas bochechas até que ela encontrou o ponto apertado de seu cu. Ele pressionou até empurrar para dentro.

Karen nunca tinha deixado ninguém brincar com seu cu antes, mas ela estava muito chapada e fora de controle para fazer qualquer coisa além de se divertir. Ela podia sentir uma enorme explosão crescendo. Seus dedos esfregaram seu clitóris cada vez mais rápido. O dedo de Carlos empurrou mais fundo em sua bunda.

"Goze em mim, Carlos ... eu quero sentir seu esperma esguichando na minha boceta... ah, porra, sim... mexa na minha bunda... oooohhhhhhhh... eu vou gozar... oh Deus. .. aqui vem..."

Karen agarrou seu peito enquanto sua boceta apertava firmemente o pênis inchado de Carlos . Ela sentiu o esperma quente esguichar em sua boceta. Ela jogou a cabeça para trás. Um grito perfurou o ar ao redor deles. Mais esperma bombeado em sua boceta. Uma explosão começou em sua barriga e rasgou seu corpo. Sucos jorraram de sua boceta. Outra explosão a atingiu. A sua pila continuou a martelar-lhe a vulva e a pulverizar esperma na sua vagina pingante.

Ambos estavam esgotados. Carlos segurou-a com seu pau ainda enterrado em sua boceta até recuperar o fôlego. Ele finalmente a colocou no chão e vestiu as calças.

"Isso foi o melhor de todos, Sra. O. Preciso ir para casa, mas vejo você na aula. Talvez possamos fazer isso de novo amanhã à tarde."

Karen mal conseguia ficar de pé. Seus joelhos tremiam quando ela cambaleou de volta para a porta do carro. Suco de esperma e boceta escorria por suas pernas. Sua calcinha estava rasgada sem possibilidade de conserto e sua saia estava rasgada. Ela finalmente conseguiu enrolá-lo na cintura para que ficasse no lugar. Ela sentou-se no banco do motorista e procurou as chaves. Então ela desabou e chorou.

Karen estava se sentindo fraca e esgotada quando entrou cambaleando em casa depois de ser humilhada e fodida por seu aluno Carlos . Felizmente, ninguém estava por perto para ver seu vestido rasgado e sua aparência desgrenhada. Ela tomou banho por quase 45 minutos, vestiu uma camisola comprida e deitou na cama.

Karen tentou desesperadamente convencer-se de que tinha sentido total repulsa pela experiência, mas cada vez que pensava no pau duro de Carlos em sua boca ou no fundo de sua boceta, seu corpo respondia de maneiras que ela não conseguia controlar. Ela finalmente cedeu a esses impulsos e tocou sua boceta. Já estava pingando suco de boceta.

Imagens do pau de Carlos passaram por sua mente. Ela quase podia sentir sua língua deslizar pelas cristas e veias de sua carne dura, e provar seu esperma quando ele derramou em sua boca. Os seus dedos afundaram-se na sua xana e cavaram contra as paredes da sua buceta. Agora ele estava torcendo o braço dela e batendo seu rosto no capô do carro. Ela imaginou a sensação de seu pênis batendo em sua boceta enquanto seus dedos esfregavam seu clitóris.

Karen arqueou as costas e gritou. Uma explosão percorreu seu corpo. O suco de boceta jorrou sobre seus dedos e escorreu por sua bunda. Ela continuou a se contorcer contra os dedos até estremecer novamente com uma segunda onda de orgasmo.

Karen sofreu durante a noite tentando manter sua mente longe do pau de Carlos . Ela até tentou fazer com que o marido a fodesse, esperando que isso satisfizesse sua coceira, mas ele não estava com disposição. Ela finalmente levou um vibrador para o banheiro e se fodeu até atingir outro orgasmo enquanto revivia os acontecimentos da tarde em sua mente.

Ela ligou dizendo que estava doente pela manhã, sabendo que não poderia enfrentar Carlos . Ela elaborou um plano de como lidaria com ele. Ela ameaçava ir à polícia e mostrar seus hematomas. Ela diria a Carlos que havia guardado uma amostra de sêmen para provar que foi ele. Se ele se mantivesse afastado, ela iria desistir e esquecer o que aconteceu.

Carlos não ficou feliz com o fato de a Sra. Silva ter telefonado dizendo que estava doente. Ele estava ansioso por outra sessão de foda depois da escola. Ele localizou a filha dela, Katia, para descobrir a verdadeira história. Ela lhe contou que sua mãe não se sentiu bem quando voltou para casa e passou a maior parte da noite na cama. Carlos decidiu investigar sozinho.

Katia tinha treino na academia e o professor Silva ainda estava no trabalho e depois tambem iria malhar, então ele sabia que ela ficaria sozinha pelas próximas horas. Em vez de bater, ele decidiu entrar pela porta dos fundos e observar o que estava acontecendo. No momento certo ele se apresentaria.

Karen resistiu a brincar com sua boceta a maior parte do dia e tentou tirar Carlos da cabeça, mas foi um esforço inútil. Ela estava determinada a não se masturbar enquanto pensava no pau dele. Quando ela não conseguiu mais evitar as exigências de sua boceta, Karen tirou um filme pornô que havia escondido em seu armário. Era melhor gozar com isso do que pensar no pau de Carlos .

Carlos ouviu barulhos vindos do quarto de Karen. Ao se aproximar, ouviu gemidos e gritos de prazer. Parecia-lhe que a Sra. Silva estava envolvida em uma sessão de foda selvagem. Seu sangue começou a ferver. A Sra. Silva o estava traindo. Ele empurrou a porta.

Karen estava nua e de bruços na cama assistindo a tela da TV enquanto segurava um grande pau de plástico entre as pernas. Sua bunda e boceta bombeavam para cima e para baixo enquanto ela a empurrava para dentro e para fora de seu corpo. Na TV uma loira de peitos grandes estava sendo fodida na bucetinha e na boca ao mesmo tempo por dois paus enormes.

Ela não o viu a princípio. Carlos rapidamente tirou a roupa e foi até a cama para se juntar a ela. Karen estava tão interessada em sair que demorou alguns momentos para registrar que havia outra pessoa na sala. Quando ela percebeu que era Carlos , ele já estava na cama ao lado dela.

Karen entrou em pânico. Ela puxou o vibrador de sua boceta e bateu nele com força. De alguma forma, ela conseguiu se libertar do aperto dele e correr pela porta aberta. Ela ainda estava no corredor quando ele a pegou pelos pés. Ela caiu de cara no chão. Carlos estava de costas em um momento com seu pau duro enfiado na fenda de sua bunda. Ele puxou a cabeça dela pelos cabelos e colocou a boca perto da orelha dela.

"Onde diabos você pensa que está indo, Sra. Silva . Tivemos um encontro esta tarde. Você me deu um maldito vibrador. Como você acha que isso me faz sentir, Sra. Silva ? "

Ele colocou uma perna entre as dela e as separou com um chute. Karen lutou para se libertar, mas era inútil. Carlos era muito forte. Ele a agarrou pelos cabelos e puxou sua cabeça para trás. Seu pau duro preso entre as nádegas dela. Ele serrou para frente e para trás entre as duas esferas.

"Eu vou te foder, Sra. Silva . Podemos fazer isso da maneira mais fácil ou da maneira mais difícil."

Carlos levantou-se e puxou-a pelos cabelos. A Sra. Silva mordeu-o no braço, tirando sangue, e tentou correr. Carlos praticamente arrancou o braço dela e a jogou contra a parede para que ela ficasse de frente para ele. Sua mão disparou e agarrou seu pescoço, levantando-a na ponta dos pés e sufocando-a. Com a outra mão ele puxou a perna dela em volta dele.

Karen estava tentando desesperadamente tirar a mão dele de sua garganta quando sentiu seu pau sondando sua boceta. Uma fração de segundo depois, ele enfiou dentro dela. Ele puxou-o e bateu nela novamente. Lentamente, a pressão em sua garganta diminuiu e então ele retirou completamente a mão. A mão dele estava sentindo os seios dela e ele estava olhando nos olhos dela.

"Vá em frente e vá embora, Sra. Silva . Não vou impedi-la."

Ele bateu com o pau de volta na boceta dela, sacudindo a cabeça dela para cima e segurou-o ali, ainda olhando para ela com um sorriso malicioso no rosto. Karen sabia que era hora de escapar. Ele a estava desafiando. A verdade é que ela não queria escapar. Ela sentia falta da sensação de seu grande pau desde ontem, a última vez que ele estava entupido em sua boceta.

Lágrimas rolaram por suas bochechas quando ele puxou e bateu seu pênis de volta em seu corpo. Lentamente, os braços dela envolveram seus ombros. Carlos agarrou suas nádegas e levantou a Sra. Silva do chão. Ela envolveu as pernas ao redor dele e cravou os calcanhares em sua bunda enquanto seu pênis batia em seu corpo com ainda mais força. Um gemido alto escapou de sua garganta.

Mantendo-a suspensa no ar, Carlos começou a caminhar em direção ao quarto. Karen se levantou e bateu repetidamente com sua boceta no pau duro de Carlos . As bochechas de sua bunda ficaram pegajosas com sucos que vazaram de seu buraco de foda jorrando. Eles ricochetearam nas paredes e no batente da porta antes de finalmente entrarem cambaleando no quarto. Os gemidos e suspiros de Karen tornaram-se cada vez mais desesperados.

Carlos caiu de costas na cama segurando firmemente a bunda de sua professora para que seu pau ficasse embutido em sua boceta trêmula. O peso dela desceu sobre ele, conduzindo seu pênis ainda mais fundo em seu corpo. Ela gritou. Ela saltou para cima e para baixo em sua carne inchada, montando-o como um cavalo selvagem fora de controle.

"Oh Deus, sim... foda-me... com mais força... sim... sim... aaaahhhhh... ohhhhhh.."

Em um movimento rápido, Carlos a virou e empurrou os joelhos para trás, pelos ombros, conduzindo seu pênis direto para dentro de sua boceta e enfiando-o profundamente em sua barriga. As suas bolas bateram molhadas contra o seu cu enquanto os sucos continuavam a escorrer da sua vagina e a escorrer pela sua fenda. Suas mãos sufocaram seus seios, apertando-os com força e puxando seus mamilos.

Por um breve segundo, Karen percebeu que estava transando com outro homem na mesma cama em que dormiu com o marido. Não é um homem, um menino. Ela estava envergonhada e sabia que deveria parar com essa insanidade, mas a queimação em suas entranhas era grande demais. Mais uma vez ela havia se tornado uma prostituta e não se cansava do pau desse jovem. Ela estava completamente fora de controle enquanto seu enorme pau enchia repetidamente sua boceta apertada com sua carne deliciosa.

"Foda-me... foda-me... sim... Deus, eu amo seu pau... ah, porra... vou gozar... uh... uh... oh merda... UUUUNNNGGGHHHHH... AHHHHHHHHH..."

Uma inundação de suco de boceta jorrou de sua boceta recheada. Carlos podia sentir isso encharcando seu púbis e pingando de suas bolas. O suco de buceta escorreu por sua bunda e encharcou os lençóis abaixo dela. Carlos rapidamente saiu de sua boceta jorrando e subiu em seu corpo, montando em seus seios para que pudesse alimentá-la com sua carne pingando.

Karen ainda estava se recuperando da tremenda explosão que havia rasgado suas entranhas quando sentiu o penis pegajoso dele ser empurrado entre seus lábios. O sabor forte do suco de boceta encheu sua boca. A textura e o sabor do seu jovem pénis contra a língua dela excitaram-na quase tanto como fodeu a sua vagina. Ela começou a chupar, lamber e sorver agressivamente a carne saborosa que deslizava para dentro e para fora de sua boca.

"Oh merda... chupe, Sra. Silva ... sim... ah merda... é isso... mais profundo... ah merda... aaahhhhhhhhh..."

Karen deslizou pela cama até quase sentar. Carlos se moveu com ela e agarrou a parte de trás da cabeceira enquanto ela se agachava na frente dela e fodia seu pau dentro e fora de sua boca. Karen agarrou suas nádegas e guiou seus malditos movimentos. Ela o sentiu deslizar cada vez mais fundo em sua garganta a cada estocada. Ela queria provar seu esperma da pior maneira e senti-lo espirrar em seu rosto e seios.

"Oh Deus... oh merda... chupe... aaaahhhhh... Deus, você e a melhor em chupar pau... uuuuhhhhhh..."

Karen manteve a boca aberta enquanto Carlos martelava repetidamente com seu pau. Spit estava babando por toda parte. Estava pingando em fios de seu queixo e agarrado ao seu pau e bolas. Ocasionalmente, Carlos batia com o pau até a garganta dela e o segurava ali com o púbis emaranhado pressionado contra os lábios dela.

"Oh merda... eu vou gozar Sra. Silva ... eu vou gozar na sua boca... oh merda... oh Deus..."

Era o que ela estava esperando. A vagina dela estava a pingar de excitação pela sensação da sua pika a bater-lhe na boca e na garganta e ao pensamento do seu esperma a deslizar pela garganta abaixo e a salpicar-lhe na cara. Ela o sentiu inchar entre seus lábios e sabia que isso estava prestes a acontecer. Ela deslizou a mão por baixo da bunda dele e esfregou-a no escroto.

Carlos sentiu suas bolas incharem e depois encolherem enquanto o esperma subia por todo o comprimento de seu pênis, fazendo-o inchar entre os lábios dela. Ele empurrou sua boca e soltou um rugido alto. Seus dedos pressionaram contra seu escroto, aumentando a onda de creme quente que estava prestes a explodir de seu pênis.

Karen sentiu a primeira onda de esperma espesso espirrando no fundo de sua boca e escorrendo para sua garganta. Ela puxou seu pênis de sua boca no momento em que o segundo jato explodiu em seus lábios e em sua língua. Ela apontou o monstro para o rosto e fechou os olhos. O creme dele espirrou em seu nariz e em sua testa. Vários outros jorros pousaram em suas bochechas e em seus cabelos.

Karen o levou de volta à boca e chupou as últimas gotas de esperma de seu pau. Ela continuou lambendo e chupando até que ele começou a encolher. Carlos saiu da boca dela e caiu na cama, esgotado e satisfeito. A boceta de Karen precisava desesperadamente de mais. Ela olhou para o jovem deitado ao lado dela e sentiu uma breve pontada de culpa.

"Eu... eu vou ao banheiro me limpar."

"Claro, Sra. Silva . Estarei esperando. Não demorarei muito para ficar duro novamente."

Ela pegou a torneira de plástico da cama, foi até o banheiro e trancou a porta. Karen inclinou-se sobre a pia e olhou-se no espelho. O esperma ainda estava a pingar da sua cara para as suas mamas. Ela parecia uma vagabunda. Ela se sentia uma vagabunda. Ela queria ficar com nojo de si mesma, mas sua boceta estava pegando fogo.

Karen lambeu os lábios e provou o esperma de Carlos ainda babando em seu rosto. Ela abaixou o pau de plástico e esfregou-o nas dobras de sua boceta e em seu clitóris antes de enfiá-lo profundamente em seu buraco fumegante. Dois dedos da outra mão recolheram pedaços de gosma grossa por todo o rosto e seios e os levaram à boca.

Seu corpo enrijeceu. Ela chupou com força os dedos. Flashes de luz giraram em sua cabeça quando ela começou a tremer. Suas pernas ficaram bambas. A pressão em sua barriga não pôde ser contida. Ela mordeu os dedos no momento em que a explosão varreu seu corpo. Uma enxurrada de sucos jorrou de sua boceta e caiu no chão. O suco de boceta escorreu por suas coxas e cobriu seus dedos. Ela largou o pau de plástico e levou os dedos à boca, chupando-os enquanto seu corpo estremecia uma última vez.

Ela levou cerca de 30 segundos para se recuperar. Ela olhou novamente para o espelho, só que desta vez sentiu vergonha. Ela sabia que sua capacidade de resistir a Carlos estava ficando mais fraca. Ela o deixou ficar com ela em sua própria casa e na cama que ela dividia com o marido. E pior, ela aproveitou cada segundo. Lágrimas brotaram de seus olhos e escorreram por seu rosto, misturando-se com os restos de esperma que ainda restavam.

"Venha, Sra. Silva . Estou pronto para ir de novo. Acho que podemos dar mais uma ou duas boas trepadas antes que Katia ou o professor Silva cheguem em casa."

"Vá embora, Carlos . Meu marido estará em casa a qualquer minuto. Além disso, estou entrando no banho. Se você não for embora, vou ligar para a polícia. Tenho um celular aqui."

Karen estava blefando sobre o marido e o celular, mas esperava que isso fosse o suficiente para se livrar de Carlos . Seu silêncio a deixou nervosa. Ela ligou o chuveiro e encostou o ouvido na porta. Nada ainda. Karen presumiu que sua ameaça funcionou e que Carlos havia partido. Ela entrou no chuveiro fumegante e deixou a água quente correr por seu rosto e corpo.

Carlos tinha certeza de que ela estava mentindo sobre o marido. Ela estava tentando se livrar dele novamente depois de tudo que ele tinha feito por ela. O fato de ela ter ameaçado chamar a polícia o deixou furioso. Ele ouviu em silêncio na porta até que ela entrou no chuveiro. Carlos passou os dedos pelo batente da porta até encontrar a chave.

Segundos depois a porta estava aberta. Carlos entrou na sala fumegante e viu o corpo nu da Sra. Silva pela porta de vidro. Ela estava de costas para ele. Ela estava sob o bocal e deixava a água quente escorrer sobre sua cabeça e descer por seu corpo nu. Ela não o ouviu abrir a porta e entrar atrás dela.

O pau de Carlos ficou duro em segundos ao olhar para suas nádegas perfeitamente malhadas e arredondadas. Ele se aproximou até que eles estavam quase se tocando. Ele dobrou os joelhos e avançou até que a protuberância inchada e seu pau roçou a pele lisa que se dobrava na fenda de sua bunda.

Karen não percebeu o toque a princípio. Ela pensou que era a água escorrendo por seu corpo. Quando ele continuou a pressioná-la e separar suas nádegas, Karen estendeu a mão para trás dela, curiosa para saber por que a pressão da água era tão grande ali. Ela congelou quando seus dedos tocaram a dura haste de carne. Demorou um segundo para ela perceber o que estava tocando.

Antes que pudesse reagir, as mãos de Carlos envolveram seu corpo. Seu pênis preso entre as bochechas de sua bunda enquanto ele apertava seu corpo com mais força. Uma mão deslizou e esmagou seu seio. A outra moveu-se entre as pernas e segurou sua boceta inchada.

"Deixe-me ir. Meu marido está realmente voltando para casa. Ele vai chamar a polícia. Pare com isso agora, Carlos , ou você estará em apuros."

Karen lutou, mas Carlos era forte demais para ela se libertar. Ele a girou e bateu o rosto dela primeiro nos azulejos. O braço dele subiu em volta do pescoço dela, praticamente a estrangulando. Ela sentiu dois dedos empurrando sua boceta e seu pau duro deslizar para cima e para baixo entre as bochechas de sua bunda.

"Sra. Silva , seu marido não vai voltar para casa. Por que você continua brigando comigo depois de tudo que fiz por você? Você ama meu pau. Você implora por isso. Por que você está negando a si mesma, Sra. Silva ? Apenas aproveite isso."

Uma parte dela sabia que ele estava fazendo sentido. fazia tempo que ela tinha sido fodida com tanta força ou gozado tantas vezes em sua vida, nem mesmo em seus dias mais selvagens de faculdade, antes de conhecer seu marido. Seria tão fácil simplesmente deixar ir e deixá-lo fazer o que quisesse com ela. Mas ela não conseguiu. Ela era casada, tinha uma filha da mesma idade desse menino e ele era aluno dela. Ela não ia ceder a ele. Não dessa vez.

"Carlos , você já está em apuros. Eu disse à polícia que fui estuprada. Dei a eles minha saia rasgada, mas ainda tenho minha calcinha rasgada com seu sêmen por toda parte. Eu disse a eles que não vi o rosto dele, mas ele parecia familiar. Se você não sair agora, vou mandá-lo para a prisão por um longo tempo.

Estupro? Ela estava louca, pensou Carlos . Como poderia uma mulher que gritava “foda-me” repetidas vezes pensar que estava sendo estuprada? Carlos podia sentir seu sangue ferver. Ela realmente foi à polícia? Ele não achava isso. Ela estava blefando. Bem, policial ou não, ele daria a ela o que ela merecia.

"Sra. Silva , o que você diz me magoa muito. Achei que tínhamos algo especial. Vou deixá-la sozinha depois desta tarde, mas primeiro vou lhe dar algo especial para se lembrar de mim. Eu vou te foder na bunda."

Karen entrou em pânico. Ela nunca deixou ninguém fazer isso com ela, nem mesmo em seus tempos mais selvagens de faculdade e principalmente seu marido. Carlos colocou o dedo na bunda dela ontem quando a fodeu contra o carro. Ela se lembrou da pressão sendo intensa e, ela tinha que admitir, prazerosa, mas o pênis dele era enorme. Ela tinha certeza de que ele iria despedaçá-la e a dor seria insuportável.

Ela lutou desesperadamente para se libertar, chutando e se contorcendo. Os dentes dela morderam o braço dele, tirando sangue. Carlos apertou ainda mais o pescoço dela e levantou os pés do chão. Ele jogou o rosto dela pela porta e de bruços no chão de ladrilhos duros. Ela caiu com força com todo o peso de Carlos nas costas. A respiração foi forçada de seus pulmões. Sua mente ficou em branco enquanto ela lutava para respirar.

Seus corpos estavam metade dentro e metade fora do chuveiro. Carlos rapidamente ensaboou seu pênis e se enfiou entre as pernas dela. A luta dela tornou seu pênis ainda mais duro. Ele pressionou o botão saliente contra o esfíncter ensaboado e empurrou. Sua abertura apertada cedeu lentamente à pressão até que sua carne dura foi capaz de perfurar sua passagem escura.

Quando Karen abriu os olhos percebeu que havia uma pressão terrível em sua barriga. O pau inchado de Carlos estava profundamente em sua bunda. Não foi tanto que doeu, mas sim a pressão que fez com que suas entranhas parecessem que iriam explodir. Seu pênis deslizou para fora e bateu de volta em sua passagem apertada. Ela percebeu rapidamente que quando ela lutava, a pressão se transformava em dor, então ela relaxou e simplesmente deixou acontecer.

Karen podia sentir seu corpo respondendo mais uma vez à invasão indesejada. Suas fantasias de sexo forçado e sexo com seus alunos estavam se tornando realidade ao mesmo tempo. O pau de Carlos batendo em seu corpo era tudo o que ela sempre desejou, tudo o que seu marido não poderia lhe dar. Ela encontrou ainda mais prazer porque ele a estava penetrando em um lugar proibido onde nenhum homem jamais esteve.

Carlos sentiu sua professora inclinar a bunda no ar e empurrar contra ele, tentando forçar seu pênis ainda mais fundo em suas entranhas. Ele puxou a cabeça dela para trás pelos cabelos enquanto batia repetidamente com seu pênis em seu corpo. Ele mordeu com força o lóbulo da orelha dela, tirando sangue que lambeu com a língua. Karen soltou um suspiro que mais pareceu prazer do que dor.

"Isso foi por me morder no braço. Mas você adora, não é, Sra. Silva . Você ama meu pau na sua boceta, na sua boca e no seu cu. Você não precisa fingir comigo , Sra.

"Sim... sim... oh Deus, sim... eu amo seu pau... eu amo o jeito que ele me fode... oooohhhhh... oh Deus... foda-me na bunda... mais forte... oh porra... aaaaahhhhhh..."

Todo o corpo de Karen formigava com as repetidas pancadas que recebia da carne dura de seu jovem aluno. A pressão da sua pika empurrando-lhe o rabo para cima combinada com a pressão do orgasmo a ferver na sua barriga era quase insuportável. Ela sentiu a mão dele se mover entre suas pernas e os dedos empurrarem sua boceta gotejante.

No chão, Carlos viu o pau de borracha que ela usava para se foder. Ele agarrou-o e enfiou-o na boca dela. Seus dedos continuaram a cavar dentro de sua boceta fervente até que seus sucos cobriram toda a sua mão. Carlos substituiu os dedos pelo pau de borracha e enfiou-o até a boceta dela. Ele pegou seus dedos pegajosos e colocou-os em sua boca para que ela pudesse saborear seus próprios sucos.

Karen havia perdido todo o senso de controle. Entre a carne dura de Carlos batendo em sua bunda e o enorme pau de plástico enfiado em sua boceta, sua cabeça girava em redemoinhos de cores misturadas. Ela sugou avidamente o suco da boceta dos dedos enfiados em sua boca. Seus próprios dedos encontraram seu clitóris e esfregaram-no firmemente em círculos rápidos.

"Foda-me... foda-me... oh merda... oh Deus... eu vou gozar... sim... sim... UUUUUHHHHH... AAAAHHHHHHH..."

Todo o corpo de Karen enrijeceu e depois estremeceu e se debateu incontrolavelmente quando uma poderosa explosão abalou sua alma. Seus gritos perfuraram o ar. Sucos esguicharam de sua boceta por todo o chão. Assim como ela pensou que estava ganhando alguma aparência de controle, seu corpo estremeceu com outra série de espasmos.

"Oh merda, Sra. Silva ... oh Deus... eu não aguento mais... ooohhhhhh... vou gozar na sua bunda... ah merda... UUUUNNNGGGGGHHHHHHH..."

Karen ainda estava no auge do orgasmo quando sentiu a semente quente de Carlos enchendo suas entranhas. Ele continuou a bombeá-la cheia de esperma até que finalmente caiu de costas com a sua pila ainda enterrada no rabo dela. Karen estava quase inconsciente e respirando com dificuldade enquanto se deitava sobre os ladrilhos duros. O consolo de borracha estava pendurado na sua cona pingando.

Carlos finalmente puxou seu pau de seu cu cheio de esperma e viu um rio de creme escorrer e escorrer por sua boceta. Ele estava vestido e de pé sobre ela quando ela voltou à vida. O pênis de borracha caiu de sua boceta quando ela rolou no chão do banheiro e olhou para ele com olhos vidrados. A sua vagina ainda tremia devido ao seu orgasmo.

"Não se preocupe, Sra. Silva . Não vou incomodá-la mais. Você me magoou com toda a sua conversa sobre estupro e chamar a polícia. Tenho certeza de que sua filha ficará muito mais grata. Adeus, Sra. Silva ."

Karen voltou para o chuveiro que ainda estava ligado e sentou-se no chão, encostada na parede. O seu rabo estava dorido e o sabor do esperma de Carlos permaneceu na sua boca. Suas palavras ecoaram em sua mente. De repente, ela entrou em pânico ao pensar nesse monstro com a filha. Certamente Katia não estaria interessada nele, estaria?

Karen colocou as mãos no rosto e começou a chorar.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 44 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 64Seguidores: 166Seguindo: 21Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil genérica

Eita lasqueira !! Rs...mas um conto suuuper excitante...espero continuação...rs...👁

0 0
Foto de perfil de Kratos116

Parabéns pelo conto , muito bom. Mas chamo a sua atenção para alguns trechos que merecem uma revisão pois ou tem parágrafos de +,alguns trechos repete se o pronome Ele,usa " errado ,pois esse sinal de pontuação é quando vc cita o que alguém falou, faltou exclamação em algumas falas e também antes das falas dos personagens não tem o sinal de travessão,,( -,) que indica uma fala ..

Nesse trecho faltou o nome da prof { "Olá, Sra. O. Fui abandonado e não tenho como voltar para casa. Não é muito fora do seu caminho. Você se importaria de me ..}

Na frase : Havia algo em sua professora que Carlos os achava irresistível.( Retire o : os,". Assim a frase fãs sentido

0 0