Flagrei meu pai dando 3

Um conto erótico de Libriano Putinha
Categoria: Gay
Contém 1299 palavras
Data: 04/11/2023 10:43:50
Assuntos: Gay, Incesto, Orgia, Voyeur

Como eu disse no conto anterior, ver a vida sexual do meu pai se tornou um vicio, e ele parecia gostar de saber que eu estava vendo, pois me provocava.

Já tinha algumas semanas que descobri que meu pai, o comedor do bairro, era também uma putinha na mão dos machos da região, e cada vez mais eu ficava excitado ao pensar em ver meu pai sendo devorado por outros homens.

Em um final de semana surgiu uma oportunidade de ir para um sitio jogar futebol com os homens do bairro, como os pais levavam seus filhos, fui junto, e como vários colegas do bairro iam também, imaginei que seria bem divertido, mas a cabeça já a milhão pensando no que poderia ocorrer.

Logo fiquei decepcionado quando descobri que Luizão não ia por conta da gravidez de sua mulher, fiquei decepcionado pois já achei que ele ia dar um jeito de comer meu pai nesse sitio, mas fui mesmo assim, estava animado pela bagunça. No onibus eu ia ouvindo a conversa do meu pai com os outros homens, aquele jeitão dele de macho dominante, a maneira que ele falava qual mina que ele tinha pego e tudo isso era tão excitante, não dúvidada que ele pegava essas mulheres mesmo, mas o que ninguém sabia é que meu velho adorava levar uma vara no rabo, e rebolava igual uma putinha no cio.

Bom, chegamos no sitio, e como tinha piscina, já me juntei com meus moleques e ficamos na piscina brincando, enquanto os homens se concentravam no futebol, e assim foi quase o dia todo, até que notei que já tinha carne sendo assada para o churrasco, e os homens já bebiam e alguns até já entravam na piscina com seus filhos, então o futebol já tinha terminado, da piscina mesmo passei os olhos pelo lugar e nem sinal do meu pai, decidi investigar.

Naturalmente, meu primeiro pensamento foi ir vestiário, pois ele podia estar ainda no banho pós futebol, até manjei algumas rolas por lá, mas não o encontrei, meu coração e meu pau começaram a pulsar, pois entendi que em algum lugar daquele sitio meu pai estava sendo a putinha de algum macho alpha.

Rodei um pouco no lugar, e não achei nada, até pensei que ele tinha ido comprar bebida em algum mercado, até que eu cheguei numa trilha para corrida que tem no lugar, e pude ver que a distância, e bem escondido tinha uma placa de banheiro, fui direto para lá. O banheiro mais parecia um vestiário, por conta do tamanho, era muito grande e tinha diversos chuveiros e mictorios, tinha um corredor que levava para alguns bancos, e um outro corredor longo que levava para diversas cabines individuais, fiz o máximo de silêncio possível e fui procurando, quando eu já estava chegando na última cabine, que era maior por ser para deficientes, escutei aquele som clássico de saco batendo em bunda, e já fiquei durão, alguém de fato estava dando o cuzinho ali.

Entrei na cabine do lado, e olhei por baixo da porta, e vi meu pai sendo arrombado pelo seu Nelson, o dono do mercadinho, e o filho dele, Mauricio, que era um dos meus amigos.

Seu Nelson é um coroa parrudo, no estilo ursão, bem barbudo e com uma barriguinha de cerveja, já Mauricio seu filho, tinha mais ou menos a minha idade, magrinho, todo lisinho, contrastava bastante com seu pai, eram os dois bem diferentes e ambos mais altos que meu pai.

Meu pai estava com o rabo arreganhado para o Seu Nelson, que metia nele em um ritmo frenetico, por isso dava pra ouvir legal as bombadas que o cu do meu pai levava, e enquanto isso ele se acabava na rola do filho do Seu Nelson, Mauricio era um novinho pirocudo, sua rola era branquinha e cabeçuda, e ele alisava a cabeça do meu pai, forçando mais fundo o pau na garganta do meu velho, fiquei com ciúmes dele pois tinhamos quase a mesma idade, e ele estava dando de mamar para o meu pai, isso tudo enquanto o pai dele próprio comia o cuzinho do meu pai. Se era um homem que comia meu pai, tudo bem, mas um cara quase da minha idade fazendo isso me deixava muito enciumado, era o meu pai e não dele, era uma mistura de ciumes e tesão ao ver meu amigo dando de mamar para o meu pai.

Totalmente alheios ao meu ciúme e presença, o trio continuava sua sacanagem, seu Nelson grudou no quadril do meu pai, e falava o quão macio aquele cuzinho era, dizia que já estava alargado, lembro dele pedindo para meu pai piscar o cu, pois queria sentir a piscada.

Depois de algum tempo nessa meteção, seu Nelson virou para o filho e disse '' Quer comer um cuzinho Moleque? '' Mauricio concordou na hora, e parecia bem ansioso, Seu Nelson completou então com '' Então vem cá, que teu pai já alargou essa cuceta ''. Finalmente pude ver a rola do seu Nelson, não era grande mas era bem grossa, então não deve ter sido fácil para meu pai aguentar aquilo no cuzinho.

Sem qualquer cerimonia, Mauricio trocou de lugar com seu pai, e começou a meter no cuzinho do meu pai, que aceitou aquele pauzão de bom grado, meu pai deu um solavanco para frente, pois Mauricio colocou tudo de uma vez, mas Seu Nelson o segurou e impediu que ele fugisse da pica, e ficou empurrando a bunda do meu pai na direção do filho, como se oferecesse aquele cuzinho para o filho foder, ele abria a bunda do meu pai para o pau do próprio filho ir mais fundo.

Lembro do Seu Nelson perguntando para meu pai se a pica do filho estava gostosa, que ele tinha sentido a pica do pai, e agora sentia a do filho, meu pai por sua vez só conseguia gemer, e Mauricio por sua vez continuava a foder aquele cu que estava a sua disposição, e que cena linda, meu pai com aquelas coxas grandes e peludas, sendo devorado pelo novinho lisinho e pirocudo. Mauricio fez meu pai gemer como nunca, ele começou a tirar, e a colocar a rola de uma vez no rabo do meu pai, que aquela altura já parecia uma buceta de tão aberto que estava.

Mauricio então sentou no vaso, e meu pai sentou em seu colo, e engoliu aquela piroca com o cuzinho, pois foi desaparecendo lá dentro, a putinha do meu pai então começou a rebolar com a piroca lá dentro, pude ver seu pau balançando enquanto ele rebolava, a piroca dele bem dura, dava para ver que o velho gostava de dar o cu. Seu Nelson se aproveitou da situação, e batia punheta enquanto incentivava seu filho a comer o cuzinho do meu coroa, falando coisas do tipo '' É assim que se come um cu filho '' '' Bem melhor que buceta né ''

A gozada de Mauricio veio do nada, ele deu um gemido parecendo um touro, e quando meu pai levantou, pude ver a porra escorrendo, animado pela visão, Seu Nelson gemeu alto e gozou no peito de papai, ainda vi meu pai esporrar em seu próprio corpo com seu gozo de homem feito, pude ver porra naquele peito cabeludo, sua barba estava toda melada de porra também, gozei umas 3 vezes assistindo essa foda, e quando eles começaram a colocar as roupas, abri a porta devagar, e sai de fininho do banheiro para que ninguém me notasse, voltei para a piscina e disfarcei com meus amigos, e depois de alguns minutos vi os 3 chegando na piscina, e se integrando com todos os outros, Mauricio veio para nosso grupo e ficamos brincando na piscina juntos, ele sem saber que eu tinha acabado de ver ele devorando o rabo do meu pai.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 44 estrelas.
Incentive Vitor Sweet a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Vitor SweetVitor SweetContos: 13Seguidores: 36Seguindo: 0Mensagem @vitorsweet no tt

Comentários

Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

AH, SEU PAI SÓ VAI DAR PROS OUTROS E PRA VC NUNCA?????

1 0