Iniciando a esposa do amigo (parte 2 de 5)

Um conto erótico de Mauricio Nunes
Categoria: Grupal
Contém 1607 palavras
Data: 24/10/2023 08:47:55
Última revisão: 04/01/2024 09:29:21

Acordei bem disposto, tomei um banho gostoso, pensando na ótima noite que passei e como seria ótimo o final de semana com minha japonesinha deliciosa, desci para tomar café sem pressa, apenas curtindo uma manhã um pouco fria, mas ensolarada de inverno na região da Bela Vista em São Paulo. Mandei uma mensagem para Marcos, agradecendo o jantar e companhia dele na excelente “degustação” que fizemos. Ele respondeu com uma piscadinha e só isso.

Final de semana passou maravilhosamente, curti muito, voltei no domingo a tarde para minha casa na região de Campinas, e segui com as minhas atividades rotineiras, a noite no campus da Faculdade de Direito, algumas pautas de clientes durante o dia, e preparando algumas aulas de turmas finais de curso, e assim se passaram algumas semanas de uma vida tranquila e feliz, de um homem divorciado aos 50, com vontade de viver a vida livre, sem compromissos, leve e solto.

Um colega advogado me chamou para jogar tênis no domingo de manhã clube que frequentamos, jogamos duas partidas em dupla contra outros amigos, e no finalzinho eu tive uma entorse no tornozelo que doeu e inchou na hora. Voltei para casa, e fiquei colocando gelo e tomei um analgésico para aliviar a dor. O inchaço diminuiu, mas a dor ficou insistente por alguns dias e tive que usar uma muleta para aliviar o peso no tornozelo machucado. Já tinham se passados mais de dois meses, desde aquele encontro com Marcos, eis que ele me mandou mensagem, perguntando como eu estava e dizendo que na correria acabou esquecendo de responder à mensagem que enviei uns dias depois. Eu respondi que estava bem, tirando a dor da entorse, estava sobrevivendo. Ele respondeu rapidamente e me pediu para passar a tarde no consultório dele para ele dar uma olhada como bom médico ortopedista que é. Me passou o endereço e disse que deixaria agendado com a secretária o encaixe. Era pouco antes das 17 horas a consulta, cheguei na clínica no Cambuí, belíssimo prédio, uma clinica com várias especialidades. Informei meus dados para recepcionista, aguardei na recepção muito bem decorada, peguei uma revista de moda para folhear, não que me interesse pelo assunto, mas sempre tem alguma mulher ou homem bonito nas fotos. Estava folheando, quando passou na minha frente uma medica magra, com uma bunda redondinha, seios médios e lindíssima, indo falar com a recepcionista pedindo alguma coisa. Na volta, ela me olhou nos olhos e eu correspondi, nos conectamos, mulher maravilhosa, pena que uma aliança enorme no dedo anular, juntamente com um anel com uma pedra preciosa afastaria qualquer pretensão.

No mesmo instante o Dr Marcos saiu do consultório dele, e me chamou: “Dr João Carlos, vamos dar uma olhada nesse tornozelo? Vamos entre aqui”. Ele percebeu que eu estava admirando a medica que entrou na sala ao lado. Me levantei, apoiando na bengala, entrei no consultório, ele fechou a porta e me apertou a mão, demonstrando uma alegria contagiante. Perguntou como eu estava, e me pediu para sentar na maca, me ajudou a subir com um apoio, me sentei, tirei o sapato e meia, ele sentou-se em uma banqueta na minha frente, pegou meu pé e começou a mexer no tornozelo, fez alguns movimentos perguntando se doía, e concluiu dizendo que o entorse não era grave, deveria continuar fazendo gelo por mais uns dias, e prescreveu um anti-inflamatório e analgésico mais potente para tomar por cinco dia, se depois de duas semanas não melhorasse a dor, iria entrar com uma fisioterapia para fortalecimento. E sem eu esperar, ele pegou um creme e começou a passar no meu tornozelo e a massagear, apertando meus dedos e tendão, aquilo aqueceu e ficou leve e aliviou a dor imediatamente. Depois ele pegou minha meia e pôs no meu pé assim como meu sapato. Depois se levantou e me ajudou a descer. Voltou para mesa dele, e me indicou a poltrona para eu me sentar e começou a falar:

- Joca eu peço desculpas pelo sumiço, sou muito tímido e as vezes covarde em tudo que eu faço, sou muito medroso, porém o que fizemos naquela noite superou em muito tudo aquilo que eu desejava em termos de prazer com um amigo. E depois fiquei pensando e fui idiota de não manter contato contigo, até que criei coragem e fico muito feliz que tenha respondido e vindo aqui. E se me permite a indiscrição, eu gostaria de saber como foi aquele final de semana com a japonesa, fiquei curioso e com tesão de saber os detalhes. Não se preocupe, você é meu ultimo paciente, temos todo tempo do mundo.

Eu olhei para ele e sorri, dizendo que ele era um safado e putão. E comecei dizendo: No sábado de manhã liguei para Keila depois do café da manhã e fomos caminhar no Parque Villa Lobos. Peguei-a no apartamento dela, e ficamos no parque conversando, caminhando, fazendo alongamentos até quase as 13 horas, depois fomos almoçar no TGI Friday no Shopping Pátio Paulista, e seguimos para seu apartamento, onde chegamos e tomamos um banho na banheira enorme que ela possui. Ela mora numa cobertura maravilhosa, tem vista de grande parte da cidade de São Paulo, o edifício é antigo e bem alto, passou por reformas para atualizar a estrutura interna sem mexer na fachada datada dos anos 70. Trepamos muito na banheira, acho que ficamos umas duas horas fodendo e descansando na água quente, ela ficou mole de tanto gozar e eu de pau ardendo de tanto esfolar o cuzinho e a xoxota dela. Ela é uma delícia, fode muito! A noite saímos para jantar no Terraço Itália, voltamos para o apartamento e demos mais uma trepada gostosa até a 1 da manhã. Voltei para o hotel, pois somente o marido dela dorme com ela, eu respeito isso. No domingo fomos tomar um brunch no “Hey Daisy” em Pinheiros, depois fomos para um motel, dar aquele clima de safadeza gostosa, e ficamos trepando até quase o final do dia, levei ela no apartamento, e nos despedimos combinando uma nova oportunidade. Ah, no motel, ela fez uma chamada de vídeo para o marido e posicionou o celular de forma que ele assistiu todas as trepadas e na última, ela pediu para gozar na cara dela, próximo da câmera do celular, para o marido ver a porra escorrendo. Ela é super safada.

Marcos levantou-se da cadeira e abriu a zíper da calça mostrando o pau babando e duro feito aço. E disse: “Olha o que isso faz comigo, eu queria dividir minha mulher com você”. E me mostrou uma foto da esposa e me surpreendi, pois era a medica que troquei olhares na recepção.

Eu disse para ele que tinha que estar preparado para isso, pois se não estivesse, ele poderia destruir o casamento dele. Ele ainda com pau duro de fora, disse que queria sim, demais isso. E achava que a esposa também queria trepar com outro homem, só não admitia ainda. Fiquei olhando para ele de pau duro de fora e fiz a seguinte proposta:

- Marcos, vamos construir isso em conjunto, você vai me ajudar a conquistar sua mulher e juntos iremos dar esse prazer pra ela e pra você. Topa?

Ele imediatamente respondeu: “Sim, Joca, é tudo que eu quero. O que preciso fazer?”

Eu disse a ele, que estava com peso um pouco acima e queria emagrecer, baixar os 85kg para uns 78 kg, ele iria me apresentar a nutricionista da clínica, que era a esposa dele, conforme constatei pela placa de profissionais que visualizei o nome da Camila com o mesmo sobrenome que o dele. Que tal? Ele me olhou com brilhos nos olhos, me pediu para esperar um pouco, se arrumou, e saiu da sala, demorou uns 5 minutos e voltou com a esposa.

- Olá Joca, essa é minha esposa, Dra. Camila, já expliquei seu problema no tornozelo e o sobrepeso que você tem sentido, está fazendo diferença negativa quando pratica seu esporte preferido, o tênis. Ela está terminando uma consulta agora, e poderá lhe atender na sequência, se achar conveniente. Pedi com carinho, pois não é sempre que eu posso ajudar um amigo dos tempos de colégio, que fazia anos que não via, desde aquela noite de degustação de whisky, que comentei com ela naquele final de semana.

Me levantei, apoiando na bengala que estava usando, ela me olhou e estendeu a mão para cumprimentar. Ela achou engraçado a cena da bengala, eu ri e disse a ela: - “Os 50 anos me pesaram forte, entorse no tornozelo e uma barriguinha incômoda e uns quilinhos a mais”.

- “Dr João eu já lhe atendo, se puder aguardar um pouquinho só”. Ela me deu uma piscadinha e saiu. Que belo traseiro a Camilinha tem, pensei comigo. Assim que ela fechou a porta, eu comecei a desenhar um plano com o Marcos. – Seguiremos assim, vou para a consulta, tentarei o máximo me aproximar dela, e fazer o que ela pedir para melhorar meu corpo gordinho, afinal de contas realmente estou fora do peso, e você quando chegar em casa, vai seguir com a conversa de que éramos amigos do colégio, que eu pegava muitas meninas na escola, o terror das virgens, mas nunca comentou com você, quem eu pegava, sempre mantive discrição, mas a fama entre as meninas espalhou forte. Fale que fui casado e hoje só quero saber de farra e swing, deixa bem claro que frequento casas de swing para ela ficar pensando no assunto.

Continua...semana que vem a terceira parte.

Confira meu livros e contos no Amazon, gratuitamente para quem tem conta Amazon Prime:

https://www.amazon.com.br/Mauricio-Yacko/e/B0C958Y646/ref=aufs_dp_mata_dsk

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 36 estrelas.
Incentive MauriceYacko a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de MauriceYackoMauriceYackoContos: 57Seguidores: 78Seguindo: 6Mensagem Um homem em busca de sentido para os prazeres da vida. Submisso a um macho sedutor e provedor. Que este macho saiba desfrutar de sua "prenda"

Comentários

Foto de perfil de Kratos116

Como já disse no capítulo anterior,uma obra prima . Parabéns meu amigo!

0 0

Listas em que este conto está presente