Meu Judoca (Capítulo 12)

Um conto erótico de R. Valentin
Categoria: Gay
Contém 2229 palavras
Data: 22/10/2023 20:18:01
Assuntos: Amigo, Gay, Judô, segredo

Estamos de cueca, mesmo com o ar condicionado não sinto frio, pois meu corpo está sobre o de Mateus, sua pele aquece a minha, suas mãos passam pelas minhas coxas e entram na minha cueca apertando minha bunda com força, um gemido escapa da minha boca ao sentir seu dedo na minha entrada, mordo seus lábios de leve, meus olhos fechados me permito sentir todo o tesão que Mateus me faz sentir.

Ele beija meu pescoço depois é minha vez de sentir seu perfume amadeirado e delicioso, seu corpo rígido e forte mexe comigo, sinto seu pau duro roçando no meu, meu cuzinho piscando muito desejado pelo seu pau, quero ser preenchido por ele, quero meu namorado me arrombando gostoso e digo isso no ouvido dele, Mateus parece despertar e me vira invertendo nossas posições agora ele está por cima de mim e entre minhas pernas, nossos beijos são quentes, suas mãos percorrendo meu corpo, minhas unhas arranhando de leve suas costas, não tem como esse momento ficar melhor.

Mateus tira minha cueca e a dele, agora posso sentir seu pau roçando no meu, seguro os dois juntos e início um movimento de vai e vem, ele geme fechando os olhos e se permitindo sentir o mesmo que eu, é surreal nossa conexão, mesmo assim quero mais, quero sentir ele dentro de mim, solto seu pau e pego no seu peito para que ele me der espaço, me viro de costas para ele e sinto o peso do seu corpo cair sobre o meu, seu corpo forte e pesado, seu pau pressionando minha entrada, seu hálito quente na minha nuca, suas mãos fortes segurando as minhas.

— Quem é seu homem. — Ele pergunta em meu ouvido.

— Você, meu namorado é meu homem. — Respondo o mais safado que consigo, ergo meu quadril para sentir a cabeça do seu pau me invadindo, a dor é forte pois ele não lubrificou, mesmo assim estou amando.

— Você quer sem camisinha?

— Quero, me fode Mateus. — É só o que consigo dizer.

— Não vai precisar pedir de novo.

Ele pega o lubrificante na mesinha ao lado da cama, seus dedos lambuzam bem meu buraquinho, ele enfia dois dedos em mim, mordo o travesseiro para não gritar, de prazer e de dor, ele coloca seu pau no meu cuzinho apertadinho e deixa o peso do seu corpo ir pondo ele para dentro, seguro no colchão com força e mordo o travesseiro, o pau do Mateus está me rasgando, minha entrada arde, mas é a sensação mais gostosa do mundo, um misto e de emoções, estou dando pro Mateus, que é um puta de um gostoso fudedor, ele tem uma pica imensa e é essa rola gigante que está esfolando meu rabo agora.

Sinto sua virilha encontrando na minha bunda, meu quadril está levantado para facilitar a entrada do máximo possível, quero sentir meu namorado todo dentro de mim, cada movimento dele me causa dor e alegria ao mesmo tempo.

— Deixa ai para me acostumar um pouco. — Ele atende meu pedido e vem morder e beijar minhas costas.

Seu pau está me alargando, a dor vai dando espaço para o prazer e com isso dou carta branca para me foder do jeito que ele quer, Mateus me pôs de quatro, segurou meus quadris com força e soca fundo e de uma vez me fazendo ver estrelas, meus olhos estão revirando com a ele me fodendo com força, não consigo segurar meus gemidos, mesmo assim tento prender minha boca mordendo meu próprio lábio, mas não tem como não ficar louco com seu pau no meu cuzinho, ele bate na minha bunda me deixando ainda mais no clima.

As medidas dele foram ficando cada vez mais rápidas me deixando pirado de tesão.

— Quero te beijar. — Ele disse.

Fiquei de frango assando com minhas pernas apoiadas em seus ombros, seu pau foi ainda mais fundo e sua boca colocou na minha, nossas línguas se envolvendo enquanto seu pau entrar cada vez mais fundo em mim, meus olhos lacrimejavam, estava gemendo e chorando de tanto prazer, meu pau está completamente melado, estou chegando ao meu êxtase com Mateus em cima de mim, socando forte, depois de um tempo ele me segura mais com força e me ergue da cama, estou com meus braços em volta do seu pescoço e em seu colo, com seu pau entrando e saindo de mim, nunca pensei que faria uma posição como essa, mas é deliciosa, ele me coloca contra a parede para ter um apoio melhor, minhas prensas estão bambas.

— Vou gozar. — Ele fala urrando de prazer.

— Enche meu cuzinho de leite. — Falo beijando sua boca.

Ele se senta na cama e comigo sentado no seu colo de frente para e ele beijando sua boca sinto seu prazer quentinho inundando meu rabinho, cada jatada dele me preenchendo de rola e porra, vou explodir de tanto tesão, ficamos nos beijando e seu pau ainda dentro de mim, não amolece nem um pouco, seu fogo hoje está tão grande quanto o meu, saio de cima dele sentindo o vazio que sua rola deixou e sua porra escorrendo pela minha perna, mau consigo ficar em pé sem sua ajuda, minhas prensas esão fracas, vamos para o banheiro juntos e assim que entramos no box Mateus me põem contra a parede e volta a meter seu pau em mim, segurando minha cintura ele enfia seu pau de uma vez, estou choramingando de prazer , meus olhos fechados só consigo me concentrar no pau dele entrando e saindo de dentro de mim, ele morde meu pescoço, sua respiração está acelerada, ele mete sem pena e estou adorando esse lado mais selvagem dele.

— Você é meu, só meu. sou louco pelo seu cuzinho, quentinho e apertadinho. — Ele sussurra no meu ouvido.

— Me fode, esse rabo é seu meu namorado. — Ele fica louco.

— Me chama de namorado de novo.

— Come meu cuzinho namorado, vai me esfola todo.

— Puta que pariu, vou gozar de novo.

Ele ergue uma de minhas pernas para que seu pau entre ainda mais em mim, se ele não estivesse me segurando já teria caído, estou sem forças, tudo que consigo fazer é sentir prazer, meus pelos todos arrepiados, meus olhos chorando de prazer, minha respiração eufórica, ele estava mesmo querendo me comer hoje, quando sente que vai gozar, me pede para ficar de joelhos e me banha com seus jatos fortes de porra nem parece que já gozou bastante dentro de mim, estou me punhetando enquanto coloco seu pau gozado e ainda meia bomba na boca, ele se contorce pois está sencivel, mas não ligo e continou chupando seu pau, com seu pau e seu gosto na boca, me masturbo com força até gozar.

Fico no chão até que ele me ajude a levantar, nos beijamos por um tempo até começarmos a nos limpar, ele sai do banheiro antes de mim, pois preciso expeli sua porra que ainda está dentro de mim, quando saio ele está de bermuda e com uma blusa no ombro, segurando seu celular e sua carteira.

— Vai sair?

— Me deu uma baita fome agora, quer ir comigo atrás de algo para comer, ou quer esperar aqui? — Ele pergunta.

— Vamos juntos. — Me visto e saio com ele.

Seu pai está na sala vendo um filme, ele avisa que estamos indo atrás de algo para comer e o pai dele fica de olhar a Mel caso ela acorde, pegamos o carro e vamos na habib's que fica aberto 24 horas, amo as esfihas de lá e Mateus mesmo já tendo saído da dieta acaba pedindo umas também, é tão estranho ficar avontade com ele demonstrando afeto em público, ele não se importa com umas meninas provavelmente saídas de algum rolê nos encarando, e me beija sem nem uma excitação.

— Deveríamos ter pedido para viagem. — Falo.

— Porque, já quer voltar para cama? — Ele rir.

— É que tem gente nos olhando.

— E daí, eu só ligo para você, você não está pronto para se assumir? — Ele pergunta.

— Não sei, não tenho certeza.

— Tudo bem, Beto eu gosto muito de você, posso esperar pelo tempo que for, desde que estejamos juntos.

— Obrigado Mateus, Téo já sabe.

— Acho que Iuri não vai se importar também. — Ele fala, pois não sabe que até pouco tempo eu estava transando com Iuri também.

— Me deixa falar com ele, pode ser?

— Claro, o que meu namorado quiser. — Mateus fala piscando o olho para mim.

Umas das meninas que estava nos encarando se aproxima e fala com Mateus.

— Você é o Mateus, namorado da Amanda Pinheiro né?

— Ex, não estamos mais juntos há um tempo. — Ele responde de forma seca.

— Então é verdade que vocês terminaram porque você traiu ela?

— Quem é você garota, não lhe conheço para está falando com você sobre minhas intimidades, vocês podem dar o fora daqui por favor. — Ele responde sério e a menina se afasta, não sabia que Amanda tinha tantos fãs assim. — Sinto muito por isso. — Ele se desculpa comigo.

— Não é culpa sua, isso é coisa da Amanda.

— Vou ter que pedir a ela para parar com essas merdas de novo, quando ela vai me deixar em paz, já estou me cansando. — Seu telefone começa a tocar — E por falar no diabo. — Ele rejeita a chamada da sua ex.

Pegamos nosso pedido para viagem e levamos para casa, mesmo depois da situação chata que passamos estamos numa boa, Amanda tentou ligar de novo, mas ele rejeitou de novo, até eu estou ficando de saco cheia dessa mina, quando estamos quase chegando na casa dele ela ligou de novo, pela cara dele deu pra ver que ele já está puto, então sem ter tempo de pensar pego o celular dele e atendo.

— Finalmente, que porra é essa de você está levando esse viado para comer. — Ela já começou destilando seu veneno.

— Primeiro meu nome é Roberto e é melhor você aprender garota, segundo pare de ligar para o meu namorado porque ele não quer mais papo com você ok. — Meu sangue está a mil, Mateus está em silêncio dirigindo, ela levou um tempo até entender o que estava acontecendo.

— Cadê o Mateus, quem é você para atender o telefone dele. — Ela está desconcertada.

— Que você demora a entender as coisas agora que é surda eu não sabia, meu amor eu sou Roberto namorado do Mateus, se você continuar ligando para o meu homem ou perseguindo ele sua próxima live vai ser uma transmissão de ufc, entendeu agora querida ou quer ir pro gartic para mim desenhar para você? — Nem eu sabia de onde estava vindo isso.

— Eu eu.

— Boa noite Amanda. — Desliguei.

Começo a tremer, não devia ter atendido a ligação do celular dele, com certeza ele vai ficar puto comigo e com razão, ele está em silêncio prestando atenção no trânsito enquanto espero meu esporro, mas ele me olha e abre um sorriso gigante.

— Seu homem é? — Ele fala rindo.

— Nem sei o que me deu. — Que vergonha.

— As garotas que deram em cima de mim estão ferradas, porque tenho um leão como namorado. — Ele fala ainda rindo de mim.

— Não está chateado comigo? — Falo meio inseguro.

— Por isso, claro que não, meu namorado acabou de me assumir, não poderia estar mais feliz, e um pouco surpreso, não conhecia esse seu lado possessivo. — Ele fala tirando uma com minha cara.

— Melhor andar na linha Theus. — Falo entrando na brincadeira dele.

No quarto a minha adrenalina está a mil, vou para cima dele e acabamos a noite com ele metendo em mim de novo ali em pé comigo escorado na porta, nem deu tempo de tirar a roupa, depois comemos nossas esfihas e caímos no sono, dormi com o pau dele na minha mão e com meu rosto no peito dele, Mateus despertou um tesão em mim que nem eu conhecia, na manhã seguinte acordo junto com ele, vou banhar enquanto ele arruma a Mel para a creche, depois fico com ela enquanto toma a mamadeira e ele vai pro banho, quando Mel está quase acabando a Mãe do Mateus entra no quarto.

— Oh você está dando a mamadeira da Mel? — Ela abre um sorriso.

— Sim, pro Mateus poder tomar logo o banho.

— Obrigado filho.

— Pelo que? — Fico confuso.

— Por está na vida do meu filho. — Ela sorri e sai do quarto, não entendi bem, mas pelo jeito Amanda realmente não devia ajudar com a Mel.

Depois de comer um misto quente que ele fez para mim, saímos para deixar a Mel na creche e depois me deixar na escola, é estranho mais para mim parece que sempre tive Mateus e Mel nas minhas manhãs.

— Tá rindo de que?

— De nada. — Beijo ele e desço do carro.

Vejo Iuri, ele está sentado sozinho numa mesa, vou até onde ele está.

— Iuri, como você está?

— Falei com meu pai, abri o jogo com ele e ele disse que só minha mãe pode me dizer.

— Poxa cara que merda, como você está se sentindo com tudo isso?

— Eu quero ligar para ela, mas não estou com coragem.

— Vem. — Puxo ele pela mão e vamos para a quadra, lá tem umas mesas que dá para ficar sem ser visto pelo coordenador.

— Iuri, você tem que resolver isso, já que está te afetando.

— E se ela mentir — Ele está mesmo triste.

— Eu vou está aqui. — Seguro a mão dele, Iuri me encara e pega o celular.

— Vou ligar. — Ele fala discando o número.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 48 estrelas.
Incentive CanseideserRafa a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de CanseideserRafaCanseideserRafaContos: 205Seguidores: 161Seguindo: 2Mensagem rafavalentim.autor@gmail.com

Comentários

Foto de perfil genérica

Continua assim.esse conto maravilhoso.

0 0
Foto de perfil genérica

Será que Iuri irá se sentir traído ? Por você ter escolhido o Theus?

0 0
Foto de perfil genérica

ate que fim deu chega pra la nessa amanda.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Rafa. Esse capítulo cheio de sexo me fez gozar. Literalmente

0 0
Foto de perfil genérica

Tão fragilzinho: "...me fez gozar. Literalmente". Você passa o tempo todo duro, provocando, seduzindo, tirando onda, jogando toda sua lábia pra Rafa e pra o resto do mundo, fazendo-me ficar arrepiado e diz isso como se fosse um coitadinho que foi levado ao gozo pela primeira vez. Segura essa rola! Sei que Jota Jr não tem dono, mas quero conhecê-lo e...

0 0
Foto de perfil de Jota_

...e o que mais, Paulinho?? Hehehe

Acho que você tá com a imagem errada minha aqui viu, sou mó de boa, que isso! Quem fica provocando e seduzindo não sou eu não, é você...e não me procura 😡. Tortura isso aí

0 0