Chantageando uma esposa cristã pt4

Um conto erótico de Gabriel silva
Categoria: Heterossexual
Contém 3138 palavras
Data: 21/10/2023 12:45:06

Poucos meses se passaram, agora Leandro exige que Rosi esteja disponível com muito mais frequência durante a semana. Ela ia à casa dele duas vezes por semana, onde era espancada como uma prostituta barata. Ele enviaria uma mensagem para ela e ela teria que estar à sua porta dentro de uma hora. Ela fez o possível para passar bons momentos com os filhos, especialmente com o mais novo, Enzo. Ocasionalmente, Gabriel pedia sexo, se é que ele pode chamar assim. Na melhor das hipóteses, ele duraria pouco mais de dez minutos. Embora ela tenha notado que ele está durando um pouco mais desde que sua boceta ficou tão esticada que oferece um estímulo mínimo para o pauzinho franzino de Gabriel .

E se ele quiser ser honesto, Gabriel deveria ter notado que sua boceta foi completamente esticada e redimensionada. Rosi ficaria ali deitada como um peixe morto, sem saber se ele já colocou seu minúsculo pau dentro de sua buceta.

Chegou o domingo e, como sempre, toda a família foi junta à igreja. Rosi estava cantando naquele domingo. Ela parou de orar para que um milagre acontecesse. Ela sabia que não havia saída para isso. Ela só tinha que ver isso até o fim. Ela acredita que teve que sobreviver a isso pelo bem dos filhos.

Chegou quarta-feira e não havia nenhuma mensagem de Leandro . Ele normalmente mandava uma mensagem para ela vir a cada dois ou três dias da semana. Mas já é quarta-feira, mas nenhuma mensagem de texto ou telefonema. Rosi sentiu um pouco de alívio, pelo menos ela poderia descansar um pouco e passar mais algum tempo com seus filhos. Porém, com medo de que Leandro ficasse chateado e a ameaçasse de fazer algo pior.

Então ela mandou uma mensagem para ele:

"Ei, você precisa que eu vá hoje?"

Ela não teve resposta e então mandou uma mensagem novamente:

"Ei, você quer que eu vá hoje?"

Ainda sem resposta. Só para ter certeza, ela pensou em passar pela casa dele. O relógio marca 17h06 e ela foi até a casa dele. Quando ela chegou na casa dele, tocou a campainha, mas ninguém saiu. Ela podia ouvir alguém gemendo e rindo vagamente. Ela ligou novamente, duas vezes. Então finalmente Leandro abriu a porta. Leandro parecia confuso.

"Ei, mandei uma mensagem para você se precisar de mim aqui?" Ela disse.

Isso saiu errado, ela percebeu, ela poderia ter formulado melhor.

"Foda-se o que você está fazendo aqui, vadia?" Ele perguntou parecendo irritado. Sua resposta a confundiu. Ela percebeu como parecia agora que ela queria ir vê-lo.

Leandro está seminu, apenas de cueca boxer.

"Uhm..uhm.. eu...eu pensei....você...normalmente...me quereria aqui durante a semana....então...então...eu pensei...e ...você não respondeu minha mensagem.....” Rosi gaguejou, sem saber o que dizer. Ela não esperava que ele a negasse assim.

"Eu mandei uma mensagem para você vir?!?" Ele perguntou a ela.

"Eu liguei para você vir?!?" Ele perguntou a ela novamente, agora levantando a voz.

"Uhmm... não... você não... mas... tudo bem. Vou para casa agora então" Rosi respondeu. Ela se sentiu tão humilhada e se arrependeu de ter vindo.

"se eu não mandar mensagem, você não aparece aqui, Gabriel vagabunda ! Você me ouviu?!?" Leandro gritou com ela.

"Sim" Ela respondeu.

De repente, uma adolescente apareceu atrás dele.

"Quem é esse bebê?" Ela perguntou, envolvendo os braços em volta do corpo dele.

Ela é uma linda loira, pequena, tipo líder de torcida, olhos azuis e pele clara. Seu corpo estava em forma e firme. Rosi percebeu que a menina cuida de si mesma. Ela estava usando sutiã e calcinha. Ela não poderia ter mais de 19 anos.

"Ela não é ninguém, apenas uma velha dona de casa com tesão, vindo sem ser convidada" Ele retrucou.

"Vamos, amor, preciso de você de volta na cama!" Ela disse a ele.

Com isso ele bateu a porta na cara de Rosi . Ela se sentiu tão envergonhada e humilhada. Ela sentiu tanta raiva de si mesma. Por que ela se incomodou em vir. Poderia ser este o corpo dela desejando o prazer sexual que seu marido não pode proporcionar? Ela poderia realmente sentir falta do sexo violento?

A semana inteira acabou sendo Leandro livre. Ele não fez nenhum contato com Rosi . Gabriel e as crianças ficaram felizes por tê-la mais em casa. E ela está feliz por poder estar mais perto de Kelly e Enzo.

Na noite de sábado, Gabriel tentou fazer sexo com ela. A palavra-chave foi testada. Ele falhou, miseravelmente. Parecia uma cócega agora, mais do que nunca, sempre que ele estava dentro dela.

Contudo, Rosi notou uma transformação dentro dela. Ela está passando por abstinências. Ela está agora na segunda semana sem ver Leandro . A cada dia que passa, ela se sente cada vez mais frustrada sexualmente. Ela até tentou fazer sexo com Gabriel , mas sexo com ele não era nada comparado a Leandro . Ela se masturba a cada dois dias. Mal ela sabe, que tudo isso foi uma manobra de Leandro para agitar sua boceta. Ele sabia por experiência própria que não havia como o corpo dela aguentar sem desejar a foda animal crua que ele tem dado a ela nos últimos meses.

Duas semanas tornam-se três e três tornam-se quatro. Suas abstinências agora se transformaram em desejos e obsessões incontroláveis. Ela se masturbava duas a três vezes por dia. Sempre que ela está se masturbando, ela sempre repassa as sessões de foda violentas e brutais com Leandro . Como ele simplesmente a tomaria como um homem de verdade pega sua mulher e fode seu cérebro. Ela gozou forte todas as vezes.

Rosi fica muito mal-humorada e mal-humorada no trabalho e em casa. Ela recebeu uma reclamação de seus colegas sobre comportamento passivo-agressivo em questões triviais. Rosi também está consistentemente atrasada em seu trabalho. Ela acha difícil se concentrar.

Em casa, ela sentia pena principalmente das crianças, pois é injusto que elas tenham que ver a mamãe assim. Ela também está atrasada nas tarefas domésticas, o jantar em família envolve mais comida para viagem e pizzas do que a comida caseira da mamãe. O bom é que as crianças não reclamaram. Embora ela agora tenha mais tempo com a família, as crianças notaram que a mente da mamãe muitas vezes se dispersa.

Gabriel culpa sua carga de trabalho por isso, ele mal sabe que sua bela e devota esposa cristã está passando pela síndrome de abstinência do grande Pau negro. Nesse ínterim, Gabriel ficou muito grato pensando que Leandro decidiu que está entediado com Rosi e agora deixando sua esposa sozinha. Como isso poderia estar mais longe da verdade.

Rosi sentiu-se enojada consigo mesma e envergonhada. Ela nunca pensou que poderia chegar a esse ponto baixo. Os atos sexuais deveriam ser um resgate que ela teria que pagar pela estupidez de seu marido, que perdeu. Mas agora seu corpo desejava ser usado pelo garoto negro. Ela culpou o marido por tudo isso. Se ele não tivesse feito sexo com aquela adolescente, ela não teria que fazer sexo com Leandro e, portanto, não teria acabado querendo isso.

Ela passou mais um mês nesse transe, mas felizmente ela terá o batismo de Kelly no próximo domingo. Então, pelo menos ela tem um marco importante pelo qual pode esperar. Ela a levou à igreja na terça-feira para um recital junto com as outras crianças que serão batizadas naquele domingo.

Fora isso, a semana correu normalmente para Rosi até seu telefone tocar na manhã de domingo. Uma mensagem de texto de Leandro :

"Ei mamãe, venha até minha casa agora"

Seu coração parou quando ela viu a mensagem. De todos os momentos, depois de dois meses de silêncio, ele poderia escolher qualquer domingo, menos aquele.

Ela sentiu nojo de si mesma por sequer cogitar a ideia de escolher esse garoto negro em vez do batismo de sua filha. Ela contou a Gabriel sobre a mensagem e Gabriel , sendo um covarde que é, cedeu sem resistência.

"Ohh..ok... isso é lamentável... quero dizer... acho que não temos escolha, não é?" Gabriel respondeu.

“O batismo é às três, se você for agora, talvez ainda consiga ir?” Gabriel tentou ajudar sendo o marido maricas que ele é.

"talvez ." Ela disse, pensando em como o pai de seus dois filhos é tão fraco. Isso a fez pensar se ela queria que seus filhos fossem gerados por um homem tão fraco.

Com isso ela respondeu “Ok” para Leandro e se preparou. Ela não podia acreditar que seu coração disparou se preparando para ver Leandro . Ela escolheu uma lingerie preta rendada com fio dental preto, que ela sabia que era uma das favoritas dele.

Ela desceu e viu Kelly.

"Ei, querido, você está pronto para hoje?" Ela perguntou.

"Ei mãe, sim, estou. Onde você está indo?" Ela perguntou parecendo confusa.

“Ei, olhe, há um cliente muito importante querendo dar uma olhada nesta casa de alto padrão que estou colocando no mercado. Vai ser um grande negócio para mim e para a empresa. ou então volte. Não se preocupe, não vou perder, querido, estarei de volta antes do almoço. Rosi disse-lhe que sabia que isso não seria possível.

Quando ele transava com ela regularmente, ele passava de quatro a cinco horas batendo nela, com apenas pequenos intervalos entre eles. Ele não a vê há alguns meses, há uma boa chance de que isso possa se arrastar por muito mais tempo.

"Ok mãe, boa sorte com a venda hoje então!" Kelly respondeu.

"Obrigada, querida" Rosi beijou-a na cabeça.

Rosi pegou a chave do carro e partiu para Leandro . No caminho para lá, ela não conseguia acreditar como sua boceta estava encharcada. Ela disse a si mesma para se controlar quando o visse. Ela não queria que Leandro conhecesse seus verdadeiros sentimentos.

Ela finalmente chegou à casa dele e tocou a campainha. Leandro abriu a porta e sorriu para ela.

"Você sentiu minha falta, mãe? Entre" Ele disse sorrindo. Ele se afastou deixando a porta aberta.

Rosi entrou em sua casa. Pelo que ela lembra, estava bagunçado, fedorento e úmido. Ele se vira, desabotoou o cinto e baixou as calças. Lá estava. A cobra preta de 30 centimetros que seu corpo tanto desejava. O comprimento, a circunferência, as veias, a cabeça roxa e as grandes bolas pretas. Ficou orgulhoso. Orgulhoso como o dono desse pau magnífico.

Ela caiu de joelhos e não perdeu tempo babando e chupando seu pau. Rosi estava dando um boquete desleixado e desagradável naquele garoto negro atrás da porta da frente. Ele agarrou seu cabelo e forçou mais de seu pênis em sua garganta. Seu queixo agora está pingando saliva. Ele puxou a sua pila da boca dela e disse-lhe para o seguir até ao seu quarto.

Algumas horas se passaram e Gabriel tentou ligar para ela, mas ela não atendeu. Perto da hora do almoço, ela finalmente atendeu o telefone.

"Sim?" Rosi disse.

"Olá, querido, você vai demorar muito mais? Já é hora do almoço e não queremos nos atrasar para a igreja." Gabriel disse

"Não se preocupe, diga a Kelly que estarei....mmmpppffhhhh....mppfhhh....ahhhhhhhhhhhhh.....aí....ohhh foda-se!!...." então o telefone desliga desligado.

Ele poderia descobrir o que estava acontecendo. De repente, seu telefone toca. Era Rosi.

"O-olá?" Ele disse

"Ei, velho." Foi Leandro .

"Ouvi dizer que estão de parabéns pelo batismo da sua filha hoje?" Leandro disse.

Gabriel ficou surpreso ao receber o comentário não hostil dele. Ele podia ouvi-lo tentando recuperar o fôlego.

*squeakkk....phackkk.....squeakkk....phackkk.....squeakkk....phackkk.....squeakkk....phackkk.....

"ohhhhh......mmmffhhhh.....ahhhhh...oohhhhhhh......."

Gabriel também podia ouvir os rangidos da cama e o barulho de tapas ao fundo, seguidos pelos gemidos e uivos altos de uma mulher, que não era outra senão sua amada esposa.

"E-I..... obrigado LeandroSe você não se importa, hoje é um dia importante para nós, e ficaríamos muito gratos se ela pudesse ter sua mãe de volta esta tarde." Gabriel disse.

"Não posso prometer, mas vou tentar" Com isso ele desligou.

Leandro não estava tentando ser legal. Ele queria deixar Gabriel ouvir os gemidos de Rosi . Foi pura maldade.

Uma hora depois.

"Ohhhhhhhh....ahhhhhhhhh......ohhhhhhhh....ahhhhhhhhh......ohhhhhhhh....ahhhhhhhhh......" Rosi geme enquanto o monta com força, segurando a cabeceira da cama. Ele colocou os braços em volta da cintura dela. Onde ocasionalmente ela movia a cintura para frente e para trás para sentar em seu grande pau.

"Você é uma esposa safada?" Leandro perguntou a ela.

"Não...ohhhhh......eu sou...ahhhhhhh......não" Ela respondeu sem parar por um segundo, batendo sua boceta naquele pau grande e cheio de veias.

"Você é uma esposa tão safada, sua única filha está sendo batizada mas aqui mas ao invés de estar lá para ela, aqui está você na minha casa moendo sua bucetinha casada no meu pau preto!!! Hahahahah!!" Leandro riu.

"Nãooo...ohhhhh...isso não é...ahhhhh.....verdade... você.....ohhhh....fez.. ....ahhhhhhh....euohhhh porra.....para vir...aqui" Rosi tentou responder.

“Bem, se você me contasse, eu teria pedido para você vir outro dia” Leandro respondeu com um sorriso malicioso no rosto. Ele obviamente mentiu para ela.

"Não... ohhhhh... não... ahhhhh... faça... isso... ahhhhhh... para mim... .não ohhhhhh....vire isso......ahhhhhhh....ao redor......eu...tive...ohhhhh.....não...... escolha... ahhhh" Ela respondeu.

“Não, mãe, eu teria deixado você ir ao batismo dela, se soubesse” Leandro respondeu.

"Nãooo... ohhhhh... seu maldito mentiroso... aahhhhh" Rosi respondeu enquanto ela moía seu pau para frente e para trás com ainda mais força.

"Admita, você sentiu falta do meu pau dentro de você, não é? Você sentiu falta do jeito que ele rasga sua boceta apertada de casada. Aposto que você estava desejando isso, é por isso que você está aqui. Você nem tentou dizer não para mim quando eu disse para você vir", disse Leandro .

Ela se sentia tão suja, ele estava certo. A buceta dela está agora esta a agarrar a sua pika com ainda mais força. A ideia de montar no pau preto e gordo dessa criança, enquanto sua família está esperando por ela em casa para ir ao batismo de Kelly, parecia tão errada, mas a excitou ainda mais por algum motivo distorcido.

"Não... ohhhh... eu... não perca... ahhhhhh isso..." Rosi negou enquanto acelerava o passo.

"Não se atreva a mentir para mim, vadia!" Leandro levantou a voz. Ele pode sentir a boceta dela apertando com mais força.

Com isso ele segurou a cintura dela e enfiou seu pau com força em sua boceta, encontrando seu empurrão para baixo. Ele deu um golpe rápido e forte. Isso deixou Rosi fora de controle.

*Flack....fackkkfackkkfackkkfackkkFlack......

"Porra, admita!!! Você gosta do meu pau preto???!?" Leandro gritou com ela enquanto a fodia com mais força.

"Ohhhhhhhhh.... porra...... ohhhhhh Deus..... porra" Rosi geme.

Ela podia sentir isso, é isso. Ele a invadiu. No minuto em que ela sentiu seu grande pau preto dentro dela novamente, ela já estava derrotada. Os múltiplos orgasmos que ele lhe deu nas últimas horas foram mais que suficientes para finalmente se render. Ela sabia que não havia como sobreviver a outra longa abstinência de seu grande pau preto. A frustração foi pior com Leandro do que com Gabriel . Com Gabriel , ela não sabia o que não tinha. De qualquer maneira, Gabriel nunca teve muito a oferecer no quarto.

Mas Leandro era diferente. Ele poderia proporcionar a satisfação sexual da qual ela foi depravada durante sua vida de casada. Cara, ele pode entregar, ela pensou.

É hora de se render a esse garoto negro. Uma criança com metade da idade dela, apenas alguns anos mais velha que Kelly. Um garoto abençoado com um magnífico pau preto grosso e cheio de veias de 30 centímetros. É hora de admitir a submissão.

"Simmmmm... ohhhhhh. porra Deusddddd.....eu vou gozarmmmmmm!" Ela soltou um orgasmo massivo, sua boceta estourando como uma represa por todo o pau dele.

"Hahahaha... você sentiu falta do meu grande pau preto dentro de você, mãe?!?" Ele perguntou novamente tentando edificá-la.

"Simmmmm... ohhhhh...... simmmmm.... eu senti falta...... do seu...... grande pau negro kkkk..... ohhhhhh fodakkkk" Rosi respondeu tremendo de um enorme orgasmo.

"Diga-me o quanto você ama meu pau!!!" Leandro disse aumentando sua potência e velocidade.

“Aaahhhhhhh. " Rosi gritou.

Uma esposa cristã devota, uma cantora de igreja, porta-voz da Associação de Mulheres Cristãs, três vezes premiada como melhor vendedora de imóveis, agora está se submetendo ao garoto negro.

Enquanto isso, em casa, sua família está pronta para partir. Gabriel tem deixado mensagens de texto em seu telefone:

13h02: "Ei, querido, as crianças estão quase prontas, você vai chegar em casa logo?

13h56: "Ei, querido, as crianças estão prontas para ir. Você está longe?"

14h13: "Desculpe, querido, mas Kelly está ficando ansiosa, alguma chance de você contar a Leandro , só por hoje?"

14h41: "Desculpe querido, temos que ir agora, esperamos ver você na igreja? Vou guardar um lugar para você".

O telefone de Gabriel toca de repente. Uma mensagem de Rosi:

14h43: sim. Encontre-me lá.

Leandro finalmente terminou com ela, depois de gozar quatro vezes dentro de sua buceta e uma vez em seu rosto. Quando terminaram, Rosi beijou seu pau preto desleixado.

"No que você me transformou?" Rosi disse olhando para baixo, sentindo-se tão humilhada. Ele finalmente a conquistou.

"Eu te disse que é só uma questão de tempo, mãe... agora é melhor você ir, porque você disse que tinha que estar na igreja" Ele respondeu com um sorriso vitorioso.

"A menos que você queira ficar para mais disso?" Ele perguntou a ela enquanto segurava seu pau preto macio, mas ainda enorme.

"Não posso... tenho que ir... prometi à minha filha que estarei lá." Rosi respondeu, indicando-lhe que teria ficado mais tempo se não fosse por causa do batismo de Kelly.

Ele disse-lhe para deixar o fio dental para trás porque queria que ela fosse à igreja com o seu esperma a escorrer da sua rata espancada e inchada, mas satisfeita. Ela o obedeceu.

Ela então saiu para a igreja e conseguiu entrar no meio da cerimônia. Ele tinha o maior sorriso no rosto porque sabia que a havia conquistado. Ela agora é dele.

“A mamãe vai chegar logo? Já estamos atrasados”, disse Kelly. Ela não parecia muito feliz.

"Sim, querido, a mamãe estará aqui. Ela nos encontrará aqui. Ela pediu desculpas, a reunião foi arrastada." Ele disse a ela.

Cinco minutos antes de Kelly subir ao altar, Rosi chegou à igreja e rapidamente encontrou um lugar para sentar. Kelly ficou feliz porque a mamãe pôde comparecer quando a viu na congregação. Durante todo o tempo em que ela ficou sentada na igreja, sua boceta vomitou a porra de Leandro e acabou deixando uma mancha no assento da igreja. Ela beijou Kelly e deu-lhe um abraço caloroso quando terminou. Ela a beijou com os mesmos lábios que usou para envolver o grande pau preto de Leandro . Eles tiraram uma foto de família em frente ao altar enquanto a buceta dela não parava de escorrer o esperma pelas pernas.

Continua.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 53 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 71Seguidores: 171Seguindo: 22Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil de Kratos116

👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

0 0